EN | DE | PT Contato Como estudar Entrar Cadastrar

Nervo óptico - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Cadastre-se para ter uma conta gratuita no Kenhub hoje e se junte a mais de 1.167.353 alunos de anatomia de sucesso.

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

Nervo óptico

A percepção das diferentes formas, cores e tamanhos que existem em todo o mundo depende de globos oculares relativamente pequenos e esféricos. Existem várias partes do olho que permitem que as imagens sejam detetadas. No entanto, o reconhecimento e interpretação desses objetos é amplamente dependente do nervo óptico.

A identidade do nervo craniano II (NC II), também conhecida como nervo óptico, é anterior à anatomia galênica. Conhecido pelos pais da anatomia grega como nervus optikus, o nervo óptico tem a responsabilidade de transmitir impulsos aferentes especiais de luz para o cérebro.

Também está envolvido em vários arcos reflexos relacionados com o sistema ocular. É uma estrutura única que funciona como a ponte entre a camada retiniana dos olhos e o córtex visual do cérebro.

Este artigo irá rever a embriologia, anatomia, histologia e suprimento sanguíneo do nervo óptico, bem como discutir brevemente as fitas ópticas. Os reflexos visuais, a radiação óptica e algumas patologias relevantes também serão discutidas.

Fatos Importantes
Partes Parte intraocular: no disco óptico, onde as fibras se movem para a região retro-orbitária
Parte intraorbitária: vai da parte posterior do globo ocular até o canal óptico e é circundada pelas três camadas meníngeas
Parte intracanalicular: dentro do canal óptico do osso esfenóide
Parte intracraniana: viaja superiormente ao diafragma da sela e ao seio cavernoso, formando por fim o quiasma óptico
Vascularização Ramos oftálmicos da artéria carótida interna, artérias ciliares posteriores e artéria central da retina
Fibras Fibras aferentes visuais: transmitem impulsos visuais da retina para o núcleo geniculado lateral do tálamo
Fibras aferentes pupilares: regulam o reflexo da luz pupilar
Fibras eferentes: viajam para a retina, mas têm uma função desconhecida
Fibras fotostáticas: responsáveis pelos reflexos visuais do corpo
Via Visual Nervo óptico -> Fita óptica -> Núcleo geniculado lateral -> Radiação óptica -> Córtex visual (Área de Brodmann 17)

Embriologia do nervo óptico

O placódio óptico, localizado na extremidade craniana do embrião em desenvolvimento, forma o olho e as estruturas envolventes. A evaginação de um segmento do prosencéfalo dá origem à retina do olho. A porção externa a tacícula óptica é rica em pequenos grânulos de pigmento, e torna-se na camada pigmentar da retina.

A parte óptica da retina forma os 80% posteriores da camada neural da tacícula óptica e desenvolve-se em bastonetes e cones, que são responsáveis pela perceção luminosa. As células bipolares e horizontais (da camada nuclear externa), bem como as células ganglionares e amácrinas, têm origem na camada mantelar da retina, que está adjacente à parte óptica da retina. As células bipolares permitem a comunicação entre os fotorrecetores e as células ganglionares. As células amácrinas e horizontais são células de suporte encontradas nas camadas plexiformes interna e externa, respetivamente.

Videoaula recomendada: Nervo óptico
Nervo óptico e trato óptico.

Os axónios distais das células ganglionares coalescem na fibrosa camada de fibras nervosas da retina e convergem na direção da haste óptica, que se torna proeminente por volta da quarta semana de gestação. Tem um sulco denominada de fissura coroidea, na face ventral da haste, onde se encontram os vasos hialoides.

