EN | DE | PT Contato Como estudar Entrar Cadastrar

Via visual - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Cadastre-se para ter uma conta gratuita no Kenhub hoje e se junte a mais de 1.228.311 alunos de anatomia de sucesso.

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

Via visual

Todos os animais possuem algum mecanismo através do qual são capazes de se aperceber do que os rodeia. No entanto, a visão é um método altamente especializado utilizado pela maior parte dos animais para navegar pelas redondezas. Os olhos atuam como ponto de contacto inicial, através do qual os fotões passam para aceder à via visual (também conhecida como via óptica). A via visual (via óptica) refere-se às estruturas anatómicas responsáveis pela conversão da energia luminosa em potenciais de ação elétricos que podem ser interpretados pelo cérebro. Tudo começa na retina e termina no córtex visual primário (com vários feixes intercorticais).

Este artigo irá rever brevemente a embriologia e anatomia do olho. Para além disso, irá discutir as estruturas anatómicas e histológicas envolvidas na via visual (incluindo a sua vascularização).

Fatos importantes sobre a via visual
Retina Epitélio pigmentar da retina, camada de fotorreceptores, membrana limitante externa, camada nuclear externa, camada plexiforme externa, camada nuclear interna, camada plexiforme interna, camada de células ganglionares, camada de fibras nervosas, membrana limitante interna
Nervo óptico (NC II) Formada pelos axônios das células ganglionares que se juntam no disco óptico, abandona a órbita através da fissura orbital superior
Quiasma óptico Representa o ponto de decussação dos nervos ópticos, onde as fibras nasais de cada olho cruzam a linha média para se juntarem às fibras temporais do olho contralateral
Fitas ópticas Cada fita transporta fibras que têm origem no campo visual contralateral
Reflexos visuais Acomodação, reflexo luminoso, sacadas - são mediados pelos axônios das células ganglionares que fazem sinapse nos núcleos oculomotor e de Edinger-Westphal
Núcleo geniculado lateral Faz parte do tálamo
Radiação óptica Cada uma deles contém seis camadas que recebem aferências retinotópicas do campo visual correspondente e são separadas em duas alças (ansas)
Córtex visual primário Área de Brodmann 17

Embriologia do olho

Os olhos formam-se a partir de várias camadas embrionárias. O epitélio da córnea e do cristalino deriva da ectoderme superficial. O endotélio da córnea, esclerótica e coroide têm origem nas células da crista neural. A neuroectoderme produz a parte posterior da íris, o nervo óptico e a retina. A rede fibrosa restante e a vasculatura tem origem na mesoderme. Este processo tem início na 3.ª semana gestacional (por volta do dia 22) e envolve múltiplos processos indutivos interdependentes.

As goteiras (sulcos) ópticas são as primeiras partes do olho a se desenvolver no polo cranial do embrião. A protrusão das goteiras ópticas coincide com o dobramento embrionário, à medida que as bordas das pregas neurais começam a se unir. À medida que continuam a crescer a partir do diencéfalo primitivo, as goteiras ópticas formam as vesículas ópticas, que são contínuas com a cavidade do prosencéfalo. Essas atividades de desenvolvimento ocorrem simultaneamente com as mudanças morfológicas da ectoderme superficial próxima, à medida que se transformam nos placódios do cristalino. De seguida, os placódios do cristalino invaginam na ectoderme superficial, formando as goteiras do cristalino. Os limites do cristalino aproximam-se, fundem-se e tornam-se a vesícula do cristalino, de formato esférico.

Concomitantemente, as vesículas ópticas também invaginam para se tornarem nas tacículas ópticas, que contêm duas paredes e estão ligadas ao cérebro em desenvolvimento pela eixo (pedículo) óptico. O eixo (pedículo) óptico se tornará o nervo óptico, enquanto as tacículas ópticas formarão a retina. A abertura larga de cada tacícula óptica torna-se gradualmente mais pequena à medida que a borda do copo se dobra para dentro sobre o cristalino. À medida que a vesícula do cristalino se separa da ectoderme superficial, entram na cavidade das tacículas ópticas.

As fissuras coroideas são sulcos lineares que surgem na superfície ventral das tacículas e eixo (pedículo) ópticos. As fissuras retinianas mais profundas (encontradas no centro da tacícula óptica) tornam-se o disco óptico no ponto de continuidade entre o eixo (pedículo) óptico e a retina neural. Os axônios das células ganglionares crescem diretamente no eixo (pedículo) óptico, convertendo-o no nervo óptico (NC II). Também pode ser encontrado mesênquima vascular nas fissuras retinianas. Sob a influência do fator de crescimento do endotélio vascular (VEGF) e outras moléculas vasculogênicas, o mesênquima se desenvolve na artéria e na veia hialoide, que são responsáveis ​​por suprir e drenar a camada interna da tacícula óptica, a cavidade da tacícula óptica e a vesícula do cristalino. Proximalmente, estes vasos persistem após a fusão das fissuras coroideas e se tornam a artéria e a veia central da retina.

