Conexão perdida. Por favor atualize a página.
Conectado
EN | DE | PT | ES Contato Como estudar Entrar Cadastrar

Polígono de Willis - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Com quais você prefere aprender?

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

Polígono de Willis

Polígono de Willis (Circulus arteriosus cerebri)

O polígono de Willis (também conhecido como círculo de Willis ou círculo arterial cerebral) é um anel anastomótico de artérias localizado na base do cérebro. Este círculo anastomótico arterial conecta os dois principais sistemas arteriais ao cérebro, as artérias carótidas internas e os sistemas vertebrobasilares (artérias vertebrais e basilares). É formado por quatro vasos pares e um único vaso ímpar com numerosas ramificações que vascularizam o cérebro.

A principal função do polígono de Willis é permitir o fornecimento de um fluxo sanguíneo colateral entre os sistemas arteriais anterior e posterior do cérebro. Além disso, o polígono de Willis também cria caminhos alternativos para o fluxo sanguíneo entre os hemisférios cerebrais direito e esquerdo. Dessa forma, o polígono protege o cérebro de isquemia e infarto em casos de obstrução ou lesão vascular.

Este artigo irá discutir a anatomia e a função do polígono de Willis.

Informações importantes sobre o polígono de Willis
Estrutura Anastomose de artérias de calibres variados em forma de polígono
Localização Fossa interpeduncular na base do cérebro
Artérias De anterior para posterior:
Artéria comunicante anterior (ramo das artérias cerebrais anteriores)
Artérias cerebrais anteriores (ramos das artérias carótidas internas)
Artérias carótidas internas (ramos das artérias carótidas comuns)
Artérias comunicantes posteriores (ramos das artérias cerebrais posteriores)
Artérias cerebrais posteriores (ramo da artéria basilar)
Circulação cerebral Circulação anterior: artérias carótidas internas, artérias cerebrais anteriores, artéria comunicante anterior e artérias cerebrais médias
Circulação posterior:
artérias vertebrais, artéria basilar, artérias cerebrais posteriores e artérias comunicantes posteriores
Funções Forma conexões anastomóticas entre as circulações cerebrais anterior e posterior, vasculariza o cérebro por meio de vários ramos
Conteúdo
  1. Estrutura
    1. Arco anterior do polígono de Willis
    2. Arco posterior do polígono de Willis
  2. Função
  3. Referências
+ Mostrar todo

Estrutura

O polígono de Willis se localiza na superfície inferior do cérebro, na cisterna interpeduncular do espaço subaracnóideo. Ele circunda várias estruturas na fossa interpeduncular (uma depressão na base do cérebro), incluindo o quiasma óptico e o infundíbulo da glândula hipófise. 

Embora existam variações anatômicas significativas, o polígono de Willis é tipicamente formado por três pares de artérias cerebrais, duas artérias comunicantes posteriores e uma comunicante anterior, que ligam as artérias carótidas internas e o sistema vertebrobasilar. As artérias carótidas internas irrigam a maior parte do prosencéfalo. O sistema vertebrobasilar é composto por duas artérias vertebrais e uma artéria basilar e irriga o lobo occipital, o tronco cerebral e o cerebelo.

Arco anterior do polígono de Willis

Anteriormente, a curta artéria comunicante anterior forma um canal anastomótico entre as artérias cerebrais anteriores direita e esquerda, que são ramos terminais da artéria carótida interna na cavidade craniana. As artérias cerebrais anteriores viajam em direção aos aspectos anteromediais da fissura inter-hemisférica do cérebro, para suprir as regiões da linha média dos córtices frontal, parietal e do cíngulo, bem como o corpo caloso.

No ponto de conexão entre as artérias cerebral anterior e a carótida interna, a carótida interna emite seu ramo terminal lateral, conhecido como artéria cerebral média. As artérias cerebrais médias formam a circulação cerebral anterior juntamente com a artéria comunicante anterior e as artérias cerebrais anteriores.

Arco posterior do polígono de Willis

O arco posterior do círculo de Willis é formado pelas artérias cerebrais posteriores, de cada lado, e pelas artérias comunicantes posteriores, que conectam cada uma das artérias cerebrais posteriores à artéria carótida interna ipsilateral.

As artérias vertebrais direita e esquerda se unem na junção bulbopontina para formar a artéria basilar. A artéria basilar então se bifurca nas artérias cerebrais posteriores na borda superior da ponte.

As artérias vertebrais, a artéria basilar e as artérias cerebrais posteriores, juntamente com as artérias comunicantes posteriores, formam a circulação cerebral posterior. As artérias cerebrais posteriores, por meio de seus ramos central e cortical, suprem o lobo occipital do cérebro, a face inferior dos lobos temporais, o mesencéfalo, o tálamo e o plexo coroide do terceiro ventrículo e dos ventrículos laterais.

Avalie seus conhecimentos sobre as artérias do cérebro com o teste a seguir:

Função

O papel principal do polígono de Willis é formar anastomoses entre as artérias carótidas internas e o sistema vertebrobasilar de artérias no aspecto ventral do cérebro. Essas conexões criam canais que permitem que o fluxo sanguíneo circule entre as circulações cerebrais anterior e posterior. Isso é especialmente importante se um vaso ficar obstruído, pois as anastomoses servem como rotas colaterais. É importante notar que, embora as conexões anatômicas do polígono de Willis geralmente sejam completas, partes do polígono podem ser funcionalmente restritas. Isso se deve a variações significativas no tamanho das respectivas artérias, que limitam o fluxo normal de sangue por essas regiões.

Várias pequenas artérias perfurantes (centrais) emergem do polígono de Willis, muitas das quais entram no cérebro através das substâncias perfuradas anterior e posterior, que são regiões de substância cinzenta localizadas no prosencéfalo basal e na fossa interpeduncular, respectivamente. As artérias perfurantes suprem as estruturas circundantes na superfície ventral do cérebro, como o quiasma óptico, a glândula hipófise, os corpos mamilares e a glândula pineal. Além disso, elas fornecem sangue arterial para as estruturas profundas do cérebro, incluindo a cápsula interna, os núcleos da base e o tálamo.

Para aprender sobre as artérias do cérebro, explore nossos artigos, testes, videoaulas e apostilas.

Polígono de Willis - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Com quais você prefere aprender?

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

© Exceto expresso o contrário, todo o conteúdo, incluindo ilustrações, são propriedade exclusiva da Kenhub GmbH, e são protegidas por leis alemãs e internacionais de direitos autorais. Todos os direitos reservados.

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!