EN | DE | PT Contato Como estudar Entrar Cadastrar

Artérias, veias e nervos do intestino grosso - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Com quais você prefere aprender?

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

Artérias, veias e nervos do intestino grosso

O intestino grosso marca o início do segmento terminal do canal alimentar.

Ele é dividido em: 

Nesse nível do trato digestivo (sistema digestório), ocorre absorção de uma quantidade significativa de líquido, conforme os resíduos são preparados para excreção.

Vastas redes de vasos anastomóticos suprem o trato. O retorno linfático do intestino grosso passa por cinco níveis antes de retornar à circulação sistêmica. Além disso, as porções média e final do trato intestinal recebem estímulo neuronal extrínseco e intrínseco, para realizar suas funções diárias.

Fatos Importantes
Artérias Ramos da Artéria mesentérica superior (intestino médio):
artéria pancreaticoduodenal inferior
artéria cólica média
artéria cólica direita
artéria ileocólica do lado direito
vários ramos anastomóticos jejunoileais em seu lado esquerdo
Ramos da Artéria mesentérica inferior (intestino terminal):
artéria cólica esquerda
artérias sigmóideas
artéria retal superior 
Veias Veia mesentérica superior (junção ileocecal até os dois terços proximais do cólon transverso):
veia cólica direita
veia ileocólica
veia cólica média
Veia mesentérica inferior:
veia cólica esquerda
veia retal 
veia esplênica
Nervos Inervação parassimpática: 
nervo vago (NC X)
nervos esplâncnicos pélvicos (S2-4) 
Inervação simpática:
plexos mesentéricos superior e inferior
plexo hipogástrico inferior
Inervação intrínseca:
plexo mioentérico de Auerbach
plexo submucoso de Meissner
Drenagem linfática Tecido linfóide associado à mucosa (MALT):
linfonodos epicólicos
linfonodos paracólicos
linfonodos intermediários
linfonodos pré-aórticos
Clínica Colite isquêmica, hemorroidas

Anatomia

Este artigo irá discutir as artérias, veias e nervos do Intestino Grosso.

Finalmente, múltiplas patologias como a colite isquêmica e as hemorroidas serão abordadas.

O intestino grosso é apenas uma porção do sistema digestório, que envolve diversos órgãos, artérias, veias e nervos com os quais você deve se familiarizar. Precisa dar uma revisada no sistema digestório? Não deixe de conferir nossa apostila de exercícios sobre o sistema digestório para aprofundar seus conhecimentos.

Suprimento Arterial

O intestino grosso é uma parte do intestino médio (da junção ileocecal, o ceco e o apêndice vermiforme, até os dois terços proximais do cólon transverso) e do intestino terminal (do terço distal do cólon transverso até o cólon sigmoide). O intestino médio recebe suprimento arterial da artéria mesentérica superior, e o intestino terminal recebe sua vascularização da artéria mesentérica inferior

Para aprofundar seus conhecimentos sobre as artérias do intestino grosso, verifique nossos recursos abaixo:

Artéria Mesentérica Superior

Uma vez que a aorta entra no abdome/abdómen através do hiato abdominal do diafragma, ela emite dois ramos de sua superfície anterior – o tronco celíaco e a artéria mesentérica superior. A artéria mesentérica superior se ramifica da aorta abdominal ao nível da borda inferior da vértebra L1, cerca de 1 cm abaixo do tronco celíaco. A artéria cursa inferior e lateralmente em direção (mas sem atingir) a fossa ilíaca direita.

A artéria mesentérica superior emite posteriormente a artéria pancreaticoduodenal inferior, as artérias cólica média, cólica direita e ileocólica do lado direito, e vários ramos anastomóticos jejunoileais em seu lado esquerdo.

A artéria cólica média é a segunda a deixar a artéria mesentérica superior. Ela cursa através da substância do mesocólon transverso, e se divide em ramos direito e esquerdo no limite intestinal do mesocólon transverso. Os ramos direito e esquerdo da artéria cólica média formam anastomoses com o ramo ascendente da artéria cólica direita e o ramo ascendente da artéria cólica esquerda, respectivamente. A artéria cólica média segue para suprir o cólon da flexura direita (hepática), ao longo do cólon transverso, quase até a flexura esquerda (esplênica).

A artéria cólica direita tipicamente emerge independentemente da artéria mesentérica superior; mas ela pode também surgir da artéria ileocólica. Cursa quase horizontalmente para o lado direito, onde ela eventualmente se divide em ramos ascendente e descendente. A divisão descendente da artéria cólica direita se anastomosa com o ramo superior da artéria ileocólica. A artéria cólica direita fornece sangue para o cólon acima do ceco para a flexura cólica direita.

A artéria ileocólica também emerge do lado direito da artéria mesentérica superior, e cursa em direção à fossa ilíaca direita. Ela emite os ramos superior (cólico) e inferior (ileal). O ramo ileocólico inferior cursa para a junção ileocólica, onde ele emite uma artéria cecal anterior e uma artéria cecal posterior, além de uma artéria apendicular, antes de continuar para a esquerda e se anastomosar com o segmento terminal da artéria mesentérica superior. Cada ramo do ramo ileal da artéria ileocólica supre a região anatômica da qual seu nome deriva.

Artéria Mesentérica Inferior

O restante do cólon – do cólon transverso distal até a junção retossigmoide – recebe suprimento arterial da artéria mesentérica inferior. Ela emerge da parte anterior esquerda da aorta abdominal, cerca de 4 cm superior à bifurcação aórtica, ao nível da vértebra L3. A artéria cólica esquerda, as artérias sigmóideas e a artéria retal superior são todas ramos do tronco mesentérico inferior.

