EN | DE | PT Contato Como estudar Entrar Cadastrar

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!

Estrutura do pênis

Este vídeo tem legendas em Português

Vista inferior da estrutura do pênis.

Fantástico!
A sua primeira videoaula. Continue para o teste abaixo para solidificar o seu conhecimento.

Destaques

Transcrição

Aprender a anatomia do sistema reprodutor é meio incômodo às vezes. Ninguém gosta. Por exemplo, você está sentado no auditório com um monte de imagens da anatomia masculina olhando para você da tela do projetor, e não é bonito, mas nós apenas sentamos lá, fingindo que é tudo normal. Mas, na verdade, por trás de todas as caras de estátua, os homens estão sentados lá, desconfortavelmente se mexendo em seus assentos, desesperados internamente com a ideia de que as partes masculinas dissecadas em sua frente serão cortadas em pequenos pedaços, tudo em nome da anatomia, enquanto as mulheres estão igualmente desconfortáveis, se certificando de fixar os olhos na tela ou enterrar a cabeça profundamente em seus blocos de anotações. Qualquer coisa para evitar fazer contato visual com qualquer homem no momento. O que é, no mínimo, muito estranho.

Da mesma forma, se você estiver assistindo a esta videoaula agora mesmo na biblioteca da sua faculdade, imagino que você tenha se certificado de sentar estrategicamente num lugar onde ninguém possa ver esta imagem exibida na sua tela. Claro, qualquer pessoa normal entenderia que você está apenas estudando anatomia, mas admita, você ainda está apavorado de ser apanhado em flagrante! É tão constrangedor.

Bem, constrangedor ou não, é hora de encarar esse tópico - sem trocadilhos - enquanto discutimos a estrutura do pênis.

O pênis faz parte dos sistemas reprodutor e urinário masculinos e compõe a maior parte da genitália externa masculina. Está localizado na superfície externa anterior da pelve masculina, ligeiramente abaixo do nível da sínfise púbica. Ao falar sobre as várias regiões do pênis, é importante ter em mente que sua posição anatômica correta é quando ele está ereto, portanto, a superfície que está voltada anteriormente quando o pênis está flácido é, na verdade, o lado dorsal do pênis.

Para entender bem a estrutura do pênis, vamos discutir os seguintes tópicos: a orientação, as partes do pênis, suas fáscias de revestimento, e seus músculos associados; e para os homens cujos pensamentos já estão bem longe, vou gastar um momento para mencionar sobre o que não vamos falar hoje. Nós não vamos falar sobre o quão grande é realmente grande. Não vamos dizer se essa erupção, esse cheiro estranho ou esse sêmen são normais ou não, e nós não vamos discutir o que você pode ou não fazer com o seu pênis. Nós vamos, entretanto, falar brevemente sobre quando o seu pênis, quase que literalmente, dá uma volta para o pior, mas mais à frente.

À medida que olharmos para as várias estruturas que compõem o pênis, vamos utilizar várias perspectivas diferentes. Isso ajudará a dar uma compreensão completa de como as estruturas estão relacionadas umas com as outras. Nesta imagem, estamos olhando para o pênis a partir de uma visão inferior para ver como ele faz parte do períneo, especificamente do triângulo urogenital. Formando as duas bordas anterolaterais do triângulo urogenital estão as estruturas destacadas em verde, e estas são os ramos isquiopúbicos.

Podemos ver várias outras estruturas familiares nesta visão posterior ao triângulo urogenital. Agora está destacado o músculo levantador do ânus. Este músculo marca o limite entre a pelve e o períneo, que é a área que estamos vendo agora. A estrutura que podemos ver destacada agora é o esfíncter anal externo, que é um músculo sob controle voluntário ao redor do ânus propriamente dito. E, finalmente, nesta visão, podemos ver o músculo glúteo máximo posteriormente ao levantador do ânus.

Esta imagem nos permite ver um corte longitudinal de todo o comprimento do pênis, enquanto esta imagem é um corte sagital e nos permite ver a metade direita ou esquerda do pênis, novamente ao longo de todo o seu comprimento.

Então, o pênis é composto por três partes principais - a raiz, o corpo e a glande do pênis. A raiz do pênis é a porção proximal do pênis e está localizada no períneo, mais especificamente no triângulo urogenital. Consiste em três estruturas – um único bulbo e dois ramos do pênis, um de cada lado do bulbo mediano. No corte longitudinal do bulbo, podemos ver uma estrutura tubular atravessando o bulbo, e ela é chamada de uretra. Também é importante falar nestas imagens que todas essas estruturas que compõem a raiz do pênis - o bulbo e os ramos - continuam distalmente no corpo do pênis.

