Conexão perdida. Por favor atualize a página.
Conectado
EN | DE | PT | ES Contato Como estudar Entrar Cadastrar

Tronco encefálico - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Com quais você prefere aprender?

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

Tronco encefálico

O tronco encefálico é a parte distal do encéfalo, composta pelo mesencéfalo, ponte e bulbo (medula oblonga). Cada um dos três componentes tem sua própria estrutura e função. Juntos, eles ajudam a regular a respiração, a frequência cardíaca, a pressão arterial e várias outras funções importantes. Todas essas funções do tronco encefálico são possíveis devido a sua anatomia única; uma vez que abriga núcleos de nervos cranianos e é uma passagem para muitas vias neurais importantes. Este artigo discutirá a anatomia do tronco encefálico de uma maneira leve, e ajudará você a superar seus exames de neuroanatomia.

O objetivo deste artigo é fornecer uma visão geral do tronco encefálico e das diferentes partes que o constituem. Faremos também uma discussão mais aprofundada sobre a sua função.

Informações importantes sobre o tronco encefálico
Partes Bulbo
Ponte
Mesencéfalo
Bulbo Porção basilar - contém as pirâmides (transmitem o trato corticoespinal), olivas (transmitem o trato olivocerebelar)
Tegmento bulbar - contém os tubérculos (e tratos) grácil e cuneiforme, quatro núcleos de nervos cranianos
Ponte Porção basilar - acomoda a artéria basilar, trato corticoespinal, fibras corticonucleares, núcleos pontinos
Tegmento pontino - contém a formação reticular pontina, quatro núcleos de nervos cranianos, tratos espinais ascendentes, locus coeruleus
Mesencéfalo Atravessado pelo aqueduto mesencefálico (ou aqueduto cerebral)
Contém a placa quadrigeminal (colículos superior e inferior)
Pedúnculos cerebrais separados em crura cerebri e tegmento
Tecto - posterior ao aqueduto cerebral
Ventrículos e cisternas Quarto ventrículo e forame de Luschka e Magendie
Cisternas interpeduncular, quadrigeminal, pontina e cerebelobulbar
Função Regula a respiração, frequência cardíaca, pressão arterial, consciência, reflexos audiovisuais, paladar e digestão, regulação autonômica, equilíbrio e coordenação
Conteúdo
  1. Partes
  2. Bulbo
    1. Anatomia de superfície
    2. Secção transversal
  3. Ponte
    1. Anatomia de superfície
    2. Secção transversal
  4. Mesencéfalo
    1. Anatomia de superfície
    2. Secção transversal
  5. Formação reticular
  6. Função
  7. Conteúdo Relacionado
  8. Notas clínicas
    1. Síndrome do encarceramento
    2. Herniação do tronco encefálico
    3. Malformação de Arnold Chiari
  9. Bibliografia
+ Mostrar todo

Partes

No mundo das plantas, a maioria das flores está conectada à árvore por um caule. Da mesma forma, a maior parte do tecido cerebral está conectada ao resto do corpo por meio do tronco encefálico. O tronco encefálico é uma projeção semelhante a um pedúnculo, que se estende caudalmente a partir da base do cérebro. Facilita a comunicação entre o cérebro, cerebelo e medula espinal.

O tronco encefálico começa ao nível dos pedúnculos cerebrais (anteriormente) e dos corpos quadrigêmeos ou placa quadrigeminal ou placa tectal (posteriormente). Ela continua ao longo de um curso posteroinferior até terminar na decussação das pirâmides (ao nível do forame magno do crânio).

O tronco encefálico é mais largo em sua extremidade proximal e se torna mais estreito em direção à extremidade distal. Existem três partes do tronco encefálico:

  • o bulbo é a parte mais estreita e distal
  • a ponte encontra-se anteriormente e no segmento médio do tronco encefálico
  • e o mesencéfalo é o segmento mais amplo e superior.

O tronco encefálico é dividido horizontalmente (como acima) e verticalmente. A maioria dos livros didáticos divide o mesencéfalo em tecto e tegmento, e essa divisão pode ser estendida caudalmente em outros segmentos do tronco encefálico. O tecto, do latim tectum para telhado, e o tegmento (em latim tegmentum, para cobertura) são usados ​​em relação ao desenvolvimento da cavidade central do tubo neural.

