EN | DE | PT Contato Como estudar Entrar Cadastrar

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!

Nervo glossofaríngeo

Este vídeo tem legendas em Português

Percurso, ramificações e núcleos do nervo glossofaríngeo.

Fantástico!
A sua primeira videoaula. Continue para o teste abaixo para solidificar o seu conhecimento.

Destaques

Transcrição

Olá a todos! Aqui é o João, do Kenhub, e sejam bem-vindos a outra videoaula, e desta vez nós vamos falar sobre o nervo glossofaríngeo. A primeira coisa que eu quero mostrar para vocês aqui nesta tela é esta perspectiva - esta vista lateral do cérebro. Quando nós o giramos podemos ver estas estruturas amarelas que são chamadas de nervos cranianos. Estas belas estruturas são todas vistas de uma perspectiva inferior do cérebro. O nervo glossofaríngeo pertence a este grupo de estruturas neurais.

Agora, se nós ampliarmos a imagem poderemos ver o nervo glossofaríngeo em verde. Nós também podemos ver aqui que ele é um nervo bilateral, o que significa que você pode encontrá-lo de cada lado, da mesma forma que acontece com os outros nervos cranianos. O nervo glossofaríngeo é o nono dos doze nervos cranianos, e é tipicamente abreviado como NC seguido do algarismo romano nove (IX). Antes de nós falarmos sobre diferentes pontos relacionados ao nervo glossofaríngeo eu gostaria de lhe mostrar a principal imagem que nós vamos explorar hoje nesta videoaula.

Esta menina foi gentil o suficiente para nos deixar usar a sua foto de perfil, então nós podemos sobrepô-la à imagem principal que nós vamos explorar ao longo desta videoaula. Bem, nós vamos explorar estas estruturas que eu estou sobrepondo aqui só para dar a vocês uma ideia de onde elas estão localizadas no seu corpo. Mas note que esta é uma vista esquemática que mostra as estruturas posicionadas de forma ligeiramente diferente de onde elas geralmente ficam no corpo. O motivo pelo qual nós utilizamos esta vista esquemática é que ela nos permite ver as coisas um pouco melhor - a forma como as coisas se conectam umas às outras.

Na imagem você vê algumas estruturas bem conhecidas aqui - a língua, que está cortada, a faringe, alguns nervos cranianos saindo do tronco encefálico, e o foco desta videoaula, que é o nervo glossofaríngeo, visto aqui destacado em verde, e perceba como o nervo está conectado, por falta de uma palavra melhor, a diferentes estruturas que ele está inervando, então aqui você consegue ter uma visão geral melhor.

A primeira coisa que eu quero fazer antes de explorarmos o percurso e os ramos do nervo glossofaríngeo - nesta imagem que nós acabamos de ver, com maiores detalhes - é dar uma olhada rápida em sua anatomia geral. Todo bom nervo no nosso corpo é responsável por inervar uma estrutura, e o nervo glossofaríngeo não é uma exceção, então nós vamos ver que existem algumas estruturas inervadas por este nervo - então todos os locais onde os axônios associados com o nervo glossofaríngeo estão localizados, estes axônios mantêm contato com áreas como a glândula parótida, que você vê aqui nesta imagem, a tuba auditiva, a cavidade e a membrana timpânicas, a língua, a tonsila palatina, a faringe e uma artéria - esta aqui, a artéria carótida comum. Estas áreas periféricas estão conectadas ao tronco encefálico, especificamente ao aspecto lateral do bulbo, que você pode ver aqui nesta imagem. Isso também fica mais claro visto nesta aqui, esta imagem aqui, com ele localizado logo superiormente ao nervo vago, que você pode ver aqui.

A partir daqui o nervo glossofaríngeo passa pelo forame jugular, que é esta estrutura vista aqui destacada em verde nesta imagem com uma vista superior da base do crânio. Lembre-se que a palavra forame significa abertura, então é aqui que o nervo vai passar através do crânio. Se você voltar na imagem do nervo glossofaríngeo você pode ver este círculo mostrando onde o nervo deixa o forame jugular. A partir dali o nervo se ramifica e então inerva todas as estruturas que eu mencionei para vocês há pouco.

