EN | DE | PT Contato Como estudar Entrar Cadastrar

Vértebras torácicas - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Cadastre-se para ter uma conta gratuita no Kenhub hoje e se junte a mais de 1.104.786 alunos de anatomia de sucesso.

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

Vértebras torácicas

As doze vértebras torácicas são ossos fortes que estão localizados no meio da coluna vertebral na parte posterior do tórax, entre as vértebras cervicais acima e as vértebras lombares abaixo. Como vértebras típicas, elas são separadas por discos intervertebrais. No entanto, existem várias características anatômicas que as tornam bastante distintas em comparação com outros grupos de vértebras.

Além disso, várias vértebras torácicas são "especiais" de certa forma, seja em termos de sua estrutura ou fornecendo um marco importante que os médicos usam para se orientar e localizar outras estruturas anatômicas. Dois músculos também interagem com essas doze vértebras, sendo estes o músculo espinhal torácico e o músculo longuíssimo. 

Fatos importantes sobre as vértebras torácicas
Características principais 12 vértebras conectadas por discos intervertebrais (núcleo pulposo + ânulo fibroso)
Anatomia Corpo: formato de coração, aumento de tamanho à medida em que desce em direção à coluna lombar
Processo espinhoso: proeminência óssea pontiaguda 
Facetas costais (transversa, superior e inferior): superfície articular para a cabeça da costela 
Processo transverso: emergem do arco vertebral, com uma pequena superfície côncava para articular-se com o tubérculo da costela
Facetas articulares superior e inferior: superfícies articulares para as vértebras adjacentes 
Lâmina: imbricação óssea que cobre a vértebra subjacente e se conecta com pedículos para proteção da medula espinhal 
Forame intervertebral: forame bilateral (direito e esquerdo) para a passagem das raízes nervosas da medula espinhal 
Forame vertebral: grande abertura posterior ao corpo da vértebral que forma um canal através do qual passa a medula espinhal 
Características específicas

Presença de facetas para a articulação com as costelas (todas exceto T11 e T12) 

Processos espinhosos são mais pontiagudos do que em outras vértebras e formam ângulos agudos inferiormente 

Corpo maior do que o das vértebras cervicais, porém menor do que o das lombares

Músculos associados Músculo espinhal (parte do eretor da espinhas) e músculo longuíssimo
Notas clínicas Hérnia de disco e escoliose

Este artigo elucidará todos os mistérios que cercam as vértebras torácicas e descreverá suas características típicas e atípicas.

Anatomia

As vértebras torácicas estão localizadas na porção média da coluna vertebral, especificamente inferiores às vértebras cervicais e superiores às vértebras lombares. Essas vértebras se estendem pela maior parte da área da cavidade torácica.

Vértebras torácicas - vista posterior (verde)

Discos intervertebrais

As vértebras são separadas por discos intervertebrais de fibrocartilagem, que são discos de cartilagem flexíveis localizados entre os corpos de duas vértebras adjacentes, permitindo movimentos da coluna, e possuindo ainda funções de absorção e amortecimento de choques. Um disco intervertebral consiste em um núcleo pulposo gelatinoso envolvido por um anel de fibrocartilagem, o ânulo fibroso.

No total, o corpo humano adulto possui tipicamente 23 discos, com o primeiro encontrado entre as vértebras cervicais 2 e 3 e o último observado entre a última vértebra lombar e o sacro. Além de fornecer resistência e amortecimento dos choques, os discos auxiliam ainda na ligação das vértebras adjacentes umas às outras.

Ossos

Existem 12 vértebras torácicas (denominadas como T1 a T12) encontradas em adultos humanos, distribuindo-se entre as vértebras cervicais e lombares, com um tamanho em geral maior do que as vértebras cervicais mas menor do que as lombares. Existe um par de costelas correspondente ligado a cada uma das 12 vértebras torácicas. Isso é único, já que nenhuma outra vértebra possui costelas ligadas a elas. As vértebras torácicas aumentam de tamanho conforme elas descem em direção às vértebras lombares; isso é devido ao fato de que as vértebras lombares devem ser capazes de suportar mais peso corporal quando a pessoa está de pé, graças aos efeitos da gravidade.

Videoaula recomendada: Coluna vertebral
Estrutura e função da coluna vertebral.

