EN | DE | PT Contato Como estudar Entrar Cadastrar

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!

Músculos da mastigação

Este vídeo tem legendas em Português

Origens, inserções, inervação e funções dos músculos da mastigação.

Fantástico!
A sua primeira videoaula. Continue para o teste abaixo para solidificar o seu conhecimento.

Destaques

Transcrição

Mastigar - algo que nós fazemos todos os dias sem pensar muito. É fácil e pouco exigente. Certamente, mastigar não pode precisar de muita coordenação? Errado. Os movimentos do queixo ou, para usar o seu nome correto, da mandíbula, precisam de ser suficientemente dinâmicos para contribuírem para a fala, serem fortes o suficiente para morder uma cenoura, e também serem capazes de se mover com a resistência necessária para mastigar uma chiclete durante um exame de três horas.

Então o que é que permite à mandíbula cumprir estes requisitos? A resposta encontra-se nesta videoaula sobre os músculos da mastigação. Durante esta videoaula, nós iremos discutir brevemente a anatomia da mandíbula, focando-nos especificamente nos seus marcos ósseos relevantes para os músculos da mastigação. De seguida, iremos aprender tudo sobre a articulação temporomandibular, que é formada entre a mandíbula e o crânio, como a sua morfologia articular e a extensão do seu movimento. Quando soubermos o que está sendo movido e onde, vamos avançar para a anatomia e função dos quatro músculos da mastigação, que são o músculo pterigoide medial, o músculopterigoide lateral, o músculo masseter, e finalmente, o músculo temporal. Quando já tivermos mastigado bem a anatomia, iremos apresentar uma nota clínica para sobremesa.

Mas antes de começarmos, vamo-nos familiarizar com o porquê destes músculos existirem. Eles existem devido à mastigação, que é o processo de triturar e moer a comida empeças mais pequenas na cavidade oral, transformando-a numa adorável massa sólida ou, se quisermos usar o termo correto, um bolo alimentar. Por que é que nós precisamos deste bolo? Bem, há duas razões. Primeiro, tente engolir um rebento. Não irá conseguir, a não ser que você faça um bolo que facilite a sua deglutição. Em segundo lugar, a mastigação é o primeiro passo da digestão e aumenta a área de superfície para a ação das enzimas digestivas.

Vamos agora prestar atenção a alguns componentes chave da mastigação. Então, caso você se esteja questionando por que nós estamos falando sobre um osso numa videoaula de músculos, a mandíbula serve como ponto de inserção para cada um dos quatro músculos da mastigação, por isso é útil saber a sua anatomia básica. Se nós desarticularmos a mandíbula do crânio - como estamos fazendo agora mesmo - nós podemos ver que a mandíbula pode ser separada em três partes - o corpo, os dois ramos de cada lado e o ângulo da mandíbula que une os ramos ao corpo.

Os ramos têm uma forma muito particular devido principalmente aos dois processos (apófises) que se projetam superiormente. O mais anterior é o processo (apófise) coronoide e o mais posterior é chamado de processo (apófise) condilar. O processo (apófise) condilar tem um caule delgado chamado de colo da mandíbula que se projeta para fora superiormente para criar uma longa protuberância no topo chamada de cabeça da mandíbula. A cabeça é revestida por cartilagem articular e isto é funcionalmente importante já que a cabeça da mandíbula forma a superfície articular inferior da articulação temporomandibular. Aqui está a nossa cabeça da mandíbula, repare como ela se encaixa perfeitamente na fossa mandibular do osso temporal.

Na verdade, é daí que a articulação temporomandibular recebe o seu nome, porque é a articulação entre os ossos temporal e mandibular. Esta articulação é um pouco especial pois ela não se encaixa numa das cavidades articulares sinoviais típicas como as articulações dos tipo pivot (trocoide) ou bola e soquete (esferoide). Mas então, qual o tipo desta articulação? Bem, se nós nos afastarmos um pouco desta vista lateral do crânio e usarmos uma secção longitudinal da articulação, podemos ver que é o que nós chamamos de articulação em dobradiça (trocleartrose) modificada. Uma articulação em dobradiça (trocleartrose) geralmente só se move em um eixo fazendo flexão e extensão como as suas articulações do cotovelo e joelho. Assim sendo, o que há de tão especial numa articulação em dobradiça (trocleartrose) modificada? Bem, ela tem uma cápsula articular que está dividida em dois compartimentos por um disco articular e nós podemos ver isso aqui mesmo.

