EN | DE | PT Contato Como estudar Entrar Cadastrar

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!

Vista medial do cérebro

Este vídeo tem legendas em Português

Estruturas observadas numa vista medial do cérebro. A imagem mostra um corte sagital médio do cérebro.

Fantástico!
A sua primeira videoaula. Continue para o teste abaixo para solidificar o seu conhecimento.

Destaques

Transcrição

Lembra-se de quando você começou a aprender neuroanatomia e era tão simples com estruturas como o cérebro, o cerebelo, e talvez você até falasse sobre o tronco encefálico. Isso era bom, não era? Mas então alguém decidiu escancarar as estruturas e todo esse conteúdo saiu de lá. Eu concordo com você. É muito para aprender, mas fique comigo ao longo deste tutorial que vamos destrinchar tudo e você sairá daqui pronto para passar com distinção na sua próxima prova de neuro.

Bem-vindo ao nosso tutorial sobre a vista sagital do cérebro.

Então, esta é uma imagem com a qual vamos ficar bastante familiarizados hoje, e para ver essa vista do cérebro, nós pegamos um cérebro inteiro, como esse à direita, que podemos ver agora de uma vista inferior. E a partir daqui, cortamos o cérebro em duas metades iguais pelo plano sagital mediano, e esse plano já é delimitado naturalmente pela fissura longitudinal.

Como eu acabei de mencionar, esta é a imagem na qual vamos focar na maior parte do tutorial, pois vamos identificar todas as peças e componentes que formam o cérebro a partir de uma perspetiva sagital mediana. À medida em que identificamos essas estruturas, vamos seguir uma ordem mais ou menos assim. Primeiramente, vamos ter certeza de que podemos identificar as principais secções do cérebro, e algumas são fáceis de identificar de uma vista lateral mas talvez sejam um pouco menos familiares a partir desta perspetiva. E estes são o encéfalo, o diencéfalo, o tronco encefálico e o cerebelo.

Vamos então dividir cada uma dessas secções para identificar todos o lóbulos, sulcos glândulas,componentes ventriculares, e mais, e isso irá incluir a identificação das áreas de Brodmann que são visíveis a partir de uma vista sagital mediana. Nós também vamos analisar o sistema ventricular do cérebro, incluindo os ventrículos propriamente ditos, seus limites, e os órgãos periventriculares. E, finalmente, vamos discutir um caso clínico relevante de acordo com o que aprendemos nas nossas notas clínicas.

Primeiramente, vamos fazer uma rápida revisão das principais regiões do cérebro. Então, destacado em verde na nossa tela está a maior parte do cérebro, que é uma parte do encéfalo, especificamente o hemisfério direito. O cérebro é composto pelos hemisférios direito e esquerdo, que são separados pela fissura longitudinal e, dentro do hemisfério cerebral direito, podemos identificar vários lobos, lóbulos, sulcos, e giros que estão presentes em ambos os hemisférios. Então lembre-se, tudo o que vemos nesta imagem do hemisfério direito também vai estar presente no hemisfério esquerdo.

Então meio que escondido pelo cérebro está o diencéfalo, e o diencéfalo é composto por várias estruturas, incluindo o tálamo e o hipotálamo - vamos falar sobre ambos posteriormente neste tutorial. E o diencéfalo é também onde vamos encontrar duas glândulas endócrinas, a estrutura que conecta os tálamos direito e esquerdo, entre outros. Imediatamente inferior ao diencéfalo está o tronco encefálico, e o tronco encefálico é composto pelo mesencéfalo, pela ponte e pelo bulbo. Posteriormente ao tronco encefálico encontramos a nossa última região do encéfalo - o cerebelo.

Ok, então agora que estamos familiarizados com as principais regiões do encéfalo, vamos dividi-las em partes menores, e vamos começar com o cérebro.

O cérebro é dividido em seis lobos, cinco dos quais podemos ver neste corte sagital mediano. O primeiro é o lobo frontal, que compõe a maior parte do hemisfério cerebral. É separado do lobo parietal pelo sulco central e contém o córtex motor primário que controla os movimentos voluntários. Posteriormente ao lobo frontal está o lobo parietal, e esse lobo contém o córtex sensitivo primário e também faz parte da rede de processamento de linguagem dos nossos cérebros.

Na região mais posterior do cérebro é onde encontramos o lobo occipital, e o lobo occipital contém o córtex visual primário. Na região inferior do córtex cerebral é onde encontramos o lobo temporal nesta perspetiva e, já que o estamos olhando de uma vista mediana, observe que muito dele encontra-se ocluído pelo tronco encefálico. Nesta imagem, podemos ver mais do lobo temporal, que contém o córtex auditivo e a capacidade de compreender a linguagem.

