EN | DE | PT Contato Como estudar Entrar Cadastrar

Articulação do ombro (Glenoumeral) - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Cadastre-se para ter uma conta gratuita no Kenhub hoje e se junte a mais de 1.106.439 alunos de anatomia de sucesso.

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

Articulação do ombro (Glenoumeral)

A articulação glenoumeral é uma das articulações associadas à cintura escapular que permite uma ampla gama de movimentos do membro superior. Para completar, as outras articulações são as articulações esternoclaviculares, acromioclaviculares e escapulotorácicas.

Comparada à articulação do quadril (anca), a articulação glenoumeral é construída para mobilidade e, portanto, inerentemente menos estável que a articulação do quadril (anca). Este compromisso entre mobilidade e estabilidade significa que a articulação do ombro está propensa a lesões, uma vez que grande parte da estabilidade da articulação do ombro depende dos ligamentos e músculos que envolvem a articulação.

Fatos Importantes sobre a articulação do ombro
Superfícies de articulação Fossa glenóide (escápula), cabeça do úmero
Tipo Articulação sinovial (não diretamente unida; os ossos compartilham a cavidade sinovial que é fechada com a cápsula articular que conecta os ossos)
Bursas Bursa Subacromial
Ligamentos Ligamentos coracoumeral, glenoumeral superior, glenoumeral médio, glenoumeral inferior, umerais transversos
Músculos do manguito rotador (coifa dos rotadores) Supraespinhal, Infraespinhal, Redondo menor, Subescapular (SIRS)
Movimentos Flexão: peitoral maior, deltóide (primário; coracobraquial, bíceps braquial (acessório)
Extensão: deltóide (primário); redondo maior, latíssimo do dorso, cabeça longa do bíceps (acessório)
Abdução: deltóide (primário); supraespinhal (acessório)
Adução: peitoral maior, latíssimo do dorso (primário); redondo maior, cabeça longa do tríceps braquial (acessório)
Rotação medial: subescapular (primário); peitoral maior, deltóide, redondo maior (acessório)
Rotação lateral: infraespinhal (primário); redondo maior, deltóide (acessório)
Importância clínica Tendinite degenerativa dos músculos do manguito rotador (coifa dos rotadores), bursite escápulo-umeral calcificada, bursite subacromial, capsulite adesiva

Anatomia da Articulação do Ombro

A articulação do ombro (articulação glenoumeral) é a articulação mais flexível do corpo humano. Graças aos seus numerosos ligamentos e músculos ela é também uma articulação em bola-e-soquete bastante forte e fisicamente poderosa (articulação esferoidal).

Videoaula recomendada: Articulação do ombro
Ossos, ligamentos, movimentos e músculos da articulação do ombro.

A articulação do ombro consiste na cabeça umeral e no soquete (cavidade glenóide). O soquete é parte da lâmina do ombro (escápula/omoplata) e é alargado pelo labrum glenoidal, um “lábio” de fibrocartilagem. A cápsula articular que envolve completamente a cavidade é reforçada por diversos ligamentos (coracoumeralglenoumerais).

O sistema muscular é significativamente importante para a estabilidade e movimentos na articulação do ombro, especialmente o manguito rotador (coifa dos rotadores). O manguito rotador consiste dos seguintes quatro músculos:

  • músculo subescapular
  • músculo redondo menor
  • músculo infraespinhal
  • músculo supraespinhal 

Funções

As funções desse grupo muscular são variadas. Por um lado eles fixam a cabeça umeral ao soquete; por outro lado eles executam diferentes movimentos. Eles permitem tanto a rotação interna quanto a externa da cabeça umeral e além disso a abdução, adução e retroversão.

O tendão da cabeça longa do músculo bíceps braquial se origina no tubérculo supraglenoidal e atravessa o manguito rotador. A origem do tendão da cabeça curta do bíceps braquial é no processo coracóide (extensão em “bico de corvo”). A inserção do bíceps  braquial é na tuberosidade radial e na fáscia antebraquial do antebraço. A contração do bíceps braquial leva a uma abdução, adução ou anteversão, dependendo da porção específica contraída.

O acrômio (acrómio), ponto mais alto do ombro, é uma parte óssea da escápula. Junto com o processo coracóide ele forma a cavidade na qual a cabeça umeral e o tendão do músculo supraespinhal se movem. Essa cavidade abriga uma importante bursa sinovial (bursa subacromial), que fornece um amortecimento, reduzindo as forças de compressão e fricção. Entretanto a bursa pode também causar problemas, ex.: pode apresentar inflamação por excesso de utilização ou lesão (veja também: patologias do ombro).

Nota Clínica

Traumatismos da articulação glenoumeral

Como mencionado, a articulação glenoumeral tem grande mobilidade; na verdade, tem a maior liberdade de movimento de todas as articulações do corpo! Isto significa, no entanto, que as superfícies ósseas da própria articulação e as que rodeiam a articulação desempenham um papel fundamental nas lesões do ombro. Por exemplo, quando o braço é abduzido, o tubérculo maior do úmero irá eventualmente restringir a abdução entrando em contato com o processo acrômio. Esta restrição de movimento é normalmente superada pela rotação ascendente da escápula que ocorre em conjunto com a abdução glenoumeral.