Em resumo, os principais componentes anatômicos das vértebras torácicas são:

  • Corpo
  • Processo espinhoso
  • Facetas costais: faceta costal transversa, faceta costal superior e faceta costal inferior
  • Processo transverso
  • Facetas articulares superior e inferior
  • Lâmina
  • Forame intervertebral
  • Forame vertebral

Características únicas das vértebras torácicas incluem a presença de facetas de cada lado dos corpos para se articular com as cabeças das costelas, e facetas nos processos transversos de todas, exceto a décima primeira e décima segunda vértebras, para se articular com os tubérculos das costelas. Além disso, os processos espinhosos são relativamente mais pontiagudos do que em outras vértebras, e formam ângulos agudos inferiormente.

O corpo de uma vértebra torácica possui um formato que lembra um coração, e é maior do que o das vértebras cervicais, porém menor do que o das lombares. O corpo possui ainda facetas costais pequenas, lisas e levemente côncavas, para ligação das costelas. As costelas geralmente se inserem entre duas vértebras, de forma que cada vértebra contribui para a articulação com metade da superfície articular. Cada vértebra possui portanto um par de facetas articulares superiores que se voltam posteriormente e um par de facetas inferiores que se voltam anteriormente (exceto T12). Isso quer dizer que uma costela irá articular com a faceta costal inferior da vértebra superior e com a faceta costal superior da vértebra inferior.

Os processos transversos emergem do arco encontrado posteriormente à faceta articular superior e os pedículos, sendo espessos e fortes, com uma ponta arredondada e uma pequena superfície côncava para articular-se com o tubérculo de uma costela. Esses processos são direcionados obliquamente para trás, em direção ao processo espinhoso e lateralmente.

É importante observar que as facetas superiores e inferiores são nomeadas em relação à sua posição no corpo vertebral, e não à qual parte da articulação elas fornecem para a costela. As facetas costais também são levemente diferentes, entre as vértebras. As vértebras T1, T10, T11 e T12 possuem facetas costais completas em seus corpos para as costelas 1, 10, 11 e 12, respectivamente, que por sua vez se articulam com os corpos vertebrais diretamente, e não com duas vértebras adjacentes. Por outro lado, as vértebras T11 e T12 não possuem facetas costais transversas e, de forma semelhante, as costelas 11 e 12 também não possuem tubérculos. Dessa forma, elas se articulam com os corpos de T11 e T12, mas não se prendem a eles. Essas costelas também não possuem uma conexão cartilaginosa que se conecta ao esterno e nem a cartilagens costais superiores, sendo portanto  envolvidas pelo músculo lombar e conhecidas como costelas flutuantes.

Os processos articulares superiores são finas placas ósseas, que se projetam superiormente das junções entre os pedículos e as lâminas, com facetas que são quase planas e direcionadas posterior, lateral e superiormente. Processos articulares inferiores são praticamente fundidos com as lâminas, com as facetas direcionadas anterior, medial e inferiormente. A lâmina de uma vértebra torácica é larga, espessa e imbricada (o que significa que os lados adjacentes se sobrepõem, de forma semelhante a telhas ou escamas de peixes); as lâminas funcionam para se conectar com os pedículos e envolver e proteger a medula espinhal. A medula espinhal cursa através do forame vertebral de cada vértebra, onde é então protegido, já que é envolvido ao longo da mesma. As raízes nervosas da medula espinhal deixam esse espaço pelo forame intervertebral, que existem aos pares em cada nível intervertebral, um para o lado direito e um para o lado esquerdo.

Vértebras torácicas individuais

  • Primeira vértebra torácica (T1): Possui uma face articular inteira para a primeira costela, de cada lado, e uma semi-faceta para a metade superior da cabeça da segunda costela. O processo espinhoso é espesso, longo e quase horizontal. Os processos transversos são longos, com as incisuras vertebrais superiores mais profundas do que as encontradas nas outras vértebras torácicas. O nervo espinhal 1 passa sob T1.
  • Segunda vértebra torácica (T2): A vértebra T2 é maior que a vértebra T1. O nervo espinhal torácico 2 passa sob T2.
  • Terceira vértebra torácica (T3): O nervo espinhal torácico 3 passa sob T3.
  • Quarta vértebra torácica (T4): As vértebras T4 e T5 se encontram no mesmo nível que o ângulo do esterno. O nervo espinhal torácico 4 passa sob T4.
  • Quinta vértebra torácica (T5): As vértebras T5 e T4 encontram-se no mesmo nível que o ângulo do esterno. A traqueia se ramifica em seus brônquios principais ao nível de T5. O nervo espinhal torácico 5 passa sob T5.
  • Sexta vértebra torácica (T6): O nervo espinhal torácico 6 passa sob T6.