O último lobo que vamos ver a partir deste ângulo é o lobo límbico, agora destacado em verde, e o lobo límbico está envolvido em várias funções, tais como a modulação de emoções, o aprendizado e a memória. O sexto lobo é chamado de ínsula, é encontrado profundamente à fissura lateral e repousa entre os lobos frontal e temporal. Como não podemos vê-la de uma vista sagital mediana do cérebro, não vamos abordá-la nesse tutorial.

Então, uma outra maneira de organizar o cérebro é através deste mapa, que mostra o que chamamos de áreas de Brodmann, e essas áreas do córtex cerebral são definidas pela sua citoarquitetura ao invés de por lobos, giros e sulcos. A citoarquitetura examina a estrutura histológica e a organização celular, e veremos quais áreas de Brodmann correspondem às várias estruturas que identificamos quando examinamos as características do córtex cerebral.

Então, vamos voltar ao lobo frontal e identificar algumas das suas partes específicas. Então, vamos começar com a porção mais anterior do lobo frontal e, nesse lobo, podemos ver destacado em verde, o giro frontal médio. Como eu mencionei, essa estrutura é parte do lobo frontal do cérebro e é uma continuação do giro frontal superior, que é visto na superfície medial do lobo frontal, é parte do córtex pré-frontal e é responsável pela concentração nas tarefas. O giro frontal médio contém partes de quatro diferentes áreas de Brodmann. Na região posterior do giro frontal médio está a área de Brodmann seis, e a área seis é o córtex pré-motor e o córtex motor suplementar.

Movendo-se anteriormente, nos deparamos com a área oito, que faz parte do córtex motor de associação. A área nove está aqui e é o córtex pré-frontal dorsolateral / anterior e, finalmente, a área trinta e dois fica abaixo dele como o córtex cingulado anterior dorsal. Podemos ver cada uma dessas áreas de Brodmann contribuindo para o giro frontal médio, mostrando que este giro contém quatro áreas citoarquitetônicas distintas. Delimitando a borda posterior do giro frontal médio está o sulco paracentral e, nesse ponto, ainda estamos no lobo frontal, mas nos aproximando do lobo parietal.

A próxima estrutura que veremos é encontrada imediatamente posterior ao giro frontal médio e é chamada de lóbulo paracentral. O lóbulo paracentral é a convolução na superfície hemisférica medial que conecta as porções mediais do giro pré-central e do giro pós-central. Como esse lóbulo fica imediatamente posterior ao giro frontal médio, seu limite anterior é o sulco que acabamos de identificar - o sulco paracentral.

Então este lóbulo que vamos olhar agora contém cinco áreas de Brodmann distintas. Isso parece muito para uma área tão pequena, certo? Mas essas áreas de Brodmann continuarão lateralmente até partes do córtex que não podemos ver dessa perspetiva. E a área que compõe a maior parte do lóbulo paracentral é a área quatro - e essa área é o córtex motor primário. Posteriormente, há três áreas - área três, área um e área dois - e essas três áreas são o córtex somatossensorial primário.

Imediatamente inferior a elas está a área cinco, que é o córtex de associação somatossensorial e, nesse caso, essas áreas de Brodmann encaixam-se perfeitamente na forma dos lóbulos. Posteriormente, o lóbulo paracentral é limitado pelo sulco que podemos ver destacado agora, e este é o sulco marginal. Então você pode me dizer em qual lóbulo você acha que estamos agora? Então, agora nos movemos posteriormente o suficiente para estar no lobo parietal, mas você sabe onde a mudança aconteceu?

Então, os lobos frontais e parietais são divididos por esse sulco chamado sulco central, e a partir desse corte sagital ou vista medial do cérebro, não parece realmente uma estrutura grande o suficiente para dividir esses dois grandes lobos, mas a partir desta vista lateral do cérebro, podemos ver este grande sulco entre o lobo frontal aqui e o lobo parietal aqui. Então, se voltarmos rapidamente para o lóbulo paracentral destacado novamente aqui em verde, você consegue identificar o sulco central? Isso mesmo, está dentro do lóbulo paracentral aqui. O lóbulo paracentral circunda a extremidade medial do sulco central e, por isso, faz parte do córtex motor primário e do córtex somatossensorial primário, controlando tanto a inervação motora quanto a sensitiva da extremidade inferior contralateral.

