EN | DE | PT Contato Como estudar Entrar Cadastrar

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!

Células e tecidos

Este vídeo tem legendas em Português

Generalidades sobre os principais componentes celulares e tecidos.

Fantástico!
A sua primeira videoaula. Continue para o teste abaixo para solidificar o seu conhecimento.

Destaques

Transcrição

Se você tiver que adivinhar, quantas células aproximadamente você acha que existem no corpo humano? Cinco milhões? Não, isto é muito pouco. Cem milhões? Não, provavelmente mais que isso. Que tal três bilhões? Ainda é muito pouco. Hmmm. Quinhentos bilhões? Acho que sim, isto parece plausível, não é?

Bem, na verdade ainda estamos muito longe, pois é estimado que tenhamos mais de trinta e dois trilhões de células no nosso corpo. Sim, você me ouviu certo - TRINTA E DOIS TRILHÕES. E além disso, nosso corpo produz, em média, mais de um bilhão de células novas a cada hora que precisam crescer e repor as células mortas ou perdidas.

Apesar delas serem tantas em um corpo saudável, todas essas trinta e duas trilhões de magníficas células se juntam e trabalham com um objetivo em comum - a homeostase, que é o processo de manutenção e regulação do nosso corpo para manter a estabilidade e consistência entre nosso meio interno e as mudanças do meio externo.

Entre esses trinta e dois trilhões de células, temos cerca de duzentos tipos de células, todas especializadas para a função que elas exercem no nosso corpo. Grupos de células similares trabalham juntas para exercer sua determinada função e, sendo assim, elas formam tecidos que, essencialmente, são a verdadeira estrutura do nosso corpo, nos mantêm, nos dão forma e - está se sentindo sobrecarregado? Não se sinta. Não é tão complicado quanto parece.

Daqui a pouco tudo vai fazer sentido. Acredite em mim.

Então, seja bem-vindo à nossa introdução a “células e tecidos”.

Felizmente para nós, apesar do nosso corpo ter cerca de duzentos tipos de células, toda essa complexidade pode ser resumida em apenas quatro tipos primários de tecidos e eles são: tecido epitelial, que recobre a superfície interna e externa do nosso corpo, fornecendo cobertura e proteção; tecido muscular, que, é claro, nos fornece mobilidade e habilidade; tecido conjuntivo, que sustenta todo o nosso corpo e evita que pareçamos com um gigante e talvez com uma pilha de gosma e, finalmente o tecido nervoso, o qual nosso corpo utiliza para comunicação e controle das funções corporais.

Antes de começarmos a explorar os quatro principais tipos de tecidos, vamos primeiro nos familiarizar com as fotos de células e tecidos feitas em um microscópio - micrografias.

Como você já deve saber, histologia é o estudo da anatomia microscópica, mas já que não conseguimos te dar seu próprio microscópio e amostras para visualizar as células e tecidos, vamos discutir sobre eles e você vai ver várias micrografias nesse tutorial.

E nesta micrografia, você pode ver corada a seção transversal do ureter e nós usamos corantes quando queremos visualizar células e tecidos, pois o corante cria um contraste colorido que permite que as células e suas estruturas internas sejam distinguidas. Então, vamos explorar cada um dos diferentes principais tipos de tecidos com mais detalhes, começando com o tecido epitelial.

O tecido epitelial, também conhecido como epitélio, é composto de camadas de células que se enquadram em um de dois grupos. O primeiro é conhecido como tecido epitelial próprio, também chamado de epitélio de revestimento devido ao fato dele recobrir as superfícies externa e interna de vários órgãos. Exemplos são o epitélio da epiderme na sua pele e o epitélio respiratório que recobre internamente sua traqueia e brônquios.

O segundo tipo é denominado epitélio glandular ou secretório, que forma nossas glândulas. Sua função é produzir e secretar várias macromoléculas na nossa corrente sanguínea ou diretamente na superfície epitelial através de ductos. Você achará exemplos de epitélio glandular nas glândulas gástricas do seu estômago, assim como nas suas glândulas sudoríparas.

