EN | DE | PT Contato Como estudar Entrar Cadastrar

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!

Osso etmoide

Este vídeo tem legendas em Português

Estrutura e pontos de referência do osso etmoide.

Fantástico!
A sua primeira videoaula. Continue para o teste abaixo para solidificar o seu conhecimento.

Destaques

Transcrição

Olá a todos! Aqui é o João, do Kenhub, e sejam bem-vindos a esta videoaula onde hoje vamos falar sobre o osso etmoide. A primeira coisa que nós vemos aqui nesta imagem é que estamos olhando o crânio de uma perspectiva lateral, como se tivessemos cortado ele bem no meio.

Nós estamos vendo o lado de dentro da metade direita do crânio. Deste ponto de vista nós podemos ver uma distinção entre esta estrutura que nós agora estamos destacando, que é conhecida como viscerocrânio, e esta outra estrutura aqui que é conhecida como neurocrânio.

Bem, você pode estar se perguntando o que é o viscerocrânio? Eu falei sobre isso em diferentes videoaulas aqui. O viscerocrânio é um termo coletivo para
os ossos da sua face, de forma geral. Agora, o neurocrânio, por outro lado,
consiste nos ossos que cercam o cérebro, incluindo o osso etmoide.

O osso etmoide é um dos mais complicados ossos do crânio - só de olhar para ele nós podemos perceber isto. Então nós vamos ver cada uma de suas estruturas individualmente ao longo desta videoaula. Então vamos dar uma olhada no osso etmoide isoladamente, e para fazer isto nós vamos utilizar uma vista posterior do crânio, como você pode ver agora na tela - a vista posterior - então nós estamos vendo por trás.

Agora nós vemos o osso posteriormente. Aqui nós vemos duas grandes peças ósseas com forma de cubos chamadas de massas laterais. Nós vamos ver mais tarde que estas massas são ocas em sua maior parte. Entre as duas massas laterais você pode ver destacado em verde uma estreita placa óssea que se projeta inferiormente.

Esta é chamada placa perpendicular do osso etmoide, e ela forma parte do seu septo nasal, que separa as cavidades nasais direita e esquerda. Em pacientes com fenda palatina e labial a forma da placa perpendicular frequentemente é anormal, e nós nos referimos a esta condição como septo desviado.

Agora nós estamos vendo novamente o meio do crânio pela lateral. A camada rosa que foi adicionada é conhecida como mucosa nasal. Esta mucosa reveste as cavidades nasais, como você vê destacado aqui, e também a nasofaringe. E nesta imagem você pode ver a superfície medial das massas laterais.

A superfície é caracterizada por duas projeções curvas chamadas conchas nasais. Uma terceira concha independente se articula com a borda inferior do osso etmoide para criar quatro canais aéreos através das cavidades nasais direita e esquerda. Como você pode ver nestas imagens, é bem fácil nomear as três conchas nasais como superior, média e inferior, já que elas estão dispostas uma sobre a outra nas superfícies mediais de ambas as massas laterais.

O canal aéreo mais superior é chamado de recesso esfenoetmoidal, que você pode ver aqui, já que ele é limitado tanto pelo osso esfenoide quanto pelo etmoide. Nesta imagem o recesso esfenoetmoidal está destacado em verde.

O canal diretamente abaixo da concha superior é o meato nasal superior - logo aqui. Existe outro canal entre as conchas nasais média e inferior, chamado de meato nasal médio - que nós podemos ver aqui - e finalmente há um meato nasal inferior, que você vê aqui abaixo da concha nasal inferior.

As conchas nasais possuem um papel interessante na respiração. Elas aumentam a área de superfície das suas cavidades nasais e promovem rotação do ar que passa pela nasofaringe. A rotação do ar inspirado aumenta o contato com a mucosa nasal, o que é extremamente importante, já que ela ajuda a tornar o ar mais úmido e a filtrá-lo de microorganismos e outros corpos inalados potencialmente perigosos.

Saturar o ar inalado com água impede que os tecidos dos seus pulmões se sequem quando você respira rapidamente ou profundamente. Este é o interior de um crânio como se tivessemos removido a parte superior do neurocrânio - e se você estava prestando atenção, esta era a parte do crânio que abriga o cérebro. O osso etmoide está bem aqui nesta imagem ampliada.

Nós estamos vendo ele de uma perspectiva superior, e superiormente o etmoide é caracterizado pela presença desta estrutura que você vê destacada em verde, que é conhecida como crista galli. De cada lado da crista galli você pode ver esta estrutura perfurada por forames chamada de placa cribriforme - e nós vamos falar sobre isto daqui a pouco.