O compartimento superior é responsável pelo movimento de translação o que basicamente significa para os lados. O compartimento inferior permite o movimento de rotação quando você quer abrir e fechar a sua boca. Estes compartimentos permitem que a mandíbula tenha uma ampla gama de movimentos sem ser uma bola e soquete (esferoide) o que comprometeria a estabilidade. E mesmo antes de prosseguirmos para o nosso tema principal se você quiser saber mais informações sobre a mandíbula e a articulação temporomandibular não se esqueça de visitar os nossos artigos dedicados a elas.

Tal como nós mencionamos anteriormente, os quatro músculos bilaterais que constituem os músculos da mastigação são o músculo pterigoide medial, o músculo pterigoide lateral, o músculo masseter, e o músculo temporal, e nós vamos começar com o mais superficial deles - o masseter. O masseter é o músculo da mastigação mais forte e tem uma forma aproximadamente retangular. Ele é coberto pela fina mas muito forte fáscia massetérica que o compartimentaliza das estruturas circundantes. Um exemplo de uma estrutura circundante é a glândula parótida e o seu ducto que percorrem ântero-lateralmente a sua superfície, e podemos ver a glândula aqui nesta ilustração. O músculo masseter está dividido em duas camadas, conhecidas como camadas superficial e profunda.

Nós vamos primeiro olhar a camada superficial destacada aqui em verde e esta camada em particular origina-se no processo (apófise) maxilar do osso zigomático e do bordo inferior dos dois terços anteriores do arco zigomático. Nós podemos ver que o músculo corre inferiormente em relação à sua inserção na superfície lateral ou externa do ramo e ângulo da mandíbula. Continuando nesta vista lateral, se nós agora destacarmos a camada profunda do músculo masseter, nós podemos ver que esta camada se origina na superfície profunda ou inferior do terço posterior do arco zigomático. Agora, não deixe que o ângulo de visão o engane. A camada profunda é, na verdade, muito maior que a superficial e é também mais muscular. As suas fibras dirigem-se inferiormente para se inserirem ao longo da superfície lateral do ramo da mandíbula ao nível do processo (apófise) coronoide.

E você ficará contente ao saber que ambas as camadas do músculo masseter têm a mesma inervação e fornecimento sanguíneo. O masseter é inervado pelo nervo massetérico que deriva da divisão anterior do nervo mandibular e o seu sangue vem da artéria massetérica, um ramo da artéria maxilar. Oh e já agora, a artéria maxilar e o nervo maxilar vão aparecer muito porque eles originam ramos para todos os músculos da mastigação. As duas camadas do músculo masseter contraem em conjunto para elevar a mandíbula para que você consiga fechar a sua boca e ocluir os seus dentes durante a mastigação para esmagar a comida e esta função contribui para a preensão, que é o ato de agarrar a comida ou dar uma dentada em algo. A contração da camada superficial isoladamente assiste na protrusão da mandíbula, o que permite que você pode empurre o seu queixo.

Vamos agora passar para o temporal, que é um músculo plano em forma de leque localizado na parte lateral do crânio, e cobre uma grande parte do osso temporal do qual recebe o seu nome. Devido ao seu tamanho, ele pode ser facilmente palpado ao abrir e fechar a boca. Consegue senti-lo? O músculo temporal origina-se na fossa temporal até à linha temporal inferior e à fáscia temporal, a qual recobre o músculo na totalidade. Daqui, o temporal desce através do espaço entre o arco zigomático e o crânio formando um espesso tendão que se insere no ápice e na superfície medial do processo (apófise) coronoide da mandíbula.