O tecto é o teto da cavidade enquanto o tegmento forma a cobertura ventral. A cavidade central do tubo neural torna-se o aqueduto de Sylvius, o quarto ventrículo e o canal central da medula espinal. Portanto, o tecto é a área dorsal ao aqueduto de Sylvius (no mesencéfalo) e ao quarto ventrículo (na ponte); enquanto o tegmento é ventral a essas estruturas nos respectivos níveis.

No entanto, o crus cerebri e a ponte basilar (descritos abaixo) não são considerados como parte do tegmento. Isso ocorre porque ambas as estruturas não fazem parte do tubo neural primitivo, mas se desenvolvem posteriormente na linha do tempo embriológica. Como resultado, eles são considerados e discutidos como entidades separadas do tecto e do tegmento.

Cada parte tem características anatômicas únicas e abriga núcleos especiais que são importantes para as funções diárias. Alguns desses núcleos e tratos atravessam mais de uma parte do tronco encefálico e, portanto, podem ser mencionados em mais de uma seção deste artigo. Existem também várias estruturas importantes ao redor do tronco encefálico que tendem a aparecer em testes e exames de anatomia. Essas estruturas também serão discutidas aqui.

É mais fácil discutir o tronco encefálico em uma abordagem de caudal para cranial, pois a parte inferior tem menos estruturas para serem memorizadas em comparação com a parte proximal. Portanto, a discussão começará com o bulbo.

O pacote inicial de anatomia do tronco encefálico está esperando por você aqui:

Bulbo

O bulbo ou medula oblonga é a parte mais estreita e caudal do tronco encefálico. É uma estrutura em forma de funil que se estende desde a decussação das grandes pirâmides, passa pelo forame magno (que é o maior de todos os forames e fissuras do crânio), até o sulco pontino inferior (sulco bulbopontino). À medida que o bulbo continua para cima na fossa craniana posterior, ele termina no sulco pontino inferior (anteriormente) e nas estrias medulares do quarto ventrículo (posteriormente).

Na superfície posterior superior do bulbo encontramos o quarto ventrículo, cujo assoalho é denominado fossa romboide. A fossa romboide não se estende por toda a extensão do bulbo. O bulbo é dividido em duas partes com base na presença ou não da fossa em um nível:

  • Existe uma parte superior, rostral ou aberta onde a superfície dorsal do bulbo é formada pela fossa romboide.
  • Além disso, há uma parte inferior, caudal ou fechada, onde o quarto ventrículo se estreitou no óbex do bulbo caudal e circunda parte do canal central.

O bulbo se desenvolve a partir do mielencéfalo, que é uma vesícula cerebral secundária que se origina do rombencéfalo. A outra vesícula cerebral secundária que surge do rombencéfalo é superior ao mielencéfalo e dá origem à ponte.

Anatomia de superfície

Superfície ventral

A superfície ventral do bulbo é marcada por uma depressão da linha média conhecida como fissura mediana anterior. Esta é uma continuação cranial da fissura mediana anterior da medula espinal, que divide o bulbo em metades simétricas. A extremidade mais distal da fissura mediana anterior é coberta por fibras entrecruzadas conhecidas como decussação das pirâmides.

As pirâmides contêm as fibras corticospinais que partem do córtex motor, passam pela cápsula interna e contribuem para a formação dos pedúnculos cerebrais. As fibras então descem para a medula espinal, passando pela ponte e pelo bulbo. Seu papel é regular o movimento muscular. A maior parte dessas fibras cruza para o lado oposto ao nível da região caudal do bulbo e formam a já mencionada decussação das pirâmides.

Lateral às pirâmides do bulbo temos uma depressão rasa que representa a continuação cranial do sulco ventrolateral da medula espinal. Separa as pirâmides de outra estrutura proeminente, a oliva, que corresponde à localização do núcleo olivar inferior. Posterolateral às olivas estão os pedúnculos cerebelares inferiores. Embora essas estruturas fiquem acima do limite superior do bulbo, elas são frequentemente rotuladas como estruturas bulbares, devido ao fato de que carregam fibras do bulbo para o cerebelo.

Os quatro nervos cranianos inferiores também emergem da superfície anterior do bulbo. As radículas do nervo hipoglosso (NC XII) emergem entre as pirâmides e as olivas, antes de se unirem para formar o nervo. As radículas do nervo glossofaríngeo (NC IX) surgem entre o pedúnculo cerebelar inferior e a oliva (próximo ao plexo coroide do quarto ventrículo). Caudal ao NC IX estão as raízes do nervo vago (NC X). O mais inferior dos nervos cranianos é o nervo acessório (NC XI), cujas radículas ascendem na face lateral do bulbo para se unir, formando o nervo.