Em seguida, movendo-se mais posteriormente ainda, está o pré-cúneus. Podemos encontrar essa estrutura, imediatamente posterior ao lóbulo paracentral, e o pré-cúneus é parte do lobo parietal e está localizado posterior ao sulco marginal. E essa estrutura ainda está dentro do lobo parietal, no entanto, é a parte mais posterior desse lobo. Dentro do pré-cúneus, encontramos principalmente partes de duas áreas de Brodmann - áreas sete e trinta e um - e, neste caso particularmente, a área trinta e um se estende além dos limites do pré-cúneus. A área sete é o córtex de associação somatossensorial, enquanto a área trinta e um é o córtex cingulado dorsal posterior.

Em seguida, falaremos sobre o sulco parieto-occipital, que marca o limite posterior do pré-cúneus. Como o nome sugere, ele marca a divisão entre o lobo parietal e o lobo occipital. Portanto, como essa próxima estrutura se encontra posterior ao sulco parieto-occipital, ela deve fazer parte do lobo occipital, e essa estrutura é conhecida como cúneus.

O cúneus também é limitado pelo sulco calcarino, que você pode ver aqui. O cúneus, sendo parte do lobo occipital, está envolvido nas vias visuais, e veremos que suas áreas de Brodmann são aqueles córtices visuais. O cúneus contém parte das áreas dezessete, dezoito e dezanove. A área dezessete, a mais inferior, é o córtex visual primário; e movendo-se superiormente, a área dezoito é o córtex visual secundário; finalmente, a área dezanove é o córtex de associação visual.

Dentro da linha desenhada dos limites do cúneus, podemos ver que ele contém apenas parte da área dezessete - o córtex visual primário, mas está completamente preenchido por vários outros córtices visuais. Para destacar novamente, o sulco calcarino está localizado aqui no lobo occipital abaixo do cúneus, e ele se encontra com o sulco parieto-occipital em um ângulo agudo anteriormente.

Movendo-se anteriormente, podemos ver um longo sulco correndo abaixo do lobo frontal, e este é o sulco do cíngulo. Posteriormente, esse sulco é contínuo com um sulco que identificamos anteriormente - você se lembra de como é chamado? O sulco marginal.

A próxima estrutura que vamos destacar é chamada de giro do cíngulo, e essa é outra parte importante do córtex cerebral que é visualizada de uma vista medial dos hemisférios cerebrais. O giro do cíngulo localiza-se entre o sulco do cíngulo e o sulco do corpo caloso, e o giro do cíngulo faz parte do sistema límbico, localiza-se no lobo límbico e está envolvido em muitas funções cognitivas superiores, incluindo memória e resposta emocional.

Como esse giro do cíngulo é uma estrutura tão ampla, como você pode imaginar, há muitas áreas de Brodmann dentro dele, e vamos olhar para seis delas nesta imagem agora. Então, começando anteriormente e voltando para trás, primeiro temos a área vinte e cinco, que faz parte do córtex infralímbico. Em seguida, podemos ver as áreas vinte e quatro e trinta e três, presas abaixo dela, e aqui, podemos ver a vinte e três e a trinta, que são todas parte do córtex do cíngulo anterior e, finalmente, caudalmente está a área vinte e nove, que faz parte do córtex do cíngulo posterior. E várias dessas áreas se estendem com o giro do cíngulo, novamente não aderindo aos limites dos sulcos que são rotulados com base em sua citoarquitetura.

E antes de prosseguirmos, apenas observe que não falamos de todas as áreas de Brodmann aqui - apenas as que podemos ver de uma vista sagital mediana do cérebro.

Logo abaixo do giro do cíngulo, podemos ver o sulco do corpo caloso, que leva o nome da maior comissura do cérebro que se encontra logo abaixo dele - o corpo caloso. Então, vamos dar uma olhada nesta grande comissura - o corpo caloso.

Então, essa estrutura está localizada na base da fissura longitudinal do cérebro, que você também pode ver aqui nesta imagem. Então, nesta imagem à direita, dois cortes foram feitos - um corte transversal e um corte coronal - e parte do corpo caloso foi removido, mas ainda é possível ver sua porção anterior exposta e destacada. A fissura longitudinal está aqui, e você pode ver se continuarmos nos movendo inferiormente, eventualmente encontraremos o corpo caloso. Portanto, para obter essa visão sagital, nós na verdade cortamos diretamente pelo corpo caloso.

Então, o corpo caloso é a maior comissura do cérebro, contendo enormes fibras transversais que conectam os hemisférios cerebrais esquerdo e direito, e você pode ver perfeitamente nesta imagem como o corpo caloso está conectando os hemisférios cerebrais direito e esquerdo.

