EN | DE | PT Contato Como estudar Entrar Cadastrar

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!

Nervo mandibular

Este vídeo tem legendas em Português

Percurso e ramificações do ramo madibular do nervo trigémio.

Fantástico!
A sua primeira videoaula. Continue para o teste abaixo para solidificar o seu conhecimento.

Destaques

Transcrição

Olá pessoal! Bem-vindos a mais um tutorial de anatomia aqui no Kenhub. Meu nome é João e hoje nós vamos falar sobre um nervo - o nervo mandibular.

Bem, como eu mencionei, durante este tutorial nós vamos ver o nervo mandibular, seus ramos e algumas outras estruturas relacionadas. Nesta imagem da direita da sua tela, você pode ver o lado esquerdo do seu crânio com várias estruturas, muitos músculos e alguns nervos, claramente vistos em amarelo, sobre os quais nós vamos conversar.

Observe que o crânio está cortado aqui no osso zigomático e também aqui, na mandíbula, de forma que podemos ver outro corte que fizemos aqui, no osso parietal. Expondo um pouco esta estrutura aqui um pouco do tronco encefálico,
você verá aqui outra estrutura conhecida como nervo trigeminal, que vai se ramificar e dar origem no foco do nosso tutorial - o nervo mandibular.

Mas antes de começarmos a descrever o nervo mandibular, deixe-me antes te mostrar esse destaque, que é um dos doze nervos cranianos, chamado de nervo
trigêmeo - esta estrutura destacada em verde. E como você deve se lembrar dos nossos tutoriais prévios, este é um nervo misto, ou seja, possui tanto fibras motoras como sensitivas. Mas o que significa exatamente o nome trigêmeo?

Bem, tri - significa três ou “ter três”, o que neste caso significa que o nervo trigêmeo tem três ramos principais - o nervo oftálmico, o qual você vê um pouco aqui, o nervo maxilar, o qual você também vê um pouco aqui e o foco do nosso tutorial, que está aqui - o nervo mandibular.

Agora vamos dar uma olhada mais de perto nessa estrutura aqui, que está destacada em verde. Ela é conhecida como gânglio trigeminal. Bem, o gânglio trigeminal é um grupo de corpos celulares e se localiza dentro desta cavidade aqui, que eu estou te mostrando. E esta cavidade é conhecida como cavo trigeminal ou cavo de Meckel.

O gânglio trigeminal é um gânglio sensorial que contém os corpos celulares aferentes dos três ramos do nervo trigeminal. E esses ramos podem ser vistos aqui nesta imagem, de maneira um pouco mais clara, veja o nervo oftálmico ou o ramo oftálmico do nervo trigêmeo aqui.

Mais uma vez, aqui você vê o nervo maxilar e, o nosso foco neste tutorial - o nervo mandibular. Os nervos oftálmico e maxilar só possuem fibras sensoriais, enquanto o nervo mandibular possui tanto fibras sensoriais quanto motoras.

E como eu disse, nós vamos focar somente no nervo mandibular, mas se você quiser aprender mais sobre os outros nervos - o nervo oftálmico e o nervo maxilar - assista os outros tutoriais que temos aqui no Kenhub. Agora vamos ver o nervo mandibular em mais detalhes.

Como eu mencionei antes, o nervo mandibular possui tanto fibras sensoriais como fibras motoras e, por isso, ele é classificado como um nervo misto. Este nervo carrega fibras sensoriais do lábio inferior e queixo até as têmporas. Os ramos motores deste nervo vão inervar os músculos que ajudam você a mastigar, os músculos da mastigação.

O nervo mandibular é o maior ramo do nervo trigêmeo e se origina da parte mais baixa do gânglio trigeminal, logo antes de sair do crânio através de um forame conhecido como forame oval. Agora vamos falar sobre os diferentes ramos do nervo mandibular, começando com este aqui que nós vemos destacado em verde, que é conhecido como ramo meníngeo do nervo mandibular.