Dorsal surface

A superfície posterior do bulbo pode ser dividida em uma área aberta superior e uma área fechada inferior. A área aberta também é conhecida como assoalho do quarto ventrículo ou fossa romboide. Possui áreas elevadas únicas que marcam a localização das estruturas subjacentes. Eles incluem os trígonos hipoglosso e vagal, que estão presentes em ambos os lados do sulco mediano posterior (dorsal). O trígono hipoglosso (localização do núcleo do NC XII) é superior ao trígono vagal (localização do núcleo do NC X). O trígono vagal está acima do óbex, que é a face mais caudal do quarto ventrículo.

A parte fechada da superfície posterior (fora do quarto ventrículo) do bulbo também é dividida em metades simétricas pela continuação caudal do sulco mediano dorsal. Em cada lado do sulco, há uma estrutura elevada conhecida como tubérculo grácil. Profundamente no tubérculo está o núcleo grácil, que é o ponto de terminação do fascículo grácil da coluna dorsal da medula espinal.

Os tubérculos cuneiformes são um par de áreas elevadas sobre o núcleo cuneiforme, marcando por sua vez o ponto de terminação do fascículo cuneiforme. Estão relacionados lateralmente com o tubérculo grácil. O fascículo cuneiforme está medialmente ao funículo lateral, que carrega os tratos corticospinais e espinotalâmicos contralaterais. Da mesma forma, o tubérculo trigeminal está relacionado lateralmente ao tubérculo cuneiforme. Ele representa a localização do núcleo espinal do nervo trigêmeo (NC V).

Os pedúnculos cerebelares inferiores também fazem parte da superfície posterior do bulbo. São melhor visualizados quando o cerebelo é removido. Este par de estruturas carrega impulsos eferentes e aferentes entre o cerebelo e os núcleos vestibulares.

Existem aberturas (uma na superfície posterolateral de cada lado e outra na linha média posterior) no bulbo, que facilitam a comunicação entre o quarto ventrículo e as cisternas circundantes. As aberturas localizadas nas superfícies posterolaterais são chamadas de aberturas laterais do quarto ventrículo (aberturas laterais de Luschka). A abertura da linha média é chamada de abertura mediana do quarto ventrículo (forame de Magendie).

Não deixe de conferir nosso material de estudos sobre as cisternas subaracnóideas do cérebro.

Secção transversal

A disposição dos tratos e núcleos varia de um nível do tronco cerebral para outro. Como resultado, a disposição dos núcleos e tratos dentro do bulbo em uma secção transversal pode ser um pouco diferente, da decussação das pirâmides até o nível das olivas, por exemplo.

Os dois principais pontos da secção transversal do bulbo que serão discutidos estão no nível dos nervos vago (NC X) e hipoglosso (NC XII). Observe que os núcleos e os tratos discutidos são estruturas pareadas presentes nas metades esquerda e direita do tronco encefálico.

Os núcleos e os tratos no nível do nervo vago (NC X) podem ser agrupados de acordo com sua posição na visão transversal. Na parte dorsomedial do bulbo, está o núcleo olivar inferior (núcleo de Roller), que é medial ao núcleo hipoglosso. O fascículo longitudinal medial (FML) e os núcleos da rafe são dois outros tratos da linha média, ventrais ao núcleo olivar inferior. Os núcleos olivares acessórios dorsal e medial estão relacionados lateralmente e ventrolateralmente ao núcleo da rafe, respectivamente. As estruturas da linha média mais ventrais neste nível são os tratos corticospinais densos que formam o trato piramidal.

Os núcleos na parte dorsolateral do bulbo são (dispostos de medial para lateral) os núcleos vagal posterior (dorsal), solitário, vestibular medial e cuneiforme. O núcleo cuneiforme está situado no pedúnculo cerebelar inferior. Tanto o trato quanto o núcleo espinal do trigêmeo são ventrais ao núcleo cuneiforme neste nível. A face lateral do bulbo é ocupada pelo núcleo reticular lateral. É ventral ao trato trigêmeo espinal e ao núcleo, medial ao núcleo ambíguo e ao núcleo olivar acessório dorsal e dorsal aos tratos espinotalâmico e espinocerebelar. A formação reticular ocupa uma quantidade substancial de espaço na metade dorsal do bulbo. É circundado pelos grupos de núcleos e tratos da linha média (medial), dorsomedial, dorsolateral e lateral mencionados acima.