Como mencionei há pouco, o corpo caloso é a maior comissura do cérebro, mas há mais quatro comissuras que são visíveis nesse corte sagital do cérebro. E aqui você pode ver uma dessas comissuras, que é chamada de comissura anterior. A comissura anterior também conecta os hemisférios cerebrais esquerdo e direito, e conecta especificamente as partes inferiores do lobo temporal e as áreas olfatórias anteriores de ambos os lados.

Outra banda de fibras nervosas que cruza a linha média é a comissura posterior, que podemos ver mais posteriormente, agora destacada em verde. Então, a comissura posterior ainda é um pouco misteriosa em humanos. Nós não sabemos muito sobre ela, mas tem alguns pequenos núcleos associados e contém fibras de várias outras estruturas, como dos colículos superiores. E não se preocupe, eu lhe direi o que são os colículos superiores daqui a pouco.

A terceira das quatro comissuras adicionais que podemos ver neste plano é a comissura habenular. Então, esta comissura conecta os núcleos habenulares de ambos os lados do diencéfalo, e esses núcleos recebem fibras de partes do sistema límbico, da amígdala e do hipocampo, mas sua função exata ainda é desconhecida.

A última comissura que podemos ver desse corte sagital mediano do cérebro é chamada de fórnix. E essa estrutura é composta por um feixe arqueado de fibras nervosas que passam em ambas as direções e conectam o hipocampo com os corpos mamilares, bem como como alguns outros núcleos, e o fórnix é o principal sistema eferente do hipocampo.

Ok, então, uau, nós realmente falamos sobre muitos assuntos, não é mesmo?

Até agora, identificamos as estruturas dos hemisférios cerebrais que são vistas no corte sagital mediano do cérebro, bem como as cinco comissuras principais visíveis nesse plano. Algumas dessas comissuras faziam parte do diencéfalo, então o que você acha de terminarmos com algumas outras estruturas nessa mesma área?

Certo, então, uma das partes principais do diencéfalo é o tálamo, direito e o esquerdo. Então, podemos vê-los destacados nesta imagem do cérebro de uma vista superior e, nesta imagem, fizemos um corte coronal e um transversal para revelar as estruturas internas do cérebro. A partir desta visão sagital mediana, podemos ver parte do tálamo direito que compõe a parede lateral de um espaço chamado terceiro ventrículo, e se voltarmos a olhar para a primeira imagem, podemos ver que existe um espaço entre os dois tálamos e se fizermos o corte sagital bem no meio do cérebro, estaremos perdendo completamente o tálamo. Então essa parede do ventrículo que podemos ver é na realidade mais lateral do que o corte sagital que fizemos.

Então, a área que podemos ver em destaque, entretanto, está preenchendo o espaço sobre o tálamo, e nós vamos falar sobre este espaço - o terceiro ventrículo - novamente mais tarde, quando falarmos sobre o sistema ventricular.

Outro componente principal do diencéfalo é o hipotálamo. Como o próprio nome sugere, esta área está sob o tálamo e consiste em vários núcleos que controlam uma ampla variedade de processos fisiológicos, tais como a termorregulação, a osmorregulação e muito mais. Semelhante ao tálamo, o hipotálamo está na verdade localizado lateralmente à linha média onde fizemos um corte, também contribuindo para a parede do terceiro ventrículo.

Ok, vamos falar um pouco sobre os corpos mamilares. Então, há um corpo mamilar em cada lado do cérebro. Então, aqui estamos olhando para o corpo mamilar direito, e essas elevações arredondadas encontram-se no assoalho do diencéfalo e fazem parte do sistema límbico.

Então, você se lembra de qual estrutura se liga ao corpo mamilar trazendo fibras do hipocampo? Sim, você está certo! É o fórnix. Mas o fórnix não parece que se une, não é? Nesta nova imagem, muito do cérebro foi removido e ficamos com poucas estruturas que compõem a região mais central do cérebro. Isto é uma parte do corpo caloso. Os corpos mamilares estão destacados em verde e podemos ver uma estrutura diretamente ligada a eles agora. Este é o fórnix. Você pode ver como cada fórnix se desvia da linha média anteriormente antes de se unir novamente nos corpos mamilares? Esta é a parte que nós não podemos ver no nosso corte sagital mediano do cérebro. E do ponto de vista funcional, os corpos mamilares, com sua conexão com o sistema límbico, estão relacionados à formação de memória.

Em seguida há outra estrutura pequena mas muito importante - a glândula pituitária - que agora podemos ver destacada em verde. A glândula pituitária é também conhecida como hipófise e é uma glândula endócrina que se projeta para fora do assoalho do hipotálamo na base do cérebro. A glândula pituitária repousa na fossa hipofisária da sela túrcica, que podemos ver nesta imagem à direita. E como é perfeito este local. O pequeno corpo em forma de ervilha da glândula pituitária é composto por um lobo anterior - adenohipófise - e também um lobo posterior - a neuro-hipófise.