O temporal é inervado pelos ramos temporais profundos anterior e posterior do nervo mandibular que nós podemos ver aqui, e este músculo recebe o seu fornecimento sanguíneo das artérias temporais profundas anterior e posterior, que são ramos da artéria maxilar. O temporal pode ser dividido em duas partes funcionais de acordo com a direção das suas fibras. Então, nós temos a porção anterior que tem fibras verticais e cuja contração resulta na elevação da mandíbula levando à oclusão dos dentes para preensão, e também temos a porção posterior que tem fibras quase horizontais e que vai assistir na elevação da mandíbula, mas também tem uma ação importante ao puxar a mandíbula para trás na retração. E é bastante especial pois é o único músculo que é capaz de fazer a retração.

Agora, para ver os próximos músculos nós iremos precisar de cortar o arco zigomático aqui e também aqui e se removermos este bocado de osso e o temporal, conseguiremos ver mais profundamente dentro do crânio e mostrar os músculos pterigoides. Então nós vamos começar com o músculo pterigoide lateral que está destacado aqui em verde e ele localiza-se superiormente ao músculo pterigoide medial e possui duas cabeças que se encontram quase horizontalmente criando uma forma triangular. Existe uma cabeça superior mais pequena e uma cabeça inferior muito maior, então vamos dar uma olhada nelas mais detalhadamente. Neste slide, só foi destacada a cabeça superior e ela origina-se da crista infratemporal da asa maior do osso esfenoide e as suas fibras viajam posteriormente para se inserirem na cápsula articular da articulação temporomandibular.

Vamos agora ver a cabeça maior, a inferior, ela origina-se na superfície lateral da lâmina pterigoide lateral do osso esfenoide que nós podemos ver aqui. Peço desculpa por haver tantos laterais aqui, mas um ponto positivo é que se você decorar o nome, você vai saber exatamente de onde o músculo vem. Então, ao contrário da cabeça superior, a inferior tem fibras que se inserem diretamente na mandíbula - na fóvea pterigoide mais precisamente - que se localiza no colo do processo (apófise) condilar. Ambas as partes do pterigoide lateral são inervadas pelos nervos pterigoides laterais que também são ramos do nervo mandibular e o sangue é fornecido pelo ramo pterigoide da artéria maxilar.

Mas o que faz este músculo? Não deixe que o seu pequeno tamanho engane você, este músculo tem muitas funções. As fibras orientadas horizontalmente do pterigoide lateral trabalham para puxar a cabeça do processo condilar ântero-inferiormente. Então a contração bilateral do pterigoide lateral causa a protrusão da mandíbula e a movimentação para a frente e ligeiramente para baixo do queixo o que pode ser descrito como protrusão e depressão da mandíbula, e isto ajuda a iniciar a abertura da boca. Também deve ser realçado que uma vez aberta pelos pterigoides laterais, os principais depressores da mandíbula são os músculos digástrico e gênio-hioideo. Lembra-se que nós dissemos que a cabeça superior se insere diretamente na cápsula articular? Bem isto significa que quando a cabeça superior contrai, ela vai puxar o disco articular anteriormente. Isto assegura que o disco articular não fica para trás durante a protrusão e mantém contacto com a cabeça condilar e a fossa mandibular. A cabeça superior também ajuda a estabilizar a cabeça condilar da mandíbula na articulação temporomandibular durante a retração e a elevação feitas pelo músculo temporal, e isto ajuda a garantir a integridade da articulação e a prevenir a sua deslocação.

Ok, eu avisei você que este músculo tinha muitas funções e nós ainda não acabamos. Então, os pterigoides laterais também causam a movimentação lateral da mandíbula se contraídos unilateralmente. Está confuso? Bem, vamos observar uma vista posterior do crânio para nos ajudar. Quando um dos músculos pterigoides laterais contrai isoladamente, ele faz com que o côndilo mandibular do seu lado rode medialmente levando à movimentação medial da mandíbula e isto é muito importante na trituração ou moagem da comida.

