Conexão perdida. Por favor atualize a página.
Conectado
EN | DE | PT | ES Contato Como estudar Entrar Cadastrar
Pronto para aprender?
Selecione a sua ferramenta de estudo favorita

Pâncreas

O pâncreas tem um duplo papel, pois além de ser uma glândula exócrina do sistema digestivo, é também uma glândula endócrina produtora de hormônios. Ele é um órgão retroperitoneal, formado por cinco partes e por um sistema interno de ductos. O pâncreas é vascularizado pelas artérias pancreáticas, e é inervado pelo nervo vago (NC X), plexo celíaco e plexo mesentérico superior.

Este órgão é incrivelmente potente, e seu funcionamento desregulado e excessivo pode resultar na sua autodigestão, enquanto sua insuficiência pode levar ao coma.

Neste artigo, iremos explorar a anatomia do pâncreas, incluindo a sua localização, vascularização, inervação, drenagem linfática, função e alguns aspectos clínicos relevantes.

Informações importantes sobre o pâncreas
Localização Retroperitoneal
Regiões epigástrica, hipocôndrio esquerdo e umbilical
Partes Externas: cabeça, processo uncinado, colo, corpo, cauda
Internas:
ducto pancreático principal (de Wirsung), ducto pancreático acessório (de Santorini)
Função Digestão através da liberação de peptidases, lipases, nucleases e amilases
Regulação hormonal pela liberação de insulina (células beta), glucagon (células alfa) e somatostatina (células delta)
Vascularização Artérias pancreaticoduodenal, esplênica, gastroduodenal e mesentérica superior
Inervação Parassimpática: nervo vago (NC X)
Simpática:
nervos esplâncnicos maior e menor
Drenagem linfática Linfonodos pancreáticos, esplênicos e pilóricos
Conteúdo
  1. Anatomia
    1. Localização
    2. Partes
    3. Ductos pancreáticos
  2. Função
  3. Vascularização
  4. Inervação
  5. Drenagem linfática
  6. Nota clínica
    1. Pancreatite
  7. Referências
+ Mostrar todo

Anatomia

Localização

Antes de se aprofundar na leitura, que tal se familiarizar com o pâncreas e os órgãos adjacentes de forma rápida com nossa videoaula?

O pâncreas é um órgão alongado de aproximadamente 15 cm que se localiza obliquamente na parede abdominal posterior, ao nível dos corpos vertebrais de L1 e L2. A sua posição oblíqua faz com que seja impossível visualizá-lo em sua totalidade usando apenas um corte transversal. O pâncreas está em contato com diversas estruturas, uma vez se estende por várias regiões abdominais (epigástrica, hipocôndrio esquerdo e umbilical).

Relações anatômicas do pâncreas
Anterior Estômago, bolsa omental, mesocólon transverso, artéria mesentérica superior
Posterior Aorta, veia cava inferior, artéria renal direita, veias renais direita e esquerda, vasos mesentéricos superiores, veia esplênica, veia porta hepática, rim esquerdo, glândula suprarrenal esquerda
Superior Artéria esplênica
Lateral Baço
Medial Duodeno (partes descendente e horizontal)

Todo o pâncreas, com exceção de sua cauda, está localizado no espaço retroperitoneal da cavidade abdominal.

Partes

Agora que você já conhece a localização do pâncreas, está na hora de explorarmos a sua anatomia. Esse órgão parenquimatoso é dividido em cinco partes anatômicas: cabeça, processo uncinado, colo, corpo e cauda.

A cabeça é a porção medial e expandida do pâncreas. Ela fica em contato direto com as partes descendente e horizontal do duodeno, que formam um C em torno da cabeça do pâncreas. O processo uncinado projeta-se inferiormente a partir da cabeça do pâncreas e estende-se posteriormente em direção à artéria mesentérica superior. Lateralmente à cabeça encontramos o colo, uma estrutura pequena, com cerca de 2cm, que conecta a cabeça e corpo do pâncreas. Posteriormente ao colo estão a artéria e a veia mesentéricas superiores e a origem da veia porta hepática - formada pela união das veias mesentérica superior e esplênica.

Está com dificuldades para aprender a anatomia do pâncreas? Temos a ferramenta perfeita para você! Confira a nossa apostila de exercícios sobre o sistema endócrino.

Lateralmente ao colo encontramos o corpo pancreático, formado por duas superfícies (anterior e posterior) e duas margens (superior e inferior). O colo está localizado anteriormente à vértebra L2, e forma o assoalho da bolsa omental. A aorta, a artéria mesentérica superior, os vasos renais esquerdos, o rim esquerdo e a glândula suprarrenal esquerda estão localizados posteriormente ao corpo do pâncreas. Finalmente, a cauda (intraperitoneal) está intimamente relacionada ao hilo do baço, e segue juntamente com os vasos esplênicos próximo ao ligamento esplenorrenal.

Agora que você aprendeu as relações anatômicas do pâncreas, avalie seus conhecimentos com o teste a seguir:

Ductos pancreáticos

O ducto pancreático principal (de Wirsung) atravessa todo o parênquima pancreático, desde a cauda até à cabeça. Ele se junta ao ducto biliar, na cabeça do pâncreas, para formar o ducto hepatopancreático, também conhecido como ampola de Vater, que desemboca na parte descendente do duodeno, através da papila duodenal maior. O fluxo através da ampola de Vater é controlado por um esfíncter muscular liso, chamado esfíncter de Oddi (hepatopancreático), que também previne o refluxo de conteúdo duodenal para o ducto hepatopancreático. As partes terminais dos ductos pancreático principal e biliar também têm esfíncteres, que desempenham um papel importante no controle do fluxo dos fluidos pancreático e biliar.