Células epiteliais vivem diretamente em contato umas com as outras, o que quer dizer que existe apenas um pequeno espaço intercelular entre elas. Elas também são avasculares, o que significa que elas não têm um suprimento sanguíneo direto. Sendo assim, elas recebem sua nutrição do tecido conjuntivo ao seu redor ou abaixo delas. Em termos de classificação, células epiteliais geralmente são classificadas de acordo com sua morfologia ou forma - cuboidal, escamosa ou colunar - e de acordo com a maneira na qual elas são organizadas - simples ou estratificadas.

Como o nome sugere, células epiteliais cuboidais tem um formato aproximado de um cubo, o que quer dizer que elas têm aproximadamente a mesma altura e
Largura. Escamoso se refere a escamas, células finas ou achatadas, enquanto colunar descreve essas células epiteliais altas semelhantes a colunas. Epitélio simples se refere a uma única camada de células e estratificado se refere a múltiplas camadas de células.

É a forma e a organização das células epiteliais que tipicamente determina o nome de cada tecido epitelial. Por exemplo, podemos ter cuboidal simples, escamoso simples, colunar simples, cuboidal estratificado, escamoso estratificado e colunar estratificado. Existem vários tecidos epiteliais para discutirmos, então preste bastante atenção enquanto continuamos e não se esqueça de fazer suas anotações.

Bem, epitélio cuboidal simples recobre pequenos túbulos, ductos e glândulas em todo o corpo. Suas funções principais são secreção e absorção. Nesta micrografia mostrando uma parte de uma seção transversal do rim, epitélio cuboidal simples pode ser aqui visualizado recobrindo um de muitos túbulos coletores que são responsáveis pela concentração da urina.

O epitélio estratificado cuboidal tem as mesmas funções, mas é menos comum. Ele pode ser encontrado principalmente nos ductos das glândulas sudoríparas e recobrindo internamente túbulos maiores. O epitélio simples escamoso cria uma barreira seletiva à difusão de pequenas moléculas. Ele pode, portanto, ser encontrado em qualquer lugar onde ocorra difusão, como revestindo alvéolos e vasos sanguíneos. Nesta micrografia, ele pode ser aqui visualizado, formando a camada interna da parede arterial.

O epitélio estratificado escamoso, por sua vez, fornece essencialmente proteção. Ele pode ser encontrado em qualquer parte do corpo onde abrasões constantes ocorrem, como no esôfago e revestindo a cavidade oral. A epiderme, onde abrasão mecânica ocorre constantemente, é feita de uma forma especializada deste tecido, mostrado nesta figura. Ele é denominado epitélio escamoso estratificado queratinizado, no qual as células mortas, cheias de queratina, se localizam nas camadas mais externas.

O epitélio colunar simples tem as funções de absorção, secreção, proteção e lubrificação. Ele pode ser encontrado no trato gastrointestinal. Nesta micrografia, epitélio simples colunar pode ser visualizado recobrindo as vilosidades intestinais.

Epitélio colunar estratificado, por outro lado, não é comum. Ele tem as mesmas funções e pode ser encontrado em algumas glândulas exócrinas grandes como visto aqui em um grande ducto da glândula salivar sublingual, bem como na junção anorretal.

Um tecido especializado é frequentemente confundido com epitélio colunar estratificado, pois uma única camada de células pode parecer estratificada. Esse tecido comum é chamado de epitélio colunar pseudoestratificado. Ele pode ser encontrado principalmente revestindo o trato respiratório e tem as mesmas funções do epitélio colunar simples.

