EN | DE | PT Contato Como estudar Entrar Cadastrar

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!

Introdução do cérebro

Este vídeo tem legendas em Português

Anatomia básica e funções do cérebro.

Fantástico!
A sua primeira videoaula. Continue para o teste abaixo para solidificar o seu conhecimento.

Destaques

Transcrição

Você pode nem perceber, mas enquanto você está usando o seu computador para estudar, o seu computador está trocando e processando informações usando um código binário constituído em números um e zero. Por exemplo, quando você digita crânio na barra de pesquisa do Kenhub, o seu computador usa esta linguagem criptográfica para receber informações do website. Isto permite que você leia artigos, assista a videoaulas, estude ilustrações e teste os seus conhecimentos.

O seu cérebro funciona de forma semelhante a um computador, já que em seu nível mais básico ele usa um tipo de código binário. Ou ele envia um potencial de ação ao longo de um nervo, ou não. E isto é o que nos torna capazes de completar as funções de cada dia, como digerir a sua comida, contrair os seus músculos, e permitir a visão. Sim, nossos cérebros são definitivamente um mega supercomputador, e nós poderíamos passar dias ou mesmo anos falando sobre todas as suas capacidades. Mas hoje nós vamos começar com o básico e ver uma introdução sobre o cérebro.

Antes de mergulhar nos detalhes, vamos tirar um minuto para introduzir o que nós vamos aprender hoje. Nós vamos começar com uma visão geral do cérebro e ver como ele se encaixa com o restante do corpo. Especificamente vamos examinar a relação entre o sistema nervoso central, ou SNC, e o sistema nervoso periférico. Isto vai nos dar uma boa ideia sobre como o cérebro age como o computador que nós vimos no início.

Em seguida os diferentes componentes funcionais do cérebro serão examinados, começando com as três partes do tronco encefálico que controlam as funções inferiores mais básicas do corpo, como a respiração e a frequência cardíaca. Em seguida nós vamos investigar o cerebelo e veremos como ele o ajuda com seus movimentos motores finos e suaves, como o que você utilizaria em um laboratório de dissecção, e em seguida nós vamos ascender tanto em posição como em função para ver as diferentes partes do diencéfalo. Esta parte do cérebro faz várias coisas, incluindo agir como um mediador para o sistema nervoso ao receber e processar informações, e em seguida enviá-las para onde elas devem ir.

Por fim nós vamos chegar à grande massa enovelada que constitui o cérebro, ou o telencéfalo, e, como nós veremos, é aqui que as funções mais avançadas acontecem, como o pensamento crítico e movimentos musculares voluntários. Nós veremos ainda como o cérebro se organiza em dois hemisférios, que são formados de vários lobos, que possuem sua própria função única, mas falaremos melhor sobre isso mais tarde. Finalmente nós vamos colocar o nosso jaleco branco e olhar para o que aprendemos de uma perspectiva clínica.

Então antes de entrar nos minuciosos detalhes, vamos ver onde o cérebro se encaixa como uma parte integral do sistema nervoso.

Então se você já esteve navegando pelo nosso site, talvez você já esteja familiar com as estimulantes entradas e saídas do sistema nervoso, e nesse caso você já sabe que o cérebro, juntamente com a medula espinhal, pertence à parte do sistema nervoso conhecida como sistema nervoso central. É aqui que você encontra componentes que são essenciais para o funcionamento do corpo humano, muitos dos quais serão cobertos nesta videoaula.

Fora do SNC, como nos membros, é onde você encontra o sistema nervoso periférico, que comunica continuamente com o SNC. Agora, o SNC, especialmente o cérebro, age como um maestro conforme ele controla a orquestra de sinais que regulam as secreções, movimentos e excreções por todo o corpo. Estes sinais são enviados através de nervos motores eferentes, da mesma forma que o computador do início da videoaula usou a sua linguagem binária para enviar comandos através da rede.

