EN | DE | PT Contato Como estudar Entrar Cadastrar

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!

Ossos e ligamentos da perna

Esta videoaula de momento está apenas disponível em inglês.

Ossos, ligamentos e articulações do joelho e da perna.

Fantástico!
A sua primeira videoaula. Continue para o teste abaixo para solidificar o seu conhecimento.

Transcrição

Você já jogou um jogo de futebol em que um dos seus amigos falhou a bola e bateu com o seu pé na sua canela, fazendo-o gostar um pouco menos dele? Bem, eu já. Várias vezes. É extremamente doloroso e resulta em xingamento saindo da minha boca como a palavra vômito.

Mas se você pensa que isso é mau, poupe um pensamento para estes caras que competem no desporto tradicional Inglês de combate conhecido como chute na canela. Sim, você me ouviu - chute na canela. As coisas que você aprende trabalhando para o Kenhub!

De qualquer modo, por que é que o chute na canela é tão doloroso? Bem, pode ser por não existir uma almofada muscular para amortecer o impacto. Afinal, se você sentir suas pernas, você irá notar o bordo anterior da canela imediatamente profundamente à pele. Também pode ser pelo fato de o seu osso da canela ser coberto por uma camada fibrosa chamada periósteo, que está cheio de recetores de dor.

Então, hoje nós vamos discutir o seu osso da canela, também conhecido como tíbia, em nosso tutorial sobre os ossos e tecidos moles do joelho e da perna. Antes de começarmos, quero só esclarecer um problema que surge frequentemente ao fazer a transição dos termos do cotidiano para os termos anatômicos.

Então, quando você era criança, o seu braço era o seu braço, e a sua perna era a sua perna, mas em anatomia não é assim. Em vez disso, o seu braço ou membro superior é dividido em braço e antebraço, e a sua perna ou membro inferior é dividida em coxa e perna. Então, quando eu digo que vamos falar
dos ossos e tecidos moles da perna, na verdade eu estou falando desta região aqui, entre o joelho e o pé.

Ok, então, agora que esclarecemos a terminologia, gostaria de lhe dar uma visão geral rápida do que vamos falar neste tutorial. Então, antes de tudo, vou introduzi-lo rapidamente à articulação do joelho e aos ossos que formam esta articulação.

Depois, vamos ver os ossos do joelho e da perna, focando nas suas características ósseas e pontos de fixação muscular. De seguida, vamos falar sobre alguns tecidos moles do joelho e perna, incluindo a cápsula e retináculos, os meniscos, os ligamentos e as bursas. Por fim, vamos concluir o nosso tutorial com algunas notas clínicas sobre canelites.

Então, sem mais delongas, vamos começar com a articulação do joelho. Então, aqui nós vemos a articulação do joelho realçada a verde de uma perspetiva anterior, e você pode perguntar-se por que é que eu quero falar sobre a articulação do joelho.

Bem, o nosso tutorial vai falar de ossos que contribuem para esta articulação, bem como de tecidos moles que a suportam. Então, é principalmente para contexto.

A articulação do joelho é uma articulação sinovial em dobradiça, que é formada por três ossos - o fêmur, a patela (rótula) e a tíbia - e vale a pena
notar que o fêmur é, na verdade, um osso da coxa, mas uma vez que ele contribui para a articulação do joelho, iremos discuti-lo brevemente no nosso tutorial.

Como eu mencionei, o fêmur é um osso da coxa, por isso, não quero dedicar demasiado do nosso tempo a ele. Então, hoje, nós iremos focar-nos nas faces articulares do fêmur que estão envolvidas na articulação do joelho. Distalmente, o fêmur tem dois côndilos - um côndilo medial e um côndilo lateral - que articulam com um dos ossos da perna - a tíbia.

Podemos ver ambos os côndilos aqui, realçados a verde, e esta articulação específica dos côndilos femorais com a tíbia é, por vezes, chamada de articulação tíbio-femoral. Eles também articulam com a patela (rótula), naquilo que é chamado de articulação patelo-femoral (rótulo-femoral).