O pterigoide lateral não é o único a fazer movimentação lateral e é assistido pelo nosso próximo músculo - o músculo pterigoide medial. Então em conjunto com o masseter, este músculo contribui para a formação de uma alça (ansa) muscular que engloba a mandíbula. De facto, é bastante comparável ao masseter já que tem uma função semelhante, tem forma quadrangular, e tal como o masseter, tem uma parte superficial e outra profunda.

Vamos discutir a superficial primeiro. A parte superficial do pterigoide medial origina-se da tuberosidade da maxila que se localiza inferior e posteriormente aos seus dentes do siso - ou ao local onde eles estavam se você removeu os seus - e insere-se no processo (apófise) piramidal do osso palatino, e daí dirige-se inferiormente para se inserir na superfície medial do ramo e do ângulo da mandíbula. A cabeça profunda do pterigoide medial origina-se na superfície medial da lâmina lateral do processo (apófise) pterigoide do osso esfenoide - eu sei que esta é comprida e todos aqueles mediais e laterais tornam-se definitivamente um pouco confusos.

Talvez seja melhor tomar algum tempo antes de discutirmos a inserção para vermos com mais pormenor o processo (apófise) pterigoide. Então aqui está - o osso esfenoide. Tem um aspeto bem funky, não acha? Na sua vista posterior, nós destacamos bilateralmente os processos (apófises) pterigoides e cada processo (apófise) tem uma lâmina medial e uma lateral e cada lâmina tem uma superfície medial e outra lateral. Então onde é que se encaixam os nossos músculos pterigoides? Bem, eles fixam-se os dois a esta lâmina lateral aqui. Se nós agora pusermos o osso de novo no crânio e adicionarmos alguns músculos, podemos ver que a cabeça inferior do músculo pterigoide lateral se origina na superfície lateral da lâmina lateral e que a cabeça profunda do pterigoide medial se origina na superfície medial.

Isto esclareceu as coisas? Ótimo! Vamos voltar do nosso pequeno desvio e falar das inserções. Felizmente para nós, ambas as cabeças do pterigoide medial se inserem no mesmo local - a superfície medial do ângulo da mandíbula. A inervação para este músculo vem do nervo pterigoide medial que também é - você adivinhou - um ramo do nervo mandibular. E para tornar as coisas ainda mais fáceis, pela primeira vez, o fornecimento sanguíneo vem do ramo pterigoide da artéria maxilar tal como nós vimos para o músculo pterigoide lateral. Apesar de não ser tão forte como o masseter, a contração bilateral dos pterigoides mediais vai assistir na elevação da mandíbula para que você consiga ocluir os seus dentes e dar uma dentada em alguma coisa. Lembre-se que isto se chama de preensão. Os pterigoides mediais também assistem os pterigoides laterais na protrusão da mandíbula se contraídos bilateralmente ou podem originar movimentos laterais se contraídos unilateralmente para que você possa moer sua comida na trituração.

Ugh! Acabamos a discussão dos músculos. Vamos agora falar da clínica. A síndrome da articulação temporomandibular, também conhecida como disfunção temporomandibular, é um termo usado para descrever dor ou disfunção nos músculos da mastigação e da articulação temporomandibular.São conhecidos múltiplos fatores que podem causar esta síndrome, mas continua a ser mal compreendido como é que estes fatores se inter-relacionam e contribuem para a síndrome. Foi sugerido que indivíduos podem estar predispostos para esta síndrome através de fatores predisponentes, como por exemplo, genéticos, hormonais e anatômicos. A síndrome pode surgir após um trauma físico, como um trauma brusco ou lesões cervicais e isto é chamado de síndrome da articulação temporomandibular pós-traumática. Também é possível que a síndrome se desenvolva devido a uma causa desconhecida, que é denominado articulação temporomandibular idiopática, que é chamado de síndrome da articulação temporomandibular idiopática.

Mas independentemente de qual a sua etiologia, a síndrome pode ser aproximadamente classificada como sendo relacionada com os músculos ou com a articulação. Relacionada com os músculos significa que a dor é originária dos músculos da mastigação como resultado de função anormal, inflamação ou hiperatividade e se os sintomas forem relacionados com a articulação, isto significa que a articulação temporomandibular está a mostrar sinais de degeneração.