O último tecido epitelial que vamos ver hoje nos leva de volta à nossa primeira micrografia, em que vimos uma seção transversal do ureter, e este tecido único é denominado epitélio transicional e é formado de células estratificadas que podem parecer tanto escamosas como cuboidais. Por exemplo, quando a urina passa através do ureter, o aumento da pressão força a dilatação do lúmen, o que achata as células cuboidais externas em células escamosas. Nesta micrografia, o lúmen não está dilatado, e por isso a maioria das células estão no formato cuboidal. Este tecido também é chamado de urotélio devido ao fato dele ser exclusivo do ureter e de partes da bexiga e da uretra e sua função é distender os tecidos que coletam e transportam a urina.

Também é comum que células cuboidais e colunares apresentem estruturas especializadas que se projetam na sua superfície luminal. Elas têm como função aumentar a área de superfície para otimizar a absorção ou para mover substâncias através de sua superfície epitelial. E existem três tipos principais de especializações como estas, que são microvilosidades, como as que formam a borda em escova no nosso intestino delgado; estereocílios, que podem ser encontrados no epidídimo e nos ductos deferentes e finalmente, cílios, que podem ser vistos na sua traqueia e nos seus brônquios.

Todo o tecido epitelial é separado do tecido abaixo por uma membrana basal e ela é vista aqui em verde. Esta matriz extracelular especializada é responsável por fornecer suporte aos tecidos. De tempos em tempos, você verá que a membrana basal é frequentemente chamada de lâmina basal, no entanto, é importante notar que a lâmina basal é só uma das camadas que compõem a membrana basal e estes não são termos sinônimos. A membrana basal é igual a lâmina basal mais a lâmina própria.

OK, agora que revisamos o tecido epitelial, vamos estudar o tecido conjuntivo. Então, a pergunta que eu ouvi você fazendo, agora que acabamos de estudar o tecido epitelial, foi o que é o tecido conjuntivo e como ele é diferente?

Bem, para começar, o tecido conjuntivo é o tecido mais abundante do corpo e, sendo o mais abundante, é também o tipo mais diversificado dos tecidos corporais. Tanto que você pode nunca pensar que diferentes tipos de tecido conjuntivo não estão nem relacionados um com outro. Você vai entender o que eu quero dizer em breve. A única coisa que conecta todos os tipos de tecido conjuntivo é a sua origem. Sim, todos os tecidos conjuntivos surgem do mesmo tecido multipotente, que é conhecido como mesênquima - um tipo de tecido embrionário pouco organizado e fluido, que alguns chamam de sopa embrionária. É, eu sei, eu também nunca mais vou olhar para uma sopa da mesma maneira.

Na maioria dos casos, o tecido conjuntivo consiste em células localizadas em um mar de material extracelular, conhecido como matriz extracelular. E esta matriz consiste em fluidos e algo conhecido como substância fundamental, que é basicamente um material gelatinoso que preenche os espaços entre as células. Entre a substância fundamental existem várias e várias fibras embebidas como as de colágeno - que na verdade são mais fortes que o aço e
é isso que algumas pessoas injetam no rosto para rejuvenescer; fibras elásticas, que permitem que os tecidos se estiquem e se encolham, como um elástico e fibras reticulares, que formam uma malha de material esponjoso que mantém tudo no lugar. E tudo isso ajuda a determinar as propriedades físicas
dos tipos particulares de tecido conjuntivo.

Então quando comparamos os tecidos epitelial e o conjuntivo, uma diferença importante entre eles é a relativa abundância de material extracelular e de fibras existentes no tecido conjuntivo, mas com um volume menor de células. A função primária do tecido conjuntivo é providenciar estrutura e suporte, assim como conectar ou manter os tecidos juntos, exatamente como seu nome sugere. Ele também ajuda na proteção do nosso corpo e no isolamento de nossos outros tecidos e órgãos e, alguns tipos de tecido conjuntivo, também têm a função de estocar energia e funcionar como um sistema de transporte no nosso
corpo.

É claro que, uma vez que existem diferentes tipos de tecidos conjuntivos, existem também vários tipos diferentes de células específicas para cada tipo particular de tecido conjuntivo. Elas compartilham, entretanto, algumas características em comum e podem ser divididas em dois tipos principais - células do tecido conjuntivo imaturo e células do tecido conjuntivo maduro.