A esta altura da videoaula nós estamos prontos para mergulhar um pouco mais fundo e explorar os detalhes relacionados com o nervo glossofaríngeo. Este nervo craniano em particular pode ser considerado um dos mais complexos, já que ele lida com muitas funções diferentes associadas com a anatomia da cabeça e do pescoço. E estas funções incluem a sensação geral da língua e da garganta, e também a sensação especial do paladar, e a sensação visceral de algumas estruturas específicas da artéria carótida comum. Existem ainda outros componentes - motor das vias parassimpáticas e, finalmente, função motora somática. Ao longo desta videoaula nós vamos discutir a anatomia do nervo glossofaríngeo em associação com cada uma destas funções, então mantenha isto em mente conforme nós avançamos.

Vamos começar discutindo o componente sensitivo geral do nervo glossofaríngeo. Conforme nós discutimos o componente sensitivo, deixe-me mencionar aqui que ele pode também ser chamado de aferente, já que os potenciais de ação estão sendo conduzidos ao longo de axônios em direção ao sistema nervoso central. Os tipos de sensação transmitidos por axônios sensitivos gerais incluem dor e tato, que é mostrado aqui por esta imagem um tanto quanto dolorosa, então por favor não tentem isso em casa, e também temperatura. O nervo glossofaríngeo transmite a inervação sensitiva da língua, tonsilas, faringe, cavidade timpânica, tuba auditiva e ouvido externo, então é isso que nós vamos discutir em seguida.

Então primeiramente vamos ver a inervação sensitiva da língua. O nervo glossofaríngeo recebe a informação sensitiva geral da sua língua através dos ramos linguais, que são as estruturas que você vê agora destacadas em verde nesta imagem. É importante observar que somente o terço posterior da língua é inervado pelo nervo glossofaríngeo. A inervação sensitiva geral dos dois terços anteriores é suprida pela divisão mandibular do nervo trigêmeo.

Em seguida nós vamos ver a inervação sensitiva das tonsilas. A tonsila palatina também vai enviar informações aferentes para o nervo glossofaríngeo, através dos ramos tonsilares, que você vê aqui em verde. Estes ramos formam uma parte de um plexo de nervos, com a contribuição da divisão maxilar do nervo trigêmeo, e juntos estes ramos também fornecem suprimento sensitivo de áreas do palato mole e também do istmo orofaríngeo.

Agora, como eu mencionei nos slides anteriores, as próximas inervações sensitivas que nós vamos discutir são aquelas que vêm da faringe, levadas pelos ramos faríngeos, que você pode ver agora destacados em verde. Os ramos faríngeos do nervo glossofaríngeo inervam a mucosa da orofaringe e da laringofaringe, entretanto, boa parte da nasofaringe é inervada pela divisão maxilar do nervo trigêmeo. Os ramos faríngeos do nervo glossofaríngeo vão formar o componente aferente do reflexo do vômito, com o nervo vago formando o componente eferente, causando o movimento dos músculos faríngeos.

Em seguida na nossa lista nós vamos ver as sensações vindas da orelha média e da tuba auditiva. Partes da orelha média também são inervadas pelo nervo glossofaríngeo, o que pode parecer estranho para algumas pessoas, entretanto, conforme o nervo glossofaríngeo deixa a sua cavidade craniana existe um pequeno ramo, que é chamado de ramo timpânico, que eu estou mostrando agora com esta seta. Este irá então passar superiormente de volta à parte petrosa do osso temporal, onde a cavidade timpânica se localiza, que é a cavidade que você vê agora destacada da secção da orelha. Esta é a localização do aparelho de condução óssea da sua orelha média.

Uma vez na orelha média, o ramo timpânico se ramifica na membrana timpânica para formar o plexo timpânico - este aqui que você agora destacado na imagem. Este plexo nervoso envia informações sensitivas gerais da sua orelha média ao tronco encefálico através do nervo glossofaríngeo. Além disso existe um ramo tubário - esta estrutura que você vê aqui destacada em verde. Este ramo tubário vai se juntar ao plexo timpânico, levando consigo informações sensitivas da tuba auditiva, que é este tubo osteocartilaginoso que conecta a nasofaringe à orelha média.

A última área de inervação sensitiva geral recebida pelo nervo glossofaríngeo se origina da orelha externa. A inervação da orelha externa é um pouco complexa, como você provavelmente já sabe, já que é a localização onde a pele de desenvolvimento branquial se encontra com a pele pós-branquial. Em outras palavras o que eu estou tentando dizer aqui é que é aqui que áreas de pele diferentes do ponto de vista de desenvolvimento se encontram ou se unem, levando consigo vários nervos. Entretanto, a contribuição do nervo glossofaríngeo chamada de ramo comunicante do nervo vago, vista aqui destacada em verde, vai de carona (boleia) com ramo auricular do nervo vago. Esta comunicação explica por que pacientes que sentem dor tonsilar também podem ter dor referida tanto na orelha externa quanto na média, pelo ramo timpânico.