A função da glândula pituitária, sendo uma glândula endócrina, é síntese, armazenamento e secreção de hormônios e o controle do hipotálamo, e alguns hormônios secretados por ela estão envolvidos no controle de algumas atividades do corpo, como pressão sanguínea, metabolismo, crescimento e muito mais.

Outra estrutura nessa parte do cérebro que também pode ser vista nesse corte sagital mediano é o quiasma óptico. O quiasma óptico é um corpo achatado de forma quadrangular anterior à glândula pituitária, onde alguns dos axônios do nervo óptico se cruzam para o lado oposto. Especificamente, os axônios da retina nasal cruzam para o lado oposto, enquanto os axônios da retina temporal passam diretamente para a região caudal, sem cruzar. E aqui podemos ver o quiasma óptico nesta ilustração da base do cérebro, e a glândula pituitária é a pequena estrutura bulbosa aqui na linha média. E aqui é onde a parte nasal dos axônios ópticos decussam ou cruzam.

Então, agora vamos passar para a parte posterior do diencéfalo e falar sobre outra glândula que você pode ver nesta vista, e ela é chamada de glândula pineal, que também é uma glândula endócrina, às vezes referida como o corpo pineal ou a epífise. A glândula pineal é suspensa pela habenula. E lembra-se dessa estrutura aqui? É a nossa comissura habenular.

Desta visão superior, lembre-se de que cortamos grande parte do cérebro, podemos ver essa única glândula pineal na linha média. Esta pequena mas importante estrutura libera um hormônio conhecido como melatonina, que é um derivado da serotonina e desempenha um papel na regulação do ritmo circadiano.

Ok, então, a última estrutura que vamos identificar no diencéfalo por enquanto é esta pequena estrutura destacada em verde, e esta é a aderência intertalâmica. A aderência intertalâmica é composta por células nervosas e fibras nervosas e, como o nome sugere, conecta os tálamos esquerdo e direito em suas superfícies mediais.

Ok, então, vamos para a nossa terceira secção principal do cérebro - o tronco cerebral. Então, antes de entrarmos nos detalhes, vamos começar apenas com as três partes principais do tronco cerebral. Então primeiro, superiormente, vemos o mesencéfalo; um pouco mais abaixo, você encontra a ponte; e finalmente, na extremidade inferior, está o bulbo.

Vamos dar uma olhada mais de perto em alguns elementos específicos do mesencéfalo que podemos ver a partir de uma visão sagital mediana, e primeiramente temos a porção ventral do mesencéfalo agora destacada em verde, e este é o tegmento do mesencéfalo. O tegmento do mesencéfalo contém diferentes estruturas, tais como o núcleo rubro, a substância negra, e os pedúnculos cerebrais. Adicionalmente, no tegmento do mesencéfalo, podemos encontrar os núcleos do nervo oculomotor e do nervo troclear.

A seguir temos a porção dorsal do mesencéfalo que é chamada de lâmina quadrigêmea. Também chamada de tecto ou teto mesencefálico, essa parte dorsal do mesencéfalo é responsável pelos reflexos auditivos e visuais. Fazendo parte da placa quadrigêmea há várias estruturas diferentes, e a mais superior é uma projeção arredondada chamada de colículo superior.

Então, a partir dessa visão posterior do tronco encefálico, podemos ver que o colículo superior é uma estrutura pareada, havendo um de cada lado da linha média. Juntos, eles circundam a parte inferior do corpo pineal, que podemos ver aqui na linha média, e os dois colículos superiores estão conectados com a via óptica e estão envolvidos no direcionamento do movimento ocular.

Imediatamente inferior ao colículo superior estão - como tenho certeza que você adivinhou - os colículos inferiores, e tal como os superiores, eles também são uma estrutura pareada. Os dois colículos inferiores também são elevações da lâmina quadrigêmea, mas são conectados à via auditiva.

Ok, descendo pelo tronco cerebral, agora nos deparamos com a ponte. Então, essa é a parte do tronco encefálico localizada na frente do cerebelo, e a ponte abriga os núcleos dos nervos cranianos cinco, seis, sete e oito.

Por último, mas não menos importante, a parte mais inferior do tronco cerebral está destacada agora. Esse é o bulbo. O bulbo se delimita da margem inferior da ponte na junção pontomedular até as fibras da raiz do nervo espinhal C1, e o bulbo processa funções autonômicas, como respiração, frequência cardíaca e pressão sanguínea. Adicionalmente, ele contém os núcleos dos nervos cranianos nove a doze.