A abdução do ombro também pode ser aumentada girando-se externamente o braço de modo que o tubérculo maior seja agora movido para fora do caminho do acrômio (acrómio). No entanto, em muitos casos, girar externamente o braço não é uma opção (como em muitas atividades desportivas), e a restrição muscular pode causar uma diminuição na rotação da escápula. Ambas significam que o espaço limitado entre o tubérculo maior e o processo acrômio (acrómio), que é preenchido com a bursa subacromial e o tendão do supraespinhal, é vulnerável a compressões repetidas quando o braço é abduzido. Essa limitação estrutural está implicada em muitas lesões comuns do ombro, afetando com maior frequência um ou mais dos músculos do manguito rotador (coifa dos rotadores).

Tendinite Degenerativa do Manguito Rotador (coifa dos rotadores)

O uso repetitivo do membro superior em posição abduzida, como ocorre em muitos desportes, é uma fonte comum de lesão do manguito rotador (coifa dos rotadores). O espaço limitado entre o tubérculo maior e o acrômio resulta em compressão repetida do manguito rotador (coifa dos rotadores), especificamente do tendão supraespinhal, que pode ficar inflamado e inchado. Repetidos traumas desse tipo e o suprimento sanguíneo relativamente ruim para o tendão supraespinhal, podem causar alterações degenerativas no tendão que levam a depósitos de cálcio e dor extrema. Nestas condições, o tendão é muito mais suscetível a rasgar, levando a dor e incapacidade quando são feitas tentativas de raptar o braço.

Bursite Escapulo-umeral Calcificante e Bursite Subacromial

Inflamação e calcificação da bolsa subacromial também podem ser causa de dor e limitação da amplitude de movimento da articulação glenoumeral. Depósitos de cálcio no tendão do supraespinhal podem causar aumento do impacto da bursa subacromial durante a abdução, causando danos, inflamação (conhecida como bursite subacromial) e, eventualmente, calcificação da bolsa subacromial.

Capsulite Adesiva da Articulação Glenoumeral

A inflamação repetida da cápsula articular, do manguito rotador (coifa dos rotadores) e da bolsa subacromial (como nas condições acima) pode levar ao espessamento, cicatrização e adesão da cápsula articular, uma condição comumente conhecida como "ombro congelado". Inferiormente, a cápsula está solta e em total adução encontra-se nas dobras. A cicatrização e a adesão na cápsula nesta região podem restringir o alcance da abdução, não permitindo que a cápsula se desdobre. As pessoas com esta condição têm dificuldade em abduzir o braço, mas podem ter uma amplitude de movimento de até 45 graus pela elevação e rotação da escápula.

Articulação do ombro (Glenoumeral) - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Cadastre-se para ter uma conta gratuita no Kenhub hoje e se junte a mais de 1.106.439 alunos de anatomia de sucesso.

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

Mostrar referências

Referências:

  • Sobotta: Atlas der Anatomie Band 1; 20. Auflage, Elsevier Verlag.
  • Netter: Farbatlanten der Medizin, Band 7: Bewegungsapparat, Thieme Verlag.
  • Berchtold: Chirurgie, 6. Auflage, Elsevier Verlag (2008), S. 391-400.
  • Benninghoff/Drenckhahn: Anatomie, Band 1, 16. Auflage, Urban & Fischer Verlag (2003), S. 279-301.

Autor e Layout:

  • Christopher A. Becker
  • Achudhan Karunaharamoorthy

Ilustração:

  • Articulação glenoumeral - vista anterior - Irina Münstermann
  • Articulação glenoumeral - vista anterior - Yousun Koh
  • Músculo subescapular - vista anterior - Yousun Koh
  • Músculo redondo menor - vista posterior - Yousun Koh
  • Músculo infraespinhal -  vista posterior - Yousun Koh
  • Músculo supraespinhal - vista posterior - Yousun Koh
  • Cabeça longa do músculo bíceps braquial - vista anterior - Yousun Koh
  • Cabeça longa do músculo bíceps braquial - vista lateral-direita - Paul Kim
  • Bursa subacromial - vista anterior - Yousun Koh
  • Escápula -  vista posterior - Yousun Koh

Tradução para português:

  • Rafael Lourenço do Carmo
  • Catarina Chaves
© Exceto expresso o contrário, todo o conteúdo, incluindo ilustrações, são propriedade exclusiva da Kenhub GmbH, e são protegidas por leis alemãs e internacionais de direitos autorais. Todos os direitos reservados.

Desenhos e imagens relacionados

Continue a sua aprendizagem

Leia mais artigos

Mostre mais 10 artigos

Assista videoaulas

Mostre mais 2 videoaulas

Faça teste

Navegue pelo atlas

Muito bem!

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!

Crie sua conta gratuitamente.
Comece a aprender anatomia em menos de 60 segundos.