Pela sétima semana de gestação, o encerramento da fissura coroidea produz um lúmen que comunica com o prosencéfalo proximalmente e com a vesícula óptica distalmente. As paredes da haste óptica são formadas pela monocamada de células epiteliais primitivas. A invaginação da haste resulta numa depressão ventral. À medida que o lúmen da haste continua a diminuir, a haste aumenta de tamanho. Também são adicionadas células gliais à porção proximal da haste, onde o disco óptico se forma. À medida que mais células são adicionadas à face luminal da haste, as artérias hialoides regridem. Durante a oitava semana gestacional, existe uma subsequente diferenciação das populações gliais (da haste óptica e do prosencéfalo ventral) em astrócitos de tipo 1 e tipo 2 e oligodendrócitos

O crescimento e desenvolvimento do nervo óptico continua na adolescência. Existe um aumento progressivo do diâmetro do nervo, com o componente intraocular sendo menor do que a parte extraocular. Esta disparidade no diâmetro pode ser explicada pela mielinização que ocorre na parte extraocular do nervo. 

Anatomia do nervo óptico

Os nervos ópticos são estruturas cilíndricas e emparelhadas que se estendem da parte posterior do globo ocular (aproximadamente 2 mm medialmente ao polo posterior) até ao espaço suprasselar na fossa craniana média. É composto de aproximadamente 1 milhão de axônios mielinizados das células ganglionares da retina. O CN II é mielinizada pelos oligodendrócitos e não pelas células de Schwann, como os axônios dos nervos periféricos. Embora haja uma variabilidade significativa nas dimensões do nervo óptico (mesmo entre os nervos ópticos dentro do mesmo indivíduo), o comprimento médio da estrutura varia entre 35 mm e 55 mm.

Pode ser subdividido em quatro partes principais:

  • A cabeça do nervo óptico (isto é, a parte intraocular) mede cerca de 1 mm de comprimento.
  • A parte intraorbitária tem aproximadamente 25 mm de comprimento.
  • A parte intracanalicular é mais variável, variando entre 4 e 10 mm de comprimento.
  • A parte intracraniana tem aproximadamente 10 mm de comprimento.

Parte intraocular do NC II

A cabeça do nervo óptico é o componente mais anterior do nervo óptico e corresponde ao segmento de 1 mm que está localizado dentro do globo ocular (ou seja, a parte intraocular). Historicamente, pensava-se que era uma entidade elevada projetada da superfície da retina e, por extensão, era referida como uma papila (daí o termo papiledema). No entanto, desde então, foi descoberto que o nervo óptico está de fato nivelado com a retina, portanto o termo papila é uma velha palavra errônea que ainda é usada ocasionalmente como referência à cabeça do nervo óptico.

A cabeça do nervo óptico (também conhecida como disco óptico) tem aproximadamente 1,5 mm de largura e também está associada a uma tacícula fisiológica que corresponde a uma depressão central na cabeça do nervo óptico. As dimensões da tacícula e do disco dependem da orientação, forma e tamanho do canal cório-escleral que existe na membrana de Bruch. O canal cório-escleral cônico tende a se alargar no sentido anterior e posterior.

A cabeça do nervo óptico é uma parte única do NC II, na medida em que marca um importante ponto de transição vascular, geométrica e tonométrica. Na cabeça do nervo óptico, os nervos ópticos estão se movendo para o espaço de pressão relativamente baixa da região retro-orbitária a partir da zona de pressão intra-ocular muito mais alta. Além disso, há uma mudança no suprimento sanguíneo da artéria central da retina para as artérias oftálmica e ciliares posteriores. As fibras nervosas fazem uma curva de 90 graus para perfurar a lâmina crivosa. Finalmente, elas não só se tornam mielinizadas, mas também ficam envolvidas nas camadas meníngeas nas áreas extra-oculares.

Parte intraorbitária do NC II

Os 25 mm do nervo óptico que viajam da parte posterior do globo ocular (alguns milímetros medialmente ao pólo posterior) até a abertura intraorbitária do canal óptico são conhecidos como parte intraorbitária. As fibras do nervo óptico distais à lâmina crivosa são mielinizadas, enquanto as que precedem a lâmina crivosa não são mielinizadas. Portanto, o diâmetro do disco óptico intraorbitário é o dobro da largura da parte intraocular.

