EN | DE | PT Contato Como estudar Entrar Cadastrar

Artérias, veias e nervos do rim - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Com quais você prefere aprender?

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

Artérias, veias e nervos do rim

Os rins são órgãos bilaterais, que apresentam o formato de um grão de feijão, estando localizados no retroperitônio. Os órgãos se dispõem na parede abdominal posterior, onde filtram o sangue, mantém a homeostase iônica e produzem urina. O fígado desloca o rim direito inferiormente, e, como resultado, o rim esquerdo encontra-se ligeiramente mais cranial em relação ao direito.

Na sua superfície medial, o rim possui uma concavidade, conhecida como hilo. Nesse ponto entram no órgão as artérias renais e as veias renais, enquanto a pelve (início dos ureteres) deixa o órgão.

O suprimento nervoso de ambas as divisões do sistema nervoso autônomo também entra no rim pelo hilo. A drenagem linfática do córtex renal (camada externa do rim) e da medula renal (camada interna do rim) vão para os mesmos grupos de linfonodos/gânglios linfáticos.

Fatos Importantes
Artérias Aorta abdominal: 
artérias renais-ramos anterior e posterior
Ramo anterior das artérias renais: 
artérias segmentares apical, anterior superior, anterior inferior e inferior
artérias interlobares
artérias arqueadas
artérias interlobulares
Rede capilar: 
arteríolas eferentes
capilares peritubulares
vasa recta
Veias veias interlobulares
veias arqueadas
veias interlobares
veia renal
Nervos Inervação parassimpática: 
nervo vago (NC X)
Inervação simpática:
plexo intermesentérico (S2 a S4)
plexo celíaco
Drenagem linfática Plexo linfático subcapsular:
vasos linfáticos medulares
vasos linfáticos corticais
troncos linfáticos lombares
linfonodos para-aórticos, pré-cavais, lombares e retrocavais
Clínica Infartos renais, hipertensão, nefropatias

Anatomia

Este artigo irá discutir as artérias, veias e nervos do Rim.

Finalmente, múltiplas patologias-Infartos renais, hipertensão e nefropatias serão abordadas.

Para aprender mais sobre a estrutura renal, verifique nossos materiais abaixo:

Suprimento Arterial

A aorta abdominal emite muitos ramos, incluindo as artérias renais. As artérias renais emergem perpendicularmente à aorta abdominal, cursando posteriormente às veias renais, os nervos e o pâncreas.

Após a ramificação da aorta, a artéria renal entra no rim pelo hilo, onde se divide nos ramos anterior e posterior. A divisão posterior segue para fornecer sangue à região posterior do rim, enquanto o ramo anterior se subdivide nas artérias segmentares apical, anterior superior, anterior inferior e inferior; cada uma responsável por seu respectivo segmento.
 

Os ramos das artérias renais anteriores se subdividem ao nível dos cálices menores em artérias interlobares, que cursam ao redor das bordas das pirâmides medulares. Na base das pirâmides essas artérias são chamadas de artérias arqueadas.

Finalmente, as artérias entram nos néfrons/nefrónios (unidades funcionais dos rins), como artérias interlobulares, onde as arteríolas aferentes levam sangue para ser filtrado no glomérulo. Deve-se mencionar que essas artérias não se anastomosam e não possuem veias correspondentes.

Aprofunde seus conhecimentos sobre as artérias renais com os recursos a seguir:

Rede Capilar

Conforme as arteríolas aferentes entram nos glomérulos elas formam uma intrincada rede de capilares comunicantes. Os capilares são revestidos por um epitélio fenestrado único (cada espaço possuindo uma largura de cerca de 70 a 100 nm). A fenestração permite a passagem seletiva de pequenas partículas para os túbulos renais, e mantém no interior dos vasos as células sanguíneas, que são maiores.

Os capilares deixam o glomérulo como arteríolas eferentes, quando então formam leitos capilares ao redor da alça/ansa de Henle do néfron/nefrónio. Nos néfrons/nefrónios corticais (nos quais a alça/ansa de Henle não se estende profundamente para o interior da medula) os leitos capilares são chamados capilares peritubulares; enquanto nos néfrons/nefrónios justamedulares (nos quais a alça/ansa de Henle se estende profundamente para o interior da medula) os leitos capilares são chamados de vasa recta (do latim “vasos retos”). Estes leitos capilares facilitam a regulação da pressão sanguínea e a homeostase iônica, tanto passivamente quanto sob influência hormonal.

Já estudou os as principais artérias do rim? Então desafie-se com o teste abaixo.

Drenagem Venosa

Conforme os capilares deixam o néfron/nefrónio eles se condensam para formar veias interlobulares. De maneira semelhante aos ramos das artérias renais, as veias interlobulares se tornam veias arqueadas na base das pirâmides medulares, e em seguida veias interlobares. Cerca de cinco ou seis veias interlobares se unem para formar cada veia renal. Ao contrário dos ramos das artérias renais, as tributárias da veia renal se comunicam umas com as outras.
 

Os rins e o sistema urinário podem ser bastante complexos. Por isso preparamos uma apostila de exercícios sobre o sistema urinário para que você aprenda tudo e corte seu tempo de estudos pela metade!

Inervação

As divisões simpática e parassimpática do sistema nervoso autônomo são responsáveis pela inervação dos rins. O fluxo nervoso de T10 a L1 fornece suprimento vasomotor através do nervo esplâncnico tóraco-lombar, depois de fazer sinapse nos gânglios renal e celíaco.

Fibras parassimpáticas do nervo vago também inervam o rim, bem como fibras do plexo intermesentérico (S2 a S4). Fibras aferentes transmitindo dor da víscera cursam ao longo da via simpática. As fibras aferentes que detectam dor que se origina de cálculos renais na pelve ou nos cálices renais cursam através do plexo celíaco para o tronco simpático, pelo trajeto dos nervos esplâncnicos. A náusea e vômitos associados podem ser resultado do curso aferente ao longo da rota vagal.
 

Vamos praticar? Com os nossos testes personalizados você consegue consolidar o seu conhecimento de forma rápida e divertida!

Drenagem linfática

Vasos linfáticos superficiais formam um plexos sob a cápsula renal (fina camada que recobre os rins), sendo conhecidos como plexo linfático subcapsular. Juntamente com os vasos linfáticos medulares, eles se comunicam com os vasos linfáticos corticais e cursam junto com as artérias interlobulares, arqueadas e interlobares. Os linfáticos renais então drenam diretamente para os troncos linfáticos lombares (que em seguida drenam para o ducto torácico e a cisterna do quilo) e para os linfonodos/gânglios linfáticos para-aórticos, incluindo os linfonodos/gânglios linfáticos pré-cavais, lombares e retrocavais.

Artérias, veias e nervos do rim - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Com quais você prefere aprender?

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!