Revisão da anatomia do olho

Nas cavidades orbitárias ósseas do crânio, estão duas estruturas esféricas pares, conhecidas como olhos. O seu principal papel é detetar e converter fotões de luz em impulsos nervosos. Posteriormente, os impulsos serão levados para o córtex visual (Área 17), onde podem ser interpretados como imagens. Cada globo ocular tem várias camadas que participam modificando os raios de luz à medida que entram no olho, camadas que nutrem os componentes do olho e camadas que transduzem os fotões. Existem mais de um milhão de fotorreceptores dentro do olho, que são responsáveis por transmitir informações ao cérebro com especificidade retinotópica (mapeamento das aferências visuais da retina para os neurônios).

Videoaula recomendada: Globo ocular
Estrutura do globo ocular observada num corte transversal.

A córnea é um revestimento avascular que segue a convexidade externa do olho. Está em continuidade com a esclera opaca no limbo (junção esclero-corneana) e perifericamente com a conjuntiva. As cinco camadas da córnea formam o limite anterior da câmara anterior do olho. Do mesmo modo que os outros componentes do olho que modificam os fotões quando entram no olho, a córnea tem propriedades refrativas. Por outras palavras, altera o caminho da luz à medida que esta passa do ar para o meio modificado. Ainda que o principal papel da córnea seja agir como uma camada protetora sobre o olho, ela também tem um índice de refração de aproximadamente 1,38. Note que o índice de refração não tem unidades, pois é uma relação da velocidade da luz no vácuo relativamente à velocidade da luz em um meio especializado.

A quantidade de luz que entra no olho pode ser modificada pela íris rica em melanócitos. É um diafragma colorido que separa o segmento anterior em câmaras posterior e anterior. O constritor da pupila (fibras circulares) e o dilatador da pupila (fibras longitudinais) formam os componentes musculares da íris que alteram o tamanho da pupila (abertura central do olho) de acordo com a quantidade de luz a que o olho está exposto. A intensidade da luz aumentada é passada para a área pré-tectal do mesencéfalo, resultando na ativação do NC III e do núcleo de Edinger-Westphal. Ambos os nervos permitem os reflexos de luz pupilares diretos e consensuais. À medida que a luz passa pela pupila, fica exposta ao poder de refração do humor aquoso, que é de aproximadamente 1,33 (o mesmo que o da água).

O cristalino biconvexo e encapsulado é uma estrutura transparente situada atrás da câmara posterior do segmento anterior. Está dividido em uma cápsula externa, um córtex e um núcleo. É mantido no lugar pelo corpo ciliar ligamentar no humor aquoso. O cristalino tem o maior índice de refração de todas as estruturas dentro do olho (1,40). O seu índice de refração também pode ser modificado pelo corpo ciliar (por alongamento ou relaxamento) com base na distância entre os olhos e a imagem que está sendo focada. O corpo ciliar, a íris e a coroide (a camada colorida entre a esclera e a camada pigmentar da retina) compõem a úvea vascular (trato uveal). Além das estruturas intrínsecas, cada olho é circundado por seis músculos extraoculares. Eles trabalham juntos para mudar a posição do globo ocular, a fim de coletar informações visuais de vários aspectos do campo visual.

Videoaula recomendada: Vasos sanguíneos do globo ocular
Artérias e veias do olho.

Anatomia da via visual (via óptica)

Embora seja tentador acreditar que o caminho visual começa na córnea (onde a luz entra em contato com o olho), o caminho real começa na retina. As estruturas envolvidas no caminho visual incluem:

  • nervos ópticos (NC II)
  • quiasma óptico
  • tratos ópticos (fitas ópticas)
  • núcleo geniculado lateral
  • radiação óptica
  • córtex visual e suas projeções corticais
Videoaula recomendada: Nervo óptico
Nervo óptico e trato óptico.

Retina

A camada mais interna do olho é a retina. Esta membrana de dez camadas é banhada por humor vítreo e contém as células necessárias para a transdução da energia dos fotões. As dez camadas celulares estão listadas abaixo, da camada próxima ao humor vítreo até à camada mais próxima da coróide:

  • Epitélio pigmentar da retina
  • Camada de fotorreceptores
  • Membrana limitante externa
  • Camada nuclear externa
  • Camada plexiforme externa
  • Camada nuclear interna
  • Camada plexiforme interna
  • Camada de células ganglionares
  • Camada de fibras nervosas
  • Membrana limitante interna

A retina cobre a face visceral do globo ocular circunferencialmente até à junção ciliorretiniana (isto é, a ora serrata; a orla serrilhada onde a retina se encontra com o corpo ciliar). Depois de passarem através dos componentes ópticos do olho (isto é, córnea, lente e humores), os raios de luz penetram todas as camadas da retina para alcançar a camada de fotorreceptores. A ativação dos fotorreceptores, então, inicia a cascata de transdução.