E, finalmente, uma última seção principal para falar – o cerebelo. O cerebelo está atrás do tronco encefálico, mais especificamente atrás desta parte aqui, a ponte. E nessa ilustração podemos ver que o cerebelo está localizado logo abaixo do lobo occipital do cérebro. O nome cerebelo vem da palavra latina que significa "pequeno cérebro" e desempenha um papel importante no controlo motor.

A última seção deste tutorial se estenderá por algumas regiões do cérebro examinando os componentes do sistema ventricular, e isso também deve nos ajudar a rever algumas das estruturas que vimos hoje.

O sistema ventricular é um conjunto de quatro cavidades interconectadas ou ventrículos no cérebro onde o líquido cefalorraquidiano é produzido. Nesse corte sagital do cérebro, abrimos o cérebro através do terceiro ventrículo, e esse ventrículo é um espaço único não pareado situado entre os tálamos direito e esquerdo. E apenas observe que pulamos os dois primeiros ventrículos do cérebro - os ventrículos laterais -, já que não podemos vê-los dessa perspetiva.

Suspensa das paredes do terceiro ventrículo está uma estrutura chamada de plexo coroide, e esta é uma das estruturas do cérebro onde o líquido cefalorraquidiano é produzido. E existem quatro plexos coroides, um em cada ventrículo do cérebro. E além da produção de líquor, o plexo coroide também atua como um sistema de filtração.

Inferiormente ao terceiro ventrículo está este canal fino chamado de aqueduto cerebral, também conhecido como o aqueduto mesencefálico ou aqueduto de Sylvius. E você consegue identificar em qual parte do cérebro esta estrutura está localizada? Sim, está localizada no mesencéfalo. Nesse corte sagital mediano, o aqueduto cerebral pode ser usado como um marco para separar o mesencéfalo em tegmento mesencefálico ventral e lâmina quadrigêmea dorsal. Como parte do sistema ventricular, é um canal que liga o terceiro ventrículo e o quarto ventrículo do cérebro e, portanto, é claro, está cheio de líquido cefalorraquidiano (LCR).

Inferiormente, o terceiro ventrículo é contínuo com a estrutura destacada agora através do aqueduto cerebral e este é o quarto ventrículo. O quarto ventrículo também contém LCR e se estende do aqueduto cerebral ao óbex. O óbex é o ponto mais caudal do quarto ventrículo e é o ponto em que esse ventrículo se estreita para se tornar o canal central da medula espinhal.

Ok, agora que identificamos os principais grandes espaços ventriculares vistos no corte sagital mediano, examinaremos mais detalhadamente características específicas das suas paredes e os limites desses espaços. Então vamos voltar ao terceiro ventrículo, olhando especificamente para a sua região anterior. Então, destacado agora em verde é o recesso supra-óptico, também conhecido como o recesso óptico. Como você pode ver nesta ilustração, este pequeno recesso angular está localizado acima do quiasma óptico, e é por isso que ele recebe o nome supra-óptico.

Agora, nesta imagem, podemos ver um outro recesso do terceiro ventrículo destacado em verde - o recesso infundibular. E como o próprio nome sugere, está localizado no infundíbulo do terceiro ventrículo. Como você pode ver um pouco mais claramente aqui nesta ilustração, o recesso infundibular está localizado caudalmente ao recesso supra-óptico e forma a eminência mediana na qual a haste da glândula pituitária está anexada.

Em seguida é a estrutura destacada agora chamada de lâmina terminal, e a lâmina terminal é uma parede fina que forma a borda anterior do terceiro ventrículo do cérebro e está conectada em sua extremidade superior com o rostro do corpo caloso. Inferiormente, podemos ver sua relação com esse recesso aqui que, se você se lembra, é o recesso supra-óptico.

A próxima estrutura que vamos olhar está localizada entre o corpo caloso e o fórnix, e este é o septo pelúcido. É uma fina placa triangular de duas camadas que separa os cornos anteriores dos ventrículos laterais direito e esquerdo do cérebro um do outro.

Voltando agora para o quarto ventrículo, podemos ver essa estrutura em sua região superior destacada em verde chamada de véu medular superior. O véu medular superior é uma fina camada de tecido que compõe a borda superior do quarto ventrículo e, nessa imagem à direita, estamos olhando para o cerebelo a partir de uma vista anterior. Podemos ver o véu medular superior atravessando a linha média, formando a borda superior do quarto ventrículo.

