EN | DE | PT Contato Como estudar Entrar Cadastrar

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!

Músculos da perna e do joelho

Esta videoaula de momento está apenas disponível em inglês.

Origens, inserções, inervação e funções dos músculos da perna e do joelho.

Fantástico!
A sua primeira videoaula. Continue para o teste abaixo para solidificar o seu conhecimento.

Transcrição

Caminhar é uma grande parte de nossas vidas. Nós caminhamos para a universidade, caminhamos para o supermercado nós andamos com nossos cães, nossos cães andam connosco - você entendeu a ideia. Se você prestar bastante atenção a este vídeo, você perceberá que quando o pé entra em contato com o chão, ele encosta primeiro o calcanhar, e quando o pé é levantado de volta, os dedos são os últimos a sair do chão. Dois movimentos que são cruciais para este processo são a dorsiflexão e a flexão plantar, que são realizadas pelos compartimentos anterior e posterior da perna, respectivamente.

Hoje vamos aprender mais sobre esses movimentos e os músculos que os executam em nosso tutorial sobre os músculos da perna. Antes de começarmos, eu só quero usar um tempo para esclarecer um problema que pode surgir quando mudamos os termos cotidianos para os termos anatômicos.

Então, normalmente, em sua vida cotidiana, seu braço é seu braço e sua perna é sua perna, enquanto que na anatomia, seu braço ou seu membro superior é dividido em braço e antebraço e sua perna ou membro inferior é dividida em coxa e perna. Então, quando eu disser que vamos conversar sobre os músculos da perna, na verdade quero dizer esta região aqui, entre o joelho e o pé.

Ok, agora que esclarecemos isso, eu gostaria de te dar uma rápida visão geral sobre o que vamos falar neste tutorial. Vamos então olhar primeiro os ossos dos membros inferiores, uma vez que formam o arcabouço ósseo onde nossos músculos se inserem, depois vamos olhar os músculos da perna, que podem ser divididos em três compartimentos - o compartimento anterior, o compartimento lateral, e o compartimento posterior. E o compartimento posterior pode ser ainda dividido na camada superficial e na camada profunda.

À medida em que falamos sobre cada músculo, vamos aprender sobre sua origem, inserção, função e inervação. E finalmente, vamos concluir nosso tutorial com algumas notas clínicas. Ok, então vamos começar com os ossos dos membros inferiores.

Então aqui podemos ver a imagem que mostrei um pouco mais cedo, mas eu também dissequei a musculatura para que você possa ver os ossos um pouco melhor. Então esse osso que podemos ver aqui em cima é o osso da coxa, que é conhecido como fêmur, e entre a coxa e a perna, podemos ver a patela que é mais comumente conhecida como rótula, e movendo distalmente podemos ver os ossos da perna que são a tíbia e a fíbula (perôneo).

Em seguida, temos os ossos do pé que podem ser divididos em três grupos. Então primeiro temos os tarsais, são sete e estão localizados no tornozelo e meio do pé. Depois temos os metatarsais, temos cinco desses - um para cada dígito. E localizadas mais distalmente estão as falanges, que são os ossos dos seus dedos. Como você pode ver, o hálux tem uma falange proximal e uma falange distal, enquanto os outros dedos possuem cada um três falanges - a proximal, a média e a distal.

Então agora que estamos familiarizados com os ossos dos membros inferiores, vamos falar sobre os músculos da perna, começando com o compartimento anterior. O primeiro músculo do compartimento anterior sobre o qual vamos falar hoje é o músculo tibial anterior e esse músculo se origina da superfície lateral da tíbia, do côndilo lateral da tíbia, e da membrana interóssea da perna.

A membrana interóssea é uma lâmina fina de tecido conjuntivo fibroso que une os dois ossos da perna, a tíbia e a fíbula (perôneo). E o tibial anterior se estende para então se inserir na base do metatarso do hálux e na face plantar do osso cuneiforme medial, que é um dos ossos tarsais.

