Conexão perdida. Por favor atualize a página.
Conectado
EN | DE | PT | ES Contato Como estudar Entrar Cadastrar
Pronto para aprender?
Selecione a sua ferramenta de estudo favorita

Vértebras lombares

As vértebras lombares são cinco vértebras localizadas na parte inferior da coluna vertebral, inferiormente às vértebras torácicas e superiormente à pelve e ao sacro. Como essas vértebras são as principais responsáveis por sustentar o peso e permitir os movimentos da metade superior do corpo, elas são logicamente as maiores vértebras da coluna vertebral.

Essas vértebras são caracterizadas pela ausência de forames nos seus processos transversos, bem como pela ausência de facetas nas faces laterais de seus corpos.

Informações importantes sobre as vértebras lombares
Visão geral 5 vértebras lombares (denominadas L1 a L5)
São as vértebras com maiores dimensões na coluna vertebral
Características anatômicas Corpo vertebral: grande, com largura maior do que altura. Superfícies superior e inferior achatadas ou levemente côncavas. Superfície posterior também côncava.
Arco vertebral:
formado por um par de pedículos e um par de lâminas que envolvem o forame vertebral
Processos/facetas articulares superiores e inferiores
: processos superiores com superfície côncava voltada medialmente e inferiores com superfície convexa voltada lateralmente.
Processos transversos
: longos e delgados
Processo espinhoso:
único, com orientação posterior e inferior e forma quadrilátera
Nervos A medula espinal se estende até a vértebra L2
Abaixo do nível de L2 é cauda equina
As raízes da cauda equina deixam o canal vertebral pelos forames intervertebrais
Músculos associados Músculo longuíssimo
Músculo espinal
Músculo multífido
Músculo intertransversário
Psoas maior
Clínica Espondilólise e espondilolistese
Herniação discal
Curvaturas espinais anormais

Este artigo discutirá as características anatômicas das vértebras lombares, além de algumas patologias, como a espondilólise, a espondilolistese, a herniação discal e as curvaturas anormais da coluna vertebral.

Para aprender as características das vértebras cervicais e torácicas confira as unidades de estudo abaixo:

Conteúdo
  1. Anatomia
    1. Características gerais
    2. Características específicas
  2. Nervos
  3. Músculos que afetam o funcionamento das vértebras lombares
  4. Notas clínicas
    1. Espondilólise e espondilolistese
    2. Herniação discal (hérnia de disco)
    3. Curvaturas anormais da espinha
  5. Referências
+ Mostrar todo

Antes de mergulhar na leitura aproveite nossa videoaula para se familiarizar com a coluna vertebral de forma mais rápida e eficiente:

Anatomia

Características gerais

Os seres humanos adultos possuem um total de 5 vértebras lombares, denominadas de L1 a L5. Elas estão localizadas entre o segmento torácico da coluna vertebral e o sacro. As vértebras lombares são as maiores vértebras da coluna, e essas maiores dimensões estão relacionadas à sua função de suportar todo o peso do corpo.

Os principais componentes anatômicos das vértebras lombares são:

  • Corpo vertebral
  • Arco vertebral
  • Processo espinhoso
  • Pedículos e lâminas
  • Forame vertebral
  • Processos/facetas articulares superiores e inferiores
  • Processos transversos

Para aprender ainda mais sobre os ossos do corpo, acesse nossa apostila de exercícios sobre o sistema esquelético.

Algumas características das vértebras lombares permitem distingui-las das vértebras cervicais e torácicas, como por exemplo seus robustos corpos vertebrais, seus processos espinhosos pontiagudos e quadrilaterais e a orientação oblíqua dos seus processos articulares (nas vértebras cervicais e torácicas os processos articulares são orientados horizontalmente).

Os corpos vertebrais das vértebras lombares possuem largura maior do que suas alturas. Suas superfícies superior e inferior são achatadas ou levemente côncavas, permitindo assim melhor acomodação dos discos intervertebrais.

Posteriormente aos corpos vertebrais são encontrados dois pedículos e um par de lâminas, que envolvem o forame vertebral e em conjunto formam o chamado arco vertebral. Os pedículos são fortes estruturas ósseas direcionadas posteriormente a partir do corpo vertebral, enquanto as lâminas se orientam medialmente, se unindo na linha média no aspecto mais posterior do arco vertebral. Os pedículos não são idênticos em todas as vértebras lombares. Os pedículos das vértebras mais inferiores são mais largos do que as inferiores: enquanto os pedículos de L1 têm largura de cerca de 9 mm, os de L5 podem chegar a 18 mm.

O forame vertebral é o orifício central do arco vertebral. No segmento lombar ele possui forma triangular e dimensões maiores do que nas vértebras torácicas, mas menores do que nas vértebras cervicais.

