EN | DE | PT Contato Como estudar Entrar Cadastrar

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!

Clavícula

Este vídeo tem legendas em Português

Estrutura da clavícula em vistas anterior, inferior e supeior.

Fantástico!
A sua primeira videoaula. Continue para o teste abaixo para solidificar o seu conhecimento.

Destaques

Transcrição

Olá pessoal! Aqui é a Nicole, do Kenhub, e bem-vindo ao nosso tutorial sobre a clavícula. Neste vídeo, vamos dar uma olhada na clavícula e em suas características ósseas. Para entender bem a clavícula, vamos dar uma olhada em suas várias partes diferentes, começando com as articulações e suas superfícies articulares associadas.

Vamos também dar uma olhada nas características ósseas da clavícula, e na orientação da clavícula, comparando seu lado superior com o lado inferior, o lado lateral com o medial, e o lado anterior com o lado posterior da clavícula. E, por último, vamos dar uma olhada em algumas correlações clínicas relevantes.

Vamos começar primeiramente falando sobre o que é a clavícula. Então o que é a clavícula e onde podemos encontrá-la? A clavícula é um osso alongado em formato da letra “S” que se repousa horizontalmente ao longo da caixa torácica superior.

E aqui nesta imagem podemos ver a clavícula destacada em verde. Como podemos ver, a clavícula se articula medialmente com o esterno e lateralmente com o processo acromial da escápula para formar a cintura peitoral, que também é chamada de cintura escapular.

Bem, a clavícula desempenha um papel essencial na movimentação funcional do dia-a-dia, atuando como uma conexão entre o esqueleto axial e os membros superiores, e é a única conexão óssea entre essas duas partes do corpo.

Por esta razão, a clavícula atua como uma cinta para o ombro, permitindo que o peso seja transferido dos membros superiores para o esqueleto axial. Ela também ajuda a proteger estruturas neurovasculares, uma vez que elas se estendem entre o tronco e os membros superiores.

Bem, vamos gastar um tempinho agora para falar sobre as articulações que a clavícula ajuda a formar. Então, os nomes podem parecer um pouco assustadores a princípio, mas ajuda lembrar que essas articulações recebem seus nomes das estruturas que as formam.

Então, a clavícula se articula com diferentes estruturas de cada uma de suas extremidades, formando duas articulações, e essas são a articulação esternoclavicular e a articulação acromioclavicular. Vamos também dar uma olhada rápida nas superfícies articulares, que incluem a superfície articular esternal e a superfície articular acromial. Vamos começar vendo as articulações. Medialmente, podemos encontrar a articulação esternoclavicular, que é o que podemos ver nesta imagem. Bem, esta articulação sinovial é formada pela extremidade esternal da clavícula e pelo manúbrio do esterno, e é através dessa articulação que a clavícula conecta o membro superior ao esqueleto axial.

A articulação esternoclavicular é uma articulação forte, mas ela também permite uma mobilidade significativa dos membros superiores. A articulação lateral da clavícula, que podemos ver aqui, é a articulação acromioclavicular, e podemos vê-la destacada nesta imagem anterior do ombro direito.

A articulação acromioclavicular é uma articulação sinovial plana, e é formada pela articulação da extremidade acromial da clavícula com o processo acromial da escápula, e essa articulação atua mantendo os movimentos da escápula separados do tronco quando o braço é movimentado em várias direções.

Ambas as articulações esternoclavicular e acromioclavicular são circundadas por vários ligamentos que agem fortalecendo e estabilizando as articulações - e na verdade você pode ver alguns desses ligamentos nesta imagem.

Então, vamos dar uma olhada mais de perto nas superfícies articulares da clavícula, que ajudam a formar essas articulações. Nesta imagem, estamos vendo duas clavículas direitas. A da parte superior da tela é uma vista inferior, e a de baixo é uma vista superior. A área que podemos ver destacada nessas clavículas é a superfície articular acromial, e esta superfície, como você pode ver, é pequena e tem um formato oval, e se encontra na parte mais lateral da clavícula. Isso permite que ela se articule ou se conecte com o processo acromial da escápula.

Nesta mesma imagem da clavícula direita, a superfície articular esternal é o aspecto destacado, e esta superfície tem um formato quadrangular e se encontra na parte mais medial da clavícula, onde ela se articula com o manúbrio do esterno. Entre as duas extremidades articulares da clavícula está simplesmente o corpo da clavícula, que podemos ver agora destacado em verde.

