EN | DE | PT Contato Como estudar Entrar Cadastrar

Tipos de movimentos do corpo humano - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Cadastre-se para ter uma conta gratuita no Kenhub hoje e se junte a mais de 1.089.069 alunos de anatomia de sucesso.

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

Tipos de movimentos do corpo humano

Para compreender colegas estudantes de medicina e médicos, você precisa possuir um excelente conhecimento da linguagem anatômica. Isso pode simultaneamente ser uma benção e uma maldição. Se você vê o copo meio cheio, a linguagem é extremamente precisa e exata, não deixando margem para erros, interpretações equívocas ou falhas de comunicação. Se você vê o copo meio vazio, só existe um termo específico que pode descrever de maneira precisa uma estrutura, um movimento ou uma relação anatômica, o que significa que existem muitas palavras que você precisa aprender para se tornar fluente nessa linguagem.

Quase todo departamento de anatomia do mundo foca naturalmente seus recursos em ensinar aos estudantes os nomes e detalhes dos ossos, músculos, vasos, nervos, etc. Entretanto, os conceitos básicos de planos, relações e especialmente dos movimentos são passados rapidamente, talvez nos primeiros trinta minutos a uma hora. Planos e relações eventualmente são compreendidos pelos estudantes, porque eles são constantemente utilizados para se relacionar as estruturas anatômicas umas com as outras, mas os movimentos geralmente são esquecidos e pobremente entendidos.

Factos importantes
Flexão Dobrar
Extensão Esticar
Abdução Afastando-se do eixo de referência
Adução Aproximando-se do eixo de referência
Protrusão Para a frente
Retrusão Para trás
Elevação Superiormente ao eixo de referência
Depressão Inferiormente ao eixo de referência
Rotação lateral Afastando-se do plano medial
Rotação medial Aproximando-se do plano medial
Pronação Rotação medial do rádio
Supinação Rotação lateral do rádio
Circundução Combinação de: flexão, abdução, extensão e adução
Desvio Flexão ulnar (cubital) e radial
Oposição Aproximação dos dedos
Reposição Separação dos dedos
Inversão Lado plantar do pé em direção ao plano medial
Eversão Lado plantar do pé afastado do plano medial

Esse artigo irá trazer alguma luz sobre o assunto ao explicar os vários tipos de movimentos do corpo humano. Eles serão agrupados em pares de ‘ações antagonistas’ (ações que se opõem uma à outra), assim como certos grupos musculares.

Conceito de movimento

Sem entrar em explicações físicas complicadas e equações, os movimentos envolvem mover uma entidade do ponto A para o ponto B. O movimento é realizado ao redor de um eixo fixo ou fulcro, e possui uma direção.

Os movimentos anatômicos não são diferentes. Eles usualmente envolvem ossos ou partes do corpo se movendo ao redor de articulações fixas em relação aos eixos anatômicos principais (sagital, coronal, frontal, etc.) ou planos paralelos a estes.

Dessa forma, a organização dos movimentos anatômicos consiste dos seguintes (nem todos sendo exigidos para todos os tipos de movimentos):

  • Estruturas anatômicas envolvidas no movimento.
  • Eixos de referência ao redor dos quais o movimento ocorre.
  • Direção, que em anatomia geralmente é relacionada a um plano padrão, como o mediano, medial, sagital, frontal, etc.
Videoaula recomendada: Tipos de movimentos corporais
Aprende os diferentes tipos de movimentos do corpo Humano.

Flexão e Extensão

Os movimentos opositores de flexão e extensão acontecem na direção sagital, ao redor do eixo transverso. Flexão, ou “dobrar”, envolve reduzir o ângulo entre as duas entidades que participam do movimento (ossos ou partes do corpo). Em contraste, extensão, ou “esticar”, envolve aumentar o respectivo ângulo.

Joelho

Flexão e extensão do joelho consiste do seguinte:

  • Estruturas anatômicas: A tíbia da perna se move em relação ao fêmur da coxa.
  • Eixos de referência: O movimento ocorre no plano sagital. O eixo é fornecido pela articulação do joelho, através da qual passa o eixo transverso.
  • Direção: Durante a flexão a perna se move para trás (posteriormente). Durante a extensão, ela se move para a frente (anteriormente).