Eu vou adicionar a imagem do cérebro à imagem da vista superior do crânio, e nós agora podemos ver esta estrutura aqui, que é conhecida como dura-máter. A dura-máter é o revestimento mais externo e espesso cobrindo o cérebro, e se dobra em si mesma em algumas áreas, criando separações e regiões no seu cérebro.

Bem, a crista galli é a inserção anterior da foice do cérebro, que você pode ver aqui. Ela é uma reflexão dural que separa os hemisférios cerebrais direito e esquerdo. Como nós já dissemos, próximo à crista galli, de cada lado, há esta pequena placa de osso repleta de forames, chamada de placa cribriforme.

Estes forames são vitais para o olfato, que é um termo médico que nós utilizamos para nos referir à percepção dos odores. Agora nós vamos ver a placa cribriforme mais de perto, e com ela o nosso primeiro nervo craniano, o nervo olfatório. Nesta imagem nós estamos vendo uma ampliação do osso etmoide.

Aqui nós podemos ver a placa cribriforme em verde separando as cavidades nasais da cavidade craniana. Conforme você inala o ar, receptores da sua mucosa nasal no teto da cavidade nasal, chamado de epitélio olfatório são estimulados.

Os axônios destes neurônios sensitivos especiais se projetam superiormente através dos forames para então atingir os bulbos olfatórios, localizados na
superfície superior da placa cribriforme. Quando vistos em uma secção sagital, você pode observar que os bulbos olfatórios meio que se parecem com uma escova de dentes, com seus axônios se parecendo com cerdas que se projetam através da placa cribriforme.

A partir dali os sinais sensitivos são projetados através do trato olfatório para serem processados no córtex olfatório do cérebro. Uma breve nota clínica aqui: Fraturas no assoalho da fossa craniana anterior podem envolver a placa cribriforme.

O que acontece então é que isto pode causar escape de líquor pelo nariz, uma condição que nós chamamos de rinorreia liquórica. Se nós olharmos para o osso etmoide de uma perspectiva superior, nós podemos ver ambas as massas laterais aqui, a placa cribriforme e a crista galli no meio.

Nesta imagem a parte mais lateral das massas laterais está destacada em verde. Esta referência óssea é chamada de lâmina orbital. A lâmina orbital do osso etmoide se articula com o osso frontal e com a maxila para constituir a parede medial da cavidade orbitária, que abriga o globo ocular.

Bem, vamos continuar para o interior da cavidade orbitária de uma persperctiva lateral, e olhar para o seu interior como se o olho tivesse sido removido, de forma a podermos ver os ossos mais próximos ao nosso nariz pelo lado de dentro. Aqui está a ponte nasal e aqui está a sua fronte.

Você pode ainda ver aqui uma pequena parte da região malar, e e desta perspectiva nós podemos ver a lâmina orbital constituindo a parede medial da cavidade orbitária. Há ainda dois pequenos forames entre a lâmina orbital e o osso frontal - que é este osso que nós estamos destacando - e estes são os forames etmoidais anterior e posterior. Lembre-se que forames é o plural de forame.

Estes forames transmitem os vasos e nervos etmoidais anteriores e posteriores, que nós acabamos de adicionar à imagem. Os vasos e nervos etmoidais suprem a cavidade nasal e as células aéreas etmoidais.

Continuando para o interior do corpo do osso etmoide nós podemos ver as células aéreas etmoidais, que são parte dos quatro seios paranasais. Um seio paranasal é uma cavidade cheia de ar no interior dos ossos do crânio ao redor da sua cavidade nasal.

Existem os seios maxilar, esfenoidal, frontal e etmoidal, mas nós vamos estudar eles em maiores detalhes em outras videoaulas. As células aéreas de cada seio são formadas de múltiplas câmaras aéreas revestidas de mucosa respiratória.

No osso etmoide estas câmaras aéreas são as células etmoidais, que estão coloridas em verde nesta imagem e são nomeadas de acordo com a sua localização em relação à parede lateral da cavidade nasal.

As células aéreas etmoidais anteriores, que você vê aqui, se abrem no ducto frontonasal, as células etmoidais médias, agora vistas aqui, se abrem na bula etmoidal, que nós vamos ver daqui a pouco, e as células etmoidais posteriores se abrem na parede lateral do meato nasal superior. As células aéreas etmoidais recebem inervação de ramos dos nervos oftálmico e maxilar.

