EN | DE | PT Contato Como estudar Entrar Cadastrar

Intestino grosso - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Cadastre-se para ter uma conta gratuita no Kenhub hoje e se junte a mais de 1.050.178 alunos de anatomia de sucesso.

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

Intestino grosso

O intestino grosso, também conhecido como cólon, é a porção terminal do trato gastrointestinal (sistema digestório), antes da excreção dos resíduos alimentares.  

O intestino grosso está dividido em:

Sua função é absorver água dos alimentos não digeríveis, além de armazenar e eventualmente desprezar os produtos da digestão.

Fatos importantes
Funções

Absorver água dos alimentos não digeríveis.

Armazenar e eventualmente desprezar os produtos da digestão.

Características Ténias (teniae coli):
Haustras ou haustrações:
Apêndices epiplóicos:
Divisões Cego (com apêndice vermiforme), cólon ascendente, cólon transverso, cólon descendente, cólon sigmoide, reto, canal anal.

Neste artigo, serão discutidas as diferentes partes do cólon e vários distúrbios patológicos importantes.

Anatomia

Primeiramente será dada uma breve visão geral do cólon, antes de cada parte ser descrita em maior detalhe.

Todo o cólon possui três características principais, que são úteis para distinguí-lo do restante do canal alimentar.

  • A primeira delas são as tênias (teniae coli), que são três bandas longitudinais espessadas de músculo, que se estendem ao longo do comprimento do cólon, exceto no apêndice e no reto.
  • A segunda característica é a presença de haustras, ou haustrações, que são saculações ou bolsas formadas pela contração das tênias.
  • Finalmente, os apêndices epiplóicos, que são bolsas de gordura situadas ao longo da parte do peritônio conhecida como omento.

O cólon é dividido em ceco (cego), com o seu apêndice vermiforme, cólon ascendente, cólon transverso, cólon descendente, cólon sigmoide, reto e canal anal. Ele faz parte do intestino médio e terminal, e possui componentes intra e extraperitoneais. No revestimento interno as plicas semilunaris são áreas da mucosa que são elevadas. 

Videoaula recomendada: Intestino grosso
Estrutura do intestinho grosso, incluindo a sua mucosa e musculatura

Ceco (cego) e apêndice vermiforme

O ceco (cego) é uma parte intraperitoneal do cólon, que possui cerca de 7,5 cm de diâmetro, em forma de bolsa. Ele está preso à parede abdominal através das pregas cecais do peritônio e é uma estrutura em fundo cego. Conecta o íleo ao intestino grosso através de uma invaginação conhecida como válvula ileocecal.

O suprimento sanguíneo vem da artéria e da veia ileocólicas e a drenagem linfática flui para os linfonodos ileocólicos. O plexo mesentérico superior fornece fibras parassimpáticas do nervo vago e fibras simpáticas dos segmentos torácicos baixos da medula espinhal.

O apêndice vermiforme é uma pequena estrutura tubular e intraperitoneal, medindo 6 a 10 cm, que também apresenta fundo cego e emerge da face póstero-medial do ceco (cego). Ele recebe suprimento sanguíneo da artéria apendicular, que emerge da artéria ileocólica.

Para aprender mais sobre o cego e o apêndice vermiforme visite o artigo e os testes em baixo.

Cólon ascendente

O cólon ascendente é uma parte retroperitoneal do cólon, que localiza-se no lado direito da parede abdominal posterior, e se estende entre o ceco (cego) e o fígado. Na flexura hepática, que é a curvatura logo abaixo do fígado, ele se curva para a esquerda para formar a próxima parte.

Recebe suprimento dos vasos mesentéricos superiores e seus ramos, incluindo a artéria e a veia ileocólicas e a artéria e a veia cólicas direitas. Os linfonodos epiplóicos e paracólicos drenam a linfa e o suprimento nervoso vem do plexo mesentérico superior.

Cólon transverso 

O cólon transverso é intraperitoneal, portanto as bainhas peritoneais o contém, e ele se estende da flexura hepática até a flexura esplênica. É o maior dos segmentos do intestino grosso, e o mais móvel deles, apesar de se prender à parede posterior através de seu próprio mesentério.

Os vasos mesentéricos superiores fornecem seu suprimento sanguíneo, através da artéria e veia cólicas direitas e artéria e veia cólicas médias. A inervação é dada pelos plexos mesentéricos superior e inferior, e a drenagem linfática segue para os linfonodos cólicos médios.

Cólon descendente 

O cólon descendente é retroperitoneal e pode ser encontrado no lado esquerdo da parede abdominal posterior, estendendo-se da curvatura próxima ao baço até o cólon sigmoide.

A artéria e a veia mesentéricas inferiores fornecem a artéria e a veia cólicas esquerdas, e a artéria e veia sigmóideas superiores também participam de seu suprimento vascular. A inervação ocorre da mesma maneira que a do cólon sigmoide.

Cólon sigmoide

Esta estrutura é intraperitoneal e suspensa através do mesocólon sigmoide, possuindo um formato da letra “s”, variando em seu comprimento. É a ligação entre o cólon descendente e o reto.