Cotovelo

Flexão e extensão da articulação do cotovelo pode ser descrita assim:

  • Estruturas anatômicas: O antebraço se move em relação ao braço. Mais precisamente, a ulna (o cúbito), um dos dois ossos do antebraço, se move em relação ao úmero, osso do braço.
  • Eixo de referência: O movimento se dá no plano sagital. O eixo é fornecido pela articulação do cotovelo, através da qual passa o eixo transverso.
  • Direção: Durante a flexão o antebraço se move para cima e se aproxima do braço, resultando em um ângulo reduzido entre os mesmos. Durante a extensão ele se estica, aumentando o ângulo em relação ao braço.

Ombro

Flexão e extensão do ombro ocorrem assim:

  • Estruturas anatômicas: O úmero do braço se move em relação à escápula (omoplata) da cintura escapular.
  • Eixos de referência: O movimento ocorre no plano sagital. O eixo é fornecido pela articulação do ombro, ou articulação glenoumeral, através da qual passa o eixo transverso.
  • Direção: Durante a flexão o braço se move anterior e superiormente (na flexão completa). Durante a extensão, ele se move posterior e inferiormente. Se uma amplitude de movimento completa for realizada, ela cria um arco ou semicírculo imaginário.

Pescoço

Flexão e extensão do pescoço ocorre no formato abaixo:

  • Estruturas anatômicas: O crânio e as vértebras cervicais se movem em relação às vértebras torácicas e à parte superior das costas.
  • Eixos de referência: O movimento acontece no plano sagital. O ‘eixo’ não é fixo, devido à anatomia e movimentação das vértebras cervicais, mas pode ser posicionado ao longo das vértebras torácicas superiores. O eixo transverso passa através das mesmas.
  • Direção: Durante a flexão, a cabeça e o pescoço se movem anterior e inferiormente (na flexão completa). Essencialmente, você fica olhando para baixo. Durante a extensão, ela se move posterior e levemente inferiormente.

Coluna vertebral

Flexão e extensão da coluna vertebral seguem o seguinte modelo de movimentação:

  • Estruturas anatômicas: A coluna vertebral se move em relação ao sacro e aos ossos do quadril.
  • Eixos de referência: O movimento se dá no plano sagital. Você pode imaginar o ‘eixo’ como sendo distribuído ao longo dos dois ossos do quadril e do sacro. O eixo transverso passa através deles.
  • Direção: Durante a flexão, quando você está se dobrando anteriormente, a coluna vertebral move-se anterior e inferiormente (na flexão completa). Durante a extensão ela se move posterior e ligeiramente inferiormente.

No mundo da anatomia, flexão do pé é chamada de flexão dorsal (dorsiflexão) ou flexão plantar. Ambos os movimentos acontecem na articulação do tornozelo.

Dorsiflexão significa a flexão do dorso (parte superior) do pé, ao se reduzir o ângulo entre o mesmo e a superfície anterior da perna. Ela acontece quando você levanta a parte da frente do seu pé enquanto mantém o seu calcanhar no chão.

Flexão plantar é a flexão da parte plantar (sola) do pé, movendo-a para baixo. Esse movimento acontece quando você se apoia na ponta do pé.

Abdução e Adução

Os movimentos de abdução e adução estão intimamente relacionados ao plano mediano. Ambos ocorrem geralmente no plano frontal e se dão ao redor do eixo anteroposterior.

Braços e Pernas

Os exemplos mais fáceis para se compreender a abdução e a adução são os braços e as pernas, que são muito semelhantes:

  • Estruturas anatômicas: O braço se move em relação ao tronco e ao ombro. A perna se move em relação ao quadril.
  • Eixos de referência: O movimento acontece no plano frontal. Você pode imaginar o ‘eixo’ como eixos que atravessam o ombro e o quadril, respectivamente, cada um seguindo em uma direção ântero-posterior.
  • Direção: Durante a abdução você está movendo o seu braço ou perna para longe do plano mediano. Durante a adução, você está movendo-os em direção ao plano mediano. Para imaginar esses movimentos, imagine uma criança pulando e balançando os braços empolgada para chamar a sua atenção.