Então agora que vimos com mais detalhes essas estruturas, vamos seguir em frente com o restante das características ósseas. Existem quatro características ósseas entre as duas superfícies articulares da clavícula, e vamos dar uma olhada em cada uma delas seguindo da extremidade medial ou esternal, para a extremidade lateral ou acromial, e essas características são a impressão do ligamento costoclavicular, o sulco subclávio, o tubérculo conoide, e a linha trapezoide.

E vamos começar falando sobre a impressão do ligamento costoclavicular. Bem, o atributo ósseo mais medial que podemos ver nesta imagem é, como mencionamos, a impressão do ligamento costoclavicular, e esta impressão, como o nome sugere, serve como ponto de inserção do ligamento costoclavicular, que conecta a clavícula à primeira costela.

Como você pode ter notado na imagem, só podemos ver essa característica em uma superfície da clavícula, e esta é a superfície inferior. Sabemos que esta impressão tem que estar na superfície inferior porque o ligamento segue em direção à primeira costela, que é inferior à clavícula.

A característica que podemos ver destacada agora é o sulco subclávio, que de forma semelhante à impressão do ligamento costoclavicular só pode ser visto em uma superfície, que é a superfície inferior. Agora estamos vendo somente o lado inferior da clavícula nesta imagem à direita, com o sulco subclávio ainda destacado.

E o sulco subclávio, como você provavelmente pode adivinhar pelo nome, é o ponto de inserção do músculo subclávio, que como o nome sugere, está abaixo da clavícula ou inferior a ela. E nesta imagem você pode ver o músculo subclávio direito.

Seguindo em direção à extremidade lateral ou acromial vamos nos deparar com esse atributo destacado, que é conhecido como tubérculo conoide. E o tubérculo conoide é uma eminência áspera onde o corpo mais achatado da clavícula se encontra com a extremidade acromial da clavícula, que é mais volumosa.

Ele serve como ponto de inserção do ligamento conoide, que está envolvido no ligamento coracoclavicular - ligamento entre o processo coracoide da escápula e a clavícula. E nesta imagem estamos vendo o lado anterior da cintura escapular direita, e aqui está a clavícula, aqui está a escápula, e aqui está o úmero.

O ligamento conoide do ligamento coracoclavicular se estende da superfície inferior da clavícula, do tubérculo conoide, ao lado superior do processo coracoide da escápula, que está bem aqui.

A última característica óssea sobre a qual vamos falar hoje é esta característica que podemos ver destacada em verde, e está é a linha trapezoide. Bem, de forma similar ao tubérculo conoide, é um ponto de inserção para um ligamento, e o ligamento que se insere aqui é chamado de ligamento trapezoide. Então, podemos ver o ligamento trapezoide destacado agora nesta imagem, e podemos ver que este ligamento é a porção lateral do ligamento coracoclavicular.

E como sua contraparte conoide, ele também se estende do lado inferior da clavícula até o processo coracoide da escápula. E é isso sobre os atributos ósseos da clavícula. Como mencionamos anteriormente, vamos dar uma olhada rápida na orientação da clavícula.

Bom, com frequência quando estamos olhando para uma clavícula isoladamente pode ser bem difícil nos orientarmos e descobrirmos se trata-se da clavícula direita ou esquerda, pois elas realmente parecem só um pedaço de osso.

Mas neste tutorial trabalharemos algumas maneiras de te ajudar a descobrir para o que você está olhando, começando com esta imagem de uma visão geral da clavícula. Então, nesta imagem que você pode ver na sua tela, a primeira coisa que queremos te perguntar é:

Como sabemos se estamos olhando para uma clavícula direita ou esquerda? Ou talvez estamos vendo uma de cada? Tal como na orientação para todos os ossos, precisamos determinar três coisas. Então, número um: se estamos vendo uma vista superior ou inferior do osso; número dois: qual lado é o aspecto lateral e qual lado é o aspecto medial; e número três: qual lado é posterior e qual lado é anterior.

Então, para identificar se estamos vendo a clavícula de um aspecto superior ou inferior, podemos usar a presença das características ósseas que vimos ao longo deste tutorial como dica. E todas as quatro características ósseas sobre as quais falamos hoje se localizam no aspecto inferior da clavícula, então isso vai nos ajudar bastante a identificar os lados superior e inferior.

Bem, mais medialmente na superfície inferior temos a impressão do ligamento costoclavicular, e novamente aqui temos o sulco subclávio, que é, se você se lembra, um ponto de inserção dos músculos subclávios. Aqui temos o tubérculo conoide, e lembre-se que este é um ponto de inserção do ligamento conoide do ligamento coracoclavicular. E finalmente, aqui, temos a linha trapezoide, onde a outra parte do ligamento coracoclavicular, conhecida como ligamento trapezoide, se insere.