O suprimento sanguíneo chega através de ramos da artéria e veia mesentéricas inferiores, que são conhecidos como artéria e veia cólicas esquerdas, bem como pela artéria e veia sigmóideas superiores. Os linfonodos epicólicos e paracólicos drenam a região, enquanto os troncos simpático lombar e o plexo hipogástrico superior são responsáveis pela inervação simpática. As fibras parassimpáticas são fornecidas pelos nervos esplâncnicos pélvicos.

Para aprender mais sobre as diferentes partes do cólon visite os conteúdos em baixo.

Reto e canal anal

O reto é intraperitoneal, mas conforme ele descende em direção ao assoalho pélvico ele se torna retroperitoneal.

O reto se inicia ao nível da terceira vértebra sacral e é um tubo muscular de 15 centímetros que conecta o cólon ao canal anal, onde é fixo e contínuo.

O canal anal emerge da porção distal do reto em sua ampola, e se estende do assoalho pélvico ao ânus.

Aprenda ainda mais sobre o reto e o canal anal com os links em baixo.

Nota clínica

Existe uma interminável lista de doenças que podem afetar direta ou indiretamente o intestino grosso, e já que o foco principal desse artigo é a anatomia macroscópica do órgão, somente algumas condições comuns serão mencionadas e brevemente descritas.

A obstrução intestinal pode afetar o intestino delgado ou o grosso. Ela ocorre quando uma área do intestino se torce, é bloqueada por alimentos ou para de funcionar. Os sintomas incluem dor, vômitos, distensão abdominal e constipação.

A colite é a inflamação das paredes do cólon. Ela pode ser causada por uma infecção bacteriana ou por doença intestinal inflamatória (DII).

A diverticulose ocorre quando certas áreas da parede muscular do cólon se tornam fracas e o revestimento intestinal se protrui, formando pequenas bolsas, que estão sujeitas a sangramentos e inflamação.

A doença de Crohn é uma condição inflamatória autoimune do intestino, que limita a capacidade do canal alimentar de absorver nutrientes.

Intestino grosso - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Cadastre-se para ter uma conta gratuita no Kenhub hoje e se junte a mais de 1.050.178 alunos de anatomia de sucesso.

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

Mostrar referências

Referências:

  • Frank H. Netter, MD, Atlas of Human Anatomy, Fifth Edition, Saunders - Elsevier, Chapter Abdomen, Subchapter 27 Viscera (Gut), Guide: Large Intestine (Colon), Pages 145 to 146.
  • John T. Hansen, Netter’s Clinical Anatomy, Second Edition, Saunders - Elsevier, Chapter 4 Abdomen, Large Intestine, Pages 142.
  • Picture of the Colon. WebMD. January 03, 2014.

Autor:

  • Dr. Alexandra Sieroslawska

Ilustrações: 

  • Corpo humano: Intestino grosso - vista anterior - Begoña Rodriguez
  • Corpo humano: Ceco - vista anterior - Begoña Rodriguez
  • Corpo humano: Apêndice vermiforme - vista anterior - Begoña Rodriguez
  • Corpo humano: Cólon ascendente - vista anterior - Begoña Rodriguez
  • Corpo humano: Cólon transverso - vista anterior - Begoña Rodriguez
  • Corpo humano: Cólon descendente - vista anterior - Begoña Rodriguez
  • Corpo humano: Cólon sigmóide - vista anterior - Begoña Rodriguez
  • Corpo humano: Reto - vista anterior - Begoña Rodriguez
  • Corpo humano: Canal anal - vista anterior - Begoña Rodriguez
  • Válvula íleocecal - vista anterior - Begoña Rodriguez
  • Ceco - vista anterior - Begoña Rodriguez
  • Ramo cólico da artéria ileocólica - vista anterior - Irina Münstermann
  • Veia ileocólica - vista anterior - Irina Münstermann
  • Linfonodos ileocólicos - vista anterior - Irina Münstermann
  • Apêndice vermiforme - vista anterior - Begoña Rodriguez
  • Cólon ascendente - vista anterior - Begoña Rodriguez
  • Cólon transverso - vista anterior - Begoña Rodriguez
  • Cólon descendente - vista anterior - Begoña Rodriguez
  • Reto - vista anterior - Begoña Rodriguez
  • Reto - vista coronal - Samantha Zimmerman
  • Canal anal - vista anterior - Begoña Rodriguez
  • Canal anal - vista coronal - Samantha Zimmerman

Tradução para o português:

  • Rafael Lourenço do Carmo
  • Catarina Chaves
  • Beatriz la Féria
© Exceto expresso o contrário, todo o conteúdo, incluindo ilustrações, são propriedade exclusiva da Kenhub GmbH, e são protegidas por leis alemãs e internacionais de direitos autorais. Todos os direitos reservados.

Desenhos e imagens relacionados

Continue a sua aprendizagem

Leia mais artigos

Mostre mais 6 artigos

Assista videoaulas

Faça teste

Navegue pelo atlas

Muito bem!

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!

Crie sua conta gratuitamente.
Comece a aprender anatomia em menos de 60 segundos.