EN | DE | PT Contato Como estudar Entrar Cadastrar

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!

Tipos de articulações sinoviais

Este vídeo tem legendas em Português

As articulações sinoviais são o tipo principal de articulação encontrada no corpo.

Fantástico!
A sua primeira videoaula. Continue para o teste abaixo para solidificar o seu conhecimento.

Destaques

Transcrição

Ora, esta pessoa não parece estar passando muito bem. O que está acontecendo? Algum palpite sobre o tema da videoaula de hoje? Alguém adivinha? A falta de alguma coisa que pode impedi-la de se mover adequadamente. Muito bem, aqui está uma dica. Isso mesmo. Articulações! Mas, mais especificamente, nós vamos ver articulações sinoviais e os tipos de articulações sinoviais no nosso corpo. Então vamos começar!

Nós vamos começar olhando para o que é uma articulação sinovial, incluindo sua anatomia, e em seguida nós vamos mergulhar nos tipos de articulações sinoviais, começando com articulações elipsoides, articulações em sela, articulações em pivô (trocoides), articulações em dobradiça (trocleartroses), articulações deslizantes (planas) e, finalmente, articulações em bola e soquete (esferoides). E em seguida nós vamos juntar tudo com um cenário clínico para ilustrar porque estas articulações são tão importantes.

As articulações sinoviais são um dos três principais tipos de articulações no corpo humano, mas antes de nós entrarmos nisso, eu gostaria de primeiramente definir o que é uma articulação. Então, qual a definição de uma articulação? Bem, uma articulação é onde dois ossos se encontram, e algumas articulações permitem movimento, e outras não. Uma forma de classificar as articulações é baseado na amplitude de movimento permitida naquela articulação, ou seja, ocorrendo naquela articulação. Outra forma é pelo tipo de tecido que mantém os ossos unidos.

Em termos da primeira classificação, as articulações sinoviais são capazes de uma ampla gama de movimentos, e em termos da segunda, uma articulação deve preencher alguns critérios para ser considerada uma articulação sinovial. Primeiramente, ambos os ossos formando a articulação devem ser revestidos por cartilagem hialina nas superfícies articulares. Em segundo lugar, a articulação deve ser envolvida por uma cápsula que cria a cavidade articular. No interior desta cavidade articular encontra-se líquido sinovial, que lubrifica a articulação.

Vamos dar uma olhada nestes detalhes um pouco mais de perto. Aqui está um exemplo clássico de articulação sinovial, o cotovelo, e a imagem que nós estamos vendo na tela agora é um corte sagital através do braço, do cotovelo e do antebraço, e aqui nós temos a tróclea do úmero, e distalmente a ela está a incisura troclear da ulna (cúbito). Vamos relembrar o nosso primeiro critério, segundo o qual as superfícies articulares devem ser revestidas por cartilagem hialina ou articular. Nós podemos ver cartilagem hialina tanto no úmero quanto na ulna (cúbito).

Em seguida, a articulação é revestida por uma cápsula articular, que está destacada em verde agora. Para uma visão externa a cápsula articular pode ser observada na imagem à direita da tela, e esta cápsula consiste em tecido conjuntivo fibroso, e fornece boa parte da força e estabilidade da articulação. Na face profunda da cápsula articular está uma membrana chamada membrana sinovial, e a cápsula revestida pela membrana sinovial ajuda a formar a cavidade sinovial, que é muito característica das articulações sinoviais. A última coisa a se mencionar é que esta cavidade é preenchida por líquido sinovial, que é secretado pela membrana sinovial para manter as superfícies articulares bem lubrificadas.

Então onde nós podemos encontrar articulações sinoviais em nosso corpo? Bem, articulações sinoviais são as articulações mais comuns que nós temos, então o seu ombro, seu joelho, a articulação esternoclavicular e a articulação tibiofibular (tibioperonial) proximal são todas exemplos de articulações sinoviais. No entanto, elas possuem diferentes amplitudes de movimento, e nós vamos discutir isso conforme nós observarmos os eixos de movimento e analisarmos os tipos de articulações sinoviais. Articulações que se movem são classificadas com base no número de eixos ao redor dos quais elas se movem.