O cérebro não usa o sistema nervoso periférico só para enviar mensagens, mas também para as receber. Por exemplo, os nervos periféricos sensitivos dos seus pés, olhos e pele informam ao seu cérebro que a areia é macia, o sol é brilhante e que entrar no oceano em um dia bonito e quente é refrescante. Nós chamamos os nervos que levam estes sinais de aferentes, ou nervos sensitivos.

Isto, é claro, é só o começo da história. Vamos entrar na parte boa e ver do que este órgão é realmente capaz, começando com o tronco encefálico.

Para ver o tronco encefálico nós vamos usar esta perspectiva sagital da linha média, que é como se nós cortássemos o encéfalo bem ao meio e observássemos a sua estrutura interna. Esta pequena estrutura pode não parecer muita importante, mas na verdade o seu tronco encefálico é essencial para a sua sobrevivência, já que ele regula as funções mais básicas para se permanecer vivo. Ele também é responsável por atuar como uma estação ou via para aqueles sinais sensitivos que nós vimos mais cedo, que vão cranialmente em direção ao cérebro, e para os sinais motores descendo em direção à periferia. O tronco encefálico é formado de três partes separadas, que são o bulbo, mais inferiormente; a ponte, que é esta parte média do tronco encefálico que parece estar se protruindo para fora; e finalmente o mesencéfalo, situado no aspecto mais superior do tronco encefálico. Vamos continuar e ver cada parte com um pouco mais de detalhe.

O bulbo, é o aspecto mais inferior do tronco encefálico, e fica imediatamente superior à medula espinhal. O bulbo é responsável por regular algumas das funções mais básicas da vida, como a respiração, a dilatação e constrição dos vasos sanguíneos e a deglutição. É no bulbo que você encontra os núcleos do terceiro ao quinto nervos cranianos, mas estamos a ir um pouco longe demais. Se você está se sentindo curioso e quer saber mais sobre os nervos cranianos, confira as nossas videoaulas e artigos sobre o assunto.

Em seguida nós temos a ponte, encontrada imediatamente superior ao bulbo. Esta parte do tronco encefálico tem seu nome apropriadamente derivado da palavra em latim que significa “ponte”, já que ela se estende entre as duas metades do cerebelo, que nós vamos ver em um minuto. Ela possui ainda um papel na regulação do seu ciclo do sono, então por favor limite as suas noitadas e dê algum descanso para a sua ponte.

A terceira e última parte é a mais superior do tronco encefálico e chama-se mesencéfalo, é aqui que ocorre a integração das informações sensitivas da periferia e motoras do cérebro. De maneira simples, é isto que diz para você se movimentar quando tem um ônibus que o está prestes a atingir.

Em seguida nós temos o cerebelo. Então, muitas luas atrás, um anatomista estudou o cerebelo e pensou que esta pequena massa ovoide de substância branca granular meio que se parecia com um pequeno cérebro, e assim o cerebelo recebeu o seu nome. Você pode encontrar o cerebelo escondido atrás ou posteriormente ao tronco encefálico, que nós acabamos de ver, e o cerebelo ajuda a manter o tônus muscular, o equilíbrio e a postura, ao enviar sinais involuntários para o nosso sistema nervoso periférico. Isto significa que você não possui controle consciente sobre estes sinais, e eles ocorrem de maneira automática.

O cerebelo ajuda ainda com os movimentos voluntários coordenados finos, sob os quais você possui controle, e estes movimentos são úteis para ver algumas estruturas cerebrais profundas na nossa próxima seção. Mas por um momento vamos usar o nosso cerebelo para pegar o bisturi e cuidadosamente dissecar um pouco mais fundo para conferir a próxima área do cérebro - o diencéfalo.

