EN | DE | PT Contato Como estudar Entrar Cadastrar

Rim - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Cadastre-se para ter uma conta gratuita no Kenhub hoje e se junte a mais de 1.054.425 alunos de anatomia de sucesso.

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

Rim

Os rins são órgãos retroperitoneais bilaterais, que podem ser encontrados nos quadrantes abdominais superiores à direita e à esquerda. Eles possuem forma de grandes grãos de feijão, possuindo uma convexidade maior e uma concavidade menor. Sua principal função é a de eliminar do organismo o excesso de fluidos, sais e subprodutos do metabolismo proteico. 

Uma abordagem microscópica revela entre um e quatro milhões de néfrons no tecido renal, que são compostos de um corpúsculo renal, um túbulo contorcido proximal, as porções fina e espessa da alça de Henle, o túbulo contorcido distal e os ductos coletores.

Esse artigo irá discutir as estruturas anatômicas adjacentes aos rins, seus limites teóricos, a sua anatomia macroscópica, os apêndices renais adjacentes, seu suprimento sanguíneo, inervação e as patologias comuns.

Fatos Importantes sobre os Rins
Localização T12 a L3 (os rins direitos estão localizados um pouco mais abaixo)
Limites

Anteriormente: fígado, duodeno, cólon ascendente, estômago, baço, pâncreas, jejuno, cólon ascendente

Inferior e posteriormente: quadrado lombar

Superior e posteriormente: diafragma

Estrutura Hilo renal, pelve renal, seio renal, pólos superior e inferior, limites medial e lateral, córtex, medula, pirâmides, cálices maiores e menores, papila renal
Fáscia Gordura pararenal, gordura perirrenal, fáscia renal
Vascularização Artérias e veias renais
Inervação Plexo renal
Drenagem linfática Linfonodos aórticos lombares

Localização e Limites

O rim é um órgão abdominal posterior, podendo ser encontrado iniciando-se ao nível da décima segunda vértebra torácica e terminando ao nível da terceira vértebra lombar. O rim direito está localizado levemente inferior ao esquerdo, devido ao tamanho e à localização do lobo direito do fígado, em comparação ao lobo esquerdo, que é muito menor.

Videoaula recomendada: Rins in situ
Rins in situ observados a partir de uma vista anterior.

Anatomicamente, sua margem medial é côncava e conhecida como hilo. É ali que a artéria renal entra através de cinco diferentes segmentos, sendo também o local por onde a veia renal deixa o órgão, levemente anterior em relação à artéria. Também a pelve renal deixa o órgão nesse ponto, posterior aos dois vasos. A entrada que leva ao tecido renal interno é conhecida pelo termo seio renal.

Estrutura do Rim - vista anterior


Os órgãos adjacentes incluem: 

Rins in situ - vista anterior

Estrutura renal

Como o hilo renal já foi discutido anteriormente, as principais estruturas que entram e deixam o órgão já foram mencionadas, e os outros aspectos do rim serão discutidos agora.

Cada rim possui um polo superior e um inferior, que são bastante evidentes, já que a margem convexa externa deixa a margem interna côncava apontando medialmente. Assim é possível distinguir imediatamente a diferença entre o rim esquerdo e o rim direito.

O córtex é a camada externa do rim, enquanto a medula é a área interna do tecido renal, sendo dividida em pirâmides medulares.

Tanto a camada interna quanto a externa contêm várias estruturas que constituem os néfrons.

Finalmente, o seio renal é a dilatação inicial do ureter, que é separado em três grandes cálices.

Os cálices se dividem novamente em cálices menores, cada qual envolvendo uma papila renal ou a ponta de uma pirâmide medular.

A fáscia renal e os tecidos adiposos adjacentes

Existem dois tipos de gordura que podem ser encontradas na periferia dos rins. Elas são conhecidas como gordura pararrenal e gordura perirrenal.

A gordura pararrenal é o tecido adiposo mais lateral que envolve a gordura perirrenal e a fáscia renal. Ela é vista mais frequentemente no aspecto posterior do rim, e atua como uma almofada para o órgão, mantendo-o ainda em sua posição.

A gordura perirrenal está ligada com a gordura que existe no seio renal, e é conectada à mesma no hilo. Ela envolve o rim e a glândula suprarrenal completamente, possuindo basicamente a mesma função da gordura pararrenal.

A fáscia renal é a divisão entre o tecido renal e a gordura perirrenal, e envolve ambos os rins e as glândulas suprarrenais, antes de continuar com a fáscia do diafragma. Da mesma forma que o tecido adiposo adjacente aos rins, ela mantém os órgãos em suas posições.

Suprimento sanguíneo 

As veias renais são posicionadas em frente às artérias renais, e a veia renal esquerda pode ser vista cruzando a aorta, logo posterior à artéria mesentérica superior.