Bem, as células imaturas são bem fáceis de reconhecer pelos seus nomes, pois elas terminam com o sufixo - blasto - por exemplo, fibroblastos no tecido conjuntivo próprio, condroblastos na cartilagem, osteoblastos no osso, lipoblastos no tecido adiposo e até hemocitoblastos no seu sangue. E apesar do que seus nomes podem sugerir, estas células não estão envolvidas em explosões (em inglês - blast: explosão).

Na verdade, é muito antes pelo contrário. Entre suas muitas funções está a secreção de substâncias de crescimento e de fibras necessárias à construção do tecido conjuntivo relacionadas a elas. E uma vez que elas tenham feito seu trabalho produzindo matriz extracelular, entre várias outras coisas, elas sofrem transição para a sua forma madura, que tende a ser menos ativa e às vezes é descrita como “em repouso”. Estes tipos de células perdem seu sobrenome “blasto” e no seu lugar ganham o sufixo - cito.
Bem, nossos fibroblastos viram fibrócitos, nossos condroblastos viram condrócitos, nossos osteoblastos viram osteócitos e assim por diante. Estas células, às vezes, podem se reverter em sua forma imatura quando há necessidade de reparar e reconstruir um tecido, mas em geral, elas funcionam para manter o tecido construído pelo progenitor, a célula blástica. Então essas são as células que produzem e mantêm nosso sangue, ligamentos, cartilagens e ossos - basicamente tudo que nos mantém firmes e garante que você não se pareça como uma enorme pilha de gelatina.

Agora, este não é o fim da história quando nos referimos aos tipos de células do tecido conjuntivo. Existem outras classes de células que não estão envolvidas no processo de construção dos tecidos conjuntivos, mas trabalham na proteção contra, bem praticamente tudo. E essas são as células imunes, como os macrófagos e as células brancas como neutrófilos, eosinófilos, monócitos e linfócitos, e esta lista segue. Essas células são como o exército, a marinha, a aeronáutica e o FBI do nosso corpo, todos combinados para escoltar nossos tecidos conjuntivos, combatendo os invasores e as ameaças externas.

Então vamos dar uma olhada mais de perto em alguns dos diferentes tipos de tecido conjuntivo. Bem, existem três grupos de tecido conjuntivo, baseados no tipo de matriz extracelular presente - tecidos com matriz extracelular líquida, com matriz extracelular semi-sólida e tecidos com matriz sólida.

Bem, primeiro, nós temos aquele tipo de tecido conjuntivo com a matriz líquida e um dos tecidos conjuntivos mais significantes no corpo é uma das chaves do sistema cardiovascular, o sangue. E o sangue é composto de células vermelhas chamadas de eritrócitos e de células brancas chamadas de leucócitos e estas células estão contidas em uma matriz líquida chamada plasma.

Nesta micrografia, podemos ver os eritrócitos como discos vermelho-amarronzados e tem um exemplo de leucócito presente nesta imagem e é este aqui, que está circulado e mostrado em destaque. E note que a área verde escura representa o núcleo celular.

As células vermelhas do sangue não têm essa mancha roxa escura que é mostrada no leucócito não destacado no círculo à esquerda, pois elas são anucleadas, o que quer dizer que elas não possuem núcleos. E nesta imagem, os pequenos pontos roxos, como este aqui, são plaquetas, que ajudam na formação de coágulos sanguíneos e, como mencionamos, existem alguns tipos de tecido conjuntivo com matrizes semi-sólidas, que são comumente denominados tecido conjuntivo próprio.

E o primeiro deles é o tecido que denominamos tecido conjuntivo frouxo e este tipo de tecido pode ser encontrado em três formas primárias, sendo a primeira conhecida como tecido areolar. O tecido areolar está presente em todo o corpo e pode frequentemente ser encontrado profundamente à membrana basal do epitélio. Ele contém uma malha de fibras colágenas e elásticas e, por isso, é bem flexível. Tecido conjuntivo frouxo também é o local onde ocorre rápida troca fluido-gasosa entre os tecidos.