Se adicionarmos essa imagem aqui que é uma vista inferior dos ossos do pé, podemos ver esses pontos de inserção de forma um pouco mais clara. Então, aqui temos o metatarso do hálux e aqui podemos ver o osso cuneiforme medial.

Então o que o tibial anterior faz? Bem, quando este músculo se contrai, ele causa a dorsiflexão do pé na articulação do tornozelo, o que, como podemos ver, diminui o ângulo entre o dorso do pé e a perna, e esse músculo também é responsável pela inversão do pé. E a inversão do pé envolve virar a sola do pé em direção à linha média do corpo, como podemos ver aqui.

O tibial anterior também sustenta o arco medial longitudinal do pé. Falando sobre as funções dos músculos, se você quiser saber mais sobre as ações de cada um dos músculos mencionados neste vídeo, por que não reservar um tempo mais tarde para conferir nossa incrível série de vídeos em 3D sobre as funções dos músculos dos membros inferiores?

Aqui você poderá assistir cada músculo executando sua função de forma isolada e visualizar cada movimento sem perder nada! Para que o tibial anterior execute suas funções, ele requer inervação que é fornecida pelo nervo fibular profundo, também conhecido como nervo peroneal profundo.

Observe que os termos fibular e peroneal são intercambiáveis, mas ao longo de nosso tutorial vamos usar a palavra “fibular”. O nervo fibular profundo inerva todos os músculos do compartimento anterior, e ele se origina do nervo ciático.

O nervo ciático se bifurca no nervo tibial e no nervo fibular comum, e o nervo fibular comum então se divide no nervo fibular superficial e no nosso nervo de interesse, o nervo fibular profundo.

Localizado lateralmente ao tibial anterior, encontramos o extensor longo dos dedos, e esse músculo se origina do côndilo lateral da tíbia, da cabeça da fíbula, da borda anterior da fíbula, e da membrana interóssea da perna. Ele então se separa em quatro tendões e se insere nas bases das falanges médias e distais dos quatro dedos laterais.

O extensor longo dos dedos é responsável pela dorsiflexão do pé na articulação do tornozelo e pela extensão dos quatro dedos laterais nas articulações metatarsofalangeanas e interfalangeanas.

E como podemos ver na nossas imagem, a extensão dos dedos os puxa em direção à perna, reduzindo o ângulo entre os dedos e a perna. Esse músculo também causa eversão do pé, que envolve virar a sola do pé para longe da linha média do corpo. E assim como o tibial anterior, o extensor longo dos dedos é inervado pelo nervo fibular profundo, que podemos ver aqui destacado em verde.

Antes de seguirmos adiante, eu quero mencionar o fibular terceiro. Então, o fibular terceiro é normalmente ligado ao extensor longo dos dedos, e por isso é usualmente considerado uma parte desse músculo. Se origina da borda anterior da fíbula e se insere na base do metatarso do quinto dedo.

Quando o fibular terceiro se contrai, ele causa dorsiflexão do pé na articulação do tornozelo e eversão do pé, e esse músculo também é inervado pelo nervo fibular profundo. O último músculo do compartimento anterior da perna é o extensor longo do hálux. Então, em termo de pontos de origem, esse músculo se origina da face medial da fíbula e da membrana interóssea da
perna.

Ele então se estende para se inserir na base da falange distal do hálux, e esse músculo é responsável pela dorsiflexão do pé na articulação do tornozelo e pela extensão do hálux nas articulações metatarsofalangeanas e interfalangeanas.

Então, como podemos ver na nossa imagem, a extensão do hálux o puxa em direção à perna, reduzindo o ângulo entre o hálux e a perna. Mais uma vez, esse músculo é inervado pelo nervo fibular profundo.

Aproveitando, eu só queria usar um minuto para falar sobre alguns retináculos. Os retináculos são bandas fibrosas que agem como cintos de segurança para os tendões dos seus músculos. Eles os mantêm no lugar para que eles não possam se mexer livremente sob a sua pele.