Dedos

Os dedos das mãos e dos pés também são capazes de abdução e adução, mas de uma maneira mais específica. Os movimentos também se dão em relação ao plano medial, mas dessa vez o plano medial da palma da mão ou sola do pé, não do corpo.

  • Estruturas anatômicas: Os dedos se movem em relação ao terceiro dedo da mão ou ao segundo dedo do pé. Essas duas entidades representam os planos mediais.
  • Eixos de referência: O movimento pode se dar em múltiplos planos, dependendo da orientação da mão ou do pé.
  • Direção: Durante a abdução, você está movimentando os dedos para longe do terceiro dedo da mão ou segundo dedo do pé, e assim afastando-os em relação ao plano medial. Adução é o oposto – os dedos são trazidos para juntos uns dos outros.

Protrusão e Retrusão

Os movimentos de protrusão e retrusão acontecem no plano sagital. Eles também são relacionados ao eixo transverso, mas ao invés de somente movimentar ao redor dele, esses movimentos também ocorrem paralelos a ele.

Protrusão envolve um movimento reto em direção anterior.

Retrusão é o movimento oposto e envolve ir em direção posterior.

Estruturas anatômicas capazes de tais ações são a língua, o queixo (mandíbula) e os lábios.

Mandíbula

Protrusão e retrusão da mandíbula ocorrem da seguinte maneira:

  • Estruturas anatômicas: A mandíbula se movimenta em relação ao crânio visceral (fusão dos ossos do crânio formando a face).
  • Eixos de referência: O movimento ocorre no plano sagital e paralelo ao plano transverso.
  • Direção: Durante a protrusão, a mandíbula se move diretamente anteriormente. Durante a retrusão, ela se move diretamente posteriormente.

Tais movimentos são algumas vezes confundidos com protração e retração. Entretanto, esse último par possui um movimento adicional. Protração não é somente o movimento anterior, mas um movimento ântero-lateral. Isso significa que a estrutura se move anterior e lateralmente. De maneira semelhante, a retração também consiste de um movimento extra póstero-medial. A escápula (omoplata) é o exemplo padrão de estrutura que realiza os movimentos de protração e retração.

Depressão e Elevação

Enquanto a protrusão e retrusão movimentam uma estrutura anatômica para frente e para trás, a depressão e elevação movimentam elas para baixo (inferiormente) e para cima (superiormente), respectivamente.

Mandíbula

Na mandíbula, elas se dão como segue:

  • Estruturas anatômicas: A mandíbula se move em relação ao crânio visceral (fusão dos ossos do crânio formando a face).
  • Eixos de referência: O movimento acontece no plano frontal. Ele possui um ‘eixo’ devido à natureza da articulação temporomandibular, que é o plano transverso atravessando as duas respectivas articulações.
  • Direção: durante a depressão, a mandíbula se move diretamente inferiormente. Durante a elevação, ela se move diretamente superiormente. Você realiza esses dois movimentos quando você abre e fecha a sua boca durante a mastigação.

Rotação Lateral e Medial

A rotação acontece no plano transverso ao redor de um eixo súpero-inferior (longitudinal) que acontece em relação ao plano mediano. Rotação medial envolve trazer a estrutura anatômica para próximo do plano mediano, enquanto rotação lateral envolve movê-la para longe.

Apesar de muito semelhantes, a rotação é diferente da abdução e adução, devido aos planos em que os movimentos acontecem.

Muitas entidades anatômicas participam da rotação, mas alguns exemplos são dados abaixo.

Cabeça

  • Estruturas anatômicas: A cabeça gira em relação ao tronco.
  • Eixos de referência: O movimento acontece no plano transverso. O ‘eixo’ é o eixo longitudinal passando de cima para baixo através da coluna vertebral e do topo da cabeça.
  • Direção: Esses dois movimentos acontecem ao se modificar a posição para qual o nariz aponta. Virar sua cabeça lateralmente corresponde à rotação lateral, enquanto virá-la de volta para se olhar para a frente corresponde à rotação medial.