Lembre-se também de que a retina pode ser dividida em quatro quadrantes, de modo que as partes mais próximas do nariz são denominadas retina nasal superior e inferior, e as partes mais próximas do lado temporal da cabeça são a retina temporal superior e inferior. A retina nasal do olho esquerdo e a retina temporal do olho direito recebem informações visuais do campo visual esquerdo. Da mesma forma, as partes superiores da retina recebem estímulos visuais do campo visual inferior, enquanto que a parte inferior da retina recebe informação do campo visual superior. O inverso também é verdade.

Epitélio pigmentar da retina

O epitélio pigmentar da retina é a camada mais superficial (isto é, mais externa) da retina. É constituído por epitélio cúbico simples a cilíndrico baixo que é fixo à membrana de Bruch (camada mais interna da coróide). A camada é caracterizada por numerosas invaginações ricas em mitocôndrias na membrana basal, múltiplas junções comunicantes (de hiato) e outros complexos juncionais. Os ápices das células são ricamente povoados com grânulos de melanina, bem como lisossomas secundários, peroxissomas e vacúolos fagocíticos. Existem também numerosos retículos endoplasmáticos lisos que facilitam especificamente a isomerização da vitamina A.

O epitélio pigmentar da retina é fundamental para estabelecer e manter a barreira hemato-retiniana. O epitélio pigmentar da retina controla a troca iônica entre a coróide vascular e a camada de fotorreceptores da retina. As células deste epitélio também têm propriedades fagocíticas; portanto, elas são capazes de limpar os detritos celulares gerados pelos fotorreceptores. A camada pigmentar fornece aos fotorreceptores moléculas adicionais de adenosina trifosfato (ATP), moléculas imunomoduladoras e fatores de crescimento polipeptídicos para realizar o processo de transdução.

Em condições fotópicas (quando a intensidade da luz é alta), os processos vilosos do epitélio pigmentar alongam-se na camada fotorreceptora da retina. Os processos também se retraem sob condições escotópicas (luz de baixa intensidade). Portanto, o epitélio é capaz de absorver a luz que passou pelas camadas da retina e, assim, proteger os fotorreceptores da exposição excessiva à luz. Por fim, a camada pigmentar produz ainda antioxidantes que ajudam a neutralizar os radicais livres gerados no processo de transdução.

Camada de fotorreceptores

Os seres humanos têm dois tipos de fotorreceptores que são nomeados de acordo com a morfologia dos corpos celulares. Os bastonetes são células cilíndricas que funcionam melhor em luz de baixa intensidade; enquanto que os cones são (surpresa!) células cônicas que funcionam melhor em luz de alta intensidade e facilitam a perceção de cores. Os bastonetes são, frequentemente, mais longas e mais delgadas do que os cones. No entanto, o contrário é verdade quando se comparam os fotorreceptores em direção ao aspeto periférico da retina. A distribuição dos fotorreceptores por toda a retina é tal que os bastonetes estão amplamente espalhados por toda a retina, exceto na fóvea (depressão central minúscula dentro da mácula; cerca de 4 mm lateralmente ao disco óptico). A fóvea é ocupada apenas por cones (que são relativamente escassos em todo o resto da retina). Deve ser notado, no entanto, que no disco óptico não se encontram bastonetes nem cones.

Os fotorreceptores são as células responsáveis por converter a energia dos fotões em energia elétrica que pode ser conduzida pelas fibras nervosas. Embora os corpos celulares reais dos fotorreceptores estejam na camada nuclear externa (discutida abaixo), a conexão periférica entre os fotorreceptores e o epitélio pigmentar da retina (ou seja, o segmento externo, cílio primário e segmento interno de cada fotorreceptor) formam a camada dos fotorreceptores. Os axônios dos bastonetes e cones são estimulados pela energia dos fotões à medida que estes são refletidos da camada pigmentar da retina.

Camada nuclear externa

Cada fotorreceptor tem quatro componentes principais. Existe um segmento externo, segmento interno, núcleo e um corpo sináptico (esférula). O segmento externo é altamente dobrado e contém os produtos químicos fotossensíveis necessários para iniciar o impulso visual. A membrana do segmento externo se dobra em discos para aumentar a área da superfície da célula. Também contém fotoquímicos (rodopsina nos bastonetes e pigmentos de cor nos cones), que são proteínas que são conjugadas às proteínas transmembranares dos discos do segmento externo.

