Conexão perdida. Por favor atualize a página.
Conectado
EN | DE | PT | ES Contato Como estudar Entrar Cadastrar
Pronto para aprender?
Selecione a sua ferramenta de estudo favorita

Alvéolos

O termo alvéolo vem do latim “alveolus” e se refere a uma cavidade oca, bacia ou tigela. Consequentemente, existem diferentes tipos de alvéolos no corpo humano, mas esse termo é mais frequentemente utilizado para descrever os pequenos sacos de ar existentes nos pulmões dos mamíferos, que são especificamente chamados de alvéolos pulmonares.

Os alvéolos pulmonares são sacos parecidos com balões preenchidos de ar e localizados nas extremidades distais da árvore brônquica. Podem existir até 700 milhões de alvéolos em cada pulmão, onde eles facilitam a troca gasosa de oxigênio e dióxido de carbono entre o ar inalado e a corrente sanguínea.

Informações importantes
Função Troca de oxigênio e dióxido de carbono através da membrana respiratória
Células alveolares Pneumócito tipo I (células alveolares pavimentosas com uma fina membrana; permitem a troca gasosa)
Pneumócito tipo II (repara o epitélio alveolar e secreta surfactante pulmonar)
Macrófagos alveolares
Membrana respiratória Células alveolares pavimentosas
Membrana basal
Endotélio capilar

Este artigo vai discutir a anatomia e a função dos alvéolos.

Conteúdo
  1. Anatomia
  2. Tipos celulares
    1. Pneumócitos tipo I
    2. Pneumócitos tipo II
    3. Macrófagos alveolares
  3. Função
  4. Notas clínicas
  5. Referências
+ Mostrar todo

Anatomia

O alvéolo pulmonar é um saco com aproximadamente 0,2 a 0,5 mm de diâmetro. Esses alvéolos se localizam nas extremidades inferiores da via aérea pulmonar. É comum a comparação da estrutura dos alvéolos com a aparência de um cacho de uvas.

No pulmão de um adulto médio existem cerca de 480 milhões de alvéolos (com uma variação entre 274-790 milhões, coeficiente de variação: 37%; apesar desse volume variar dependendo do volume pulmonar total), com uma área de superfície total de cerca de 75 metros quadrados. Cada alvéolo é, por sua vez, circundado por uma rede de capilares sanguíneos que se originam de pequenos ramos da artéria pulmonar.

Uma membrana respiratória cria a barreira entre o ar alveolar e o sangue e essa membrana é formada somente por células alveolares pavimentosas, células endoteliais pavimentosas e sua membrana basal compartilhada. As membranas têm uma espessura total de apenas 0,5 micrômetros, em contraste com os 7,5 micrômetros de diâmetro dos eritrócitos (células sanguíneas) que passam pelos capilares.

Quer continuar aprendendo sobre a anatomia do sistema respiratório? Conheça nossos testes e ilustrações sobre esse tema!

Agora que você já conhece a anatomia dos alvéolos, avalie seus conhecimentos com nosso teste sobre a árvore brônquica e os alvéolos!

Tipos celulares

Pneumócitos tipo I

Principal tipo celular encontrado na superfície alveolar, cobrindo cerca de 95% de sua área. São células finas e largas conhecidas como células alveolares pavimentosas (tipo I) ou pneumócitos tipo I. As finas paredes dessas células permitem uma rápida difusão de gases entre o ar e o sangue e, portanto, permitem que a troca gasosa ocorra. Os outros 5% da área de superfície dos alvéolos são cobertos por células arredondadas ou cuboidais chamadas de pneumócitos tipo II ou células septais. Apesar dos pneumócitos tipo II cobrirem uma área de superfície menor, eles estão em número bem maior do que as células alveolares pavimentosas.

Lâminas histológicas ilustrando pneumócitos tipo I (esquerda) e pneumócitos tipo II (direita)

Pneumócitos tipo II

As células alveolares tipo II (também conhecidas como pneumócitos tipo II) têm duas funções: (1) reparar o epitélio alveolar quando as células pavimentosas são lesionadas e (2) secretar surfactante pulmonar. O surfactante é formado por fosfolipídeos e proteínas e reveste os alvéolos e os bronquíolos menores, prevenindo que os alvéolos colapsem durante a variação de pressão que ocorre na exalação. Sem o surfactante, as paredes do alvéolo desinflado tenderiam a se colapsar, juntando-se como folhas de um papel molhado e seria muito difícil reinflá-los na próxima inalação.

Macrófagos alveolares

Alveolar macrophages (histological slide)

O tipo celular pulmonar mais numeroso é o macrófago alveolar, que trafega no lúmen dos alvéolos e no tecido conjuntivo entre eles, limpando os debris através de fagocitose. Esses macrófagos “comem” as partículas de poeira que escapam do muco nas partes mais altas do trato respiratório, bem como outros debris que não são capturados e limpos pelo nosso muco. Se seus pulmões estiverem infectados ou sangrando, os macrófagos também terão a função de fagocitar as bactérias e as células sanguíneas. Ao final de cada dia, até 100 milhões de macrófagos sobem pelo muco e pelos cílios para serem deglutidos no esôfago e digeridos - e é assim que os debris pulmonares são removidos.

Função

Quando inspiramos durante a inalação, a concentração de oxigênio é maior no alvéolo do que nas hemácias, fazendo com que o oxigênio deixe o alvéolo e entre nas hemácias.

Durante a exalação, ocorre o inverso. A concentração de dióxido de carbono está mais baixa nos alvéolos do que nas hemácias, por isso, o dióxido de carbono deixa as hemácias e entra nos alvéolos, sendo então exalado.

Como os gases são constantemente requeridos por processos fisiológicos e produzidos nos processos metabólicos do corpo, um sistema eficiente de troca é extremamente importante. Portanto, a respiração tem um papel regulatório essencial na troca gasosa.

Um exemplo dessa importância é a cetoacidose diabética, na qual alterações metabólicas resultam em alterações no padrão respiratório. Isso ocorre devido à acidose metabólica, provocada pela cetoacidose, onde o organismo vai primeiro tentar equilibrá-la através do sistema tampão de bicarbonato. Entretanto, quando o corpo não consegue mais compensar a acidose dessa maneira, outro mecanismo compensatório entra em ação: a hiperventilação. Ela tem por objetivo reduzir os níveis sanguíneos de dióxido de carbono eliminando-o através da exalação (formas extremas de hiperventilação são conhecidas como respiração de Kussmaul).

Para mais detalhes sobre a anatomia dos alvéolos, dê uma olhada a seguir. Ou experimente um teste personalizado sobre cada detalhe dos alvéolos!

Alvéolos - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Com quais você prefere aprender?

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

© Exceto expresso o contrário, todo o conteúdo, incluindo ilustrações, são propriedade exclusiva da Kenhub GmbH, e são protegidas por leis alemãs e internacionais de direitos autorais. Todos os direitos reservados.
Entediado pela anatomia? Tente isto

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!

Comece a aprender em menos de 60 segundos

  • Aprenda anatomia e histologia mais rapidamente
  • Acesse unidades de estudo criadas e atualizadas por especialistas
  • Não exige contrato ou pagamento!
Crie sua conta gratuita ➞