O segundo tipo de tecido conjuntivo frouxo é conhecido como tecido conjuntivo reticular, que age como um esqueleto em alguns tecidos, permitindo que outras células tenham um local para amadurecer ou se desenvolver. E você encontra tecido conjuntivo reticular em estruturas como seus linfonodos, seu baço e medula óssea.

O último tipo de tecido conjuntivo é o tecido adiposo, que, eu e você podemos apelidar de, tecido de gordura. É um tipo único de tecido conjuntivo, pois, ao contrário dos outros, ele não tem muito material extracelular e, ao invés disso, é principalmente celular. O tecido adiposo pode ser tipicamente encontrado ao redor de órgãos e de outras estruturas e é feito de células de gordura denominadas adipócitos.

O tecido adiposo pode ser encontrado em todo o corpo, incluindo a região subcutânea. Mas, antes de você ir amaldiçoando seu tecido adiposo por medo de uma temida barriguinha ou adoráveis dobras, em quantidades certas, ele é na verdade um tecido extremamente importante para o nosso corpo, pois ele funciona como um isolante para nos proteger da perda excessiva de calor e também protege nossos órgãos como o coração e os rins.

E,finalmente, e o mais importante, gordura é nosso tanque de combustível - uma reserva calórica que permite que nosso corpo sobreviva a períodos extensos sem ingerir comida. Durante a fixação e a coloração, a gordura presente nos adipócitos é removida, deixando-os aparentemente vazios, com o núcleo na periferia, o que, como você pode ver, deixa-os com uma aparência bem característica, semelhante a um anel nas seções histológicas.

Bem, vamos mudar agora para o nosso segundo tipo de tecido conjuntivo, com matrizes semi-sólidas, que é um primo do tecido conjuntivo frouxo - tecido conjuntivo denso - e como podemos prever pelo nome, o tecido conjuntivo denso é mais denso que o tecido conjuntivo frouxo, e assim como o tecido conjuntivo frouxo, o tecido conjuntivo denso tem três subtipos principais.

O primeiro é o tecido conjuntivo denso regular, o qual você vê agora na sua tela e este tipo de tecido contém mais colágeno do que elastina e apresenta um arranjo organizado ou regular de fibras que lhe dá grande resistência. Este tecido forma tecidos fortes, como ligamentos e tendões, os quais você pode ver agora na sua tela.

O segundo tipo de tecido conjuntivo denso é conhecido como tecido conjuntivo denso irregular. Derme, que é encontrada principalmente na derme da pele. E como você pode ver, ele tem uma organização menos organizada quando comparado aos seus primos tendinosos ou ligamentares.

O último tipo de tecido conjuntivo denso é conhecido como tecido conjuntivo elástico, que fazendo jus ao seu nome, é cheio de fibras elásticas, que permitem que ele estique e retraia. Um bom exemplo de tecido conjuntivo elástico é o encontrado nas suas grandes artérias elásticas, como você pode ver aqui nesta micrografia.

Então seguindo para ver alguns exemplos de tecido conjuntivo com matrizes sólidas, vamos primeiro dar uma olhada na cartilagem. E, mais uma vez, podemos identificar vários subtipos nesta categoria de tecido conjuntivo.

Bem, a cartilagem hialina é o tipo mais comum de cartilagem no corpo humano e pode ser encontrada nas superfícies articulares dos ossos, na cartilagem costal das costelas e ao redor da traqueia. Nesta micrografia, podemos ver a traqueia com cartilagem hialina - visível na parte roxa em formato de U - e esta cartilagem hialina é responsável pela rigidez da traqueia, que previne que ela sofra colapso.