Logo antes de deixar o crânio - lembre-se que ele sai pelo forame oval - o nervo mandibular dá alguns ramos que suprem a dura-máter. Você pode ver aqui no nosso zoom que este é um ramo muito, muito pequeno. Ele surge da parte lateral do nervo mandibular, antes de entrar no crânio por um outro orifício conhecido como forame espinhoso.

E veja aqui nesta imagem este orifício sobre o qual acabei de falar - o forame espinhoso. E como você talvez já tenha percebido por esta imagem, você pode ver aqui destacada esta estrutura que está entrando no forame espinhoso junto com o nervo que acabamos de ver - o ramo meníngeo do nervo mandibular - e esta estrutura é conhecida como artéria meníngea média.

Então um detalhe sobre uma artéria que está entrando no forame espinhoso junto com este nervo. Só um pequeno detalhe, ela é um ramo da artéria maxilar e vai acompanhar o ramo meníngeo do nervo mandibular dentro do crânio para suprir com sangue a dura-máter.

Agora vamos voltar para o nervo mandibular, aqui destacado, pois eu vou adicionar uma informação: este nervo se divide em dois - um tronco anterior pequeno e um maior, um tronco posterior. Nesta imagem você pode ver um pouco
- o tronco anterior e o tronco posterior - e vamos começar olhando para essas estruturas ou ramos que surgem do ramo anterior do nervo mandibular.

Agora vemos este destacado em verde, que é conhecido como nervo temporal profundo posterior. Note aqui que a divisão anterior tem cinco ramos principais, quatro dos quais só carregam fibras motoras.

Este primeiro que estamos vendo - o nervo temporal profundo posterior - surge da divisão anterior e depois ascende posterior, como você pode ver aqui, ele subindo. Este nervo ascende posterior a este músculo aqui - o músculo pterigóideo lateral - e ele vai inervar o músculo temporal, como você pode ver aqui.

Bem, este é o músculo temporal cortado aqui na imagem para expor este nervo que vai inervá-lo - o Nervo temporal profundo posterior. Outro ramo que carrega apenas fibras sensitivas é este aqui destacado em verde - o nervo massetérico.

O nervo massetérico passa lateralmente atrás deste músculo que vemos aqui cortado - o músculo pterigóideo lateral - e a seguir desce até a incisura mandibular ou até a cruza, estrutura que, neste caso está cortada aqui, mas
atravessa a incisura mandibular. Olhando o nome do nervo você pode adivinhar
qual músculo ele vai inervar, será então o músculo masseter, que Você vê aqui nesta imagem, mas ele está um pouco cortado, como você pode ver, mas note como o nervo está em contato com o músculo.

E como você se lembra, ele é um dos músculos da mastigação. Outro ramo da divisão anterior é este aqui que você vê destacado em verde - o nervo pterigóideo lateral. Você pode ver que ele é bem pequeno e está inervando
ou apenas em contato, como você pode ver, com este músculo cortado aqui -
o músculo pterigóideo lateral.

E como você provavelmente já adivinhou, este músculo da mastigação será inervado por este nervo. O próximo ramo que vamos ver agora é este destacado em verde, conhecido como nervo temporal profundo - ou, para ser mais preciso,
nervo temporal profundo anterior.

Como você pode ver aqui nesta imagem, ele está também ascendendo e ele ascende logo depois ou anterior ao músculo pterigóideo lateral, o qual você pode ver aqui. E assim como seu companheiro posterior, que nós já te mostramos, o nervo temporal profundo anterior vai inervar este músculo aqui
- o músculo temporal.

Agora uma observação importante aqui é que este nervo pode se originar diretamente do tronco anterior ou pode se originar do nervo bucal. Nesta imagem você pode ver que ele está se originando do último.

E falando dele, vamos continuar e conversar sobre o nervo bucal. Bom, ele é o único ramo da divisão anterior que carrega tanto fibras motoras como sensitivas. Você pode ver aqui que o nervo está passando através das duas cabeças do músculo pterigóideo lateral e, em seguida, dá diferentes ramos
ao passar por este músculo.