O segmento interno é a região citoplasmática da célula. Abriga o citoplasma celular e outros organelos celulares integrantes da função celular. As mitocôndrias são provavelmente os organelos mais abundantes e mais importantes nestas células, uma vez que é necessária uma grande quantidade de energia para facilitar a fotorreação. Os segmentos externo e interno comunicam-se por meio de uma haste delgada conhecida como cílio (preenchida com microtúbulos que facilitam a transdução de sinal).

O núcleo está separado do resto do corpo celular pela membrana limitante externa. Portanto, uma grande parte do fotorreceptor (segmentos externo e interno) encontra-se na camada fotorreceptora, enquanto que o núcleo está localizado na camada nuclear externa.

O corpo sináptico é a parte mais interna do fotorreceptor. Este comunica-se com os neurônios de segunda ordem (ou seja, células horizontais e bipolares) da camada nuclear interna na camada plexiforme externa. As diferenças entre os bastonetes e os cones encontram-se abaixo.

Bastonetes

Os bastonetes distribuem-se de forma omnipresente por toda a periferia da retina. Ao contrário dos cones, as pilhas cilíndricas de discos membranares encontram-se dentro de uma membrana. O segmento externo dos bastonetes contém altos níveis de monofosfato de guanosina cíclico (GMPc) em repouso, bem como moléculas inativas de rodopsina. As rodopsinas inativas estão ligadas aos discos membranares do segmento externo, e as moléculas de GMPc são libertadas continuamente na ausência de luz. Níveis elevados de GMPc promovem um influxo de iões de sódio (Na+) para o segmento externo, dando origem a um elevado potencial de membrana em repouso.

A rodopsina sofre um  rearranjo molecular com exposição à luz e, juntamente com outras moléculas fotossensíveis na membrana externa, causa uma diminuição na quantidade de GMPc. Como resultado da queda no GMPc, os canais de sódio fecham-se. Consequentemente, há uma mudança na preferência iônica das células e elas se tornam hiperpolarizadas (ao contrário de outros neurônios aferentes, que se tornam despolarizados após um estímulo).

Em vez de iniciar um potencial de ação para propagar o efeito do estímulo, a hiperpolarização move-se gradualmente através da membrana celular. Uma vez no bolbo sináptico dos bastonetes, a hiperpolarização reduz gradualmente a quantidade de glutamato (um neurotransmissor) produzido na sinapse (esférulas dos bastonetes). Isto pode ter um efeito despolarizante ou hiperpolarizante, dependendo das células do outro extremo da sinapse. Embora sejam capazes de completar uma quantidade relativamente grande de fotoisomerização, as moléculas de rodopsina necessitam de substituição, mais tarde ou mais cedo. As moléculas de rodopsina estão ligadas aos discos da membrana celular, o fragmento distal do bastonete sofre queda a cada dez dias e, proximalmente, os discos são renovados.

Cones

Ao contrário dos bastonetes, os cones não estão contidos dentro de uma membrana e estão em constante comunicação com o espaço extracelular. Além disso, as pilhas de discos progressivamente ficam menores e mais distantes do segmento interno. Portanto, os cones têm uma forma cônica característica. Existem três tipos de cones, sendo cada um responsável pela deteção de luz dentro de um espectro particular:

  • Os cones de comprimento de onda longo (cones L) são sensíveis principalmente à luz dentro do espetro vermelho.
  • Os cones de comprimento de onda médio (cones M) são altamente responsivos à luz no espetro verde.
  • Os cones de comprimento de onda curto (cones S) detectam principalmente a luz no espetro azul.

Portanto, os cones são responsáveis ​​pela visão a cores, a percepção da qual depende da combinação particular de estímulos gerados pelos três tipos de cones. O fotopigmento dos cones é semelhante aos encontrados nos bastonetes, com a exceção de que existem três tipos diferentes (um para cada tipo de cone). Excluindo esta diferença, os fotopigmentos também são encontrados no segmento externo dos cones, e também sofrem mudanças conformacionais induzidas pela luz. A mudança na estrutura molecular desencadeia uma reação de hiperpolarização semelhante que se espalha gradualmente pela membrana celular em direção ao bolbo sináptico do cone (pedículos do cone). A diminuição na liberação/libertação de glutamato e consequente fenômeno despolarizante ou hiperpolarizante também ocorre.

Camada nuclear interna

Existem várias células acessórias dentro da retina que formam conexões regulatórias com os fotorreceptores. Os seus corpos celulares encontram-se na camada nuclear interna da retina (entre as camadas plexiforme interna e externa). Esta camada contém os corpos celulares de células amácrinas, horizontais e bipolares.