O nervo óptico intraorbitário é também rodeado por todas as três camadas meníngeas (isto é, dura, aracnoide e pia-máter). A aracnoide e a dura mater estão, geralmente, levemente fixas proximalmente, e estão associadas a um espaço subaracnoideo maior (dando-lhe uma aparência bulbosa) no polo posterior do globo ocular. O espaço subaracnoideo estreita-se significativamente no orifício orbital do canal óptico.

Imediatamente antes de entrar no canal óptico, o NC II pode ser encontrado adjacente ao NC III, NC VI e ao nervo nasociliar, e superior e medialmente à artéria oftálmica. Dentro do canal, existem numerosas fixações durais fibrosas que se estendem até a pia-máter. Precocemente no seu curso, o tecido adiposo orbitário separa o nervo óptico dos músculos extra-oculares circundantes. No entanto, o nervo torna-se mais estreitamente relacionado com o anel de Zinn, onde os quatro retos se originam.

Parte intracanalicular do NC II

No canal óptico encontra-se a parte intracanalicular do nervo óptico. O canal óptico forma-se na asa menor do osso esfenoide. Existe uma variabilidade significativa na espessura das paredes do canal óptico, de tal modo que a espessura aumenta de medial para lateral e de superior para inferior.

O canal óptico tem um sentido posterior e medial em um ângulo de 35 graus em relação ao plano sagital mediano. Como a parte intraorbitária que lhe precede, a parte intracanalicular também é envolvida pelas meninges descritas anteriormente. Tem um comprimento variável de 4 - 10 mm. O comprimento extra (além do comprimento do componente intraorbitário) permite movimentos adicionais do globo ocular dentro da órbita. De outro modo, é estruturalmente idêntico ao segmento intraorbitário anterior.

Parte intracraniana

Os últimos 10 mm do nervo óptico são a parte intracraniana. Ela se estende do orifício interno do canal óptico e passa superiormente ao diafragma da sela, antes de passar acima da parte suprasselar do seio cavernoso. Aqui, o nervo óptico une-se ao NC II contralateral para formar o quiasma óptico. Há também estruturas vasculares muito importantes que estão intimamente relacionadas com o nervo óptico intracraniano:

A pia-máter é a única camada meníngea que cobre o nervo óptico intracraniano.

Quiasma óptico

O quiasma óptico marca uma parte importante do NC II. Lembre-se de que a retina pode ser subdividida em metades nasais e temporais, que podem ser subdivididas em pólos superiores e inferiores. O lado nasal do olho esquerdo e o lado temporal do olho direito recebem informação dos campos visuais temporal e nasal, respectivamente (isto é, campo visual esquerdo). Da mesma forma, a luz do campo visual direito é detetada pelo lado temporal do olho esquerdo e do lado nasal do olho direito.

No quiasma óptico, as fibras do nervo óptico que se originam do lado temporal da retina do olho direito continuam no trato óptico direito (parte pós-quiasmática do nervo óptico). No ponto de decussação, as fibras que se originaram do campo nasal do olho esquerdo cruzam-se e entram no trato óptico direito. Portanto, as aferências visuais do campo visual esquerdo viajam no trato óptico direito. Uma decussação semelhante ocorre com fibras surgindo no lado nasal do olho contralateral.

Histologia do nervo óptico

As cerca de um milhão de fibras nervosas que formam o NC II podem ser categorizadas em cinco grupos:

  • Os nervos responsáveis pela transmissão dos impulsos visuais são as fibras aferentes visuais. Eles viajam da retina para o corpo geniculado lateral do tálamo.
  • As fibras nervosas que viajam para o teto para regular o reflexo pupilar da luz são conhecidas como fibras aferentes pupilares.
  • Fibras eferentes para a retina foram identificadas, mas sua função ainda não foi elucidada. 
  • Algumas fibras viajam para o colículo superior e são conhecidas como fibras fotostáticas. Elas participam dos reflexos visuais do corpo.
  • Finalmente, existem fibras autonômicas que também viajam ao longo do nervo óptico dentro do canal óptico, mas que não penetram no nervo.