A face patelar (rotuliana) é formada pelos côndilos medial e lateral, e é onde a patela (rótula) se articula com o fêmur, e você pode ter notado que os côndilos parecem ter uma textura diferente do osso envolvente. E isto deve-se ao fato de eles serem recobertos por cartilagem articular, fornecendo uma face articular lisa e um movimento eficiente à articulação.

Ok, agora que estamos familiarizados com a articulação do joelho, vamos passar para os ossos do joelho e perna, começando pela patela (rótula). Então, aqui nós podemos ver a patela (rótula) realçada a verde de uma perspetiva anterior, e ela é um osso do joelho que você também pode conhecer como joelheira.

A patela (rótula) é o maior osso sesamoide no corpo, o que significa que é formado dentro de um tendão, mais especificamente, o tendão do quadríceps (quadricípite). Este osso tem uma forma grosseiramente triangular e a sua face posterior articula-se com a face patelar (rotuliana) do fêmur. Tal como os côndilos femorais, a sua face articular é recoberta por cartilagem articular, e, quanto à sua função, a patela (rótula) recobre e protege
a face anterior da articulação do joelho. Também funciona como um tipo de polia anatômica para o músculos quadríceps (quadricípite) femoral, dando-lhe uma vantagem mecânica sobre a articulação do joelho e permitindo uma extensão do joelho mais efetiva.

Agora, está na altura de falarmos do próximo osso encontrado nesta região, e este osso é a tíbia. A tíbia é um osso da perna e é comumente chamado de osso da canela. É um osso da perna suportador de peso e está envolvido quer na articulação do joelho quer na do tornozelo.

Vamos continuar e falar de algumas das estruturas ósseas deste osso, começando pelos côndilos da tíbia. E, tal como o fêmur, a tíbia tem um côndilo medial e um côndilo lateral. O côndilo medial serve como ponto de inserção para o músculo semimembranoso, e se nós virarmos a nossa tíbia para a vermos de trás, nós podemos ver o músculo semimembranoso inserindo-se no epicôndilo medial, enquanto que o côndilo lateral fornece um ponto de origem para o extensor longo dos dedos e músculo tibial anterior, e, na nossa próxima imagem, nós podemos ver esses dois músculos bem claramente.

Se nós voltarmos à nossa imagem original, nós podemos ver que a tíbia e a fíbula (perónio) articulam no côndilo lateral para formar a articulação tíbio-fibular (tíbio-peronial) proximal. Em conjunto, os côndilos tibiais formam a estrutura que podemos ver agora realçada em verde, que é conhecida como pratos tibiais. E esta superfície óssea lisa articula-se com os côndilos femorais, formando partes da articulação do joelho.

Entre estes dois côndilos, nós encontramos a eminência intercondilar, que podemos ver aqui realçada em verde. A próxima estrutura de que vamos falar é uma que você pode sentir facilmente na sua própria perna logo abaixo do seu joelho, e é conhecida como tuberosidade tibial. E esta proeminência óssea serve como ponto de inserção para o ligamento patelar (rotuliano), que podemos ver aqui na nossa próxima imagem, e nós vamos falar deste ligamento com um pouco mais detalhe mais tarde neste tutorial.

Indo lateralmente, nós podemos ver o tubérculo de Gerdy, também conhecido como tubérculo do trato iliotibial, já que fornece um ponto de inserção para o trato iliotibial, e podemos ver o trato iliotibial inserindo-se neste tubérculo na nossa próxima imagem. O corpo ou diáfise da tíbia é triangular em secção transversa e, consequentemente, consiste de três bordos e três faces, em que os bordos são os cantos do triângulo.

E aqui nós podemos ver o bordo anterior realçado em verde, que, como eu disse no início do tutorial, é palpável. Nesta ilustração, nós podemos legendar os
outros dois bordos - o bordo medial e o bordo interósseo - que é onde a
membrana interóssea se fixa. A membrana interóssea é uma delgada folha de tecido conectivo (conjuntivo) que liga os dois ossos da perna - a tíbia e a fíbula (perónio).

Tudo bem, agora vamos às faces. A face medial encontra-se entre os bordos anterior e medial - e você pode sentir a face em você mesmo, uma vez que
se localiza mesmo profundamente à pele. Os músculos sartório, gracilis e semitendinoso inserem-se aqui através da pata de ganso.