O lemnisco medial ocupa a linha média ventral do bulbo. Está relacionado dorsalmente às pirâmides e medialmente aos núcleos olivares acessórios inferior e medial.

Os núcleos e tratos encontrados no nível do núcleo hipoglosso (NC XII) também podem ser agrupados com base em sua posição na vista em corte transversal. Os núcleos do grupo dorsomedial (de medial para lateral) são o hipoglosso, o vagal dorsal, o núcleo do trato solitário e os núcleos gráceis. O trato solitário é ventrolateral ao seu núcleo. Observe também que o núcleo de Roller não é mais visível neste nível. O núcleo cuneiforme é muito maior neste nível e ainda se encontra na posição dorsolateral. O fascículo longitudinal medial e a via do lemnisco medial mantêm sua localização na linha média. A via do lemnisco medial é a mais ventral das duas estruturas e tem as fibras arqueadas internas que se estendem lateralmente a partir dela.

O trato e o núcleo espinal do trigêmeo estão localizados na face lateral do bulbo neste nível. Ambas as estruturas são encontradas dorsais ao núcleo reticular lateral, que é medial ao núcleo ambíguo e ao núcleo olivar acessório posterior. Existe um trato tegmentar central que separa o núcleo reticular lateral do núcleo olivar. Ambas as estruturas estão localizadas em direção ao aspecto ventrolateral do bulbo. Além disso, eles estão medialmente relacionados às fibras arqueadas superficiais.

As fibras do NC XII deixam o bulbo entre o núcleo olivar e os tratos piramidais. Os tratos piramidais, juntamente com o núcleo arqueado, são encontrados na parte ventromedial do bulbo. O núcleo arqueado é a mais ventral das duas estruturas.

A tabela a seguir fornecerá informações gerais sobre os núcleos encontrados no bulbo. Mais informações sobre os tratos ascendentes e descendentes podem ser encontradas aqui.

Núcleos do bulbo
Núcleo grácil Recebe informações sensoriais dos membros inferiores e do tronco inferior
Núcleo cuneiforme Recebe informações sensoriais dos membros superiores e pescoço
Núcleo espinal do nervo trigêmeo Recebe informações relacionadas à dor do NC V, NC VII, NC IX e NC X
Núcleo posterior do nervo vago Suprimento motor para vísceras torácicas e abdominais
Núcleo do nervo acessório Inervação motora para os músculos laríngeos, esternocleidomastóideo e trapézio
Núcleo do nervo hipoglosso Inervação motora para os músculos intrínsecos e extrínsecos da língua (exceto palatoglosso)
Núcleo ambíguo Inervação motora especial para estruturas faríngeas e laríngeas
Núcleos do trato solitário Recebe informações sensoriais especiais da epiglote, vísceras torácicas e abdominais e do corpo carotídeo
Núcleo olivar inferior (núcleo de Roller) Recebe informações do corno dorsal contralateral da medula espinal, núcleo rubro ipsilateral
Núcleo arqueado Recebe informações do trato corticoespinal e as retransmite para o cerebelo por meio das fibras arqueadas externas. Ajuda a regular a frequência respiratória.

Agora você pode reforçar e desafiar sua memória! Leia nossos artigos e veja quantos novos termos você adicionou ao seu banco de termos anatômicos respondendo a estes testes sobre a secção transversal do bulbo.

Ponte

A ponte é outro segmento relativamente curto do tronco encefálico que reside na fossa craniana posterior. A estrutura de aproximadamente 2,5 cm repousa contra o clivus do crânio, abaixo do tentório do cerebelo. A ponte se desenvolve a partir do metencéfalo, que é uma vesícula secundária do cérebro formada a partir do rombencéfalo. O metencéfalo é encontrado caudal ao mesencéfalo e cranial ao mielencéfalo (bulbo).

Anatomia de superfície

Quando vista do aspecto ventral, a ponte se assemelha a uma estrutura em forma de cúpula, com numerosas estrias em sua superfície. É mais larga no meio e diminui em direção às extremidades laterais. A superfície da ponte não tem nada de notável, com exceção de uma depressão rasa que corre ao longo de seu eixo vertical. Essa depressão é chamada de sulco basilar, que acomoda a artéria basilar - responsável pela maior parte do suprimento sanguíneo posterior do cérebro.

