EN | DE | PT Contato Como estudar Entrar Cadastrar

Músculo semimembranoso - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Com quais você prefere aprender?

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

Músculo semimembranoso

O músculo semimembranoso é um dos quatro músculos do compartimento posterior da coxa que são responsáveis pela extensão do quadril. Os outros três músculos que pertencem ao grupo extensor do quadril são o semitendinoso, o bíceps femoral e o glúteo máximo.  Em conjunto, o semimembranoso, o semitendinoso e o bíceps femoral formam os músculos do jarrete.

O semimembranoso (junto com o semitendinoso) ocupa o aspecto medial do compartimento posterior da coxa. Ele é um músculo relativamente longo, que se estende por todo o comprimento da coxa - do quadril ao joelho.

Fatos importantes sobre o músculo semimembranoso
Origem Impressão superolateral da tuberosidade isquiática
Inserção Côndilo medial da tíbia
Ação Articulação do quadril: extensão e rotação interna da coxa
Articulação do joelho: extensão e rotação interna da coxa
Estabilização da pelve
Inervação Divisão tibial do nervo isquiático (L5-S2)
Vascularização Ramos perfurantes das artérias femoral e poplítea

Este artigo irá discutir a anatomia e a função do músculo semimembranoso.

Origem e inserção

O semimembranoso é um músculo relativamente largo que se origina de uma pequena faceta na superfície rugosa superolateral da tuberosidade isquiática. O tendão semimembranoso aparece ao nível da coxa e continua caudalmente em direção ao ponto de inserção no côndilo medial da tíbia.

Estrutura

Existem detalhes estruturais interessante no semimembranoso que ajudam a identificar o músculo macroscopicamente. Ele se inicia como uma estrutura membranosa achatada que desenvolve um ventre muscular mais ou menos na metade da coxa. O componente muscular é relacionado medialmente ao seu tendão, e as fibras são orientadas inferomedialmente. O tendão distalmente sofre uma trifurcação, originando:

  • a parte principal, que se insere no côndilo tibial medial
  • uma parte secundária que se funde com a fáscia poplítea
  • uma terceira parte que se torna o ligamento poplíteo oblíquo

Outra importante característica do semimembranoso é que a sua margem lateral forma a parede superomedial da fossa poplítea.

Relações

O músculo semimembranoso possui numerosas estruturas musculares e neurovasculares adjacentes ao longo de seu curso. O semimembranoso situa-se profundamente ao semitendinoso, superficial ao adutor magno e medial ao bíceps femoral por todo o seu trajeto. A parte proximal do músculo é recoberta pelo glúteo máximo e medial ao adutor mínimo. Distalmente, o semimembranoso cruza e se relaciona medialmente à cabeça medial do gastrocnêmio antes de se inserir no côndilo tibial medial. A parte distal do semimembranoso também é medial ao canal dos adutores (hiato dos adutores), que acomoda os vasos do membro inferior.

Há uma bursa com formato da letra U que envolve o tendão semimembranoso. Ela separa o tendão do platô tibial medial, da cabeça medial do gastrocnêmio, semitendinoso e ligamento cruzado medial.

O maior nervo no corpo humano - o nervo ciático (isquiático) - cursa lateralmente ao semimembranoso até que atinge o ápice da fossa poplítea. Nesse ponto a artéria e a veia poplítea são laterais e parcialmente cobertas pelo semimembranoso.

Inervação

O semimembranoso é inervado pelas raízes nervosas L5, S1 e S2. Estas fibras chegam ao músculo através da divisão tibial do nevo ciático.

Vascularização

As artérias femoral e poplítea originam ramos perfurantes profundos para suprir o músculo semimembranoso. Ocasionalmente a artéria glútea inferior vasculariza a parte proximal do músculo.

Funções

O semimembranoso se estende ao longo das articulações do quadril e do joelho, e consequentemente é responsável por vários movimentos em ambas as articulações. Quando os pés estão firmemente plantados no chão, o semimembranoso causa extensão no quadril, que puxa o tronco superior para assumir uma posição ereta. O semimembranoso (juntamente com o semitendinoso) pode ainda causar rotação interna da coxa quando o quadril está completamente estendido. Quando as pernas estão suspensas sob o chão ele causa flexão do joelho e rotação interna da perna na coxa.

O semimembranoso e outros músculos do compartimento posterior da coxa ficam inativos quando um indivíduo está de pé apoiado simetricamente sobre as duas pernas. Entretanto, se o indivíduo se inclina para a frente o semimembranoso é ativado e age contra o movimento anterior, estabilizando assim o quadril.
Se você cansou de ler, faça uma pausa e confira as nossas unidades de estudo interativas.

Nota clínica

Da próxima vez que você estiver na academia malhando pernas e fizer exercícios de flexão  da coxa, observe que você está malhando o semimembranoso. Mas tome cuidado, você não quer causar lesões ao tendão deste precioso músculo. A tendinopatia do semimembranoso é uma possível causa de dor crônica do joelho que é frequentemente subdiagnosticada e pouco compreendida.

Esta patologia pode se desenvolver como resultado de lesões em ciclistas e maratonistas, ou como parte de degenerações relacionadas à idade em indivíduos mais velhos. Os pacientes podem se queixar de uma dor insidiosa na parte posteromedial do joelho que se irradia distalmente para a região medial da panturrilha ou proximalmente para a região posteromedial da coxa. A dor é agravada por atividades que exigem flexão do joelho.

Esta dor pode ser reproduzida durante o exame clínico com palpação sobre a inserção do tendão semimembranoso ou pela rotação interna e flexão do joelho. A maioria destes casos pode ser tratado de maneira conservadora com repouso, analgesia e fisioterapia. 

Músculo semimembranoso - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Com quais você prefere aprender?

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

Mostrar referências

Referências:

  • Bylund, W., & de Weber, K. (2010). Semimembranosus Tendinopathy. Sports Health: A Multidisciplinary Approach, 2(5), 380-384. doi: 10.1177/1941738109357302.
  • Moore, K., Agur, A., & Dalley, A. (2006). Clinically oriented anatomy (5ª Edição). Philadelphia: LippincottWilliams&Wilkins.
  • Netter, F. (2014). Atlas of Human Anatomy (6ª Edição). Philadelphia, PA: Saunders.
  • Palastanga, N., & Soames, R. (2012). Anatomy and human movement (6ª Edição). Edinburgh: Churchill Livingstone.
  • Standring, S., & Gray, H. (2008). Gray's anatomy (42ª Edição). Edinburgh: Churchill Livingstone/Elsevier.

Ilustrações:

  • Músculo semimembranoso - vista posterior - Liene Znotina
  • Músculo semimembranoso - vista lateral-esquerda - Liene Znotina
  • Músculo semimembranoso - vista posterior - Irina Münstermann

Tradução, Revisão, Layout:

  • Rafael Lourenço do Carmo
  • Catarina Chaves
© Exceto expresso o contrário, todo o conteúdo, incluindo ilustrações, são propriedade exclusiva da Kenhub GmbH, e são protegidas por leis alemãs e internacionais de direitos autorais. Todos os direitos reservados.

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!