Braços e pernas

  • Estruturas anatômicas: A superfície anterior do braço e da perna gira em relação ao tronco.
  • Eixos de referência: O movimento ocorre no plano transverso. O ‘eixo’ é o eixo longitudinal, passando de cima abaixo através do próprio braço e da própria perna.
  • Direção: Esses dois movimentos ocorrem ao se modificar a posição de suas superfícies anteriores. Ao trazer o seu músculo bíceps/vasto em direção à linha média, você estará rodando-os medialmente. Se você orientá-los em uma direção oposta, você estará rodando-os lateralmente. Por exemplo, se você está segurando um bebê recém-nascido, seus braços estão rodados medialmente.

Pronação e Supinação

Estritamente falando, pronação e supinação são considerados dois tipos especiais de rotação. Eles são restritos ao antebraço e envolvem o rádio dobrando-se sobre a ulna (cúbito). O movimento é organizado conforme segue:

  • Estruturas anatômicas: A parte distal do rádio roda sobre a ulna (cúbito). Sua parte proximal roda sobre seu eixo.
  • Eixos de referência: O movimento ocorre no plano transverso. O ‘eixo’ é o eixo longitudinal, passando através da ulna (cúbito).
  • Direção: Supinação é a rotação lateral do rádio, resultando com a palma da mão virada anteriormente (se vista na posição anatômica) ou superiormente (se o cotovelo estiver flexionado). Em contraste, a pronação é a rotação medial do rádio, com a palma terminando nas direções opostas comparadas à supinação. Você está supinando e pronando quando você segura uma tigela de sopa e quando você a esvazia, respectivamente.

Circundução

Circundução é um tipo especial de movimento que na verdade é a combinação de muitos outros. O movimento geral se inicia com flexão, seguida de abdução, extensão e finalmente adução. A ordem deve ser sequencial mas pode se iniciar tanto da flexão quanto da adução. O resultado é um movimento circular. Devido aos múltiplos movimentos, a circundução é restrita às articulações do tipo bola-e-soquete (esferoide), como a articulação do ombro e do quadril.

Circundução do membro superior - vista anterior

Desvio

Desvio é um tipo especial de movimento que é restrito à articulação do punho. O movimento ocorre em um plano longitudinal ao longo do punho, relativo ao eixo passando de palmar para dorsal através do punho. Ele ocorre conforme segue:

  • Estruturas anatômicas: Os ossos do carpo se movem em relação ao rádio.
  • Eixos de referência: O movimento é no plano longitudinal, ao longo do punho. O ‘eixo’ é o eixo que vai de palmar para dorsal, passando ao longo do osso capitato (grande osso) do carpo. A articulação permitindo o movimento é a articulação radiocarpal.
  • Direção: Desvio radial envolve o movimento do punho em direção ao lado do polegar. Desvio ulnar (cubital) consiste na movimentação do punho em direção ao lado do dedo mínimo (quinto dedo). Como o ângulo entre a mão e o antebraço é reduzido, o desvio pode ser chamado de flexão radial ou ulnar (cubital).

Oposição e Reposição

Esses dois movimentos estão restritos aos dedos da mão. Essencialmente, eles envolvem movimentos de pinça, como quando se espalha uma pitada de sal sobre a comida ou se estala os dedos. Anatomicamente falando, a oposição envolve tocar a ponta de um dos seus dedos com o polegar da mesma mão. Reposição é o oposto, que consiste em separar os dedos.

Inversão e Eversão

Os movimentos antagonísticos de inversão e eversão acontecem em relação à linha mediana e são específicos do pé. Na eversão, a face plantar do pé se move para longe do plano mediano, de forma que ela gira lateralmente. Na inversão, a face plantar se move em direção ao plano mediano, resultando em um giro medial.