E como tenho certeza que você provavelmente já adivinhou, a borda inferior do quarto ventrículo é chamada de véu medular inferior e podemos vê-la agora destacada em verde. Novamente olhando para a visão anterior do cerebelo, podemos ver o véu medular inferior atravessando a linha média para formar essa borda inferior.

Dentro do sistema ventricular, em certos pontos das paredes, existem células especializadas que formam estruturas chamadas de órgãos circunventriculares. De modo geral, essas áreas são caracterizadas pela ausência da barreira hematoencefálica, de modo que fornecem um local para que hormônios específicos produzidos pelo cérebro entrem na circulação, e também atuam como órgãos sensoriais, detetando os níveis de várias substâncias no cérebro para desencadear mudanças na função cerebral.

Então, o primeiro órgão circunventricular que veremos é encontrado no assoalho do quarto ventrículo, é chamado de área postrema e é uma importante área quimiorrecetora que deteta substâncias no sangue que levarão ao vômito.

Subindo para o terceiro ventrículo, um outro órgão circunventricular está destacado agora. Então, você lembra da estrutura presente aqui que parece estar associada a ele? Sim, esta é a lâmina terminal. Então, esse órgão é chamado de órgão vascular da lâmina terminal. Bem fácil, certo? E esse órgão está envolvido na regulação do equilíbrio eletrolítico.

Na região posterior do terceiro ventrículo, pouco antes do aqueduto cerebral, encontramos o órgão subcomissural. Como o próprio nome sugere, está localizado abaixo desta estrutura aqui - a comissura posterior. E o órgão subcomissural secreta proteínas que estão envolvidas em vários aspectos da neurogênese.

O último órgão circunventricular que veremos está destacado agora, e este é o órgão subfornical, e seu nome nos dá uma pista sobre a estrutura sob a qual se localiza. Sim, é o fórnix. E isso está próximo ao forame interventricular que conecta os ventrículos laterais ao terceiro ventrículo. O órgão subfornical está envolvido na regulação do volume de líquido e da sede.

Ok, então terminamos tudo o que queríamos ver nesta porção sagital mediana do cérebro, e agora que sabemos como é o cérebro a partir dessa perspetiva, você pode identificar o que está incomum nesta imagem? Qual é o componente anormal? Isso mesmo. É essa estrutura aqui localizada dentro do terceiro ventrículo. Isso é um cisto colóide. Cistos colóides são sacos cheios de líquido que se formam dentro dos ventrículos do cérebro. O perigo deste cisto em particular é que ele está bloqueando o fluxo de LCR dos ventrículos laterais para o terceiro ventrículo, e esse crescimento ventricular resultante é benigno, mas podem causar cefaleia e perda de memória.

Esses cistos geralmente são diagnosticados através de exames de imagem do encéfalo, como tomografia computadorizada ou ressonância magnética, e para tratar cistos sintomáticos, muitos podem ser removidos através de cirurgia endoscópica ou, em alguns casos, shunts ventriculares podem ser necessários para permitir que o líquor passe através do bloqueio. E agora você é realmente um especialista na visão sagital mediana do cérebro.

Antes de deixar você ir, vamos fazer uma rápida revisão do que vimos hoje.

Então, começamos olhando para o encéfalo e seus componentes macroscópicos específicos, os giros e os sulcos. Nós também relacionamos alguns destes giros às áreas de Brodmann que são classificadas com base em sua estrutura citoarquitetural. Começando anteriormente, nós identificamos o giro frontal médio como este grande giro aqui, e este giro contém partes das áreas de Brodmann seis, oito, nove e trinta e dois. Posteriormente, é delimitado pelo sulco paracentral, e posterior a ele está o lóbulo paracentral, que conecta os giros pré-central e pós-central, e esse pequeno lóbulo contém as áreas quatro, três, um, dois e cinco de Brodmann.

Marcando o limite posterior do lóbulo paracentral está este sulco aqui - o sulco marginal - e dentro do lóbulo paracentral se encontra outro sulco chamado de sulco central. Este é o marcador de onde termina o lobo frontal anterior e onde começa o lobo parietal mais posteriormente. Dentro do lobo parietal agora está o pré-cúneus, que contém partes das áreas de Brodmann sete e trinta e um.

Marcando o limite posterior do pré-cúneus, assim como a transição do lobo parietal para o lobo occipital, está o sulco parietooccipital, e dentro do lobo occipital é onde encontramos o cúneus. Contendo partes das áreas de Brodmann dezessete, dezoito e dezenove, o cúneus compõe parte do córtex visual.