Os ramos ascendente e descendente da artéria cólica esquerda emergem após um curso superior e lateral relativamente curto. Além de sua anastomose com o ramo esquerdo da artéria cólica média, a artéria cólica esquerda ascendente também se anastomosa com a artéria cólica esquerda descendente. A artéria cólica esquerda descendente tem trajeto inferior e lateral para se anastomosar com a artéria sigmoide mais superior.

As artérias sigmóideas são uma série de cerca de quatro alças de vasos repousando sobre o mesocólon sigmoide, que se anastomosam uma com a outra; a última delas se anastomosando com a artéria retal superior.

Finalmente, os vasos que cursam paralelamente ao cólon (ramos das artérias mencionadas anteriormente) são frequentemente chamados de artérias marginais. Essas artérias marginais emitem as artérias retas (arteriae rectae), que suprem diretamente o cólon.

Verifique nossos testes sobre as artérias do intestino grosso e desafie o seu conhecimento!

Drenagem Venosa

Veia Mesentérica Superior

As tributárias das veias mesentéricas superior e inferior possuem nome convenientemente derivado das artérias que acompanham. A veia mesentérica superior encontra-se logo à direita da sua artéria. O tronco, relativamente grande, recebe sangue desoxigenado da junção ileocecal até os dois terços proximais do cólon transverso através das veias cólica direita, ileocólica e cólica média.

Veia Mesentérica Inferior

A veia retal superior cursa superiormente para a esquerda de sua artéria. Acima do nível da borda pélvica, seu nome muda para veia mesentérica inferior. As tributárias da veia também levam os nomes das artérias que acompanham. A veia mesentérica inferior cursa superiormente, em seguida medialmente, para se encontrar com a veia esplênica (e nela terminar), posteriormente ao pâncreas. A veia esplênica continua para entrar na veia mesentérica superior.

Deve ser mencionado que acima do ponto de entrada da veia esplênica, o vaso é chamado de veia porta hepática. O sangue é então processado no fígado, retornando em seguida para a circulação sistêmica.

Verifique o vídeo abaixo sobre o mesentério para aprender mais sobre a relação desta estrutura com a vascularização do intestino grosso:

Inervação

O intestino grosso é inervado por fontes intrínsecas e extrínsecas. A inervação extrínseca é recebida principalmente pelas divisões parassimpática e simpática do sistema nervoso autônomo.

Inervação Parassimpática

O nervo vago (NC X) entra na cavidade abdominal através do hiato esofágico do diafragma, para fornecer inervação parassimpática para o intestino grosso. Os nervos esplâncnicos pélvicos (S2-4) também contribuem para o suprimento parassimpático do órgão.

As fibras parassimpáticas são responsáveis por elevar a atividade motora secretória ao longo deste segmento do trato digestório. O nervo vago realiza esse papel no intestino até o ponto do cólon transverso, enquanto os nervos esplâncnicos pélvicos exercem essa função da flexura cólica em diante.

Inervação Simpática

O estímulo das fibras simpáticas toracolombares de T10 a L2 é responsável pela atividade inibitória ao longo do intestino grosso. Elas formam sinapses nos plexos mesentéricos superior e inferior, e no plexo hipogástrico inferior. O plexo mesentérico superior fornece inervação simpática para o ceco, o apêndice, os cólons ascendente e transverso (próximo à flexura cólica esquerda), enquanto o plexo mesentérico inferior inerva o cólon da flexura cólica esquerda até o reto. O plexo hipogástrico inferior também inerva o reto.

Inervação intrínseca

Além do suprimento nervoso extrínseco para o intestino, existem redes de fibras nervosas ocupando o espaço entre as camadas musculares longitudinal e circular (plexos mioentéricos de Auerbach), e na camada submucosa (plexo submucoso de Meissner). Há ainda plexos intrínsecos adicionais aos plexos de Auerbach e Meissner, que coletivamente formam o sistema nervoso entérico. Apesar de essas redes receberem fibras inibitórias pós-ganglionares e fibras excitatórias pré-ganglionares, elas são completamente funcionais na ausência destas contribuições.

Vamos testar os seus conhecimentos sobre a vascularização e inervação do intestino grosso? Verifique nosso teste personalizado abaixo:

Drenagem Linfática

Tecido linfóide associado à mucosa (MALT)

Na mucosa do intestino grosso estão distribuídos agregados isolados de tecido linfático ao longo de sua extensão, como uma primeira linha de filtração. Esses aglomerados de tecido linfático são chamados de tecido linfóide associado à mucosa (MALT, do inglês “mucosa-associated lymphoid tissue).

No apêndice os agregados linfáticos são dispostos de uma maneira tonsilar. Os linfonodos/gânglios linfáticos são distribuídos em quatro grupos gerais ao longo do intestino grosso:

  • o primeiro grupo é o dos linfonodos/gânglios linfáticos epicólicos, que se encontram na superfície externa da parede intestinal
  • o segundo é o dos linfonodos/gânglios linfáticos paracólicos, que situam-se ao longo da margem intestinal
  • o terceiro grupo é o dos linfonodos/gânglios linfáticos intermediários, que situam-se ao longo dos ramos arteriais das artérias mesentéricas superior e inferior, e convenientemente levam os mesmos nomes destes
  • Finalmente, existem os linfonodos/gânglios linfáticos pré-aórticos, que são encontrados nos pontos de ramificação do tronco celíaco e das artérias mesentéricas superior e inferior

Artérias, veias e nervos do intestino grosso - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Com quais você prefere aprender?

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!