Conexão perdida. Por favor atualize a página.
Conectado
EN | DE | PT | ES Contato Como estudar Entrar Cadastrar
Pronto para aprender?
Selecione a sua ferramenta de estudo favorita

Lista completa de marcos ósseos

Os marcos ósseos são projeções e depressões encontradas nos ossos que nos ajudam a identificar a localização de outras estruturas do corpo, como os músculos. São importantes quando tentamos descrever o formato do osso ou para entender como os músculos, ligamentos e outras estruturas atuam no osso e vice-versa.

Este artigo discutirá a anatomia dos marcos ósseos, incluindo suas duas grandes categorias, seus subtipos, características e exemplos.

Marcos ósseos
Partes de um osso Cabeça(epífise)
Colo (metáfise)
Corpo (diáfise)
Face articular
Partes e projeções Côndilo
Epicôndilo
Processo
Protuberância
Tubérculo x tuberosidade
Trocânter
Espinha
Linha
Faceta (face)
Crista
Aberturas e depressões Forame e fissura
Meato
Fossa e fóvea
Incisura e sulco
Seio
Conteúdo
  1. Partes de um osso
  2. Partes e projeções
    1. Côndilo
    2. Epicôndilo
    3. Processo
    4. Protuberância
    5. Tubérculo x tuberosidade
    6. Trocânter
    7. Espinha
    8. Linha
    9. Faceta (face)
    10. Crista
  3. Aberturas e depressões
    1. Forame e fissura
    2. Meato
    3. Fossa e fóvea
    4. Incisura e sulco
    5. Seio
  4. Referências
+ Mostrar todo

Partes de um osso

Compreender a composição e estrutura básicas de um osso é importante, pois fornece um ponto de referência para a descrição da localização dos marcos ósseos.

Os ossos longos são compostos por quatro partes distintas: uma cabeça (epífise), um colo (metáfise), um corpo (diáfise) e uma face articular.

  • A cabeça, ou epífise (epi- significando "sobre") de um osso refere-se à porção arredondada localizada em qualquer uma das extremidades do osso.
  • O colo, ou metáfise (meta-significando "depois" ou "subsequente a") é a parte mais larga de um osso longo.
  • O corpo, ou diáfise (dia- significando "através" ou "ao longo de") refere-se à parte central entre as extremidades proximal e distal do osso.
  • A face articular (mais de uma pode estar presente) é a área do osso que fica em contato próximo com os ossos vizinhos.

Memorizar o prefixo de cada parte do osso te ajudará a não confundi-los. Basta lembrar que a diáfise se estende por todo o comprimento do osso, com a metáfise vindo logo após, por fim levando à epífise em cada extremidade.

Você sabe quantos ossos há no corpo humano e os seus nomes? Utilize nossas ilustrações e testes sobre o sistema esquelético para aprender de forma rápida e eficiente.

Partes e projeções

As partes de um osso que se projetam acima de sua superfície podem ser chamadas coletivamente de projeções. São pontos de inserção para tendões e ligamentos, sendo seu formato e tamanho indicativos da força de tração exercida por eles em sua inserção óssea. A seguir, vamos explorar os diferentes tipos de projeções ósseas dentro desta categoria.

Côndilo

Côndilos são saliências arredondadas que formam articulações com outros ossos. Frequentemente fornecem sustentação estrutural para a face articular, ajudando a absorver a força exercida na articulação. O côndilo lateral do fêmur é um exemplo, e pode ser facilmente palpável no joelho.

Epicôndilo

Epicôndilo é uma projeção óssea acima de um côndilo. Ele serve principalmente como uma área para a inserção de um músculo ou ligamento. Exemplo: epicôndilo medial do úmero.

Processo

Um processo é uma proeminência óssea de um osso maior. Um exemplo é o processo mastoide, facilmente palpável por trás da orelha e no qual muitos músculos da cabeça se inserem.

Protuberância

As protuberâncias, semelhantes aos processos, são regiões proeminentes ou salientes do osso. A protuberância occipital externa é um exemplo. Projetando-se a partir da linha média da superfície externa, é palpável na parte de trás da cabeça.

Tubérculo x tuberosidade

Tubérculos e tuberosidades são estruturas discretamente diferentes que costumam ser confundidas.

Um tubérculo é uma pequena proeminência arredondada, frequentemente o local de inserção de algum tendão ou ligamento, por exemplo o tubérculo adutor do fêmur. A tuberosidade é maior, podendo ser encontrada em diferentes formatos e frequentemente tem uma textura áspera.

A tuberosidade ulnar (cubital) é um exemplo. Tanto os tubérculos quanto as tuberosidades são geralmente encontrados próximos aos locais de inserção de tendões ou ligamentos.