Por fim, no lobo occipital, vemos essa delimitação aqui que é chamada de sulco calcarino, e correndo abaixo do lobo frontal e contínuo com o sulco marginal está o sulco do cingulado. Sob o sulco do cingulado encontra-se este grande giro aqui - o giro do cingulado - e este giro faz parte do lobo límbico e contém partes das áreas de Brodmann vinte e cinco, vinte e três, vinte e quatro, trinta, trinta e três e vinte e nove.

Entre o giro cingulado e o corpo caloso é onde encontramos o sulco do corpo caloso, e aqui está a grande comissura propriamente dita - o corpo caloso - que conecta os hemisférios cerebrais direito e esquerdo.

A seguir, olhamos quatro outras comissuras que podemos ver nesta vista sagital mediana. Primeiramente, vimos a comissura anterior conectando partes dos lobos temporais direito e esquerdo um com o outro. Posteriormente, olhamos para a comissura posterior, que ainda é um mistério para nós. A terceira comissura que vimos foi a comissura habenular conectando os núcleos habenulares ao diencéfalo e, finalmente, vimos o fórceps que conecta o hipocampo aos corpos mamilares.

Em seguida, nos mudamos para o diencéfalo para terminar de identificar as suas estruturas, e primeiro vimos dois dos principais componentes do diencéfalo, com os quais muitas dessas outras estruturas estão relacionadas. O tálamo forma a parede lateral do terceiro ventrículo nesta área, e o hipotálamo também contribui para formar a parede lateral do terceiro ventrículo sob o tálamo.

Nós então vimos os corpos mamilares, essas elevações arredondadas se localizam no assoalho do diencéfalo, e fazem parte do sistema límbico; e uma das glândulas endócrinas que vimos está destacada agora - a glândula pituitária. Superiormente à glândula pituitária está o quiasma óptico, o ponto onde algumas fibras nervosas ópticas atravessam para o outro lado do encéfalo e, posteriormente, vimos uma outra glândula, a glândula pineal, que nos ajuda a regular o padrão de sono. E a última estrutura do diencéfalo que nós vimos foi a adesão intertalâmica, que conecta os tálamos direito e esquerdo.

Nós então seguimos para uma outra seção importante do encéfalo, o tronco encefálico, e começamos na extremidade superior com o mesencéfalo; e a porção anterior do mesencéfalo é o tegmento do mesencéfalo, e a porção posterior é a lâmina quadrigêmea. Dentro da lâmina quadrigêmea está esta elevação superior, o colículo superior, e inferiormente a ele está o colículo inferior. As duas partes restantes do tronco encefálico são esta porção arredondada aqui, a ponte, e mais inferiormente, o bulbo. Finalmente, a última porção principal do encéfalo que nós identificamos foi o cerebelo, que está destacado agora.

O último segmento que analisamos nesta vista sagital mediana do encéfalo foi o sistema ventricular e, primeiramente, vimos o terceiro ventrículo no centro do cérebro; e dentro do terceiro ventrículo achamos o plexo coroide do terceiro ventrículo, que produz líquido cefalorraquidiano. Inferiormente, o LCR do terceiro ventrículo é drenado através do aqueduto cerebral, que conecta o terceiro ventrículo a esta região aqui, o quarto ventrículo.

Dentro dos ventrículo, identificamos vários limites e recessos, incluindo esse recesso supra-óptico superior para o quiasmo óptico. Caudalmente ao quiasma óptico está o recesso infundibular, no infundíbulo do terceiro ventrículo. E compondo a borda anterior do terceiro ventrículo está a lâmina terminal, e superiormente achamos o septo pelúcido, que separa os cornos anteriores dos ventrículos laterais.

Inferiormente, delimitando o quarto ventrículo anteriormente ao cerebelo, identificamos alguns outros limites, e esse é o véu medular superior formando o limite superior do quarto ventrículo e, aqui, podemos ver o véu medular inferior, que forma o limite inferior do quarto ventrículo.

Finalmente, vimos algumas estruturas dentro das paredes ventriculares, chamadas de órgãos circunventriculares. Primeiro, vimos a área postrema no assoalho do quarto ventrículo, e depois vimos o órgão vascular da lâmina terminal, que está envolvido na regulação do equilíbrio hídrico. Inferiormente à comissura posterior está o órgão subcomissural e, finalmente, identificamos o órgão subfornical sob o fórnix.

Por último, demos uma olhada rápida em cistos coloides do terceiro ventrículo, incluindo sintomas, diagnóstico, e opções de tratamento.

E isso nos leva ao final do tutorial sobre o corte sagital mediano do cérebro. Espero que tenha gostado. Obrigada por se juntar a mim. Bons estudos!

Continue a sua aprendizagem

Faça teste

Leia artigos

Mostre mais 1 artigo

Navegue pelo atlas

Muito bem!

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!