Existem diferenças sutis na arquitetura histológica do nervo óptico ao longo de seu curso. É mais fácil seguir a histologia subdividindo o nervo óptico nas suas partes (isto é, cabeça, parte intraorbitária, intracanalicular e intracraniana).

Além de ter tecido neural, a cabeça do nervo óptico também é povoada por componentes não neurais, como astrócitos, fibroblastos e células associadas aos capilares. A cabeça do nervo óptico pode ser ainda subdividida na camada superficial de fibras nervosas, na região pré-laminar e na lâmina cribrosa. A membrana limitante interna de Elschnig (formada por uma coleção de astrócitos) é responsável por separar a extremidade anterior da cabeça do nervo - a camada superficial de fibras nervosas - do humor vítreo que preenche o globo ocular. A membrana limitante interna torna-se mais espessa centralmente na tacícula fisiológica, e é referida como menisco central de Kuhnt. No entanto, à medida que a tacícula se torna maior (isto é, o canal cório-escleral fica mais largo), a membrana torna-se mais fina. A camada superficial de fibras nervosas é altamente vascularizada com numerosas redes capilares, e grandes artérias e veias retinianas passam através dela. A camada também contém os axônios firmemente empacotados das células ganglionares.

Profundamente à camada superficial de fibras nervosas encontra-se a região pré-laminar do nervo óptico. Também foi referida como a camada coroidal ou glial. O principal constituinte desta camada é o tecido glial. Há, no entanto, tecido conjuntivo encontrado nas regiões perivasculares da camada. Histologicamente, a característica distintiva entre o tecido conjuntivo e o tecido glial é o diâmetro das fibras. As fibras do tecido conjuntivo são mais espessas do que as fibras gliais; e as fibras gliais viajam perpendicularmente em relação aos feixes nervosos. Na periferia da cabeça do nervo óptico, as fibras gliais estão fixas à membrana elástica e à coroide; já no centro do disco óptico, têm fixação no tecido conjuntivo perivascular.

As células gliais são densamente acondicionadas e achatadas no plano ântero-posterior, com numerosos capilares em volta da camada celular. O tecido glial pré-laminar oferece suporte estrutural aos axônios das células ganglionares à medida que estes fazem a curva perpendicular da retina para formar o nervo óptico. Todas as fibras nervosas que se estendem da camada superficial de fibras nervosas para a região pré-laminar são não mielinizadas.

Profundamente à zona pré-laminar, encontra-se a região da lâmina crivosa da cabeça do nervo óptico. Esta é uma área altamente fenestrada (cerca de 200 a 300 buracos) que permite a passagem dos axônios do nervo óptico para o espaço extraocular. À medida que as fibras nervosas passam (mielinizadas por oligodendrócitos) através das fenestras da lâmina crivosa, elas formam uma vedação relativamente justa, a fim de proteger o tecido retrolaminar das pressões intraoculares relativamente altas. A lâmina crivosa apresenta superfícies côncavas e convexas anterior e posterior, respetivamente.

Há uma demarcação muito pobre entre as zonas de tecido conjuntivo pré-laminar e mais profunda. Existe, portanto, uma mistura relativa de ambos os tecidos gliais e conjuntivos, à qual nos referimos como zona de transição. O tecido conjuntivo forma uma camada de espessura total de tecido que cobre a cabeça do nervo óptico. Dispõe-se em colunas espessas ao longo da periferia que ancora a lâmina crivosa à esclera adjacente.