Células bipolares

O tipo de aferência sináptica que entra em uma célula bipolar determina se ela será ou não classificada como uma célula bipolar de cone ou bastonete. Estas células formam a ponte entre as células ganglionares e os fotorreceptores da retina. Elas são particularmente importantes na deteção dos limites das imagens enviadas para o sistema visual.

As células são categorizadas em células bipolares “on” ou “despolarizantes”, ou “off” ou “hiperpolarizantes”. As vias “on” são ativados pela luz, enquanto que as vias “off” são ativadas durante a escuridão. A lógica por trás das células bipolares “on” e “off” pode tornar-se bastante desconcertante devido ao fato de que o glutamato sempre foi considerado como um neurotransmissor excitatório. Para evitar mais confusão, pense desta forma: interromper o fluxo de glutamato (isto é, expor os fotorreceptores à luz) faz com que as células bipolares “on” despolarizem e as células bipolares “off” hiperpolarizem.

Células amácrinas

As células amácrinas, com um pequeno corpo celular, não demonstram axônios proeminentes, mas sofrem arborização significativa, com seus axônios se estendendo amplamente. Podem ser encontrados vários neurotransmissores nas células amácrinas, como o ácido gama(γ)-aminobutírico (GABA), a glicina ou a acetilcolina (ACh) e outros neuropeptídeos. Elas regulam a atividade das células bipolares e aumentam a sensibilidade das células ganglionares de classe Y a estímulos em movimento.

Células horizontais

As células horizontais são células com axônios de vários comprimentos (para acessar fotorreceptores próximos e distantes) que viajam paralelamente ao plano retiniano e numerosos dendritos. Os corpos celulares estão restritos à camada nuclear interna. Em resposta à glutamina libertada pelos fotorreceptores, as células horizontais secretam GABA para bastonetes e cones próximos. Essa ação regula a resposta das células ganglionares, além de melhorar a periferia das imagens transmitidas ao sistema visual.

Camada de células ganglionares e de fibras nervosas

Os neurônios de segunda ordem que formam a ponte entre os fotorreceptores e o núcleo geniculado lateral do tálamo são as células ganglionares. Os seus corpos celulares estão localizados na camada de células ganglionares, e as suas fibras nervosas viajam na camada de fibras nervosas (adjacente ao humor vítreo) em direção ao disco óptico. Aqui, formam o nervo óptico.

As células ganglionares são subdivididas com base em características morfológicas e fisiológicas. As células alfa possuem corpos celulares maiores, axônios mais espessos e dendritos arborizados difusamente. Elas são mais comumente encontradas na região periférica da retina e são estimuladas pelos bastonetes. De uma perspectiva fisiológica, elas são referidos como células Y, pois têm pouca sensibilidade à cor. Elas também são referidos como células M, devido ao fato de que fazem sinapse com as camadas magnocelulares do núcleo geniculado lateral.

As células beta são outra categoria de células ganglionares que possuem corpos celulares de tamanho médio e menos dendritos. Elas são mais comuns na região central da retina e recebem estímulos visuais dos cones. Portanto, elas respondem a estímulos coloridos; e, como tal, são categorizados como células X. Também são chamados de células P porque fazem sinapses nas camadas parvocelulares do corpo geniculado lateral.

Outras células ganglionares são fisiologicamente classificadas como células W e anatomicamente chamadas de células delta, epsilon e gama. Um grupo único de células W que têm pouca ou nenhuma comunicação com os fotorreceptores é conhecido como células ganglionares contendo melanopsina. Para além de não participarem na formação da imagem visual e do tamanho destas células, estas células são caracterizadas pela sua conexão com os núcleos pré-tectal (NC III principal e acessório) e supraquiasmático, pela sua localização na camada ganglionar e pela sensibilidade à luz azul. Mais importante, estas células são extremamente sensíveis à luz e permitem a propagação de um potencial de ação em resposta à exposição direta à luz.

Camadas plexiformes

Existem duas redes fibrosas densas separadas entre as três camadas neuronais da retina. A camada plexiforme externa encontra-se entre a camada nuclear externa e a camada nuclear interna, enquanto que a camada plexiforme interna se encontra entre a camada nuclear interna e a camada de células ganglionares. A camada plexiforme externa contém os neurônios das células bipolares e horizontais da camada nuclear interna, bem como os axônios dos fotorreceptores. Geralmente, há uma tríade de processos comunicantes formada entre uma esférula de um bastonete ou um pedículo de um cone, dois processos de células horizontais posicionados lateralmente e uma célula bipolar pós-sináptica central.

Por outro lado, a camada plexiforme interna contém os axônios de ligação que conectam as células da camada nuclear interna (de células bipolares ou amácrinas) com as células da camada ganglionar. As células amácrinas têm conexões com outras células amácrinas, bem como com células bipolares e ganglionares. As células bipolares também se comunicam com as células ganglionares correspondentes.