Então imagine um gráfico - eu sei, matemática do colégio não é a mais divertida, mas pode ajudar algumas vezes. Você se lembra deste eixo vertical? Se você se lembra, este é o eixo y. Eu gostaria que você imaginasse que o eixo y é um pino. Bem, esta porta pode girar ao redor do pino do eixo y e se mover em uma de duas direções. A porta pode ser aberta ou fechada. Bem, voltando às articulações. Algumas articulações do corpo são como estas. Elas se movem ao redor de apenas um eixo, e isso as classifica como articulações uniaxiais. As articulações que se movem ao redor do eixo y e outro eixo, digamos, o eixo x, possuem então dois eixos de movimentos. Nesta imagem, por exemplo. Vamos por um pino em um eixo, e a parte azul pode então se mover nesta direção e nesta direção. Agora, se nós colocarmos um pino no segundo eixo, desta forma, nós adicionamos outro eixo de movimento para a esquerda e para a direita, e as articulações deste tipo são chamadas de articulações biaxiais. Se a articulação é ainda mais flexível e pode se mover ao redor de mais de dois eixos, digamos três ou mais, ela é chamada de articulação multiaxial, e nós veremos alguns exemplos destas articulações conforme estudarmos os vários tipos de articulações sinoviais em breve.

Então vamos finalmente discutir quais são os tipos de articulações, e para não esquecermos, aqui está uma lista do que nós veremos. Temos as articulações elipsoides, em sela, em pivô (trocoides), em dobradiça (trocleartroses), deslizantes (planas), e, finalmente, em bola e soquete (esferoides). Vamos começar com as articulações elipsoides, também conhecidas como articulações condilares. Em uma articulação elipsoide, a extremidade arredondada de um osso se articula com uma depressão rasa no outro osso, e estas são articulações biaxiais, ou seja, podem se mover em dois diferentes eixos ou planos. Se você pensar nas suas articulações dos dedos, mais precisamente as articulações metacarpofalângicas, vai ver que elas podem se mover de anterior para posterior, dobrando e esticando os seus dedos, e elas podem também se mover de um lado para o outro medial e lateralmente, separando os seus dedos e em seguida juntando-os novamente. Você pode ver a extremidade arredondada dos ossos do metacarpo se articulando com a depressão rasa na falange proximal de cada dedo.

Em seguida uma articulação em sela, e a forma que os ossos se encaixam aqui é semelhante à articulação elipsoide, entretanto um pouco mais dramática. A parte azul nesta imagem é muito côncava, e se articula com a parte convexa da estrutura cinza, e isto é característico de uma articulação em sela. Um exemplo clássico de articulação em sela é a primeira articulação carpometacarpal (carpometacarpiana), que nós podemos ver destacada na imagem da direita. As articulações em sela, assim como as articulações elipsoides, são biaxiais. E estes planos ao redor dos quais esta articulação pode se mover são o que permite o movimento de oposição 99 dos nossos polegares, o que eu acho bem legal.

Outro tipo de articulação sinovial é a articulação em pivô (trocoide), nomeada em função do movimento que ela permite. Para ser capaz de realizar este movimento, estas articulações geralmente possuem uma parte arredondada de osso atuando como eixo para outro osso girar ao redor, que nesta imagem é a parte vertical cinza. O outro osso irá formar um anel ao redor deste osso arredondado, com o auxílio de um ligamento. Um bom exemplo de uma articulação em pivô é a articulação atlantoaxial, que é entre C1, o atlas, e o processo (apófise) odontoide de C2, o áxis.A vértebra C2 é chamada de áxis por causa do pivô que ela cria para o atlas, e a vértebra C1 forma um anel fechado ao redor do dente, com a ajuda do ligamento transverso do atlas. A rotação do atlas ao redor do dente é o movimento que nós fazemos quando nós balançamos as nossas cabeças para dizer "não", e como este movimento se dá ao redor de um único eixo, articulações em pivô (trocoides) são consideradas articulações uniaxiais.

Outra articulação uniaxial é a articulação em dobradiça (trocleartrose), que é a próxima que vamos estudar. As articulações em dobradiça (trocleartroses) envolvem uma extremidade convexa de um osso se articulando com a extremidade côncava de outro osso, permitindo movimento ao longo de apenas um eixo. Um excelente exemplo de articulação em dobradiça (trocleartrose) é o cotovelo, onde a tróclea convexa do úmero se encaixa bem com a incisura troclear côncava da ulna (cúbito), e o movimento no cotovelo ocorre apenas ao longo de um eixo, permitindo-nos flexionar e estender o antebraço ao nível desta articulação.

Muito bem, já vimos quatro, faltam dois tipos. Nossa próxima paragem é nas articulações deslizantes, também chamadas de articulações planas. As articulações deslizantes (planas) fazem exatamente isso. Elas permitem um movimento de deslizamento no interior da cápsula articular. Para fazer isso, as superfícies dos ossos que se articulam devem ser bastante planas, como você pode ver nas imagens. Entre os ossos do carpo, as articulações intercarpais são exemplos de articulações deslizantes (planas), e como as superfícies articulares são relativamente planas, os ossos podem se mover uns contra os outros em várias direções, tornando as articulações deslizantes (planas) multiaxiais. Outros exemplos de articulações deslizantes (planas) incluem as articulações intertarsais e a articulação acromioclavicular.