A função da ponte é abrigar os núcleos pontinos e facilitar a comunicação corticopontocerebelar. Também permite a comunicação entre os hemisférios esquerdo e direito do cerebelo. Curiosamente, são as fibras corticopontocerebelares as responsáveis ​​pela aparência estriada da ponte.

A ponte é limitada superiormente pelo sulco pontino superior e termina inferiormente na junção pontomedular ou sulco pontino inferior. As fibras motoras e sensoriais do nervo trigêmeo (NC V) emergem da superfície lateral da ponte. Além disso, existem três nervos cranianos que emergem do sulco pontino inferior. Esses nervos são (listados de medial a lateral):

A superfície posterior da ponte é formada pela parte superior da fossa romboide, que é melhor apreciada quando o cerebelo é ressecado. Esse processo revela o limite mais lateral, que é formado pelos pedúnculos cerebelares médios. Estes são os maiores pedúnculos e transmitem informação da ponte para o cerebelo (fibras pontocerebelares). O limite superior da superfície posterior da ponte é o véu medular superior, enquanto a borda inferior é formada pelas estrias medulares (fibras do núcleo arqueado).

Um par de corpos elevados conhecidos como eminências mediais, separados por um sulco mediano dorsal, é a característica marcante da superfície posterior da ponte. A extensão caudal da eminência mediana é ligeiramente mais pronunciada do que o segmento cranial da estrutura. Essa porção é chamada de colículo facial. É o resultado da presença do joelho do nervo facial (NC VII), que se curva ao redor do núcleo do nervo abducente (NC VI). Em cada lado do colículo facial há outra área ligeiramente elevada que corresponde à localização do núcleo vestibular (NC VIII), conhecida como área vestibular.

Secção transversal

A ponte pode ser subdividida em porções ventral (base ou porção basilar da ponte) e dorsal (tegmentar) na secção transversal para facilitar a discussão. A base da ponte é a maior das suas duas partes. É composta pelos tratos corticoespinais e corticobulbar, que percorrem uma via craniocaudal. Além disso, ela também possui os núcleos pontinos e fibras pontinas horizontais que eventualmente formam o pedúnculo cerebelar médio.

O tegmento pontino, menor, contém os núcleos dos nervos cranianos para NC V - NC VIII, bem como vários tratos de substância branca (fascículo longitudinal medial, lemnisco medial e lateral e outros) e o quarto ventrículo.

A tabela a seguir resume os principais núcleos encontrados na ponte.

Núcleos encontrados na ponte
Núcleos pontinos Localização: ao longo da ponte basal - numerosos núcleos espalhados por toda a área
Fibras pontocerebelares ajudam a regular a função motora
Núcleos do nervo trigêmeo Localização: tegmento pontino
Núcleo motor - inervação motora para os músculos da mastigação, milo-hióideo, ventre anterior do digástrico, músculos tensores do tímpano
Núcleo sensorial - entrada sensorial do couro cabeludo, face, órbita, seios paranasais e entrada sensorial geral dos dois terços anteriores da língua
Núcleo espinal - discutido acima
Núcleo do nervo abducente Localização: tegmento pontino - profundo ao colículo facial, anterolateral ao fascículo longitudinal medial (na linha média), medial aos núcleos vestibulares e posterior ao lemnisco medial
Inerva o músculo reto lateral
Núcleo motor do nervo facial Localização: tegmento pontino - anterolateral ao núcleo abducente, posterior ao lemnisco medial e anteromedial aos núcleos vestibulares
O joelho do nervo facial dá origem ao colículo facial
Inerva os músculos da expressão facial
Núcleos vestibulares Localização: tegmento pontino - face medial, caudal superior e parte cranial dos núcleos vestibulares laterais encontrados na ponte
Recebe informações dos vestíbulos do ouvido interno
Auxilia no equilíbrio e coordenação

Acha que já aprendeu o suficiente ou está querendo mais? Confira abaixo as unidades de estudo que discutem os diferentes setores e núcleos associados à ponte.