O retináculo extensor superior passa da fíbula para a tíbia, próximal aos maléolos. E une os tendões dos músculos do compartimento anterior da perna antes que eles atravessem a articulação do tornozelo. Movendo-se inferiormente, podemos ver o retináculo extensor inferior, e como você pode ver, o retináculo extensor inferior tem formato de “Y”.

Esta estrutura se estende a partir do calcâneo, que é o maior osso tarsal do pé. Ele então se divide em dois, se prendendo ao maléolo medial e à aponeurose plantar. E o retináculo extensor inferior une os tendões dos músculos do compartimento anterior da perna, após eles atravessarem a articulação do tornozelo.

Antes de seguirmos com o compartimento lateral da perna, deixe-me resumir alguns pontos-chave sobre o compartimento anterior. Então, o compartimento anterior é composto por quatro músculos - tibial anterior, extensor longo dos dedos, fibular terceiro e extensor longo do hálux. E esses músculos trabalham juntos para fazer a dorsiflexão do pé na articulação do tornozelo, e eles são todos inervados pelo nervo fibular profundo.

Ok, então vamos ver os músculos do compartimento lateral da perna. O compartimento lateral da perna consiste em dois músculos - o fibular longo e o fibular curto. O fibular longo se origina da cabeça da fíbula e da superfície lateral da fíbula.

Seu tendão passa por trás do maléolo lateral e atravessa a região de baixo do pé para se inserir na base do metatarso do hálux, assim como no osso cuneiforme medial. Então quando o fibular longo se contrai, ele causa a eversão do pé e a flexão plantar do pé na articulação do tornozelo, e como podemos ver na nossa imagem, a flexão plantar aumenta o ângulo entre o dorso do pé e a perna e esse músculo também sustenta os arcos longitudinal lateral e transverso do pé.

Quanto à inervação, o fibular longo é inervado pelo nervo fibular superficial, que é um ramo do nervo fibular comum que mencionamos anteriormente. Ok, então é hora de dar uma olhada no fibular curto que se origina da face lateral da fíbula.

Ele então passa por trás do maléolo lateral para se inserir na tuberosidade do metatarso do quinto dedo. E esse músculo é responsável pela eversão do pé, e ele também ajuda na flexão plantar do pé na articulação do tornozelo. E assim como seu irmão maior, o fibular curto é inervado pelo nervo fibular superficial que podemos ver destaque em verde.

Novamente, é hora de falar sobre alguns retináculos. Então, aqui temos o retináculo fibular superior que podemos ver aqui de uma vista posterior, e esse retináculo se estende do maléolo lateral até o calcâneo, e o retináculo fibular superior une os tendões dos músculos do compartimento lateral da perna.

Inferiormente ao retináculo fibular superior temos, claro, o retináculo fibular inferior, e o retináculo fibular inferior é contínuo com o retináculo extensor inferior e se prende ao calcâneo. Novamente, esta estrutura une os tendões dos músculos do compartimento lateral da perna. Então antes de avançarmos para o compartimento posterior da perna, vamos resumir alguns pontos-chave sobre o compartimento lateral.

Então, o compartimento lateral é formado por dois músculos - o fibular longo e o fibular curto - e esses músculos agem juntos para fazer a eversão e a flexão plantar do pé, e eles são inervados pelo nervo fibular superficial. Ok, então agora que estamos familiarizados com os músculos dos compartimentos anterior e lateral, vamos olhar o compartimento posterior.

E como mencionamos anteriormente, ele tem duas camadas, então vamos começar com a superficial primeiro. Então, o primeiro músculo desta camada sobre o qual vamos falar é o gastrocnêmio. O gastrocnêmio é o músculo mais superficial do compartimento posterior e possui duas cabeças que têm diferentes pontos de origem. A cabeça lateral se origina do epicôndilo lateral do fêmur e a cabeça medial se origina do epicôndilo medial do
Fêmur. O gastrocnêmio então se insere na tuberosidade do calcâneo através do tendão calcâneo ou do tendão de Aquiles e é importante observar que todos os três músculos superficiais do compartimento posterior têm o mesmo ponto de inserção.

