EN | DE | PT Contato Como estudar Entrar Cadastrar

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!

Útero

Esta videoaula de momento está apenas disponível em inglês.

Anatomia e função do útero.

Fantástico!
A sua primeira videoaula. Continue para o teste abaixo para solidificar o seu conhecimento.

Destaques

Transcrição

De onde vieram os bebês? Essa é uma velha pergunta desconfortável que nossos pais odeiam ouvir. Eles podem ter ganhado tempo dizendo que encontraram você entre os repolhos, ou talvez tenham dito que você foi trazido por uma cegonha. Agora, é claro, nós entendemos um pouco melhor, mas o que você sabe sobre a verdadeira fábrica dos bebês? Fique por aqui para descobrir na nossa curta videoaula sobre o útero.

O útero localiza-se na cavidade pélvica das mulheres. Você pode tentar encontrá-lo nos homens, mas não vai conseguir. Ele é uma estrutura com paredes musculares espessas que fica na linha média, como nós podemos ver aqui na nossa imagem da cavidade abdômino-pélvica. O útero possui cerca de oito centímetros de comprimento, e possui a forma aproximada de uma pêra de cabeça para baixo. Se nós mudarmos de perspectiva de forma a vermos um corte sagital da cavidade abdômino-pélvica nós poderemos entender um pouco melhor a localização do útero e a sua relação com outras estruturas. Como nós podemos ver, o útero fica entre a bexiga e o reto, e é conectado à vagina inferiormente.

Muito bem, agora que nós nos familiarizamos com a localização do útero, vamos explorar um pouco da sua anatomia.

O útero pode ser dividido em quatro partes principais - o fundo, o corpo, o istmo e o colo. Vamos continuar e olhar cada uma em maiores detalhes, começando com o fundo. Como você pode ver aqui, o fundo fica no topo do útero, e é situado acima dos pontos de entrada das tubas uterinas. Continuando inferiormente nós temos o corpo do útero, que também é conhecido somente como corpo. Como nós podemos ver na nossa ilustração, a cavidade do corpo possui o formato de um triângulo invertido devido às suas conexões com o istmo e ambas as tubas uterinas. A implantação do blastocistos normalmente ocorre aqui.

Em seguida nós temos o istmo. O istmo possui cerca de um centímetro de comprimento, e, como você pode ver, é a parte afilada do útero, entre o corpo e o colo.

Finalmente, nós temos o colo, que conecta a cavidade uterina ao lúmen da vagina. O colo possui cerca de 2,5 centímetros de comprimento, e possui duas aberturas - o orifício interno, que se abre no útero e o orifício externo, que se abre na vagina.

Agora é hora de ver brevemente algumas estruturas associadas do útero. A primeira estrutura que nós vamos ver é o ligamento largo do útero, que é uma camada dupla de peritônio. Este ligamento conecta o útero às paredes laterais da pelve e contém as artérias uterina e ovariana. Em seguida nós temos a tuba uterina, que também é conhecida como tuba de Falópio. Nós temos duas tubas uterinas, através das quais os óvulos viajam desde os ovários até ao útero.

Muito bem, vamos continuar e olhar para o ovário, que produz e libera os óvulos. Como você pode ver, você também possui dois ovários. Eu mencionei antes que o útero se conecta à vagina inferiormente. A vagina serve como conduto para o sangue menstrual deixar o útero, acomoda o pênis durante a relação sexual e, durante o parto o bebê passa através da vagina para alcançar o ambiente externo. Como você pode ver, esta foi uma revisão muito breve das estruturas associadas, mas se você quiser saber mais, visite o nosso site para videoaulas mais profundas sobre estes assuntos.

Muito bem, então vamos continuar para o suprimento sanguíneo, inervação e drenagem linfática do útero. O útero é vascularizado pela artéria uterina, que nós podemos ver aqui destacada em verde, e pelo ramo uterino da artéria ovariana. O sangue venoso útero é drenado pela veia uterina.

Muito bem, então vamos continuar e falar sobre a inervação do útero. O suprimento simpático é derivado do plexo hipogástrico inferior, que nós vemos aqui destacado em verde, enquanto o suprimento parassimpático é derivado dos nervos esplâncnicos pélvicos.

Finalmente nós temos a drenagem linfática do útero. A linfa do corpo e do colo drena principalmente para os linfonodos ilíacos internos e externos, que nós podemos ver aqui destacados em verde. A linfa do fundo drena para os linfonodos para-aórticos.

É hora de continuar para o nosso próximo tópico, que é o das funções do útero. Uma vez que o blastocistos se implantou no corpo do útero, este realiza várias funções para ajudar no crescimento e desenvolvimento do bebê, ou feto. Primeiramente ele fornece proteção mecânica, impedindo qualquer dano físico ao feto. Ele também fornece suporte nutricional, que é essencial para o crescimento, e remove metabolitos tóxicos, mantendo o ambiente fetal limpo.

Eu mencionei anteriormente que o útero fica na cavidade pélvica; entretanto durante a gestação o útero se expande até a cavidade abdominal, conforme o bebê cresce. Quando o bebê está pronto, a parede muscular do útero se contrái e ajuda a empurrar o bebê para fora durante o parto. Se a fertilização do óvulo não ocorrer e não houver implantação do blastocisto, o útero vai eventualmente descamar seu revestimento interno, em um processo conhecido como menstruação.

Então agora que estamos sabendo tudo sobre o útero e suas funções, vamos para a clínica.

Nas notas clínicas de hoje nós vamos falar sobre um procedimento conhecido como histerectomia. Uma histerectomia é a remoção cirúrgica do útero, e existem vários tipos. Se todo o útero for removido, é uma histerectomia total. Se apenas uma parte do útero for removida, isto é chamado de histerectomia subtotal.

Às vezes os ovários e as tubas de Falópio também são removidos, o que é conhecido como histerectomia total e salpingo-ooforectomia bilateral. Esta cirurgia é um procedimento muito comum e possui várias indicações, incluindo malignidade reprodutiva, prolapso uterino, endometriose e hemorragias pós-parto volumosas.

Como qualquer cirurgia, uma histerectomia traz riscos de complicações, incluindo hemorragia, infecção, dor e complicações anestésicas gerais. Dependendo do tipo de procedimento a recuperação pode levar de seis a oito semanas após uma histerectomia.

Então isto nos trás ao fim de nossa breve videoaula sobre o útero.

Continue a sua aprendizagem

Assista mais videoaulas

Faça teste

Leia artigos

Mostre mais 2 artigos

Navegue pelo atlas

Muito bem!

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!