As artérias renais são ramos da aorta abdominal que emergem ao nível da primeira e segunda vértebras lombares. A artéria renal direita é vista cursando posterior à veia cava inferior, e a inserção das artérias renais nos rins ocorre anteriormente à pelve renal. Logo antes da artéria renal principal entrar no tecido renal, ela se divide em quatro artérias segmentares anteriores e uma posterior.

Inervação

O suprimento nervoso dos rins ocorre através do plexo renal, que contém fibras parassimpáticas do nervo vago e fibras simpáticas dos nervos esplâncnicos torácicos.

Drenagem linfática

A drenagem linfática da área renal segue as veias e drena para os linfonodos aórticos lombares.

Nota Clínica

Cálculos renais são clinicamente conhecidos como urolitíase, e podem ser categorizados como uma doença que obstrui o débito urinário. Pode-se tratar de uma obstrução parcial ou completa, dependendo do tamanho do cálculo e seus constituintes. A composição de um cálculo pode incluir complexos cálcicos, estruvita, ácido úrico, cistina e outras substâncias desconhecidas, e sua causa primária é um aumento na concentração urinária. 

Os cálculos renais podem estar presentes sem sintomas, não importando suas dimensões, especialmente se elas se encontrarem na pelve renal. Por outro lado cálculos menores podem ser detectados se eles se deslocarem e eventualmente bloquearem o ureter. O sintoma mais comum é dor, que irradia do flanco para a virilha, e é conhecida como cólica nefrética. O tratamento atualmente consiste geralmente em medicamentos ou vibrações ultrassônicas, mas a maioria dos cálculos é pequeno o suficiente para ser eliminado para a urina sem dor.

Rim - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Cadastre-se para ter uma conta gratuita no Kenhub hoje e se junte a mais de 1.054.425 alunos de anatomia de sucesso.

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

Mostrar referências

Referências:

  • Neil S. Norton, Ph.D. and Frank H. Netter, MD,: Netter’s Head and Neck Anatomy for Dentistry, 2nd Edition, Elsevier Saunders, Chapter 22 Introduction to the Upper Limb, Back, Thorax and Abdomen, Page 599 to 600.
  • Frank H. Netter, MD,: Atlas of Human Anatomy, Fifth Edition, Saunders - Elsevier, Chapter 4 Abdomen, Subchapter 31 Kidneys and Suprarenal Glands, Guide Abdomen: Kidneys and Suprarenal Glands - Spleen, Page 162 to 163.
  • Kumar, Abbas and Aster,: Robbins Basic Pathology, 9th Edition, Elsevier - Saunders, Chapter 13 Kidney and its Collecting Systems, Page 545 to 546.
  • All about our kidneys. Kidney health Australia. May 23, 2014.
  • Kidney stones. NHS choices. April 19, 2012. 

Autor:

  • Dr. Alexandra Sieroslawska

Ilustrações:

  • Rins - vista anterior - Irina Münstermann
  • Rim direito - vista anterior - Irina Münstermann
  • Rim esquerdo - vista anterior - Irina Münstermann
  • Estrutura do Rim - vista anterior - Yousun Koh
  • Rins in situ - vista anterior - Yousun Koh
  • Hilo renal - vista anterior - Irina Münstermann
  • Córtex renal - vista coronal - Irina Münstermann
  • Extremidade superior do rim - vista anterior - Irina Münstermann
  • Extremidade inferior do rim - vista anterior - Irina Münstermann
  • Medula renal - vista coronal - Irina Münstermann
  • Borda medial do rim - vista anterior - Irina Münstermann
  • Cálice renal maior - vista anterior - Irina Münstermann
  • Cálice renal menor - vista anterior - Irina Münstermann
  • Papilas renais - vista coronal - Irina Münstermann
  • Rins - vista axial - National Library of Medicine
  • Veia renal - vista anterior - Begoña Rodriguez
  • Artéria renal esquerda - vista anterior - Irina Münstermann
  • Artéria renal - vista anterior - Begoña Rodriguez
  • Ramo posterior da artéria renal - vista anterior - Irina Münstermann
  • Nervo vago - vista lateral-esquerda - Paul Kim
  • Nervos esplâncnicos - vista inferior - Stephan Winkler
  • Linfonodos aórticos laterais - vista anterior - Irina Münstermann
  • Linfonodos aórticos laterais - vista anterior - Esther Gollan

Tradução para o português:

  • Rafael Lourenço do Carmo
  • Catarina Chaves
© Exceto expresso o contrário, todo o conteúdo, incluindo ilustrações, são propriedade exclusiva da Kenhub GmbH, e são protegidas por leis alemãs e internacionais de direitos autorais. Todos os direitos reservados.

Desenhos e imagens relacionados

Continue a sua aprendizagem

Leia mais artigos

Mostre mais 1 artigo

Assista videoaulas

Faça teste

Navegue pelo atlas

Muito bem!

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!

Crie sua conta gratuitamente.
Comece a aprender anatomia em menos de 60 segundos.