Você pode ver aqui nesta imagem que o nervo então desce anterior ao pterigóideo lateral, antes de se dividir em alguns ramos. O nervo bucal carrega fibras sensoriais da pele sobre o músculo bucinador, que também está nesta imagem - você pode ver parte do músculo bucinador aqui.

E o nervo bucal também carrega fibras sensoriais da membrana mucosa bucal. E um detalhe bem importante que podem te perguntar durante suas provas é que o nervo bucal não tem fibras motoras para o músculo bucinador. O músculo bucinador é inervado pelo ramo bucal do nervo facial, também conhecido como nervo craniano 7°.

Agora nós vamos ver os nervos que surgem do tronco ou divisão posterior do nervo mandibular. O tronco posterior é muito maior do que o tronco anterior e carrega principalmente fibras sensoriais. Ele se divide em três nervos. O primeiro que vamos ver é este visto aqui destacado em verde - o nervo auriculotemporal.

E se você olhar um pouco mais de perto aqui, você verá que este nervo tem duas raízes que se originam de cada lado desta artéria que já mencionamos - a artéria meníngea média. Você pode até notar que elas circundam a artéria e depois disso, as duas raízes convergem e descem até a bochecha posterior.

E se você seguir o nervo de novo, você verá que ele cruza sobre a mandíbula, antes de ascender de novo atrás da articulação temporomandibular - esta articulação aqui - e então ele continua e se divide em vários ramos como o nervo para o meato acústico externo para a membrana timpânica, ramos para a glandula parótida e ramos que se anastomosam com o nervo facial.

O nervo auriculotemporal vai carregar fibras sensoriais da pele da têmpora, da aurícula do ouvido, do meato acústico externo e da membrana timpânica.
Não se esqueça também da glândula parótida. Agora nós vamos dar uma olhada no próximo ramo do tronco posterior - o nervo alveolar inferior.

O nervo alveolar inferior desce posterior - como você pode vê-lo atrás do músculo pterigóideo lateral - e então dá dois ramos bem grandes - o nervo milo-hióideo e nervo mentual - e alguns outros pequenos ramos que formam um plexo chamado de ramos dentais inferiores.

A terminação mais distal deste nervo continua por um pequeno curso como nervos incisivos. Nós vamos ver esses ramos aqui. Vamos começar com este aqui que você está vendo destacado em verde, nesta imagem. Este nervo é conhecido como nervo milo-hióideo.

Como você pode ver aqui nesta imagem, este nervo viaja inferior e profundamente até o ramo da mandíbula, que você também pode ver aqui, antes de se curvar para frente. Ele inerva o músculo milo-hióideo e o ventre anterior do músculo digástrico - dois músculos que você pode ver aqui nesta imagem.

Aqui, o ventre anterior do digástrico e o milo-hióideo logo atrás. Agora vamos voltar para esta imagem aqui - o destaque do nervo alveolar inferior - para e mostrar que depois de dar origem a este nervo aqui - o nervo milo-hióideo sobre o qual conversamos - ele entra do ramo da mandíbula pelo forame mandibular e segue para baixo e para frente através do canal mandibular.

Agora dentro da mandíbula, o nervo alveolar inferior origina esta estrutura ou esses ramos que você vê agora destacados em verde, que são conhecidos como ramos dentais inferiores. E você pode vê-los destacados aqui nesta imagem.

Esses ramos vão então formar um plexo e carregar fibras sensoriais do segundo pré-molar mandibular e do dente molar. Finalmente, depois de dar origem aos ramos dentais inferiores, o nervo alveolar inferior dá origem a um terceiro ramo conhecido como este aqui que você vê destacado em verde na imagem - o nervo mentual.

Este nervo sai da mandíbula através deste forame aqui, conhecido como forame mentual, e dá origem a vários pequenos ramos. O nervo mentual vai carregar fibras sensoriais do lábio inferior, da bochecha e da gengiva mandibular dos dentes anteriores e dos pré-molares.

É interessante notar que o nervo mentual às vezes é visível através da mucosa oral, adjacente às raízes dos dentes pré-molares. Agora antes de continuarmos nesta lista de nervos, eu só quero te mostrar de novo esta estrutura que eu destaquei nos slides anteriores, esta destacada aqui, pois ela é uma estrutura importante, ela é conhecida como o forame mentual.