E todos esses quatro atributos são locais de inserção para estruturas que se localizam inferiormente à clavícula. Então sempre que você puder ver essas estruturas destacadas claramente, você saberá que está olhando para uma vista inferior da clavícula.

Ótimo, seguindo em frente queríamos então identificar se estamos vendo a extremidade lateral ou a extremidade medial. Bem, para identificar isso na clavícula devemos olhar para as suas superfícies articulares. Então, a superfície articular acromial - a pequena faceta em formato oval aqui, é a nossa extremidade lateral.

A superfície articular esternal, que é a faceta de formato quadrangular, é a nossa extremidade medial. E se estamos vendo o lado inferior e podemos identificar os atributos ósseos da clavícula, essas duas superfícies podem ajudar a determinar qual extremidade é a lateral e qual é a medial.

Como mencionamos anteriormente, a impressão do ligamento costoclavicular se localiza na extremidade medial, uma vez que o ligamento segue em direção à primeira costela, enquanto a linha trapezoide e o tubérculo conoide, que estão envolvidos com os ligamentos que seguem para a escápula, se localizam na extremidade lateral da clavícula.

Agora vamos ver como identificar os lados anterior e posterior da clavícula. A principal característica que podemos usar para determinar qual lado é o posterior é a localização do tubérculo conoide. É uma projeção bem proeminente e sempre aponta posteriormente.

Então agora que sabemos tudo isso, vamos ver se agora conseguimos identificar se estamos olhando para uma clavícula direita ou esquerda. Bem, podemos ver as características ósseas que identificamos hoje. Então, a impressão do ligamento costoclavicular, o sulco subclávio, o tubérculo conoide, e a linha trapezoide. Logo, estamos vendo o lado inferior da clavícula.

Ótimo, então aqui está a faceta articular esternal e a impressão do ligamento costoclavicular, então esta deve ser a extremidade medial. Usando o que aprendemos mais cedo, vamos agora dar uma olhada em qual é o lado anterior e qual o lado posterior, então, nesta imagem, podemos ver que o tubérculo conoide está aqui. Então este é o lado posterior.

Com todas essas dicas, podemos imaginar que estamos olhando para esta clavícula dos pés de uma pessoa que está deitada de costas, ou seja, em posição supina, logo devemos estar olhando para uma clavícula direita. Ótimo, então obrigada por permanecer comigo durante este tutorial.

Mas antes que eu deixe você ir, vamos dar uma olhada em algumas correlações clínicas da clavícula. A clavícula é o osso mais frequentemente fraturado do corpo. Algumas causas de fraturas de clavícula são: um - uma queda diretamente sobre o ombro, ou seja, uma força aplicada medialmente que resulta numa fratura; e dois - se alguém cair sobre uma mão espalmada, a transmissão da força do membro superior para o ombro pode resultar numa fratura de clavícula.

Devido à inserção do músculo esternocleidomastoideo na porção medial da clavícula, o fragmento medial de uma clavícula fraturada ficará elevando no paciente. Assim, o fragmento lateral acaba ficando rebaixado porque o peso do membro superior não pode mais ser transmitido para o tronco. Geralmente as fraturas de clavícula podem consolidar por conta própria com o uso de uma tipoia para ombro. Então agora você é um especialista em clavícula.

Antes que eu deixe você ir, vamos dar uma recapitulada rápida no que aprendemos hoje. Então, começamos falando sobre onde a clavícula se localiza no corpo e também sobre a sua função de conectar o membro superior ao esqueleto axial, transferindo o peso e protegendo estruturas neurovasculares que seguem entre eles.

Depois falamos sobre as articulações da clavícula, na articulação esternoclavicular e na articulação acromioclavicular. A seguir, demos uma olhada nas características ósseas da clavícula, que incluiam as duas facetas articulares, o corpo, e os pontos de inserção de vários ligamentos e músculos.

Nós então falamos sobre como usar esses atributos ósseos como dicas para determinar se estamos vendo uma clavícula direita ou esquerda. E, finalmente, falamos sobre as fraturas de clavícula, como podem ser causadas, e como pareceria um paciente como uma clavícula fraturada.

Isso nos leva ao final do nosso tutorial sobre a clavícula. Espero que tenha gostado. Obrigada por se juntar a mim!

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!