Esta parte do encéfalo localiza-se profundamente entre o tronco encefálico abaixo e o cérebro acima, e portanto, é a estrutura que faz a conexão entre estas duas partes importantes do encéfalo. Sua posição permite que ele atue como estação de processamento e direcionamento de sinais de informações sensitivas e funções autônomas entre o cérebro e a periferia. Você pode pensar nele quase como uma estação central do cérebro que ajuda a coordenar diferentes sistemas.

O diencéfalo, por sua vez, contém muitas partes incluindo o tálamo, que é a maior parte do diencéfalo, e logo inferior ao tálamo fica o metatálamo e a parte posterior da glândula hipófise, que é intimamente relacionada ao sistema endócrino. Como você provavelmente pode adivinhar, o diencéfalo é funcionalmente muito diverso, já que ele trabalha entre vários sistemas diferentes, mas nós estamos oferecendo somente uma introdução aqui. É claro, para mais detalhes continue e confira a nossa página dedicada a todas as funções do diencéfalo.

Muito bem, e finalmente nós chegamos à maior e funcionalmente mais complexa parte do encéfalo - o telencéfalo. Para tornar o estudo deste órgão de quase um quilo e meio um pouco mais fácil, nós vamos dividí-lo em vários lobos. Então mantenha em mente que todos estes lobos que nós vamos ver são bilaterais - ou seja, eles possuem componentes esquerda e direita, uma em cada hemisfério. E estes incluem o lobo frontal, no aspecto mais anterior; posterior ao lobo frontal nós temos o lobo parietal; na parte mais posterior do cérebro é onde nós vamos encontrar o lobo occipital; e finalmente nós vamos conferir o lobo temporal, que está localizado próximo às orelhas.

Vamos mergulhar um pouco mais fundo e ver do que cada lobo é capaz.

Mesmo sem perceber você está, na verdade, usando bastante o seu lobo frontal ao longo desta videoaula para ajudá-lo a prestar atenção, mantê-lo motivado e se envolver com pensamento crítico. Também contida no lobo frontal está esta proeminente crista chamada de giro pré-central, que contém o córtex motor primário. Mas não deixe essas palavras chiques te abalarem. A mensagem principal aqui é que esta área controla os movimentos musculares voluntários, que permitem que você faça alguns passos de dança estilosos. Finalmente, uma última função importante do lobo frontal é a produção da fala, que é especificamente orquestrada por uma região conhecida como área de Broca.

Imediatamente posterior ao lobo frontal fica o lobo parietal. É nesta parte do cérebro onde o processamento da linguagem ocorre. Sem esta parte vital de tecido cerebral você não teria a menor ideia do que eu estou dizendo, e eu poderia soar como se estivesse falando uma língua completamente diferente. O giro pós-central também fica localizado no lobo parietal, e contém o córtex sensitivo somático. Comparado ao córtex motor que nós vimos no lobo frontal, o córtex sensitivo somático controla toda a percepção sensitiva que está vindo da periferia, e é assim que você sentiu a fina areia entre os seus dedos quando caminhava na praia.

Quando você vê o lobo occipital, você deveria imediatamente pensar na visão. Mas você está certo, parece um pouco contraintuitivo que a parte mais posterior do seu cérebro seja a que controla e processa as informações dos seus olhos. Eu acho que afinal nós realmente temos olhos na nuca.

Para finalizar, o telencéfalo vamos dar uma olhada no lobo temporal. Uma importante função do lobo temporal é o processamento das informações auditivas que são recebidas da orelha. Ao contrário do posicionamento surpreendente do lobo occipital em relação aos olhos, a função do lobo temporal com o processamento auditivo faz sentido, já que ele se encontra tão próximo da orelha. O lobo temporal também está envolvido na compreensão da linguagem falada e escrita.

Muito bem, então vamos agora dar algum contexto clínico para o que nós acabamos de aprender.