Além do ducto principal, o pâncreas também contém um ducto acessório (de Santorini). Ele se comunica com o ducto pancreático principal ao nível do colo pancreático, e desemboca na parte descendente do duodeno através da papila duodenal menor.

Para consolidar os seus conhecimentos sobre a anatomia dos ductos pancreáticos confira o teste abaixo:

Função

O pâncreas é um órgão único, pois possui tanto funções endócrinas como exócrinas. A sua função exócrina inclui a síntese e a liberação de enzimas digestivas no duodeno. A sua função endócrina envolve a liberação de insulina e glucagon na corrente sanguínea, dois importantes hormônios responsáveis pela regulação do metabolismo da glicose, dos lípidos e das proteínas.

As glândulas exócrinas pancreáticas sintetizam e liberam nos ductos pancreáticos enzimas digestivas inativas, chamadas de zimogênios. Ao atingir o duodeno, os zimogênios são ativados por enzimas proteolíticas, tornando-se peptidases, amilases, lipases e nucleases ativas, que atuam para digerir ainda mais os alimentos que entram no intestino delgado provenientes do estômago.

A função endócrina do pâncreas é desempenhada pelas ilhotas pancreáticas de Langerhans. Essas glândulas endócrinas secretam hormônios diretamente na corrente sanguínea, e possuem três tipos celulares principais: alfa, beta e delta. Não se preocupe, você não vai precisar de aprender todo o alfabeto grego para saber as funções do pâncreas! Resumidamente, as células alfa liberam glucagon, as células beta secretam insulina e as células delta produzem somatostatina. Esses hormônios são fundamentais para a regulação não só do metabolismo da glicose, mas também das funções gastrointestinais.

Se você está à procura de uma descrição mais aprofundada sobre a estrutura interna do pâncreas, incluindo a sua histologia, dê uma olhada no conteúdo a seguir.

Vascularização

O pâncreas recebe o seu suprimento sanguíneo de várias fontes. O processo uncinado e a cabeça do pâncreas são vascularizados pelas artérias pancreaticoduodenais superior e inferior, ramos das artérias gastroduodenal e mesentérica superior, respectivamente. Cada artéria pancreaticoduodenal tem um ramo anterior e um posterior que se projetam ao longo das respectivas faces do colo do pâncreas, onde formam as arcadas pancreaticoduodenais responsáveis por vascularizar cada face.

Por sua vez, o corpo e a cauda do pâncreas são irrigados pelas artérias pancreáticas, que se ramificam a partir das artérias esplênica, gastroduodenal e mesentérica superior. A artéria esplênica é a mais relevante para a vascularização dessas zonas do pâncreas.

A veia pancreaticoduodenal anterior superior desemboca na veia mesentérica superior, enquanto a veia pancreaticoduodenal anterior posterior desemboca na veia porta hepática. Tanto a veia pancreaticoduodenal anterior inferior como a veia pancreaticoduodenal posterior inferior drenam na veia mesentérica superior, enquanto as veias pancreáticas drenam o sangue venoso do corpo e da cauda do pâncreas na veia esplênica. Quer aprender mais sobre o suprimento sanguíneo do pâncreas? Aproveite os seguintes recursos!

Inervação

O pâncreas recebe inervação involuntária através do sistema nervoso autônomo (SNA). A sua inervação parassimpática provém do nervo vago (NC X), e a sua inervação simpática, dos nervos esplâncnicos maior e menor (T5-T12). Os dois tipos de fibras autônomas seguem até ao gânglio celíaco e plexo mesentérico superior, projetando-se, por fim, no pâncreas.

Dentro do órgão, essas fibras transportam impulsos nervosos para as células acinares e para as ilhotas pancreáticas. As fibras parassimpáticas estimulam a secreção das células acinares, levando à liberação de suco pancreático, insulina e glucagon. Já as fibras simpáticas promovem a vasoconstrição e a inibição da secreção exócrina, ou seja, inibem a liberação do suco pancreático.

A inervação simpática regula também a secreção hormonal, estimulando a liberação de glucagon e inibindo a de insulina.

Drenagem linfática

A linfa do corpo e da cauda do pâncreas é drenada nos linfonodos pancreáticos e esplênicos, localizados ao longo da artéria esplênica; enquanto a linfa da cabeça pancreática é drenada nos linfonodos pilóricos. Subsequentemente, a linfa é transportada para os linfonodos celíacos ou mesentéricos superiores.

Para mais informações sobre os linfáticos do pâncreas, visite os recursos disponíveis nos links abaixo:

Que tal fazer um teste sobre as estruturas do pâncreas? Ele vai te ajudar a memorizar todos os detalhes anatômicos do órgão. Aqui no Kenhub você pode customizar seus testes, escolhendo exatamente os assuntos nos quais você quer se desafiar. Confira abaixo.

Pâncreas - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Com quais você prefere aprender?

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

© Exceto expresso o contrário, todo o conteúdo, incluindo ilustrações, são propriedade exclusiva da Kenhub GmbH, e são protegidas por leis alemãs e internacionais de direitos autorais. Todos os direitos reservados.

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!