Mesencéfalo

O mesencéfalo é o segmento mais curto do tronco cerebral. Estende-se caudalmente desde a base do tálamo até o teto superior do quarto ventrículo. Ele passa por uma abertura no tentório do cerebelo (uma extensão da dura-máter). O mesencéfalo surge da estrutura embriológica com o mesmo nome, mesencéfalo, que é uma das três vesículas cerebrais primárias que surgem da parte cranial do tubo neural fechado (acima do quarto par de somitos). O mesencéfalo está localizado entre o prosencéfalo e o rombencéfalo.

Anatomia de superfície

O limite superior do mesencéfalo é indicado por uma linha horizontal imaginária que se estende da comissura posterior (abaixo da glândula pineal e acima dos colículos superiores) até os corpos mamilares. Inferiormente, o mesencéfalo termina no sulco pontino superior (anteriormente) e no véu medular superior (posteriormente). O sulco pontino superior é um sulco raso e horizontal entre a borda superior da ponte e os pedúnculos cerebrais. O véu medular superior é uma fina lâmina de tecido neural que forma o teto do quarto ventrículo.

Externamente, o mesencéfalo é caracterizado por duas estruturas conhecidas como pedúnculos cerebrais, ao longo da superfície ventral. Eles representam os numerosos tratos ascendentes e descendentes que conectam os córtices cerebrais à ponte e à medula espinal. Existe uma depressão relativamente rasa entre os pedúnculos cerebrais, conhecida como fossa interpeduncular. A substância perfurada posterior (que acomoda pequenos vasos sanguíneos ao mesencéfalo) forma o assoalho da fossa. O nervo oculomotor (NC III), a bifurcação terminal da artéria basilar (as artérias cerebrais posteriores) e os corpos mamilares do hipotálamo podem ser observados na fossa interpeduncular. Os pedúnculos cerebrais convergem então para a linha média quando encontram a ponte.

Em ambos os lados do mesencéfalo, o trato óptico percorre as superfícies laterais. Eles eventualmente terminam no corpo geniculado lateral (que é posterolateral ao tálamo). O corpo geniculado medial e o uncus do lobo temporal também estão relacionados lateralmente ao mesencéfalo. A superfície posterior do mesencéfalo tem dois pares de protuberâncias redondas e elevadas que são conhecidas coletivamente como corpos quadrigêmeos (placa tectal ou placa quadrigeminal). Esse complexo é formado pelos colículos superior e inferior, que abrigam seus respectivos núcleos. Cada par de colículos é separado pelo frênulo do véu medular superior.

As fibras de cada núcleo do nervo troclear (NC IV) cruzam a linha média e emergem no lado oposto do frênulo do véu medular superior, logo abaixo dos colículos inferiores. Os nervos trocleares se tornam inferolaterais e, em seguida, anteroinferiores aos pedúnculos cerebrais, à medida que eles circulam ao redor do mesencéfalo em direção ao seu seu órgão-alvo.

Os pedúnculos cerebelares superiores também são considerados parte do mesencéfalo. São melhor visualizados quando o cerebelo é ressecado. Essas estruturas pareadas recebem principalmente informações vindas do cerebelo e conectam o cerebelo com o mesencéfalo (o núcleo vermelho especificamente), o tálamo e o córtex motor.

Secção transversal

A perspectiva do mesencéfalo em secção transversal revela mais informações sobre a estrutura e a organização dessa parte do cérebro. Este segmento do tronco encefálico é dividido em tecto (tectum em latim, que significa telhado), tegmento (tegmentum em latim, que significa cobertura) e crus cerebri.

O tecto é a parte do mesencéfalo que fica dorsal ao aqueduto cerebral de Sylvius (um conduto que conecta o terceiro e o quarto ventrículos). O tegmento, por outro lado, é ventral ao aqueduto de Sylvius. As crus cerebri são grandes coleções de tratos ascendentes e descendentes que viajam a partir do cérebro ou de volta para ele. Cada crus é separada do tegmento pela substância negra. Esta é uma lâmina pigmentada composta por neurônios dopaminérgicos e gabaérgicos. Estas são células que produzem neurotransmissores específicos, pelos quais foram nomeadas. É importante observar que, embora cada crus cerebri seja separada da outra, o tegmento é contínuo ao longo da linha média do mesencéfalo. Alguns textos referem-se à crus cerebri e ao tegmento em conjunto com os pedúnculos cerebrais.