E por último, mas não menos importante, temos que lembrar da articulação sinovial que a maioria das pessoas conhece, a articulação em bola e soquete (esferoide). O nome desta articulação já revela exatamente a sua estrutura, um osso, que nessa imagem é a estrutura em azul, possui uma superfície articular em forma de bola, enquanto o outro, nesta imagem representado pela estrutura cinza, possui uma superfície articular côncava com forma de soquete. O ombro obviamente é um excelente exemplo de articulação em bola e soquete e da ampla gama de movimentos que este tipo de articulação permite. A cabeça do úmero age como a bola, enquanto a cavidade glenoide da escápula forma o soquete. O ombro é capaz de flexão e extensão, abdução e adução, bem como rotação, tornando-o uma articulação multiaxial.

Mas e se alguma coisa errada acontecer em uma articulação sinovial? O que pode acontecer então? Lembre-se da cartilagem que reveste as superfícies articulares dos ossos nas articulações sinoviais. Esta cartilagem pode ser danificada simplesmente pelo uso geral do dia a dia, e se romper, o que pode levar a muita dor, e conforme a cartilagem se desgasta, as superfícies dos ossos são expostas e podem começar a causar atrito uma contra a outra. Isso não parece muito bom, não é mesmo?

Esta condição é chamada de osteoartrite, e pode ocorrer em qualquer articulação sinovial no corpo. Os principais sintomas incluem dores articulares e rigidez, enquanto algumas pessoas ainda experimentam edema e estalos ao mover a articulação afetada. Infelizmente, a osteoartrite é uma condição crônica que não pode ser curada, mas existem vários tratamentos disponíveis para controlar a dor e outros sintomas, como aparelhos especiais projetados para reduzir a carga na articulação afetada, e exercício e perda de peso. Em casos mais graves, podem ser sugeridos medicamentos para a dor e/ou cirurgia.

Então agora você é um especialista nos tipos de articulações sinoviais. Mas antes de eu deixar você ir, vamos fazer uma breve revisão do que nós aprendemos hoje. Antes de entrar nos tipos de articulações sinoviais, nós primeiro vimos o que elas são de uma maneira mais ampla, incluindo a sua própria anatomia. As articulações sinoviais possuem cartilagem hialina, incluindo as superfícies articulares dos ossos envolvidos, e são envolvidas por uma cápsula articular, que é revestida internamente pela membrana sinovial, e esta cápsula forma a cavidade articular, que é preenchida por líquido sinovial, secretada pela membrana sinovial para a lubrificação da articulação. Em seguida nós vimos vários tipos de articulações sinoviais, começando com as articulações elipsoides, que são articulações biaxiais que possuem uma extremidade articular levemente arredondada de um osso se articulando com uma depressão rasa em outro osso, permitindo movimentos ao redor de dois eixos.

Depois nós vimos as articulações em sela, com a superfície articular convexa em forma de sela sobrepondo-se a superfície articular côncava do osso adjacente, sendo também considerada uma articulação biaxial. Articulações em pivô (trocoides) são uniaxiais, permitindo movimentos em um único eixo, com um anel fechado formado por osso e um ligamento, girando ao redor de um ponto de pivô arredondado, como o processo (apófise) odontoide de C2. Em seguida vimos as articulações em dobradiça (trocleartroses), como a do cotovelo, e aqui temos superfícies articulares muito côncavas repousando sobre uma superfície muito convexa do osso adjacente, e esta articulação profunda significa que os movimentos só são permitidos ao longo de um eixo, tornando as articulações em dobradiça (trocleartroses) uniaxiais. As articulações deslizantes (planas) estão presentes entre ossos que possuem superfícies relativamente planas, e por isso elas podem se mover em várias direções, ou seja, são articulações multiaxiais. E o último tipo de articulação sinovial que nós vimos foi a articulação em bola e soquete (esferoide), e estas são exatamente como o seus nomes sugerem. Uma superfície articular convexa em forma de bola e outra côncava, com formato de soquete, que permitem uma ampla gama de movimentos em todas as direções, tornando-as articulações multiaxiais. E nós finalizamos vendo lesões por desgaste e rupturas nas articulações sinoviais, e como elas podem levar a osteoartrite.

E isso nos trás ao final de nossa videoaula. Eu espero que você tenha gostado. Obrigado pela companhia.

Continue a sua aprendizagem

Faça teste

Leia artigos

Mostre mais 1 artigo

Navegue pelo atlas

Muito bem!

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!