A parte intraorbitária do NC II é circundada pela mielina dos oligodendrócitos, assim como pelas três camadas meníngeas. A pia-máter está intimamente associado ao nervo óptico. É separado da aracnoide sobrejacente pelo líquido cefalorraquidiano. A dura-máter oferece o invólucro final (de forma semelhante ao resto do sistema nervoso central). Existem septos de tecido conjuntivo que contêm entidades vasculares que se deslocam longitudinal e transversalmente. Estes têm conexões de tecido interconjuntivo, bem como conexões com o nervo óptico. Na periferia, os septos transversais fixam a pia-máter à face posterior da lâmina crivosa. Centralmente, fixa a pia-máter às bainhas fibrosas perivasculares.

Via do nervo óptico

O trato óptico, também conhecido como fita óptica, é a continuação intracraniana do nervo óptico. Como no NC II, o trato óptico é uma estrutura par. Cada uma é constituído por fibras temporais provenientes da retina do olho ipsilateral, bem como fibras nasais provenientes da retina do olho contralateral. A maior parte dessas fibras continuará até o núcleo geniculado lateral do tálamo, onde elas fazem sinapse no núcleo geniculado lateral dorsal.

No entanto, uma minoria dessas fibras contornará o corpo geniculado lateral para terminar no núcleo pré-tectal (para participar do reflexo pupilar de luz) e no colículo superior (regulação dos movimentos oculares sacádicos). No entanto, existem fibras que deixam o corpo geniculado lateral para formar a radiação óptica (feixe geniculocalcarino). Este feixe é formado por seis camadas, que são formadas após suas fibras saírem do corpo geniculado lateral através da porção retrolenticular da cápsula interna. As fibras terminam subsequentemente na área 17 de Brodmann (isto é, o córtex visual) no sulco calcarino.

Reflexo de luz pupilar

O nervo óptico é responsável por transmitir informações para o núcleo pré-tectal ao nível do colículo superior, responsável pela regulação bilateral da atividade do núcleo de Edinger-Westphal (núcleo parassimpático do NC III). As fibras do trato óptico que fazem sinapse no núcleo pré-tectal não se comunicam com o núcleo geniculado lateral.

As fibras pré-sinápticas parassimpáticas de cada núcleo de Edinger-Westphal, em seguida, viaja com as fibras do nervo oculomotor, fazendo sinapse no gânglio ciliar. As fibras parassimpáticas pós-sinápticas, de seguida, viajam com o nervo ciliar curto, para inervar o músculo constritor da pupila. Portanto, a via reflexo da luz pupilar tem um ramo aferente decorrente do trato óptico ipsilateral e dois ramos eferentes que fornecem inervação bilateral ao núcleo de Edinger-Westphal. Como resultado, é capaz de produzir tanto resposta pupilar direta (constrição pupilar ipsilateral em resposta a estímulo luminoso) quanto consensual (constrição pupilar contralateral em resposta a estímulo luminoso).

Radiação óptica (Feixe geniculocalcarino)

O núcleo geniculado lateral dorsal divide-se em camadas 1 - 6, e tem um arranjo retinotópico de modo que as fibras que surgem do olho contralateral fazem sinapse nas camadas 1, 4 e 6. Por outro lado, as fibras originárias do olho ipsilateral fazem sinapse nas camadas 1, 3 e 5. Além disso, os axônios que surgem dos quadrantes superiores (excluindo a mácula) projetam-se para a porção anterior e medial do núcleo. Da mesma forma, aqueles que surgem dos quadrantes inferiores (excluindo a mácula) projetam-se para a parte anterior e lateral do núcleo. Os quadrantes superior e inferior da mácula projetam-se para as regiões póstero-medial e póstero-lateral do núcleo geniculado lateral, respetivamente.