Os pacientes que sofrem com a síndrome vão mostrar três sinais básicos e estes são dor e sensibilidade à palpação ou contração dos músculos da mastigação, limitação do grau de movimento mandibular, barulhos da articulação durante movimentos mandibulares como estalar, rebentar ou raspar, e isto é causado por um deslocamento anormal do disco durante o movimento da mandíbula. E estes sintomas típicos são usados para diagnóstico clínico e podem piorar durante períodos de estresse emocional, como depressão e ansiedade.

O tratamento é geralmente multidisciplinar e é específico para a etiologia identificada. Por exemplo, pode-se usar cirurgia para corrigir qualquer dano causado por um trauma brusco, por outro lado, a terapia cognitiva comportamental pode ser usada em situações onde os sintomas se desenvolveram num paciente que está altamente estressado. A maioria dos pacientes recebe medicação para a dor e anti-inflamatórios para ajudar a controlar os sintomas. E se fatores como o estresse puderem ser controlados e todos os fatores agravantes forem corrigidos, o prognóstico para pacientes com síndrome da articulação temporomandibular geralmente é muito bom havendo muitos pacientes sem danos a longo prazo ou predisposição para a artrite na vida futura.

Agora para ajudar você a digerir toda esta informação, vamos fazer uma breve revisão de tudo o que aprendemos nesta videoaula. A mastigação é o processo de trituração e corte da comida em pedaços mais pequenos e envolve três componentes - a mandíbula, a articulação temporomandibular, e os quatro músculos da mastigação. A mandíbula é um osso em forma de U que forma o terço inferior da sua cara e consiste de um corpo, um ângulo, um ramo, um processo (apófise) coronoide, e um processo (apófise) condilar. A cabeça do processo condilar articula-se com o osso temporal do crânio na articulação temporomandibular.Esta é uma articulação em dobradiça (trocleartrose) especial que tem uma cápsula articular separada em dois compartimentos por um disco articular. O compartimento superior permite a movimentação lateral e o compartimento inferior permite movimentos de rotação. E estes movimentos requerem músculos, e o primeiro que nós discutimos foi o masseter.

O masseter é o músculo da mastigação mais poderoso e possui duas partes - a parte superficial e a parte profunda. Ele é inervado pelo nervo massetérico e ambas as camadas funcionam para elevar a mandíbula para que você consiga ocluir os seus dentes e dar uma grande dentada numa maçã. A camada superficial do masseter assiste especificamente na protrusão. O temporal é o maior músculo da mastigação e possui fibras verticais posicionadas anteriormente e fibras horizontais posicionadas posteriormente, sendo todas inervadas pelos ramos temporais profundos do nervo mandibular. Em conjunto, as fibras anteriores e posteriores elevam a mandíbula, enquanto as posteriores isoladamente fazem a retração da mandíbula. O pterigoide lateral tem uma cabeça superior e outra inferior e são as duas inervadas pelo nervo pterigoide lateral. Quando se contrai bilateralmente, a cabeça inferior é a responsável pela protrusão da mandíbula. Esta protrusão destrava a mandíbula para que possa então ser deprimida. A função da cabeça superior é garantir que o disco articular fica no cimo do côndilo durante a protrusão e também tem um papel importante pois previne que o côndilo mandibular seja puxado demasiado posteriormente pelo temporal durante a retração e elevação. Quando se contrai unilateralmente, o pterigoide lateral origina um movimento medial para longe do lado que se está a contrair e esse movimento contribui para a trituração ou moagem da comida. O pterigoide medial é como um minimasseter na direção das suas fibras e na sua função e também tem uma parte superficial e outra profunda - tal como o masseter. Ambas as cabeças são inervadas pelo nervo pterigoide medial e a sua função é elevar e protrair a mandíbula, a contração unilateral deste músculo também assiste o pterigoide lateral na movimentação medial para a trituração. E com isto chegamos ao fim da nossa videoaula. Espero que você tenha gostado. Bom estudo e até à próxima!

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!