Bem, este é um forame bem conhecido e é por isso que eu estou destacando-o neste tutorial, mas é por aqui que o nervo mentual vai sair da mandíbula, o que você pode ver claramente aqui em verde.

O forame mentual está normalmente alinhado com o segundo dente pré-molar, na maioria dos indivíuos. Depois que o nervo alveolar inferior dá origem ao nervo mentual, ele continua dentro da mandíbula e agora é normalmente conhecido como este aqui, destacado em verde, este é o nervo incisivo.

Este nervo carrega fibras sensoriais do canino mandibular e do dente incisivo. Seguindo, agora vamos dar uma olhada no terceiro e último ramo do tronco posterior do nervo mandibular. Este nervo é conhecido como nervo lingual.

O nervo lingual é um ramo sensorial principal do nervo mandibular e emerge do
tronco posterior, anterior ao nervo alveolar inferior e então desce posterior, como você pode ver aqui, logo posterior a este músculo - o músculo pterigóideo lateral.

Ele então passa atrás do ramo da mandíbula, antes de se curvar anteriormente. A parte mais distal do nervo lingual, que você vê agora destacada em verde nesta imagem, é conhecida como nervo sublingual. Bem, os nervos lingual e sublingual vão carregar fibras sensoriais da membrana mucosa dos dois-terços anteriores da línuga, da mucosa oral e da gengiva lingual, associada aos dentes inferiores.

Você pode ver até um pouco da língua aqui e o nervo conectado a ela. A inervação do terço posterior da língua é feita pelo nervo glossofaríngeo
ou nono par craniano. Abaixo do nervo lingual, existe um gânglio que é suspenso do nervo lingual por dois filamentos nervosos. Ele é conhecido como gânglio submandibular.

Você pode ver ele aqui suspenso do nervo lingual, sobre o qual nós falamos.
Este é um dos quatro gânglios simpáticos pareados da cabeça. O gânglio submandibular é o local de sinapse para fibras parassimpáticas e algumas
fibras simpáticas também passam por este gânglio, mas sem fazer sinapse nele.

Antes de completarmos este tutorial, eu só queria finalizá-lo com algumas notas clínicas que eu considero importantes e que estão relacionadas com o nervo mandibular e seus ramos. Durante os procedimentos cirúrgicos da mandíbula, a área do nervo mandibular normalmente é bloqueada, usando um procedimento conhecido como bloqueio do nervo mandibular.

Bem, isto vai resultar em anestesia das áreas inervadas pelo nervo mandibular, especialmente os dentes mandibulares ipsilaterais, os dois-terços
anteriores da língua, assoalho da boca e pele sobre a mandíbula inferior, região posterior da bochecha e área temporal.

A forma de fazer o bloqueio do nervo mandibular é injetando anestésico local ao redor da área do nervo mandibular. Procedimentos dentários, entretanto, usam um bloqueio de um nervo mais específico para conseguir anestesia dos seus dentes.

Procedimentos envolvendo os dentes inferiores ou mandibulares, vão usualmente serem feitos com bloqueio do nervo alveolar inferior, então um anestésico local será injetado próximo ao forame mandibular e usualmente resulta em bloqueio do nervo alveolar inferior e do nervo lingual, por difusão.

Bem, isto causa anestesia dos dentes mandibulares ipsilaterais, do lábio inferior, queixo e partes da língua. Agora que você acabou de completar este tutorial em vídeo, está na hora de você continuar sua experiência de aprendizado testando e aplicando seu conhecimento. Existem três caminhos para isso aqui no Kenhub.

O primeiro é clicando no botão “começar treinamento”, o segundo é navegar
na nossa biblioteca de artigos relacionados e o terceiro é checando nosso atlas.

Boa sorte a todos! Nos vemos em uma próxima vez!

Continue a sua aprendizagem

Faça teste

Leia artigos

Mostre mais 5 artigos

Navegue pelo atlas

Muito bem!

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!