As fibras que saem do corpo geniculado lateral são coletivamente conhecidas como feixe geniculocalcarino. Elas transmitem impulsos visuais integrados desde o tálamo até o córtex visual. Podem ser divididas em alças (ansas) superior e inferior, também conhecidas como alças (ansas) de Baum e Meyer, respetivamente. As fibras da alça (ansa) de Meyer tomam um curso muito anterior em torno do corno temporal do ventrículo lateral (passando pelo lobo temporal) antes de se curvarem posteriormente em direção ao sulco calcarino. As fibras da alça (ansa) de Baum passam diretamente através do lobo parietal para entrar na parte retrolentiforme da cápsula interna. De seguida, as fibras que surgem dos quadrantes superiores e inferiores periféricos projetam-se para os dois terços anteriores do córtex visual primário, enquanto que as fibras que surgem dos quadrantes centrais superior e inferior (ou seja, a mácula) projetam-se para o terço posterior do córtex visual primário.

Campos oculares frontais

Além das numerosas projeções tálamo-corticais associadas à visão, as fibras pós-sinápticas do campo visual primário também viajam para o cérebro para fazer sinapse e se integrar com os campos oculares frontais (Brodmann 6, 8 e 9). Essa área do cérebro tem numerosas conexões com o tálamo, assim como com os lobos parietal e temporal, onde processa sinais aferentes relacionados à visão e ao som. Através dos seus feixes eferentes para os núcleos de Edinger-Westphal e núcleos oculomotores primários ipsilaterais, os campos oculares frontais são capazes de regular os movimentos oculares rápidos entre pontos de fixação (movimentos sacádicos).

Vascularização do nervo óptico

Existe algum grau de variabilidade no suprimento sanguíneo do nervo óptico, dependendo do segmento do nervo que está sendo discutido. No geral, o nervo óptico é indiretamente suprido pelo ramo oftálmico da artéria carótida interna. À medida que a artéria carótida interna emerge superiormente do seio cavernoso, a artéria oftálmica diverge e viaja ao longo da superfície ventral do nervo óptico dentro do canal óptico. À medida que a artéria emerge no ápice da órbita, esta produz um triplicado de artérias ciliares posteriores, juntamente com a artéria central da retina. Os vasos se deslocam anteriormente na substância do nervo óptico após perfurarem a estrutura a cerca de 10 - 12 mm do globo.

A camada superficial de fibras nervosas da cabeça do nervo óptico é perfundida por ramos da artéria central da retina. O suprimento sanguíneo para a zona pré-laminar origina-se dos vasos peripapilares e coroides, originários das artérias ciliares posteriores. A lâmina crivosa obtém o seu suprimento sanguíneo das artérias ciliares posteriores curtas e, em alguns casos, do círculo de Zinn-Haller. Esta última estrutura vascular é inconsistente, no entanto, pode ser encontrada no espaço subescleral que circunda o nervo óptico na junção neuro-ocular. As tributárias da rede de Zinn-Haller surgem a partir vasos coroides, da rede arterial pial, das artérias perineurais e cerca de 4-8 artérias ciliares posteriores. A rede arterial de Zinn-Haller também fornece ramificações para a parte laminar do disco óptico.

As artérias ciliares posteriores são responsáveis pela vascularização da parte orbitária do NC II através dos vasos piais, que acessam o nervo através dos septos fibrosos. A parte internalizada da artéria central da retina também pode fornecer suprimento arterial para o nervo aqui. O suprimento sanguíneo colateral proveniente do ramo meníngeo médio da artéria carótida externa também pode suprir o NC II intraorbitário junto ao ápice orbitário.

A porção intracanalicular do NC II encontra-se em uma área de bacia hidrográfica suprida pela artéria oftálmica colateral (anteriormente) e derivados piais das artérias hipofisária superior e carótida interna (posteriormente). Dentro da abóbada craniana, o CN II é vascularizado pela porção A1 das artérias cerebral anterior, carótida interna e hipofisária superior. Embora o nervo óptico seja considerado uma extensão diencefálica, os vasos que o vascularizam não possuem uma barreira hematoencefálica.

Os tributários venosos de todas as partes do nervo óptico acabam drenando para a veia central da retina. Em seguida, drena para a veia oftálmica superior ou diretamente para o seio cavernoso.