Membranas limitantes

Para além das camadas plexiformes, há duas outras membranas encontradas em toda a retina. Existe uma série de complexos juncionais que formam uma camada distinta, embora delgada, ao nível dos bastonetes e dos cones. Esta camada é conhecida como membrana limitante externa e separa os fotorreceptores dos processos celulares de Müller. Uma membrana limitante interna contendo os processos terminais das células de Müller cobre a porção periférica do corpo vítreo.

Mácula

No lado temporal do disco óptico (cerca de 4 mm lateralmente) e oposto à pupila, está uma área amarela conhecida como macula lutea. No centro da mácula encontra-se a fóvea central, mais conhecida simplesmente como fóvea. Indo da periferia até ao centro da mácula, há uma redução na espessura das camadas internas até o ponto em que apenas as camadas fotorreceptoras permaneçam no sulco foveal. Isto permite que cheguem aos fotorreceptores maiores quantidades de fotões, pois há menos células intervenientes. Esta região é preenchida exclusivamente por cones e é responsável pela maioria dos estímulos aferentes visuais transmitidos ao cérebro.

Nervo óptico (NC II)

Cerca de um milhão de axônios mielinizados provenientes das células ganglionares da retina reúnem-se no disco óptico para formar os nervos ópticos (NC II). Ao contrário de outros nervos do corpo, que são mielinizados pelas células de Schwann, as fibras do nervo óptico são mielinizadas pelos oligodendrócitos. Surgindo do polo posterior de cada olho, cada nervo óptico tem cerca de 35 mm e 55 mm de comprimento e pode ser subdividido da seguinte forma:

  • cabeça do nervo óptico
  • parte intraorbitária
  • parte intracanalicular
  • parte intracraniana

Como os axônios das células ganglionares convergem na cabeça do nervo óptico, não há fotorreceptores associados nesta região. Como resultado, qualquer luz que atinja os neurônios nessa área não será percebida. Portanto, existe um ponto cego fisiológico onde não é detetado nenhum estímulo luminoso. O nervo óptico sai da órbita através da fissura orbitária superior e encontra-se com o NC II contralateral superiormente ao diafragma de sela. Ao longo deste curso, eles ficam envoltos em camadas de dura-máter e aracnoide, que estão em comunicação direta com as mesmas camadas meníngeas do cérebro. Aqui forma-se o quiasma óptico.

Quiasma e trato óptico (feixe reticulogeniculado)

O quiasma óptico não é apenas um ponto de união, mas também um ponto de decussação do NC II bilateral. Aqui, as fibras nasais de cada olho cruzam a linha média para se unirem às fibras temporais do olho contralateral. Como referido anteriormente, as fibras nasais do olho direito e as fibras temporais do olho esquerdo recebem fotões que são emitidos na metade direita do campo visual. Da mesma forma, as fibras nasais do olho esquerdo e as fibras temporais do olho direito recebem estímulos visuais da metade esquerda do campo visual. Após a decussação, as aferências visuais da metade direita do campo visual viajará no trato óptico esquerdo, enquanto os estímulos da metade esquerda do campo visual passarão pelo trato óptico direito.

Os tratos ópticos são as continuações compactas e caudo-laterais da camada ganglionar da retina. Cada trato transporta fibras que transmitem informação do campo visual contralateral. À medida que os tratos ópticos se movem em direção ao núcleo geniculado lateral ipsilateral do tálamo, atravessam o pedúnculo cerebral (onde se junta ao cérebro).

Conexões pré-tectais da via visual (via óptica)

Cerca de 1% das células ganglionares da retina são altamente responsivas à luz. Os axônios dessas células ganglionares contendo melanopsina também viajam no nervo óptico. No entanto, em vez de se dirigirem para o núcleo geniculado lateral, divergem para a área pré-tectal. Esta porção do mesencéfalo encontra-se anteriormente ao aqueduto central de Sylvius. As fibras fazem, então, sinapse nos núcleos oculomotor ipsilateral e contralateral e de Edinger-Westphal (núcleo oculomotor acessório). Estes núcleos, juntamente com outras influências corticais, são responsáveis por vários reflexos visuais, incluindo acomodação, reflexo luminoso direto e consensual e resposta sacádica dos olhos.

Corpo geniculado lateral

Lateral e inferiormente, de ambos os lados da superfície inferior do diencéfalo, encontram-se duas protuberâncias arredondadas conhecidas como corpos geniculados laterais. Os corpos geniculados laterais contêm os núcleos geniculados laterais, que têm um papel importante no processamento da visão. As seis camadas do núcleo geniculado lateral contêm células semelhantes às da camada ganglionar da retina. As fibras que chegam do trato óptico ipsilateral formam a base ventral do núcleo, enquanto que os feixes eferentes que formam a radiação óptica formam os limites laterais e dorsais. As camadas são numeradas de um a seis, com as células magnocelulares (M) maiores restritas às camadas um e dois, e encontrando-se as pequenas células parvocelulares (P) nas camadas três a seis.