De seguida, temos a face lateral, que se encontra entre o bordo anterior e o bordo interósseo da tíbia, e esta face serve como ponto de origem para o tibial anterior. Por fim, vejamos a face posterior da tíbia, e a face posterior encontra-se entre o bordo medial e o bordo interósseo.

Esta face fornece um ponto de origem para o flexor longo dos dedos e para o tibial posterior, bem como um ponto de inserção para o músculo poplíteo. Ok, então, enquanto olhamos o aspeto posterior da tíbia, vamos falar desta estrutura realçada a verde, que é conhecida como linha solear. Como o nome sugere, a linha solear é uma crista óssea e serve como ponto de origem para o músculo solear.

Continuando distalmente, nós encontramos as duas últimas estruturas da tíbia de que vamos falar, a primeira das quais é o maléolo medial, e que nós podemos ver aqui realçado em verde e de uma perspetiva anterior. Juntamente com o maléolo lateral da fíbula (perónio), esta proeminência óssea forma a parte superior da articulação do tornozelo, e o maléolo medial é utilizado como referência na palpação do pulso tibial posterior, já que a artéria tibial posterior passa posteriormente a ele, e este pulso é examinado por médicos na avaliação da doença vascular periférica.

Lateralmente ao maléolo medial, podemos ver esta estrutura realçada a verde, que é a incisura fibular (peronial) da tíbia. E a tíbia e a fíbula (perónio) articulam-se aqui para formar a articulação tibiofibular (tibioperoneal) distal.

Ok, vamos falar do nosso último osso do dia, que é a fíbula (o perónio). Nesta ilustração, nós podemos ver a fíbula (perónio) de uma vista anterior, realçado em verde e, como você pode ver, é o mais pequeno de dois ossos da perna e localiza-se lateralmente à tíbia.

A fíbula (perónio) não contribui para a formação da articulação do joelho. Ao invés disso, ela articula-se com o côndilo lateral da tíbia para formar a articulação tibiofibular (tibioperoneal) proximal.

Como eu mencionei anteriormente, ela também se articula com a incisura fibular (peronial) da tíbia para formar a articulação tibiofibular (tibioperonial) distal.

Mais uma vez, vamos olhar algumas estruturas ósseas da fíbula (perónio), começando pela cabeça da fíbula (perónio), e esta é a porção do osso que se articula com o côndilo lateral da tíbia. A cabeça da fíbula (perónio) é um ponto de origem para o extensor longo dos dedos, o peroneal longo, e o músculo sóleo (solear).

A cabeça da fíbula (perónio) também serve como ponto de inserção para o bíceps (bicípite) femoral, que nós podemos ver aqui na nossa próxima imagem. Esta referência óssea pode ser palpada no aspeto lateral da perna, distalmente à articulação do joelho.

A próxima estrutura de que vamos falar é conhecida como o colo da fíbula (perónio), e esta estrutura liga a cabeça com o corpo ou diáfise da fíbula (perónio). Tal como a tíbia, o corpo da fíbula (perónio) é grosseiramente triangular em secção transversa, por isso, ele consiste de três bordos e três faces.

Então, aqui nós podemos ver o bordo anterior da fíbula, que fornece um ponto de origem para o músculo extensor longo dos dedos, e, enquanto estamos aqui, vou legendar o bordo interósseo, que é onde a membrana interóssea se fixa.

Se virarmos a fíbula (perónio), podemos ver o nosso último bordo, que é o bordo posterior. E este bordo serve como ponto de origem para o músculo sóleo (solear). Então, como eu mencionei mais cedo, a fíbula (perónio) tem três faces e acontece que a perna também tem três compartimentos musculares. E cada compartimento associa-se a uma face.

A face medial vira-se para o compartimento anterior da perna e é um ponto de origem para o músculo extensor longo do hálux. A face lateral vira-se para o compartimento lateral da perna e fornece um ponto de origem para os músculos fibulares (peroniais) longo e curto. Por fim, temos a face posterior da fíbula (perónio) que, claro, se vira para o compartimento posterior da perna.