Nota clínica

Existem vários processos patológicos que podem afetar o nervo óptico. Os principais discutidos aqui estão relacionados com alterações da circulação, pressão intra-ocular ou inflamação do nervo. No entanto, o nervo também é suscetível a um conjunto semelhante de patologias que afetam o cérebro, incluindo tumores como gliomas e meningiomas.

Neuropatia óptica isquémica anterior (NOIA)

A neuropatia óptica isquémica anterior (NOIA) compartilha muitas semelhanças com o fenômeno cerebrovascular referido como acidente vascular cerebral. A patologia ocorre devido à interrupção do fornecimento de sangue ao nervo óptico. Isso pode resultar em um espetro variado de distúrbios que vão da isquemia ao enfarte com necrose.

A gravidade da lesão depende do grau e duração da obstrução vascular. Versões mais leves de NOIA podem ocorrer com a interrupção temporária do fluxo sanguíneo para o nervo óptico, conhecida como perda de visão transitória. Tal como o cérebro, o nervo óptico não se regenera uma vez severamente danificado (enfarte). Portanto, impulsos visuais transmitidos por essa região do nervo óptico serão permanentemente perdidos. Embora distúrbios subjacentes, como vasculite, fenômenos embólicos ou eventos trombóticos possam causar NOIA, a probabilidade de aterosclerose avançada como causa de oclusão vascular não deve ser ignorada.

Os médicos devem ter um alto grau de suspeita com lesões arteriais do olho, pois geralmente indicam que há um risco aumentado de que um evento isquêmico semelhante possa ocorrer em outras partes do corpo (isto é, no coração levando a um enfarte do miocárdio, no cérebro levando a um acidente vascular cerebral, ou nos rins levando a insuficiência renal marcada). No exame fundoscópico, o disco óptico na NOIA aparecerá pálido e as margens parecerão embaçadas (inchadas).

Papiledema

Papiledema refere-se ao inchaço (edema) na cabeça do nervo óptico de ambos os nervos ópticos. Isso pode apresentar-se unilateral ou bilateralmente. No caso de papiledema unilateral, a provável etiologia é um efeito de massa de um tumor primário do nervo óptico. O papiledema bilateral está mais provavelmente relacionado com um aumento da pressão intracraniana.

O aumento da pressão perineural pode comprometer a drenagem venosa do nervo. Posteriormente, o transporte de conteúdo intracelular através do neurônio será interrompido, resultando em inchaço do disco. Clinicamente, esse fenômeno é observado como obscurecimento das margens do disco óptico e o disco parece hiperêmico no exame fundoscópico.

Nervo óptico - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Cadastre-se para ter uma conta gratuita no Kenhub hoje e se junte a mais de 1.167.353 alunos de anatomia de sucesso.

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

Mostrar referências

Referências:

  • Davis, Matthew C. et al."The Naming Of The Cranial Nerves: A Historical Review." Clinical Anatomy, vol 27, no. 1, 2013, pp. 14-19. Wiley-Blackwell, doi:10.1002/ca.22345.
  • Hayreh, Sohan Singh."Structure Of The Optic Nerve." Ischemic Optic Neuropathies, XII, no. 456, 2011, pp. 7-34. Springer Berlin Heidelberg, doi:10.1007/978-3-642-11852-4_2.
  • Kier, E. Leon et al."MR Imaging Of The Temporal Stem: Anatomic Dissection Tractography Of The Uncinate Fasciculus, Inferior Occipitofrontal Fasciculus, And Meyer’S Loop Of The Optic Radiation". American Journal Of Neuroradiology, vol 25, no. 5, 2003, pp. 677-691. AJNR, Accessed 13 Mar 2018.
  • Kiernan, John Alan et al.Barr's The Human Nervous System. 10th ed., Wolters Kluwer / Lippincott Williams & Wilkins, 2014.
  • Kumar, Vinay et al.Robbins and Cotran Pathologic Basis Of Disease. 9th ed., Philadelphia, PA, Elsevier-Saunders, 2014,.
  • Miller, Neil R et al.Walsh & Hoyt's Clinical Neuro-Ophthalmology. 6th ed., Philadelphia, PA, Lippincott Williams & Wilkins, 2005,.
  • Moore, Keith L et al.The Developing Human. 9th ed., Philadelphia, PA, Elsevier-Saunders, 2013,.
  • Sadler, T. W, and Jan Langman.Langman's Medical Embryology. 12th ed., Philadelphia, PA, Lippincott Williams & Wilkins, 2012,.
  • Snell, Richard S. Clinical Neuroanatomy.7th ed., Philadelphia, Lippincott Williams & Wilkins, 2010,.
  • Standring, S., Borley, N. and Gray, H.(2008). Gray's Anatomy. 42nd ed. [Edinburgh]: Churchill Livingstone/Elsevier, pp.1191-1195.
  • Vernet, Marine et al."Frontal Eye Field, Where Art Thou? Anatomy, Function, And Non-Invasive Manipulation Of Frontal Regions Involved In Eye Movements And Associated Cognitive Operations". Frontiers In Integrative Neuroscience, vol 8, no. 66, 2014. Frontiers Media SA, doi:10.3389/fnint.2014.00066. Accessed 14 Mar 2018.

Autor, Revisão, Layout:

  • Lorenzo Crumbie
  • Francesca Salvador
  • Adrian Rad

Tradução para Português, revisão e layout:

  • Rafael Vieira
  • Catarina Chaves

Ilustrações:

  • Nervo óptico - vista lateral-esquerda - Paul Kim
  • Nervo óptico - vista inferior - Paul Kim
  • Nervo óptico - vista axial - National Library of Medicine
  • Nervo óptico - vista superior - Paul Kim
  • Nervo óptico - vista sagital - Paul Kim
  • Nervo óptico - vista anterior - Paul Kim
  • Canal óptico - vista anterior - Paul Kim
  • Canal óptico - vista superior - Yousun Koh
  • Artéria oftálmica - vista lateral-esquerda - Yousun Koh
  • Quiasma óptico - vista axial - Paul Kim
  • Quiasma óptico - vista sagital - Paul Kim 
  • Camada de fibras nervosas da retina - lâmina histológica - Smart In Media
  • Pia máter - vista superior - Paul Kim
  • Aracnóide - vista superior - Paul Kim
  • Dura máter - vista superior - Paul Kim
  • Trato óptico - vista inferior - Paul Kim
  • Corpo geniculado Lateral - vista lateral-esquerda - Paul Kim
  • Radiações ópticas - vista superior - Paul Kim
  • Área 17 de Brodmann - vista axial - Paul Kim
  • Gânglio ciliar - vista lateral-esquerda - Yousun Koh
  • Gânglio ciliar - vista lateral-esquerda - Paul Kim
  • Tálamo - vista lateral-esquerda - Paul Kim
  • Tálamo - vista coronal - Paul Kim
  • Artéria oftálmica - vista lateral-direita - Paul Kim
  • Ramos musculares da artéria oftálmica - vista superior - Yousun Koh
  • Artéria retinal central - vista superior - Paul Kim
  • Veia oftálmica superior - vista lateral-esquerda - Yousun Koh
  • Seio cavernoso - vista lateral-esquerda - Yousun Koh
© Exceto expresso o contrário, todo o conteúdo, incluindo ilustrações, são propriedade exclusiva da Kenhub GmbH, e são protegidas por leis alemãs e internacionais de direitos autorais. Todos os direitos reservados.

Desenhos e imagens relacionados

Continue a sua aprendizagem

Leia mais artigos

Mostre mais 1 artigo

Assista videoaulas

Faça teste

Navegue pelo atlas

Muito bem!

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!