Outros tipos de cartilagem incluem cartilagens elásticas como a que é encontrada nas suas orelhas, fibrocartilagem, que você encontrará nos seus discos intervertebrais, sínfise púbica e cartilagem fisária, que compõem a placa de crescimento nos seus ossos. Mas independente do tipo de cartilagem, lembre-se que as células encontradas neste tipo de tecido são conhecidas como condroblastos em cartilagens em crescimento e condrócitos em cartilagens desenvolvidas.

Outro tipo de tecido conjuntivo com matriz sólida é o osso e ele é uma forma de tecido conjuntivo calcificado, que fornece suporte e proteção para os tecidos moles e, claro, é este tecido que forma nosso sistema esquelético. O tecido ósseo tem duas formas primárias. Osso cortical ou compacto, que é um tecido denso e bastante organizado, que contém sistemas de Havers, como este aqui e cada um deles contém um canal de Havers, que é circundado por camadas concêntricas de lamelas.

Entre estas lamelas existem os osteócitos, que são as células maduras do osso. O outro tipo de osso é conhecido como osso esponjoso ou trabecular, que é poroso e não tão denso quanto o osso compacto. Ele é tipicamente encontrado na cabeça dos seus ossos longos e no centro dos seus ossos planos e é formado de suportes ou pilares de osso, que são conhecidos como trabéculas. E os poros ou espaços visualizados entre estas trabéculas é o local onde seu osso produz e aloja a medula óssea.

OK, então agora nós já discutimos os tecidos epiteliais e conjuntivo, vamos mudar agora para o tecido muscular. Bem, o tecido muscular é exatamente o que você pensa que ele é. Sim, é esse tecido vermelho e carnoso que fornece mobilidade para tantos dos nossos órgãos internos, assim como para o nosso corpo como um todo. O tecido muscular é particularmente único, pois ele é capaz de converter energia química, que obtemos principalmente através da comida, em energia mecânica, permitindo-nos levantar coisas, correr e namorar bastante o seu amado. Ah, arrume um quarto, vocês dois!!

As células que compõem os músculos são geralmente alongadas e capazes de se contrair devido a proteínas especiais conhecidas como filamentos de actina e miosina, que são os trabalhadores de todos os tecidos musculares. E existem três tipos de tecido muscular - músculo liso, músculo esquelético e músculo cardíaco. Nesta micrografia, você pode ver o músculo esquelético - e vamos só aumentar a magnificação.

Bem, o músculo esquelético é associado com o sistema esquelético através de seus ligamentos tendinosos e é essencialmente responsável pelos movimentos voluntários e postura do esqueleto. Suas células, comumente chamadas de fibras musculares, são longas e não ramificadas, e podem ter vários centímetros de comprimento. Cada fibra é multinucleada e contém milhares de núcleos periféricos situados a intervalos regulares. O músculo esquelético tem uma aparência estriada devido ao arranjo perpendicular dos filamentos de actina e miosina que atravessam cada fibra e cada fibra muscular é controlada por uma sinapse no neurônio motor.

Nosso próximo tipo de tecido muscular é o tecido muscular cardíaco, que, como seu nome sugere, é encontrado somente no coração. O arranjo de actina e miosina dá a este tecido uma aparência estriada que você pode visualizar aqui como no músculo esquelético; porém, ao contrário do músculo esquelético, as células do músculo cardíaco contém apenas um ou dois núcleos e elas também formam uma rede complexa e tridimensional de ramificações. Entre células adjacentes encontram-se discos intercalares, que possuem junções comunicantes, que permitem que o coração bata em sincronia e, por causa
das suas junções intercelulares especializadas, o músculo cardíaco é, felizmente, considerado um músculo involuntário e se contrai sem qualquer estímulo consciente.

O último tipo de tecido muscular que vamos explorar é o músculo liso, também chamado de músculo visceral e ele é encontrado na parede das nossas artérias
e nos órgãos tubulares dos nossos tratos digestivo, urinário e reprodutivo. As células do músculo liso contém um único núcleo central e estão conectadas entre si via junções comunicantes, o que permitem que elas se comuniquem entre si. Estas células são fusiformes e contém filamentos de actina e miosina arranjados de maneira desorganizada dando às células do músculo liso uma aparência lisa, não estriada, oposta à aparência estriada dos dois outros tipos de músculos.