E esta face serve como ponto de origem para os músculos flexor longo do hálux e tibial posterior. Se olharmos a extremidade distal deste osso, nós podemos ver a última característica da fíbula (perónio) de que vamos falar, que é o maléolo lateral. E, juntamente com o maléolo medial da tíbia, esta proeminência óssea forma a parte superior da articulação do tornozelo.

Tudo bem, então, agora que discutimos os tecidos duros ou ossos do joelho e da perna, está na altura de olhar alguns dos tecidos moles, começando pela cápsula e retináculos do joelho. Então, a primeira estrutura de que vamos falar é a cápsula articular, que consiste de duas camadas - a camada fibrosa externa e a camada sinovial interna.

A camada fibrosa externa, que podemos ver aqui, fornece estabilidade, enquanto que a camada sinovial interna lubrifica as faces articulares. Tudo bem, então, vamos falar sobre os retináculos, e aqui podemos ver o retináculo patelar (rotuliano) medial. Esta estrutura é uma expansão do músculo vasto medial e, como você pode ver, está fixa ao bordo patelar (rotuliano) e o ligamento patelar (rotuliano) depois estende-se posteriormente para o ligamento tibial colateral e distalmente para o côndilo tibial medial.

O retináculo patelar (rotuliano) medial resiste à deslocação patelar (rotuliana) lateral. De seguida, nós temos o retináculo patelar (rotuliano) lateral, que é uma expansão do músculo vasto lateral e, como o seu companheiro, está fixado ao bordo patelar (rotuliano) e ligamento patelar (rotuliano) e estende-se posteriormente para o ligamento fibular (peroneal) colateral e distalmente para o côndilo tibial lateral. O retináculo patelar (rotuliano) lateral ajuda a estabilizar a patela (rótula).

Então, antes de continuarmos a olhar os numerosos ligamentos do joelho e perna, vamos falar rapidamente sobre os meniscos. Então, os humanos têm dois meniscos - um menisco medial e um menisco lateral - ambos os quais nós podemos ver aqui de uma perspetiva posterior. Os meniscos têm a forma de C e fixam-se à área intercondilar da tíbia, e estas estruturas fibrocartilaginosas têm a função de aumentar a profundidade da face articular da tíbia, o que aumenta a estabilidade da articulação do joelho.

E os meniscos também atuam como absorvedores de choque, amortecendo a tíbia das forças geradas durante o movimento do joelho. Então, o menisco medial tem mais uma forma de C do que o menisco lateral, e fixa-se ao ligamento colateral tibial, por isso, está vulnerável a lesão quando este ligamento é perturbado, enquanto que o menisco lateral não possui quaisquer fixações adicionais e tem uma forma mais circular.

Tudo bem, está na altura de seguirmos em frente e falarmos sobre os ligamentos do joelho e da perna.
Então, vamos começar com os dois ligamentos que estão associados à cabeça da fíbula (perónio). Então, aqui nós temos o ligamento anterior da cabeça da fíbula (perónio), que se estende desde a região anterior da cabeça da fíbula (perónio) para o côndilo lateral da tíbia.

Posteriormente, nós podemos ver o ligamento posterior da cabeça da fíbula (perónio), que se estende desde a região posterior da cabeça da fíbula (perónio) para o côndilo lateral da tíbia e, com conjunto, estes dois ligamentos têm a função de reforçar a articulação tibiofibular (tibioperoneal) proximal.

Agora, vamos olhar os ligamentos extracapsulares da articulação do joelho, começando pelos ligamentos colaterais, e aqui nós podemos ver o ligamento colateral tibial e o ligamento colateral fibular (peronial), também conhecidos como ligamentos colaterais medial e lateral, respetivamente.

E estes ligamentos trabalham em conjunto para estabilizar a articulação do joelho, prevenindo o movimento medial ou lateral em excesso. O ligamento colateral tibial estende-se do epicôndilo medial do fémur para o côndilo medial da tíbia, e também se fixa ao menisco medial, e este ligamento limita a extensão e abdução da perna.