A camada magnocelular recebe aferências das células Y da camada ganglionar. Como resultado disso, recebem informações de um campo visual maior, respondem a estímulos em movimento e obtêm estímulos principalmente de bastonetes. Pelo contrário, a camada parvocelular é estimulada por células X. Portanto, responde a estímulos coloridos de alta acuidade, recebe informações de uma área menor e responde a estímulos estacionários. As restantes células W terminam nas finas camadas intervenientes do núcleo geniculado lateral.

A divisão retinotópica adicional do corpo geniculado lateral relaciona-se com a decussação que ocorreu no quiasma. Os axônios que surgem da retina nasal, que cruzaram a linha média, acabam por terminar nas camadas 1, 4 e 6 do núcleo geniculado contralateral. Por outro lado, os axônios das fibras ganglionares provenientes da retina temporal, que não cruzaram a linha média, terminam nas camadas 2, 3 e 5 do núcleo geniculado ipsilateral.

Radiação óptica e córtex visual

A radiação óptica (feixe geniculocalcarino) representa os feixes visuais que se estendem do núcleo geniculado lateral ao córtex visual primário (Brodmann 17) ipsilateral. A distribuição retinotópica das fibras nervosas também continua ao longo deste caminho. À semelhança do trato óptico  correspondente, a radiação óptica ipsilateral apenas transporta a informação visual do campo visual contralateral. A radiação óptica é separada em dois feixes principais que correspondem aos quadrantes superior e inferior do campo visual respetivo.

Os axônios de segunda ordem que correspondem ao quadrante superior contralateral originam-se da região ventrolateral do núcleo geniculado lateral. Eles são chamados de alça (ansa) de Meyer e passam indiretamente pela substância branca do lobo temporal para acessar a margem inferior do sulco calcarino do giro (circunvolução) lingual.

Por outro lado, os neurônios de segunda ordem responsáveis ​​pelo quadrante inferior contralateral emergem da porção dorsomedial do núcleo geniculado lateral. Eles têm um curso mais direto até à margem superior do sulco calcarino do cuneus (cunha), passando pela parte retrolenticular da cápsula interna. Os feixes correspondentes à mácula e fóvea são referidos como fibras geniculoestriadas e surgem a partir do centro do núcleo geniculado lateral para se dirigirem para o córtex visual caudal.

Doenças do olho e da via visual

Mais informações sobre doenças do olho, exame clínico da via visual e reflexos importantes, como o reflexo da acomodação, estão disponíveis na biblioteca do Kenhub.

Sumário

A luz entra no olho e passa através dos componentes opticamente ativos para alcançar a retina. Estes componentes passam através de todas as camadas da retina para estimular o segmento externo dos fotorreceptores na camada dos fotorreceptores. O impulso atravessa tanto a membrana limitante externa quanto as sinapses dos fotorreceptores na camada plexiforme externa. Aqui, são modificados pelas células acessórias da retina (células bipolares, amácrinas e horizontais) antes de passarem para a extremidade proximal das células ganglionares. Uma vez ativadas, as células ganglionares passam o potencial de ação para os seus axônios distais, que viajam na camada de fibras nervosas da retina. Eventualmente, os axônios convergem para formar o nervo óptico.

A organização retinotópica da retina é tal que os campos hemi-visuais projetam-se para as partes visuais nasais ipsilaterais e temporais contralaterais da retina. Além disso, o campo visual inferior projeta-se para a retina superior, e o campo visual superior projeta-se para a retina inferior.

Os nervos ópticos emergem do pólo posterior do olho, percorrem a fissura orbitária superior e encontram-se com o nervo óptico contralateral no quiasma óptico. Aqui, os axônios das células ganglionares que surgem da retina nasal decussam para se unir aos axônios das células ganglionares contralaterais temporais. Eles formam os respetivos tratos ópticos, que terminam principalmente no núcleo geniculado lateral do diencéfalo.

As fibras emergentes do núcleo geniculado lateral formam a radiação óptica (feixe geniculocalcarino). Existem seis camadas neste feixe que recebem aferências retinotópicas do campo visual correspondente. A radiação óptica é, então, separada em duas alças (ansas); uma dirige-se diretamente para o córtex visual, enquanto a outra toma uma rota indireta.

Via visual - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Cadastre-se para ter uma conta gratuita no Kenhub hoje e se junte a mais de 1.228.311 alunos de anatomia de sucesso.