Como no músculo cardíaco, o controle no músculo liso também é involuntário, o que é ótimo, pois significa que você não precisa pensar em empurrar aquele hambúrguer que você comeu no almoço através dos seus nove metros de trato digestivo. Ele vai até o final e graças ao seu músculo liso, vai sair de você algumas horas depois.

O último tipo de tecido que vamos ver é o tecido nervoso, e este, claro, forma o nosso sistema nervoso. O sistema nervoso pode ser dividido em sistema nervoso central ou SNC, que é formado pelo encéfalo e medula espinhal e pelo sistema nervoso periférico ou SNP, que é formado pelos nervos que transmitem os estímulos de e para o SNC e o resto do corpo. As células do tecido nervoso são chamadas de neurônios. Os neurônios que transmitem estímulos do SNC para o corpo são denominados neurônios eferentes, como os neurônios motores, enquanto aqueles que transmitem estímulos do corpo para o SNC são denominados neurônios aferentes, assim como seus neurônios sensoriais.

Bem, é claro que neurônios possuem diferentes formas e tamanhos, porém, apesar de sua morfologia, todos eles compartilham três características. Todos têm um corpo celular, que é o centro de controle da célula e contém o núcleo. Todos eles contêm dendritos, que são essas estruturas ramificadas que se comunicam com outras células nervosas numa espécie de canal de entrada para o neurônio e, finalmente, temos esse axônio, que é o cabo de transmissão para o sinal elétrico passar através do nervo e pode fazer sinapse com outro neurônio ou diretamente com sua estrutura-alvo.

Além dos neurônios, o sistema nervoso também é composto por células especiais de suporte chamadas de células gliais e estas são suas células de Schwann no sistema nervoso periférico ou oligodendrócitos e astrócitos encontrados no
seu sistema nervoso central. E elas ajudam no suporte, proteção e isolamento de várias partes do neurônio.

Então é isso! Agora você teve uma introdução básica sobre os quatro tecidos do corpo humano e você está no caminho de se tornar um expert em histologia.

Lembra dos quatro tipos que vimos hoje?

Eles são o tecido epitelial, que como vimos pode ser dividido em duas classificações primárias - tecido epitelial próprio ou epitélio de cobertura, que recobre as superfícies internas e externas dos nossos órgãos e epitélio glandular, que forma os ductos e as partes secretórias de várias glândulas no nosso corpo. O próximo que vimos foi o tecido conjuntivo, que como vimos é agrupado segundo as seguintes classificações - tecido conjuntivo com uma matriz líquida como o sangue ou linfa; tecido conjuntivo com uma matriz semi-sólida, cujos exemplos incluem tecido conjuntivo frouxo areolar ou tecido conjuntivo fibroso denso; e finalmente tecido conjuntivo com uma matriz sólida, como o osso e a cartilagem.

Depois de estudar o tecido conjuntivo, mudamos para o tecido muscular, onde descobrimos três tipos, que incluem o músculo esquelético, que permite nosso corpo se mover no nosso ambiente externo, músculo liso, que fornece mobilidade para os nossos órgãos no nosso ambiente interno e, claro, o músculo cardíaco, que é exclusivo do coração.

E por último, mas não menos importante, finalizamos com o tecido nervoso e dessa vez falamos sobre dois tipos principais de células que compõem este tecido, que são os neurônios ou células nervosas, que transportam impulsos elétricos e células gliais, que dão suporte, protegem e mantêm os neurônios.

E isso é tudo! Chegamos ao fim deste vídeo tutorial. Espero que você tenha gostado de aprender sobre os quatro principais tipos de tecido do nosso corpo.

Até a próxima!

Continue a sua aprendizagem

Assista mais videoaulas

Faça teste

Leia artigos

Mostre mais 5 artigos

Navegue pelo atlas

Muito bem!

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!