O ligamento colateral fibular (peronial) estende-se do epicôndilo lateral do fémur para a cabeça da fíbula (perónio). E este ligamento limita a extensão e adução da perna. Então, se nós virmos os ossos do joelho e a perna de lado, nós podemos ver um ligamento que fica anteriormente ao ligamento colateral fibular (peronial), e este ligamento é chamado de ligamento ântero-lateral, e este ligamento origina-se do epicôndilo lateral do fémur e insere-se no aspeto ântero-lateral da tíbia proximal. E este ligamento estabiliza o joelho durante a rotação medial.

Ok, então, vamos falar sobre um ligamento que mencionamos mais cedo no tutorial, e este ligamento de que vamos falar é o ligamento patelar (rotuliano). O ligamento patelar (rotuliano) é a continuação do tendão do quadríceps (quadricípite) e insere-se na tuberosidade tibial. E este ligamento é essencial para a extensão da articulação do joelho e protege o aspeto anterior da articulação do joelho.

Está na altura de um outro conjunto de ligamentos, que são os ligamentos poplíteos, e vamos começar com um que vemos agora aqui realçado em
verde, que é conhecido como ligamento poplíteo arqueado.

É um ligamento extracapsular do joelho e estamos olhando-o de uma perspetiva posterior. Se olharmos a nossa ilustração, podemos ver que este ligamento tem a forma de Y com expansões posterior e lateral, e origina-se da cabeça da fíbula (perónio). E este ligamento tem como função estabilizar o aspeto póstero-lateral da articulação do joelho. Também localizado no aspeto posterior da articulação do joelho encontra-se o ligamento poplíteo oblíquo, que também é conhecido como ligamento de Bourgery ou ligamento de Winslow, e este ligamento corre entre o fémur e a tíbia e fornece um ponto de inserção para o músculo semimembranoso. E este ligamento trabalha com o ligamento poplíteo arqueado para estabilizar o aspeto posterior da articulação do joelho.

Ok, agora que já discutimos os ligamentos extracapsulares, vamos continuar para os ligamentos intracapsulares da articulação do joelho, começando pelos ligamentos cruzados. E aqui podemos ver quer o ligamento cruzado anterior quer o ligamento cruzado posterior realçados em verde de uma perspetiva posterior. Então, como o nome indica, se olharmos as imagens, podemos ver que estes ligamentos obtêm os seus nomes porque, em conjunto, formam o símbolo de uma cruz.

O ligamento cruzado anterior corre entre a região intercondilar anterior da tíbia e o côndilo femoral lateral, e este ligamento previne a luxação anterior da articulação do joelho, enquanto que o ligamento cruzado posterior corre entre a região intercondilar posterior da tíbia e o côndilo femoral medial, e este ligamento previne a luxação posterior da articulação do joelho.

O próximo ligamento de que vamos falar é o ligamento transverso, também conhecido como ligamento genicular transverso ou ligamento de Weber, e, na nossa ilustração, podemos ver este ligamento realçado a verde de uma perspetiva anterior.

O ligamento transverso estende-se entre os meniscos medial e lateral e tem como função estabilizar os meniscos. Pode estar presente um ligamento meniscomeniscal posterior correspondente.

Os últimos ligamentos intracapsulares da articulação do joelho de que vamos falar são os ligamentos meniscofemorais, e estes ligamentos são uma continuação do menisco lateral, e sobem para se fixarem no côndilo medial
do fémur. O ligamento meniscofemoral anterior, também conhecido como ligamento de Humphrey, passa anteriormente ao ligamento cruzado posterior, e o ligamento meniscofemoral posterior, também conhecido como ligamento de Wrisberg ou mesmo ligamento de Robert, passa posteriormente ao ligamento cruzado posterior. E podemos ver isto muito bem na nossa imagem aqui. Em conjunto, estes ligamentos têm a função de estabilizar o menisco lateral.

Se olharmos a extremidade distal da perna e do pé de lado, podemos ver o ligamento tibiofibular (tibioperoneal) anterior, e este ligamento estende-se entre a tíbia distal e a fíbula (perónio). Também temos um ligamento tibiofibular (tibioperonial) posterior, que, mais uma vez, passa entre a tíbia distal e a fíbula (perónio), como você pode ver aqui, e, entre estes dois ligamentos, temos o ligamento tibiofibular (tibioperoneal) interósseo, que é contínuo com a membrana interóssea. E, em conjunto, estes três ligamentos reforçam a articulação tibiofibular (tibioperoneal) distal.