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

Mostrar referências

Referências:

  • Binder, Devin K et al.Cranial Nerves. Thieme, 2010.
  • Guyton, Arthur C, and John E Hall.Textbook Of Medical Physiology. 11th ed., Elsevier Saunders, 2006.
  • Haines, Duane E, and M. D Ard.Fundamental Neuroscience For Basic And Clinical Applications. 4th ed., Elsevier/Saunders, 2013.
  • Khanna, Hemant."Photoreceptor Sensory Cilium: Traversing The Ciliary Gate". Cells, vol 4, no. 4, 2015, pp. 674-686. MDPI AG, doi:10.3390/cells4040674. Acessada 14 de maio de 2018.
  • Mescher, Anthony L, and Luiz Carlos Uchôa Junqueira.Junqueira's Basic Histology. 13th ed., Mcgraw-Hill, 2013.
  • Moore, Keith L et al.The Developing Human. 9th ed., Elsevier-Saunders, 2013.
  • Nieuwenhuys, R et al.The Human Central Nervous System. 4th ed., Springer, 2008.
  • Striedter, Georg F., and R. Glenn Northcutt."Two Distinct Visual Pathways Through The Superficial Pretectum In A Percomorph Teleost". The Journal Of Comparative Neurology, vol 283, no. 3, 1989, pp. 342-354. Wiley-Blackwell, doi:10.1002/cne.902830304. Acessada 15 de maio 2018.
  • Yildiz, Ozge, and Hemant Khanna."Ciliary Signaling Cascades In Photoreceptors". Vision Research, vol 75, 2012, pp. 112-116. Elsevier BV, doi:10.1016/j.visres.2012.08.007. Acessada 14 de maio 2018.

Autores:

  • Lorenzo Crumbie
  • Francesca Salvador
  • Adrian Rad

Tradução para português, revisão e layout:

  • Rafael Vieira
  • Catarina Chaves

Ilustrações:

  • Parte óptica da retina - vista axial - Paul Kim
  • Nervo óptico - vista sagital - Paul Kim
  • Nervo óptico - vista superior - Paul Kim
  • Olho fetal - lâmina histológica - Smart In Media
  • Pálpebra - lâmina histológica - Smart In Media
  • Nervo óptico - vista coronal - Irina Münstermann
  • Nervo óptico - vista superior - Yousun Koh
  • Córnea - vista sagital - Paul Kim
  • Córnea - vista axial - Paul Kim
  • Esclera - vista axial - Paul Kim
  • Conjuntiva - vista sagital - Paul Kim
  • Íris - vista axial - Paul Kim
  • Músculo esfíncter da íris - lâmina histológica - Smart In Media
  • Músculo dilatador da pupila - lâmina histológica - Smart In Media
  • Pupila - lâmina histológica - Smart In Media
  • Epitélio pigmentado da retina - lâmina histológica - Smart In Media
  • Camada de cones e bastonetes - lâmina histológica - Smart In Media
  • Camada limitante externa - lâmina histológica - Smart In Media
  • Camada de cones e bastonetes - vista coronal - Irina Münstermann
  • Camada nuclear externa - vista coronal - Irina Münstermann
  • Camada nuclear externa - lâmina histológica - Smart In Media
  • Bastonete - vista coronal - Irina Münstermann
  • Cone - vista coronal - Irina Münstermann
  • Neurônios bipolares - vista superior - Paul Kim
  • Neurônios bipolares - vista coronal - Irina Münstermann
  • Neurônios bipolares - lâmina histológica - Smart In Media
  • Camada de células ganglionares - vista coronal - Irina Münstermann
  • Camada de células ganglionares - lâmina histológica - Smart In Media
  • Camada plexiforme externa - vista coronal - Irina Münstermann
  • Camada plexiforme externa - lâmina histológica - Smart In Media
  • Fóvea central - vista axial - Paul Kim
  • Nervo óptico - vista coronal - Irina Münstermann
  • Nervo óptico - vista sagital - Paul Kim
  • Quiasma óptico - vista axial - Paul Kim
  • Quiasma óptico - vista sagital - Paul Kim
  • Corpo geniculado Lateral - vista axial - Paul Kim
  • Corpo geniculado Lateral - vista posterior - Paul Kim
  • Radiações ópticas - vista superior - Paul Kim
  • Radiações ópticas - vista axial - National Library of Medicine
© Exceto expresso o contrário, todo o conteúdo, incluindo ilustrações, são propriedade exclusiva da Kenhub GmbH, e são protegidas por leis alemãs e internacionais de direitos autorais. Todos os direitos reservados.

Desenhos e imagens relacionados

Continue a sua aprendizagem

Leia mais artigos

Mostre mais 2 artigos

Assista videoaulas

Faça teste

Navegue pelo atlas

Muito bem!

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!