Todos os ramos que nós acabamos de mencionar se juntam e eventualmente passam para o tronco encefálico através dos gânglios glossofaríngeos superior e inferior, que você pode ver aqui destacados em verde nesta imagem. É aqui que os corpos celulares dos neurônios sensitivos se localizam. Após atravessar o forame jugular, como você vê aqui na imagem, eles entram no aspecto lateral do bulbo. As fibras de dor e temperatura vão formar sinapse nos núcleos espinhais do nervo trigêmeo, vistos neste destaque verde, enquanto as fibras sensitivas vão formar sinapse no núcleo sensitivo principal do nervo trigêmeo, que você também vê aqui, destacado em verde agora.

Se você se lembrar da lista de funções que nós mencionamos anteriormente, a próxima função que nós vamos discutir é a inervação sensitiva especial. Em relação à inervação sensitiva especial, você só precisa se lembrar de uma - paladar. O nervo glossofaríngeo está relacionado com a sensação do paladar. Esta sensação é percebida por papilas gustativas especificamente do terço posterior da língua, enquanto os dois terços anteriores são supridos pelo nervo facial.

Os nervos envolvidos na transmissão do paladar através do nervo glossofaríngeo, nós já os conhecemos - os ramos linguais do nervo glossofaríngeo - que você vê agora destacado em verde nesta imagem. Estes axônios passam através dos gânglios superior e inferior, que você vê aqui na imagem do nervo glossofaríngeo, e em seguida através do forame jugular, bem aqui, em direção ao bulbo. E aqui eles formam sinapse no núcleo solitário - esta estrutura que nós acabamos de destacar aqui em verde.

Agora que nós acabamos de falar sobre a sensação do paladar, vamos continuar para a próxima função na nossa lista - sensação visceral. O componente sensitivo visceral do nervo glossofaríngeo recebe informações de duas estruturas que estão associadas à bifurcação da artéria carótida comum. Estas estruturas especializadas são o corpo carotídeo, visto aqui na imagem destacado em verde, e o seio carotídeo. Estas estruturas neurais ajudam nos mecanismos homeostáticos do corpo.

Vamos ver estas duas estruturas mais de perto. O seio carotídeo, como você pode ver agora, é uma pequena dilatação na extremidade inferior da artéria carótida interna, e é chamado de barorreceptor, pois é especializado na monitorização da pressão sanguínea ao enviar sinais ao sistema nervoso central conforme a parede arterial se distende com a variação da pressão sanguínea. Enquanto o corpo carotídeo é uma pequena estrutura avermelhada, localizada posteriormente na bifurcação da artéria carótida comum, sua função é transmitir informações sobre a bioquímica sanguínea, e portanto é o que nós chamamos de quimiorreceptor. Axônios do corpo e seio carotídeos vão cursar pelo ramo carotídeo do nervo glossofaríngeo e formar sinapse no núcleo solitário.

Agora vamos continuar, e a seguir na nossa lista de funções nós temos a função parassimpática. A função parassimpática do nervo glossofaríngeo fornece fibras secretomotoras para a glândula parótida, que é uma glândula bem conhecida. Esta é uma das maiores glândulas salivares, localizadas em cada lado da sua face, logo anterior e inferior às orelhas. A glândula está destacada aqui em verde nesta imagem. As fibras motoras parassimpáticas se originam do núcleo salivatório inferior, visto aqui em verde de uma perspectiva dorsal do tronco encefálico.

Se nós ampliarmos um pouco a nossa imagem nós podemos ver que estas fibras cursam para fora da cavidade craniana através do forame jugular, que é este círculo aqui. Elas então passam através dos gânglios glossofaríngeos superior e inferior, e em seguida pegam uma carona com o ramo timpânico do plexo timpânico na orelha média, que é esta estrutura que você vê aqui destacada em verde.