Quarta à sexta vértebras torácicas - vista posterior (verde)

  • Sétima vértebra torácica (T7): O nervo espinhal torácico 7 passa sob T7.
  • Oitava vértebra torácica (T8): As vértebras T8 e T9 se encontram no mesmo nível que o processo xifoide. O nervo espinhal torácico 8 passa sob T8.
  • Nona vértebra torácica (T9): A vértebra T9 pode não possuir hemi-facetas inferiores, mas algumas pessoas possuem duas hemi-facetas de cada lado, o que consequentemente significa que T10 não terá facetas inferiores. O processo xifoide do esterno encontra-se ao mesmo nível que T9 no plano axial. O nervo espinhal torácico 9 passa sob T9.
  • Décima vértebra torácica (T10): T10 possui uma faceta articular completa (não hemi-faceta) de cada lado, que está localizada na superfície lateral do pedículo. Entretanto, não haverá nenhuma faceta inferiormente, uma vez que as costelas seguintes possuem somente uma faceta em suas cabeças. O nervo espinhal torácico 10 passa sob T10.
  • Décima primeira vértebra torácica (T11): Nesse nível, a vértebra T11 começa a lembrar as dimensões e a estrutura de uma vértebra lombar. As facetas articulares para as cabeças das costelas são grandes e visibilizadas primariamente nos pedículos, que são mais espessos e mais fortes em T11 e T12, em relação a T1 a T10. O processo espinhoso de T11 é curto e quase horizontal. Os processos transversos são muito curtos, tuberculados em suas extremidades, e não contêm facetas articulares. O nervo espinhal torácico 11 passa sob T11.
  • Décima segunda vértebra torácica (T12): T12 é semelhante a T11, mas pode ser distinguida por suas superfícies articulares inferiores, que são convexas e direcionadas lateralmente, semelhante às das vértebras lombares. Essa vértebra é a que mais se assemelha às vértebras lombares, também por seus processos transversos que são subdivididos em três elevações – os tubérculos superior, inferior e lateral. Os tubérculos superior e inferior correspondem aos processos mamilares e acessórios das vértebras lombares. T12 é uma vértebra de progressão anatômica lógica para as vértebras lombares, de acordo com sua estrutura e função. O nervo espinhal torácico 12 passa sob T12.

Músculos que afetam a função das vértebras torácicas

  • Músculo espinhal: Esse é um longo músculo que é parte dos feixes musculares e tendíneos eretores da espinha, auxiliando a coluna com seus movimentos e ajudando também na manutenção da postura. Os ligamentos do músculo espinhal se prendem a múltiplas vértebras torácicas, e apesar de ser estreito próximo à primeira vértebra torácica e as vértebras lombares, o músculo é largo no meio.

Músculo espinhal torácico - vista posterior (verde)

  • Músculo longuíssimo: Esse é um longo músculo lateral ao semiespinhal, que cursa superiormente na coluna desde o meio da coluna lombar e é encontrado ao longo de ambos os lados do músculo espinhal.

Músculo longuíssimo - vista posterior (verde)

Notas Clinicas

Hérnia de disco

Quando os discos intervertebrais se encontram sob forte estresse, como quando se levanta um objeto pesado, o disco irá se abaular lateralmente. O estresse excessivo pode causar a ruptura do ânulo fibroso com escape do núcleo pulposo através do espaço rompido – isso é chamado de disco herniado. Devido à falta de disco funcional entre duas vértebras, o aumento da pressão pode causar intensa dor, e aumentar o risco de fraturas ósseas e dano de ossos vertebrais adjacentes, já que eles vão sofrer atrito entre si.

Fato interessante: as pessoas de forma geral perdem 1% de sua altura no momento em que vão se deitar para dormir, em comparação com o momento em que eles despertam pela manhã. Isso se deve ao peso do corpo comprimindo os discos intervertebrais durante o dia conforme eles realizam suas tarefas cotidianas, e a compressão desses discos os desidrata. Durante o sono, ou em momentos nos quais se assume a posição supina, o peso não é mais focado na coluna, o que ajuda os discos a reabsorver água, restaurando então a altura da pessoa.