O corpo do pênis, portanto, também será composto por três partes, que são três massas de tecido erétil. O que podemos ver em destaque nesta imagem é o corpo esponjoso do pênis. O corpo esponjoso é a continuação distal do bulbo do pênis e é a porção anterior do pênis. Através tanto do bulbo quanto do corpo esponjoso passa a uretra esponjosa, que podemos ver neste corte longitudinal do pênis here. aqui.

Os outros dois componentes do corpo do pênis são o par de corpos cavernosos do pênis. Estes são continuações distais dos ramos do pênis, um de cada lado, e eles formam a face dorsal do pênis. Neste corte sagital mediano, podemos ver os corpos cavernosos do pênis destacados em verde e você pode imaginar que, se esse pênis estivesse na posição anatômica – isto é, ereto - o corpo cavernoso estaria na face dorsal do pênis ereto.

Agora, o que vemos em destaque é o corpo esponjoso. Podemos ver a uretra esponjosa percorrendo sua extensão e, na extremidade mais distal do corpo esponjoso, existe uma parte mais alargada chamada de glande do pênis, que vamos ver a seguir.

Então, aqui estamos vendo a terceira parte do pênis - a glande do pênis - e em ambas as imagens, a glande do pênis é a estrutura destacada em verde. Especialmente neste corte longitudinal, podemos ver que ela é na verdade uma expansão distal do corpo esponjoso à medida que envolve o corpo cavernoso aqui.

Nesta imagem, podemos ver a porção mais distal da glande do pênis destacada; e a razão pela qual não podemos ver toda a glande do pênis nesta imagem é porque a maior parte dela está recoberta pelo prepúcio. O prepúcio é uma camada dupla de pele e tecido conjuntivo que se estende do colo da glande até um pouco além da ponta do pênis. Tanto no prepúcio quanto na glande do pênis há uma abertura. Especificamente, a abertura da glande do pênis é chamada de orifício uretral externo. Essa abertura na extremidade mais distal da uretra permite que tanto a urina quanto o sêmen saiam do corpo.

Além da pele recobrindo o pênis, existem algumas camadas de fáscias diferentes, ou coberturas, e começando mais profundamente e seguindo superficialmente, temos a túnica albugínea - a fáscia profunda do pênis - também chamada de fáscia de Bucks; a fáscia superficial do pênis, também chamada de fáscia de Dartos; e a pele.

Nesta imagem, a túnica albugínea ao redor dos corpos cavernosos e do corpo esponjoso está destacada; e cada um dos três corpos eréteis do pênis é coberto individualmente por esse tecido fibroso. Seguindo um pouco mais superficialmente, esta imagem mostra a fáscia profunda do pênis, também chamada de fáscia de Buck. Esta fáscia envolve todos os três corpos eréteis em conjunto, e algumas estruturas neurovasculares dorsais cursam entre a túnica albugínea e esta fáscia de Buck.

Além de circundar todos os três corpos eréteis, a fáscia profunda do pênis também cursa entre os corpos cavernosos e o corpo esponjoso, formando a estrutura em destaque que podemos ver nesta imagem, que é chamada de parte intercavernosa da fáscia profunda.

Nesta imagem, uma porção cortada da fáscia superficial do pênis está destacada e essa camada, que é a mais superficial das três coberturas fasciais, também envolve todos os três corpos eréteis em conjunto. Alguns vasos entram na base do pênis e cursam longitudinalmente dentro da fáscia de Dartos, formando uma rica rede anastomótica dentro dela.

Então vamos agora ver novamente a vase do pênis, onde vamos encontrar alguns músculos associados. E existem três pares de músculos na bolsa perineal superficial do triângulo urogenital, e eles são os bulsboesponjosos, os isquiocavernosos, e os superficiais tranversos do períneo. Então, vamos a eles!

Recobrindo o bulbo do pênis estão os músculos bulboesponjosos. São um par de músculos que se originam de cada lado do bulbo e se encontra com seu músculo oposto numa rafe mediana. Ele recobre o bulbo e se insere no corpo esponjoso. Esse músculo ajuda a comprimir o bulbo do pênis e assim empurrar o sangue para dentro de um pênis ereto.