Os axônios parassimpáticos do plexo são emitidos como nervo petroso inferior, que passa da orelha média e eventualmente cursa inferiormente através do forame oval, que você vê aqui destacado em verde nesta imagem de uma perspectiva superior do crânio. E note que o nervo petroso menor passa através deste forame com a divisão mandibular do nervo trigêmeo, que é este nervo aqui. Daqui as fibras parassimpáticas cursam para uma estrutura chamada de gânglio ótico - esta pequena estrutura destacada em verde - e então elas formam sinapse. Note na imagem ampliada do nervo glossofaríngeo que esta aqui é a divisão mandibular do nervo trigêmeo. Depois disso as fibras continuam para o nervo auriculotemporal, que é um ramo da divisão mandibular do nervo trigêmeo, e este nervo passa próximo à glândula parótida, anatomicamente falando, e nós podemos ver as fibras parassimpáticas o deixando para a inervarem.

Agora é hora de continuar para a última função na nossa lista, que é a função motora somática. Nós vamos começar com o mais fácil. O nervo glossofaríngeo só inerva um músculo somático - o estilofaríngeo - através de um ramo muscular. Este músculo é melhor visto a partir de uma perspectiva posterior dos músculos faríngeos, na qual você observa o estilofaríngeo destacado em verde. Estes músculos bilaterais cursam inferiormente a partir do processo estiloide do osso temporal, que você pode ver parcialmente aqui, passando entre os músculos constritores médio e superior da faringe, aqui. O nervo glossofaríngeo permanece próximo a este músculo conforme ele cursa em direção à faringe, tonsilas e língua.

Eu vou voltar rapidamente a esta imagem dos núcleos dos nervos cranianos vistos de uma perspectiva dorsal do seu tronco encefálico, onde você pode ver que o axônio inervando este músculo se origina do núcleo ambíguo no bulbo.

Agora que nós cobrimos todas as funções e a anatomia relacionada ao nervo glossofaríngeo, eu gostaria de rapidamente cobrir algumas notas clínicas importantes. Um teste comum para verificar a integridade do nervo glossofaríngeo é tocar a orofaringe ou o aspecto posterior da língua com um depressor lingual. Isto irá iniciar o reflexo do vômito. O reflexo do vômito possui dois componentes - um componente aferente e um componente eferente. O componente aferente, ou componente sensitivo, é formado pelo nervo glossofaríngeo, que transmite os sinais do tato de volta ao seu tronco encefálico, onde eles formam sinapse com axônios do nervo vago para formar então o componente eferente ou motor, que envia sinais aos músculos da faringe, o que faz com que a pessoa inicie o vômito.

Antes de finalizarmos eu gostaria de fazer um rápido resumo do que nós aprendemos. Nós primeiro discutimos a anatomia básica do nervo glossofaríngeo, depois falamos dos detalhes, dividindo a videoaula em funções do nervo glossofaríngeo, e para cada função nós vimos a anatomia do nervo glossofaríngeo relacionada à aquela função específica.

Nós começamos com a função sensitiva geral. Nós vimos os ramos linguais do nervo glossofaríngeo, que são responsáveis pela sensibilidade da língua, os ramos tonsilares do nervo glossofaríngeo, envolvidos na sensação das tonsilas, os ramos faríngeos do nervo glossofaríngeo, que são responsáveis pela inervação aferente da faringe, o ramo timpânico do nervo glossofaríngeo, visto aqui onde está a seta, que está envolvido na inervação da orelha média e da tuba auditiva. E ainda nesta parte nós vimos o plexo timpânico e o ramo tubário do plexo timpânico.

Agora, como parte da sensibilidade da orelha externa nós vimos o ramo comunicante do nervo vago. Nós então vimos as estruturas envolvidas na sensação especial, e vimos o envolvimento e as conexões dos ramos linguais do nervo glossofaríngeo, e seu caminho para o núcleo solitário. Nós então falamos sobre a sensação visceral, onde o nervo glossofaríngeo recebe informações de duas estruturas - o corpo carotídeo e o seio carotídeo.

Em seguida nós vimos as funções parassimpáticas, onde nós mencionamos que o nervo possui fibras secretomotoras para a glândula parótida, e depois indo do núcleo salivatório inferior para o plexo timpânico, o nervo petroso menor, e depois através do forame oval, o gânglio ótico e para o nervo auriculotemporal. Finalmente nós vimos as funções motoras somáticas, onde o nervo glossofaríngeo inerva o músculo estilofaríngeo com axônios vindos do núcleo ambíguo.

Para as notas clínicas relacionadas ao nervo glossofaríngeo nós falamos do teste clínico deste nervo, e essencialmente dos dois componentes do reflexo do vômito.

Continue a sua aprendizagem

Faça teste

Leia artigos

Mostre mais 3 artigos

Navegue pelo atlas

Muito bem!

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!