Se invasores externos como um vírus ou bactéria entrar nas células aéreas, um paciente pode desenvolver uma infecção comumente chamada de sinusite. Se você já teve uma sinusite, você provavelmente sabe que a obstrução do muco em um seio paranasal causa uma cefaleia muito intensa.

A bula etmoidal, que você pode ver agora apontada, e que eu também mencionei há pouco, é uma pequena protuberância inferior à concha nasal média. A bula é formada por uma protrusão das células etmodiais médias para a parede lateral da cavidade nasal, e é aqui que as células aéreas etmoidais médias se abre para a cavidade nasal.

Esta protuberância cria um pequeno sulco chamado de hiato semilunar, logo inferior à bula. A abertura do seio maxilar está localizada no assoalho do hiato semilunar. Em relação às células etmoidais e à bula etmoidal, um pequeno sulco se estende anteriormente desde a região inferior à bula.

Nós podemos vê-lo agora - este é o sulco chamado de infundíbulo etmoidal. O infundíbulo cursa superiormente e se estreita para formar um canal através das células aéreas etmoidais, que se abre no seio frontal. Este canal é o ducto frontonasal, e nas fraturas do crânio, relacionadas por exemplo a um acidente automobilístico, o infundíbulo etmoidal e o ducto frontonasal devem ser avaliados cuidadosamente.

Se fraturas do ducto frontonasal não forem tratadas o paciente pode desenvolver meningite ou um abscesso cerebral. Em alguns casos são necessários enxertos ósseos para prevenir estas complicações. Por último, vamos ver esta área verde se estendendo posterior e inferiormente às massas laterais - isto é chamado de processo uncinado.

O processo uncinado é uma pequena projeção óssea que forma uma pequena parte da parede do seio maxilar e se articula com a concha nasal inferior. Uma observação importante sobre o processo uncinado é que ele se tornou uma importante referência cirúrgica com o advento da cirurgia nasal endoscópica.

Identificar e remover o processo uncinado melhora o acesso à bula etmoidal, seio frontal e trato de drenagem do seio maxilar. E isso é tudo sobre o osso etmoide, mas antes de terminarmos eu gostaria de fazer uma breve revisão do que nós conversamos. Neste video nós vimos a estrutura do osso etmoide.

Nós primeiro demos uma olhada nas massas laterais do osso etmoide. Estas massas são em sua maior parte ocas. As suas placas perpendiculares formam parte do septo nasal. Em seguida nós vimos as conchas nasais. Estas consistem nas conchas superior, média e inferior.

O canal aéreo mais superior é chamado de recesso esfenoetmoidal. Abaixo de cada concha há os meatos superior, médio e inferior. A crista galli do osso etmoide é onde a foice do cérebro se insere no crânio. De cada lado da crista galli há a placa cribriforme, e aqui os forames distribuídos na placa são vitais para o olfato e contribuem para o fluxo aéreo através das suas cavidades nasais, junto com o epitélio olfatório, os bulbos olfatórios, trato olfatório e córtex olfatório do cérebro.

A placa orbital do osso etmoide se articula com o osso frontal e com a maxila para então formar a parede medial da cavidade orbitária. Nós vimos que no interior da cavidade orbitária existem ainda os forames etmoidais anteriores posteriores. Através destes forame cursam os vasos e nervos etmoidais anteriores e posteriores.

Continuando para dentro do osso etmoide nós aprendemos que as células aéreas etmoidais anteriores se abrem no ducto frontonasal, as células aéreas etmoidais médias se abrem na bula etmoidal e as células aéreas etmoidais posteriores se abrem na parede lateral do meato nasal superior.

As células aéreas etmoidais anteriores recebem inervação de ramos dos nervos oftálmico e maxilar. Nós também vimos que a bula etmoidal é formada por uma protuberância das células aéreas etmoidais médias na parede lateral da cavidade nasal.

O sulco que se estende anteriormente a partir da bula etmoidal é chamado de infundíbulo etmoidal. O infundíbulo forma o canal do ducto frontonasal através de células aéreas etmoidais, que se abre no seio frontal. Finalmente nós vimos que o processo uncinado é uma pequena projeção de osso que forma uma pequena parte da parede do seio maxilar e se articula com a concha nasal inferior.

E este é o fim da nossa videoaula sobre o osso etmoide. Obrigado por assistir, e eu te vejo na próxima.

Continue a sua aprendizagem

Faça teste

Leia artigos

Mostre mais 5 artigos

Navegue pelo atlas

Muito bem!

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!