Quando o gastrocnêmio se contrai, ele causa a flexão plantar do pé na articulação do tornozelo e a flexão da perna na articulação do joelho. E como podemos ver na nossa imagem, a flexão do joelho reduz o ângulo entre a coxa e a perna na articulação do joelho. E a inervação do gastrocnêmio é fornecida pelo nervo tibial, que é um ramo do nervo ciático.

O próximo músculo sobre o qual vamos falar é o músculo plantar, e esse músculo se origina da linha supracondilar lateral do fêmur e se insere na tuberosidade do calcâneo através do tendão calcâneo. E esse músculo auxilia na flexão plantar do pé na articulação do tornozelo e na flexão da perna na articulação do joelho.

Assim como o gastrocnêmio, o plantar é inervado pelo nervo tibial, que podemos ver aqui destacado em verde. Por último, temos o músculo sóleo, que se origina da cabeça da fíbula, da borda posterior da fíbula, e da linha solear da tíbia. E esse músculo então se insere na tuberosidade do calcâneo através do tendão calcâneo. E quando o sóleo se contrai, ele causa a flexão plantar do pé na articulação do tornozelo, e, novamente, este músculo é inervado pelo nervo tibial.

Então, antes de continuarmos com a camada profunda do compartimento posterior da perna, deixe-me resumir alguns pontos-chave sobre a camada superficial. Então, essa camada consiste em três músculos - o gastrocnêmio, o plantar, e o sóleo. E todos os três músculos do compartimento superficial têm o mesmo ponto de inserção, e se inserem na tuberosidade do calcâneo através do tendão calcâneo. E esses músculos agem juntos para realizar a flexão plantar do pé na articulação do tornozelo e eles são inervados pelo nervo tibial.

Certo, então agora é hora de aprofundar um pouco mais e olhar para a camada profunda do compartimento posterior da perna. Então, o primeiro músculo desta camada sobre o qual vamos falar é o músculo poplíteo e este músculo se origina do côndilo lateral do fêmur e do menisco lateral.

Ele então se insere na face posterior da tíbia acima da origem do músculo sóleo. Quando você está de pé parado e começa a andar, esse músculo causa rotação lateral do fêmur sobre a tíbia, o que destrava a articulação do joelho para que a flexão ocorra, e esse músculo também causa flexão e rotação medial da perna na articulação do joelho e estabiliza a articulação do joelho. Quanto à inervação, o poplíteo é inervado pelo nervo tibial, e vale observar que todos os músculos da camada profunda são inervados por esse nervo.

O próximo músculo sobre o qual vamos falar é o flexor longo dos dedos, que se origina da face posterior da tíbia. Ele então se divide em quatro tendões e se insere nas superfícies plantares das bases das falanges distais dos quatro dedos laterais. O flexor longo dos dedos é responsável pela flexão plantar do pé na articulação do tornozelo e pela flexão dos quatro dedos laterais nas articulações metatarsofalangeanas e interfalangeanas.

E como você pode ver na nossa imagem, este é o movimento que você realiza quando você curva seus dedos. E esse músculo também faz a inversão do pé. Assim como o poplíteo, o flexor longo dos dedos é inervado pelo nervo tibial. Localizado lateralmente ao flexor longo dos dedos, temos o flexor longo do hálux, e em termos de pontos de origem, esse músculo se origina da superfície posterior da fíbula e da membrana interóssea da perna.

Ele então se estende para se inserir na superfície plantar da base da falange distal do hálux. Quando esse músculo se contrai, ele causa a flexão plantar
do pé na articulação do tornozelo e flexão do hálux nas articulações metatarsofalangeanas e interfalangeanas.