Recobrindo os ramos do pênis estão os músculos isquicavernosos, e esses músculos se originam da superfície inferior interna dos ramos isquiopúbicos e das tuberosidades isquiáticas, e eles se inserem nos ramos do pênis. Esses músculos ajudam na ereção ao aumentar o fluxo sanguíneo para o pênis e prevenindo a saída de sangue.

O último par de músculos na bolsa superficial do períneo são os músculos transversos superficiais do períneo, e o nome desse músculo é bem grande mas todas as partes fazem sentido. Então, os termos superficial e perineal são usados porque eles estão localizados na bolsa superficial perineal, transverso é usado porque as fibras cursam transversalmente, e o termo músculo, bem, porque eles são músculos. Esses músculos cursam transversalmente anteriormente ao ânus, desde cada tuberosidade isquiática até ao corpo perineal.

De cada lado do corpo perineal, há dois espaços triangulares delimitados por músculos que acabamos de identificar, e através desses espaços, podemos ver uma membrana chamada de membrana perineal. E essa membrana é um folheto de tecido fibroso que separa a bolsa perineal profunda da bolsa perineal superficial.

Então, agora que exploramos a anatomia do pênis, vamos terminar analisando uma das principais doenças do pênis que vemos na prática clínica.

Então, a doença de Peyronie é uma doença relativamente comum e sem cura caracterizada pela formação de placas fibrosas ao redor dos corpos cavernosos do pênis, e essas placas são efetivamente compostas por lesões de tecido cicatricial que se acumula devido a inflamação da túnica albugínea. Ela é mais comumente observada em homens com cerca de 40 anos ou mais, entretanto também pode ocorrer em indivíduos mais jovens apesar de ser raro.

A doença de Peyronie geralmente resulta numa curvatura anormal do pênis quando ereto, comprimento ou largura reduzidos do pênis e, nos casos mais graves, até disfunção erétil, e também pode causar dor significativa, especialmente durante a relação sexual, no entanto isso nem sempre é o caso, e obviamente pode ter implicações psicológicas e psicossociais também.

A causa da doença de Peyronie não é particularmente bem entendida, mas acredita-se que está relacionada a traumas sofridos pelo pênis durante relações sexuais ou atividade física. Muitos pacientes, entretanto, não conseguem identificar o momento ou o episódio específico do trauma, e acredita-se que alguns pacientes diagnosticados com essa doença podem ser geneticamente predispostos a doenças do tecido conjuntivo, tornando-os assim mais susceptíveis a esta condição.

Infelizmente, opções eficazes de tratamento para essa doença são limitadas apesar da grande variedade de intervenções disponíveis, e estas incluem uma gama de medicamentos, cirurgia, assim como um tipo de fisioterapia conhecida como terapia de tração peniana. Mas, novamente, infelizmente nenhuma dessas opções tem uma taxa de sucesso consistente.

Então, isso nos leva ao final da nossa videoaula. Antes de eu deixar você ir, vamos fazer uma rápida revisão do que vimos hoje.

Então, começamos vendo as partes do pênis, incluindo a raiz, o corpo e a glande do pênis. A raiz do pênis consiste em um bulbo mediano e dois ramos laterais. No corpo do pênis, vimos a continuação distal do bulbo que é o corpo esponjoso, e as continuações distais dos ramos, que são os corpos cavernosos. Nós então vimos a glande do pênis como a expansão distal do corpo esponjoso.

A seguir, falamos sobre as fáscias que recobrem o pênis. Então, de profundo para superficial, vimos a túnica albugínea, a fáscia profunda do pênis ou fáscia de Buck, a fáscia superficial do pênis, ou fáscia de Dartos, e, finalmente, a pele, incluindo o prepúcio com sua dupla camada de pele.

A seguir vimos os três pares de músculos associados ao pênis - o bulboesponjoso, recobrindo o bulbo do pênis, o isquiocavernoso, recobrindo os ramos do pênis, e o músculo transverso superficial do períneo. E vista dentro dos triângulos criados pelos músculos temos a membrana perineal, que divide as duas bolsas perineais.

Finalmente, vimos uma correlação clínica que era a doença de Peyronie, que é caracterizada pelo acúmulo de tecido cicatricial na túnica albugínea do pênis, levando a curvatura anormal, a dor e até a disfunção erétil.

Então isso nos leva ao final da nossa videoaula sobre a estrutura do pênis. Sinta-se à vontade para sair do seu esconderijo de estudar anatomia reprodutiva e volte para o mundo real. Obrigada por assistir! Ciao!

Continue a sua aprendizagem

Faça teste

Leia artigos

Navegue pelo atlas

Muito bem!

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!