O arco vertebral oferece sustentação para sete processos: dois processos/facetas articulares superiores, dois processos/facetas articulares inferiores, dois processos transversos e um processo espinhoso.

Os processos articulares superiores e inferiores se projetam a partir do ponto de junção entre os pedículos e as lâminas. Os processos superiores têm superfície côncava, voltada medialmente, enquanto a superfície dos processos articulares inferiores é convexa e voltada lateralmente. Os processos articulares superiores de uma vértebra se articulam com os processos inferiores da vértebra imediatamente acima. Essa conformação anatômica permite resistência contra rotação da parte inferior da coluna e contra deslizamento anterior de uma vértebra sobre a vértebra inferior.

Os processos transversos lombares são mais longos e mais finos, se comparado às vértebras cervicais e torácicas. Assim como ocorre nos pedículos e nas lâminas, há diferenças morfológicas entre os processos transversos das vértebras lombares mais superiores e mais inferiores. Entre L1 e L3 os processos transversos possuem orientação mais horizontal, enquanto em L4 e L5 eles se inclinam mais superiormente. Além disso, entre L1 e L3 os processos transversos emergem das junções entre os pedículos e as lâminas, enquanto em L4 e L5 eles se originam mais anteriormente, a partir dos pedículos e das porções mais posteriores dos corpos vertebrais. Os processos transversos lombares são posicionados anteriormente aos processos articulares, ao contrário do que ocorre nas vértebras torácicas, onde se encontram posteriormente aos processos articulares. Assim, os processos transversos das vértebras lombares são estruturas homólogas às costelas, presentes no segmento torácico.

Vértebras lombares de um cadáver: Observe como as vértebras lombares possuem corpos vertebrais grandes, importantes no suporte do peso do corpo

Ao contrário dos processos que vimos até agora, que estão presentes em pares bilaterais, o processo espinhoso é um processo único, que se origina posteriormente a partir do ponto de convergência das duas lâminas no arco vertebral. A partir de sua origem, eles se direcionam posterior e inferiormente, servindo como ponto de fixação para músculos e ligamentos. No segmento lombar da coluna vertebral os processos espinhosos são pontiagudos e possuem formato quadrilateral.

Características específicas

A quinta vértebra lombar (L5) é significativamente diferente das demais vértebras desse segmento. Seu corpo possui formato em cunha, mais alto anteriormente do que posteriormente, permitindo articulação com as proeminências sacrovertebrais. Além disso, seu processo espinhoso é mais curto, a distância entre os processos articulares inferiores é maior e os processos transversos são mais espessos e curtos, o que também ocorre com seus pedículos.

Nervos

A medula espinal se estende até a vértebra L2. Abaixo do nível de L2, o canal espinal envolve um feixe de nervos conhecido como cauda equina, que chega inferiormente até os membros inferiores e os órgãos pélvicos.

Cauda equina em um cadáver

Ao longo do segmento lombar da coluna, as raízes da cauda equina deixam o canal vertebral através dos forames intervertebrais. As raízes de L1 deixam o canal vertebral nos forames intervertebrais entre L1 e L2, as raízes de L2 nos forames intervertebrais entre L2 e L3, e assim sucessivamente.

Músculos que afetam o funcionamento das vértebras lombares

  • Músculo longuíssimo – o longuíssimo, como o próprio nome sugere, é um longo músculo cuja origem se dá nos processos transversos e espinhosos das vértebras lombares. Sua função é estender a coluna vertebral, quando há contração bilateral, e dobrar a coluna lateralmente para o lado contraído, quando a contração é unilateral.
  • Músculo espinal – esse longo músculo é parte do complexo de músculos eretores da espinha, e atuam na manutenção da postura ereta.
  • Músculo multífido – esse é um longo músculo que cursa ao longo do dorso e funciona estabilizando e rotacionando a coluna lombar.
  • Músculo intertransversário – esse músculo é encontrado especificamente entre L1 e L5. Sua contração bilateral estabiliza e estende a coluna lombar, enquanto a contração unilateral dobra a coluna lombar lateralmente para o mesmo lado.
  • Psoas maior – esse músculo ajuda a dobrar o tronco lateralmente, e eleva o tronco na posição supina, se contraído bilateralmente.

Aproveite este momento para testar seus conhecimentos sobre as vértebras lombares:

Vértebras lombares - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Com quais você prefere aprender?

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

© Exceto expresso o contrário, todo o conteúdo, incluindo ilustrações, são propriedade exclusiva da Kenhub GmbH, e são protegidas por leis alemãs e internacionais de direitos autorais. Todos os direitos reservados.

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!