E como podemos ver na nossa ilustração, este é o movimento que você faz quando curva o seu hálux. E esse músculo é também responsável pela inversão
do pé. Novamente, o flexor longo do hálux é inervado pelo nervo tibial. Então, o último músculo da camada profunda do compartimento posterior sobre o qual vamos falar hoje é o tibial posterior.

Em termos de seus pontos de origem, esse músculo se origina da superfície posterior da tíbia, da superfície posterior da fíbula, e da membrana interóssea da perna. Seu tendão passa por trás do maléolo medial e se insere na tuberosidade do osso navicular e dos três cuneiformes. E esses ossos são os tarsais do pé.

O tibial posterior é responsável pela flexão plantar do pé na articulação do tornozelo e pela inversão do pé. E esse músculo também sustenta o arco longitudinal medial do pé quando andamos. E esse músculo é inervado pelo nervo tibial. Antes de seguirmos adiante, vamos falar sobre o último retináculo deste tutorial que é o retináculo dos flexores do pé.

E essa estrutura se estende do maléolo medial até o calcâneo. Ele une os tendões do flexor longo dos dedos, do flexor longo do hálux, e do tibial posterior, que são músculos profundos do compartimento posterior da perna. Ok, então vamos resumir alguns pontos-chave sobre a camada profunda do compartimento posterior da perna. Essa camada é composta por quatro músculos - o poplíteo, o flexor longo dos dedos, o flexor longo do hálux, e o tibial posterior.

E esses músculos, excluindo o poplíteo, agem juntos para realizar a flexão plantar do pé na articulação do tornozelo, e são inervados pelo nervo tibial. Ok, então agora que estamos familiarizados com os músculos da perna, vamos seguir adiante e falar sobre algumas notas clínicas que são relevantes
a esses músculos. Então, pé caído é um termo usado para descrever a dificuldade em levantar a parte da frente do pé ou, em outras palavras, realizar a dorsiflexão. E isso faz com que o pé se arraste pelo chão e aumenta o risco de quedas. Então indivíduos com esse problema podem compensar o movimento elevando sua perna mais alto do que o normal, e isso é geralmente referido como marcha escarvante.

É importante observar que pé caído não é uma condição, mas sim um sinal de um problema adjacente, e é usualmente causado por fraqueza ou paralisia dos músculos do compartimento anterior da perna. A causa mais comum de pé caído é a compressão do nervo fibular comum, que emite ramos que inervam os compartimentos anterior e lateral da perna, e também pode ser causado por uma distrofia muscular, que resulta em fraqueza muscular progressiva, assim como por condições que afetam o cérebro e a medula espinhal, tais como o acidente vascular cerebral.

O tratamento depende do curso da doença, e inclui aparelhos que seguram o pé em sua posição normal, fisioterapia que fortalece os músculos, e estimulação elétrica do nervo fibular comum. Um pé caído grave ou prolongado pode necessitar de cirurgia, e se a causa for tratada com sucesso, o pé caído pode melhorar ou desaparecer, entretanto também pode ser permanente.

Ok, então antes de encerrarmos nosso tutorial vamos rapidamente resumir o que aprendemos hoje. Então começamos nosso tutorial falando sobre os ossos dos membros inferior que são o fêmur, a patela, a tíbia, a fíbula, os tarsais, os metatarsais, e as falanges. Nós então falamos sobre os músculos da perna, que são divididos em três compartimentos - o compartimento anterior, o compartimento lateral, e o compartimento posterior. E o compartimento posterior foi adicionalmente dividido na camada superficial e na camada profunda.

E, finalmente, nós concluímos nosso tutorial com algumas notas clínicas sobre o pé caído. Então isso nos leva ao final do nosso tutorial sobre os músculos da perna. Espero que você tenha aproveitado. Obrigado por assistir e bons estudos!

Continue a sua aprendizagem

Assista mais videoaulas

Mostre mais 12 videoaulas

Faça teste

Leia artigos

Mostre mais 5 artigos

Navegue pelo atlas

Muito bem!

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!

Crie sua conta gratuitamente.
Comece a aprender anatomia em menos de 60 segundos.