Ok, então, o último grupo de estruturas de tecidos moles que vamos ver são as bursas (bolsas sinoviais). Então, as bursas são pequenos sacos preenchidos de fluido que se localizam em torno das articulações. Mais especificamente, elas encontram-se entre ossos nos tecidos moles e atuam para reduzir a fricção.

Então, em primeiro lugar, vamos focar-nos nas bursas que estão associadas à patela (rótula), começando pela bursa suprapatelar (suprarrotuliana), e nós podemos ver esta bursa aqui no plano sagital, e, como o nome sugere, localiza-se superiormente à patela (rótula). E a bursa suprapatelar (suprarrotuliana) localiza-se entre o tendão do quadríceps (quadricípite) e o fémur.

De seguida, temos a bursa pré-patelar (pré-rotuliana), que se encontra entre a patela (rótula) e a pele. Inferiormente à patela (rótula), temos as bursas infrapatelar (infrarrotuliana) subcutânea e profunda, e aqui nós podemos ver a bursa infrapatelar (infrarrotuliana) subcutânea que se localiza entre o ligamento patelar (rotuliano) e a pele, enquanto que a bursa infrapatelar (infrarrotuliana) profunda se encontra entre a tíbia e o ligamento patelar (rotuliano).

Ok, agora está na altura de seguirmos para algumas bursas que não estão proximamente relacionadas com a patela (rótula), começando pela bursa anserina. Então, esta bursa encontra-se entre a pata de ganso e o ligamento colateral tibial e a tíbia, e a pata de ganso refere-se ao tendão conjunto dos músculos sartório, grácilis e semitendinoso, que mencionámos mais cedo. A bursa anserina é uma das bursas do membro inferior que mais frequentemente inflamam. Por fim, temos a bursa semimembranosa, que se localiza entre o músculo semimembranoso e a cabeça medial do músculo gastrocnêmio.

Ok, agora que estamos familiarizados com os ossos e tecidos moles do joelho e da perna, vamos à clínica.
Nas notas clínicas de hoje, vamos falar sobre canelites, que significa dor na canela, tipicamente causada por exercício ou demasiado uso. Então, medicamente conhecido como síndrome de stresse tibial medial, as canelites ocorrem frequentemente em indivíduos que intensificaram ou modificaram a sua rotina de exercício recentemente.

Assim, por exemplo, podem ocorrer em atletas que aumentaram a sua velocidade ou a distância que correm, e isto leva a inflamação do tecido perioestal em torno da tíbia e causa dor, e a dor é, geralmente, em moedeira, inicialmente, mas pode tornar-se progressivamente aguda e grave ao ponto de o exercício já não ser possível. O tratamento envolve uma pausa do exercício que causa as canelites e a mudança para desportos de baixo impacto, como yoga e natação, e recomenda-se a aplicação de gelo com frequência para reduzir a dor e o edema, e podem ser tomados analgésicos quando necessário. Os doentes, geralmente, recuperam e voltam às suas atividades normais em algumas semanas.

Ok, então, antes de terminarmos o nosso tutorial, vamos resumir rapidamente o que aprendemos hoje. Então, nós começamos por falar da articulação do joelho, que é formada pelo fémur, a patela (rótula), e a tíbia.

De seguida, falamos dos ossos do joelho e da perna, que consistem na patela (rótula), na tíbia, na fíbula (perónio), e, à medida que falamos destes ossos, nós focamos nas suas características ósseas e pontos de fixação muscular. Nós depois continuamos para falar sobre alguns tecidos moles do joelho e perna, incluindo a cápsula e os retináculos, os meniscos, os ligamentos, e as bursas. E, finalmente, nós concluímos o nosso tutorial com algumas notas clínicas sobre canelites.

Então, terminamos assim o nosso tutorial sobre os ossos e os ligamentos do joelho e perna.

Espero que você tenha gostado. Obrigado por assistir. Bom estudo!

Continue a sua aprendizagem

Faça teste

Leia artigos

Mostre mais 7 artigos

Navegue pelo atlas

Muito bem!

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!