Hiperflexão e Hiperextensão

Hiperflexão e hiperextensão são movimentos exagerados, além do normal permitido por uma articulação. Isso pode acontecer nos membros ou na coluna vertebral, e pode resultar em uma rutura, dano ou luxação de ligamentos.

A hiperextensão da coluna vertebral, que pode acontecer durante súbitas acelerações ou desacelerações, é particularmente perigosa. A hiperextensão da parte cervical da coluna pode resultar em uma lesão em chicoteamento, e pode ser uma ameaça potencial à integridade da medula espinhal.

Tipos de movimentos do corpo humano - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Cadastre-se para ter uma conta gratuita no Kenhub hoje e se junte a mais de 1.089.069 alunos de anatomia de sucesso.

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

Mostrar referências

Referências:

  • K. L. Moore, A. F. Dalley, A. M. R. Agur: Clinically Oriented Anatomy, 7th  edition, Lippincott Williams & Wilkins 

Artigo, revisão e layout:

  • Adrian Rad
  • Francesca Salvador

Ilustrações:

  • Flexão do pescoço – vista lateral direita - Paul Kim
  • Flexão do ombro – vista lateral direita - Paul Kim
  • Flexão da coluna vertebral – vista lateral direita - Paul Kim
  • Flexão do joelho – vista lateral direita - Paul Kim
  • Flexão plantar do pé – vista lateral direita - Paul Kim
  • Flexão lateral do pescoço - vista ventral - Paul Kim
  • Flexão lateral da coluna - vista ventral - Paul Kim
  • Extensão do pescoço – vista lateral direita - Paul Kim
  • Extensão do ombro – vista lateral direita - Paul Kim
  • Extensão da coluna vertebral – vista lateral direita - Paul Kim
  • Extensão do joelho – vista lateral direita - Paul Kim 
  • Dorsiflexão do pé – vista lateral direita - Paul Kim
  • Abdução do braço - vista ventral - Paul Kim
  • Abdução dos dedos - vista ventral - Paul Kim
  • Abdução da perna - vista ventral - Paul Kim
  • Adução do braço - vista ventral - Paul Kim
  • Adução dos dedos - vista ventral - Paul Kim
  • Adução da perna - vista ventral - Paul Kim
  • Elevação da mandíbula – vista lateral direita - Paul Kim
  • Depressão da mandíbula – vista lateral direita - Paul Kim
  • Pronação do antebraço - vista ventral - Paul Kim
  • Supinação do antebraço - vista ventral - Paul Kim
  • Circundução do membro superior - vista ventral - Paul Kim
  • Desvio radial - vista ventral - Paul Kim
  • Desvio ulnar - vista ventral - Paul Kim
  • Oposição do polegar - vista ventral - Paul Kim
  • Reposição do polegar - vista ventral - Paul Kim
  • Inversão do pé - vista ventral - Paul Kim
  • Eversão do pé - vista ventral - Paul Kim
  • Plano coronal - vista coronal - Irina Münstermann
  • Plano sagital - vista sagital - Irina Münstermann
  • Rotação da cabeça - vista ventral - Paul Kim
  • Rotação interna do braço - vista ventral - Paul Kim
  • Rotação lateral do braço - vista ventral - Paul Kim
  • Rotação interna da perna - vista ventral - Paul Kim
  • Rotação lateral da perna - vista ventral - Paul Kim
  • Rotação da coluna vertebral - vista ventral - Paul Kim 

Tradução para português e layout:

  • Rafael Lourenço do Carmo
  • Catarina Chaves
  • Beatriz la Féria
© Exceto expresso o contrário, todo o conteúdo, incluindo ilustrações, são propriedade exclusiva da Kenhub GmbH, e são protegidas por leis alemãs e internacionais de direitos autorais. Todos os direitos reservados.

Desenhos e imagens relacionados

Continue a sua aprendizagem

Leia mais artigos

Mostre mais 1 artigo

Assista videoaulas

Faça teste

Navegue pelo atlas

Muito bem!

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!

Crie sua conta gratuitamente.
Comece a aprender anatomia em menos de 60 segundos.