Escoliose

Escoliose é uma curvatura anormal da coluna vertebral caracterizada por uma curvatura lateral exagerada, juntamente com uma rotação das vértebras. Para ser diagnosticado, é necessário que haja uma angulação de pelo menos 10 graus da coluna associada à rotação vertebral. Existem vários tipos de escoliose, cada um com suas causas e evolução:

  • Escoliose estrutural - é causada por uma anomalia do desenvolvimento vertebral em que metade do corpo vertebral está completamente ausente (hemivértebra). A grande maioria das escolioses estruturais ocorre sem desencadeantes específicos ou condições associadas, sendo, portanto, idiopáticas. Afeta mais mulheres do que homens e também é mais grave. Também é comum em adolescentes em crescimento, após o início da puberdade.
  • Escoliose miopática - como o nome sugere, a causa subjacente consiste em um problema muscular. Mais especificamente ocorre quando os músculos intrínsecos das costas (tratos medial e lateral), que estão intimamente associados à coluna vertebral, têm forças assimétricas. Quando isso acontece, os músculos de um lado puxam com mais força e os músculos do lado oposto não conseguem se opor à tração, curvando a coluna vertebral lateralmente.
  • Escoliose funcional - ocorre quando o comprimento dos membros inferiores é desigual, resultando em um movimento compensatório que consiste em uma inclinação pélvica.
  • Escoliose do hábito - esse tipo de escoliose é uma consequência dos tempos modernos, onde todos se sentam incorretamente por horas a fio. Como o nome sugere, é causado por uma postura incorreta enquanto se está sentado ou mesmo em pé. Específico para este tipo de escoliose é o fato de que ela desaparece com a flexão máxima da coluna vertebral, de modo que o médico pode usar este dado para confirmar o diagnóstico.

Existem várias opções de tratamento para escoliose, dependendo das causas específicas, tipo, idade e gravidade. Elas incluem observações, órteses ou cirurgia. Enquanto a última pode soar como a escolha mais óbvia, ela é realizada apenas em curvaturas da coluna maiores que 45 ou 50 graus, dependendo da idade do paciente. 

Vértebras torácicas - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Cadastre-se para ter uma conta gratuita no Kenhub hoje e se junte a mais de 1.104.786 alunos de anatomia de sucesso.

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

Mostrar referências

Referências:

  • The Anatomy of the Spine. TeachPE. July 05, 2014.
  • Thoracic vertebrae. Wikipedia. July 05, 2014.
  • Kenneth Saladin: Anatomy & Physiology: The Unity of Forma and Function, 6th edition, McGraw-Hill Science/Engineering/Math, Chapter 8.
  • Anne M Gilroy, Brian R MacPherson, Lawrence M Ross and Michael Schuenke: Atlas of Anatomy, 2nd edition, Thieme, Chapter 2.

Autor:

  • Alice Ferng, MD-PhD

Ilustrações:

  • Vértebras torácicas: Yousun Koh
  • Vértebra torácica - corte transversal: National Library of Medicine
  • Disco intervertebral, núcleo pulposo e ânulo fibroso: Liene Znotina
  • Corpo vertebral: Begoña Rodriguez
  • Facetas costais (superior e inferior) e processo transverso: Liene Znotina
  • Costelas flutuantes: Yousun Koh
  • Processos articulares, lâmina, forame vertebral e forame intervertebral: Liene Znotina
  • Quarta à sexta vértebras torácicas, músculo espinhal torácico e músculo longuíssimo: Yousun Koh

Tradução para o português, revisão e layout:

  • Rafael Lourenço do Carmo
  • Catarina Chaves
  • Rafaela Ervilha Linhares
© Exceto expresso o contrário, todo o conteúdo, incluindo ilustrações, são propriedade exclusiva da Kenhub GmbH, e são protegidas por leis alemãs e internacionais de direitos autorais. Todos os direitos reservados.

Desenhos e imagens relacionados

Continue a sua aprendizagem

Leia mais artigos

Mostre mais 6 artigos

Faça teste

Navegue pelo atlas

Muito bem!

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!

Crie sua conta gratuitamente.
Comece a aprender anatomia em menos de 60 segundos.