Outra estrutura proeminente vista em corte transversal é o núcleo rubro. Esta é uma coleção bem definida de corpos celulares que aparecem em vermelho vivo em uma amostra recém-seccionada. Essa estrutura pareada está localizada ao longo da linha média do tegmento, posteromedial à substância negra. Além disso, há uma área circunferencial de substância cinzenta em torno do aqueduto cerebral conhecida como substância cinzenta periaquedutal.

Existem vários núcleos e tratos importantes localizados em todo o mesencéfalo. Este artigo fornecerá apenas uma visão geral dos núcleos principais.

Núcleos encontrados no mesencéfalo
Colículos superiores Localizado no tecto - profundamente aos colículos superiores
Comunica-se com o colículo superior contralateral por meio de sua própria comissura
Comunica-se com o corpo geniculado lateral por meio do braço superior
Envolvido nos reflexos pupilar e óptico
Núcleo do nervo oculomotor Localizado no tegmento - anterolateral ao aqueduto cerebral
Suas fibras passam pelo núcleo rubro e saem do tronco encefálico no sulco pontino superior
Inervação motora para todos os músculos extraoculares (exceto oblíquo superior e reto lateral)
Núcleos acessórios do nervo oculomotor (Edinger-Westphal) Localizado no tegmento - medial ao núcleo NC III e anterolateral ao aqueduto cerebral
Fibras acompanham as do NC III
Fornece inervação parassimpática para os músculos da íris
Núcleo rubro Localizado no tegmento - anterolateral ao núcleo NC III
Participa da via motora extrapiramidal (iniciação, ativação seletiva e coordenação de movimentos)
Colículos inferiores Localizado no tecto - profundamente aos colículos inferiores
Comunica-se com o colículo inferior contralateral por meio de sua própria comissura
Comunica-se com o corpo geniculado medial através do braço inferior
Envolvido na via auditiva
Núcleo do nervo troclear Localizado no tegmento - posteromedial ao fascículo longitudinal medial
As fibras decussam no véu medular superior e se dirigem lateralmente, depois ventralmente no lado oposto
Inervação motora para o músculo extraocular oblíquo superior
Núcleo mesencefálico do nervo trigêmeo Localizada no tecto - margem lateral da substância cinzenta periaquedutal; junta-se ao núcleo sensorial principal de NC V caudalmente (profundamente à eminência medial)
As fibras saem do tronco cerebral com a divisão sensorial do NC V
Responsável pela propriocepção

Formação reticular

A formação reticular é uma vasta rede de neurônios que estão envolvidos na manutenção da consciência e na excitação. Esse trato neuronal se estende da medula espinal ao diencéfalo e ocupa diferentes partes do tronco encefálico.

Os núcleos da formação reticular estão situados profundamente no tronco encefálico ao longo de seu eixo vertical. Em cada metade, há um grupo de núcleos lateral, medial e mediano. O efeito combinado dessa coleção de núcleos está relacionado à regulação do ritmo circadiano, coordenação dos músculos respiratórios e antigravitacionais, modificação da atividade reflexa e também na coordenação dos músculos da expressão facial.

Há muito mais para aprender sobre a formação reticular. Confira a unidade de estudo abaixo:

Função

Para resumir, existem três funções básicas do tronco encefálico:

  • Atua como um canal para as vias ascendentes e descendentes do cérebro
  • Aloja os núcleos dos nervos cranianos
  • Integra as funções de vários sistemas vitais

Funções mais específicas de cada parte do tronco encefálico dependem dos núcleos e tratos dos nervos cranianos que residem em cada área. O bulbo controla a função respiratória, o sistema cardiovascular, bem como as atividades gastrointestinais e digestivas. A ponte está envolvida no controle dos movimentos do corpo e do equilíbrio. Por fim, o mesencéfalo controla os movimentos dos olhos e os integra às informações auditivas.

Conteúdo Relacionado

Há muito mais conteúdo para você explorar! Experimente o Kenhub Premium e tenha acesso a vários artigos, vídeos, imagens de atlas e testes sobre o tronco encefálico. Já é um membro premium? Excelente! Não se contente apenas com este artigo, confira nosso teste relacionado abaixo.

Tronco encefálico - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Com quais você prefere aprender?

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

© Exceto expresso o contrário, todo o conteúdo, incluindo ilustrações, são propriedade exclusiva da Kenhub GmbH, e são protegidas por leis alemãs e internacionais de direitos autorais. Todos os direitos reservados.

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!