Uma coisa importante para se lembrar sobre o encéfalo é que apesar de existirem estas partes individuais que nós acabamos de aprender, elas estão constantemente trabalhando como uma unidade coesa, enviando e processando sinais entre si e para o resto do corpo. Mas o que acontece quando uma parte desta via sinalizadora para de funcionar? Bem, uma coisa que pode causar isso é um acidente vascular, que é quando há uma interrupção do fluxo sanguíneo para uma região do cérebro, privando os neurônios naquela área de nutrientes e oxigênio. Isto pode ser causado por uma oclusão ou uma ruptura de uma artéria cerebral.

Os sintomas de um acidente vascular são portanto dependentes de qual região do cérebro foi afetada. Se, por exemplo, uma artéria que vasculariza o lobo parietal for ocluída, o paciente pode se apresentar com um déficit sensitivo, ou talvez desenvolva dislexia, ou dificuldade para ler, mesmo que eles possam ver claramente as palavras. Este sintoma é chamado de alexia, e faz sentido se você considerar que o lobo parietal é uma das áreas onde a compreensão da linguagem acontece.

Um médico pode suspeitar de um acidente vascular baseado nos achados do exame físico, mas são geralmente necessários estudos de imagem para o diagnóstico, como uma tomografia computadorizada, que nós vemos aqui. O tratamento depende bastante da localização e da severidade da isquemia, mas o objetivo primário é restaurar o fluxo sanguíneo o mais rapidamente possível. Medicamentos anticoagulantes provavelmente serão usados para ajudar a degradar os trombos, e se o trombo por grande pode ser necessária cirurgia para removê-lo.

E então você agora foi formalmente apresentado ao cérebro. Vamos dar uma rápida olhada no que nós aprendemos hoje.

Nós começamos vendo o papel do cérebro no corpo como um membro integral do sistema nervoso central. Nós aprendemos como o cérebro se comunica com o sistema nervoso periférico usando nervos eferentes ou motores para enviar mensagens, enquanto também recebe mensagens através de nervos aferentes ou sensitivos. Depois nós partimos para a identificação de partes do encéfalo, começando com o tronco encefálico. Nós vimos que ele possui três partes - o bulbo, a ponte e o mesencéfalo. Suas funções também foram introduzidas, e incluem primariamente funções que são essenciais para a vida, como a regulação da respiração e o ciclo do sono, bem como a integração de sinais motores e sensitivos.

Nós então voltamos a nossa atenção para o aspecto posterior do tronco encefálico para identificar o pequeno cérebro, que é o cerebelo. Como nós vimos, o cerebelo nos ajuda a realizar movimentos finos coordenados e equilibrados, o que certamente é útil para um ginasta. Conforme nós continuamos o nosso caminho para o cérebro, nós fomos apresentados ao diencéfalo, e lembre-se que esta área possui muitas partes que funcionam como uma estação para os sinais das informações sensitivas e funções autônomas.

Finalmente nós chegamos ao ápice funcional e posicional do encéfalo - o telencéfalo - que nós aprendemos que pode ser dividido em hemisférios, e subdividido em lobos. E nós estudamos e nomeamos cada um dos lobos, que são o frontal, o parietal, o occipital e o temporal. Nós então passamos por cada lobo e identificamos algumas de suas funções primárias.

E para finalizar nós aplicamos o que nós aprendemos na videoaula a um cenário clínico de acidente vascular, que é causado por uma obstrução de uma artéria que vasculariza o tecido encefálico. Nós vimos como diferentes sintomas se podem manifestar dependendo de qual a região do cérebro que foi afetada pelo trombo arterial, foi apresentada uma ferramenta de diagnóstico chamada tomografia computadorizada, e as opções de tratamento, como cirurgia, foram discutidas.

E é tudo para a nossa videoaula básica sobre o encéfalo. De todos nós aqui do Kenhub, obrigado por assistir e bons estudos.

Continue a sua aprendizagem

Assista mais videoaulas

Mostre mais 1 videoaula

Faça teste

Leia artigos

Navegue pelo atlas

Muito bem!

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!