Trocânter

Este acidente ósseo está presente apenas no fêmur e se refere a um processo grande, rombo e de formato irregular que serve como um ponto de inserção para músculos e ligamentos. O fêmur tem um trocânter maior e um trocânter menor, menos proeminente.

Espinha

Uma espinha (ou processo espinhoso) é uma projeção aguda e delgada do osso, útil para a inserção de músculos ou ligamentos. Exemplo: espinha do osso esfenoidal.

Linha

O termo linha se refere a uma impressão sutil, longa e estreita que se sobressai por sua elevação, coloração ou textura em relação aos tecidos circunjacentes. A linha áspera do fêmur é um exemplo. Encontrada em sua superfície posterior, consiste nos lábios medial e lateral que se divergem em suas extremidades superior e inferior.

Faceta (face)

A faceta, ou face, é uma área plana e lisa do osso que serve como uma superfície articular. Exemplo: faceta acromial da clavícula.

Crista

Cristas podem ser descritas como margens salientes e proeminentes de um osso. Elas têm uma espessura média e frequentemente são encontradas em locais onde tecido conjuntivo se junta aos músculos e ossos. A crista ilíaca é um exemplo. Encontrada inferiormente ao quadrado lombar, do qual serve como ponto de origem, é palpável em todo o seu comprimento e é mais espessa nas extremidades do que no centro.

Em outras ocasiões as cristas podem representar elevações, margens ou bordas lineares de um osso. A crista supraepicondilar lateral do úmero é um exemplo, onde notamos uma discreta projeção no osso em comparação com o osso ao redor.

Aberturas e depressões

Além das projeções, vários marcos ósseos se enquadram na categoria de aberturas e depressões. Marcos ósseos nesta categoria formam os canais e orifícios que abrigam nervos, vasos, tendões e músculos. Exploraremos alguns exemplos a seguir.

Forame e fissura

Forames são orifícios ou aberturas em um osso, através dos quais geralmente passam nervos e vasos sanguíneos. O forame jugular é um exemplo pelo qual passam o seio petroso inferior, o seio sigmoide e os nervos glossofaríngeo, vago e acessório.

As fissuras são fendas abertas, ranhuras ou depressões em um osso, geralmente abrigando nervos e vasos sanguíneos. Um exemplo é a fissura orbital inferior. Separando o assoalho da parede lateral, dá passagem a estruturas como o nervo zigomático e os ramos orbitais do gânglio pterigopalatino.

Meato

Um meato é um canal curto em forma de ducto que se estende no osso. Pode fornecer passagem e proteção para nervos e vasos. Um exemplo é o meato acústico externo, também conhecido como meato acústico, que conecta os ouvidos médio e externo.

Fossa e fóvea

Uma fossa é uma depressão na superfície óssea, geralmente ampla e rasa. Pode sustentar estruturas do cérebro ou acomodar um outro osso articulado. A fossa temporal é um exemplo, constituindo um dos maiores marcos do crânio. Serve como ponto de origem para o músculo temporal.

Fóvea também se refere a uma depressão - semelhante a uma fossa, mas geralmente muito menor. Um exemplo é a fóvea da cabeça do fêmur, localizada no centro da cabeça do fêmur.

Incisura e sulco

Incisuras (ou entalhes) podem ser definidas como indentações na borda de uma estrutura, como uma fenda. A incisura escapular, que forma uma depressão profunda e distinta ao longo da borda superolateral da escápula, é um exemplo.

Um sulco é um entalhe ou fissura geralmente da superfície do cérebro, mas também pode estar presente em ossos e outros órgãos. Os sulcos dos ossos geralmente acompanham o trajeto dos nervos ou vasos, proporcionando um espaço para que essas estruturas sigam sem serem comprimidas pelos músculos adjacentes ou outras forças externas. Um exemplo é o sulco do seio transverso.

Seio

Um seio é uma cavidade ou espaço oco. Os seios paranasais, um grupo de quatro seios bilaterais da cavidade nasal, são um exemplo notável.

Está se sentindo inseguro com seus estudos de osteologia? Fazer testes e questionários é uma ótima forma de aprender mais, e mais rápido! Que tal experimentar testando seus conhecimentos sobre os ossos do corpo humano?

Lista completa de marcos ósseos - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Com quais você prefere aprender?

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

© Exceto expresso o contrário, todo o conteúdo, incluindo ilustrações, são propriedade exclusiva da Kenhub GmbH, e são protegidas por leis alemãs e internacionais de direitos autorais. Todos os direitos reservados.

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!