Conexão perdida. Por favor atualize a página.
Conectado
EN | DE | PT | ES Contato Como estudar Entrar Cadastrar

Plexo Braquial - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Com quais você prefere aprender?

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

Plexo Braquial

O plexo braquial é uma conjugação de tecido nervoso que é constituída de fibras formadas pelos ramos ventrais das raízes dos quatro nervos cervicais inferiores e do primeiro nervo torácico (C5-C8 e T1). Seus ramos se irradiam como grandes nervos responsáveis pela inervação cutânea e motora de todo o membro superior.

Devido à complexidade desse plexo nervoso, ele foi dividido didaticamente em cinco seções anatômicas, que contém: cinco raízes, três troncos, seis divisões, três cordões e treze ramos, havendo ainda mais ou menos quatro outros ramos, quando os pequenos ramos que surgem diretamente das raízes são considerados.

Devido à sua tremenda importância funcional, a neuroanatomia e todos os constituintes do plexo braquial serão descritos neste artigo.

Fatos Importantes sobre o plexo braquial
Hierarquia Raízes -> troncos -> divisões -> cordões -> ramos
Troncos Superior (C5, C6), médio (C7), inferior (C8, T1)
Divisões Primeiro anterior (tronco superior + tronco médio), segundo anterior (tronco inferior), posterior (troncos superior + médio + inferior)
Cordões Lateral (continuação da primeira divisão anterior), medial (continuação da segunda divisão anterior), posterior (continuação da divisão posterior)
Ramos Nervo musculocutâneo (sensorial: pele do antebraço anterolateral; motora: braquial, bíceps braquial, coracobraquial)
Nervo axilar (sensorial: pele da parte lateral do ombro e parte superior do braço; motora: deltóide e redondo menor
Nervo radial (sensorial: pele posterior do antebraço lateral e punho, braço posterior; motora: tríceps braquial, braquiorradial, ancôneo, extensores do braço posterior e antebraço)
Nervo mediano (sensorial: pele de 2/3 lateral da mão e das pontas dos dedos; motora: flexores do antebraço, eminência tenar, lumbricais 1-2)
Nervo ulnar (sensorial: pele da palma e lado medial da mão, dígitos 3 a 5; motora: eminência hipotenar, certos flexores do antebraço, adutor do polegar, lumbricais 3-4, músculos interósseos)
Conteúdo
  1. Secções
    1. Raízes
    2. Troncos 
    3. Divisões
    4. Cordões
  2. Nervos do Plexo Braquial
    1. Ramos das Raízes
    2. Ramos do Tronco Superior
    3. Ramos do Cordão Lateral
    4. Ramos do Cordão Posterior
    5. Ramos do Cordão Medial
  3. Nota Clínica
  4. Bibliografia
+ Mostrar todo

Secções

Neste artigo serão mencionadas quatro das cinco seções, em ordem de surgimento, do ponto mais proximal ao ponto mais distal. A última seção, que trata dos ramos do nervo, será discutida separadamente abaixo, juntamente com suas regiões de inervação. Para um entendimento mais amplo sobre o sistema nervoso periférico, do qual o plexo braquial faz parte, acesse o link a seguir.

Raízes

As raízes são a primeira seção do plexo, que emerge dos ramos ventrais dos quatro últimos nervos espinhais cervicais e do primeiro nervo espinhal torácico.

Troncos 

Os troncos formam a segunda seção. O tronco superior é formado pelos ramos ventrais do quinto e sexto nervos espinhais cervicais. O tronco médio vem do sétimo nervo espinhal cervical, e o tronco inferior emerge dos ramos ventrais do oitavo nervo espinhal cervical e do primeiro nervo espinhal torácico.
 

Divisões

As divisões são as bifurcações dos troncos, e são a terceira seção do plexo braquial. Há duas divisões anteriores e uma divisão posterior. A primeira divisão anterior é a dos troncos superior e médio, que forma o cordão lateral. A segunda divisão anterior é a do tronco inferior, que continua como cordão medial. A divisão posterior surge de todos os três troncos, e forma o cordão posterior.

Cordões

Conforme emergem dos troncos, os cordões seguem na quarta seção. Os cordões lateral, medial e posterior agora se dividem em seus ramos nervosos subsequentes, e continuam distal e inferiormente ao longo do membro superior, para inervar as várias estruturas anatômicas listadas abaixo.

Nervos do Plexo Braquial

Cada nervo irá agora ser discutido, fazendo-se referência às raízes espinhais das quais eles carregam suas fibras, as estruturas que inervam e se eles se tornam nervos cutâneos. Os nervos serão agrupados de acordo com a secção da qual eles emergem.

Ramos das Raízes

Três nervos emergem das raízes, o primeiro dos quais é o nervo escapular dorsal, que carrega fibras do quarto e quinto nervos espinhais cervicais, e inerva os músculos romboides e o músculo levantador da escápula.

O quinto ao sétimo nervos espinhais cervicais criam o nervo torácico longo, que inerva o serrátil anterior.

O nervo final das raízes é o ramo para o nervo frênico, que emerge do quinto nervo espinhal cervical.

Ramos do Tronco Superior

Dois nervos surgem do tronco superior, e são o nervo para o músculo subclávio e o nervo supraescapular, que inerva os músculos supraespinhal e  infraespinhal. Ambos emergem do quinto e sexto nervos espinhais cervicais. O cordão lateral produz três nervos, todos emergindo do quinto ao sétimo nervos espinhais cervicais.

Ramos do Cordão Lateral

O cordão lateral produz três nervos que se originam do quinto ao sétimo nervos espinhais cervicais.

O nervo peitoral lateral inerva os músculos peitoral maior e peitoral menor, ao se comunicar com o nervo peitoral medial.

O nervo musculocutâneo inerva o músculo coracobraquial, o músculo braquial e o músculo bíceps braquial, antes de continuar e se tornar o nervo cutâneo lateral do antebraço.

A raiz lateral do nervo mediano fornece fibras para o nervo mediano.

Que tal estudar usando ferramentas e estratégias diferentes? Aprenda mais com nossa apostila de exercícios sobre o sistema nervoso

Ramos do Cordão Posterior

O cordão posterior possui cinco ramos nervosos:

  • nervo subescapular superior
  • nervo toracodorsal
  • nervo subescapular inferior
  • nervo axilar
  • nervo radial

Começando com o nervo subescapular superior, que emerge da quinta e sexta vértebras cervicais e inerva a parte superior do músculo subescapular. Os últimos três nervos espinhais cervicais formam o nervo toracodorsal, também conhecido como nervo subescapular médio, que inerva o latíssimo do dorso. O nervo subescapular inferior possui as mesmas origens que o nervo subescapular superior, e inerva a parte inferior do músculo subescapular e o músculo redondo maior.

O nervo axilar se origina da quinta e sexta raízes, e é composto de dois ramos:  

  • o ramo anterior inerva o músculo deltoide e a pele que o recobre
  • o ramo posterior inerva o músculo redondo menor e o músculo deltoide, antes de continuar como nervo cutâneo lateral superior do braço.

Finalmente, o nervo radial emerge de todas as raízes espinhais, e inerva os músculos:

Ele então segue para se tornar o nervo cutâneo posterior do braço, que, como o nome sugere, inerva a pele da região posterior do braço.
 

Ramos do Cordão Medial

O cordão medial é o último lugar de onde ramos nervosos emergem, e as raízes espinhais que contribuem para esses ramos são a oitava raiz cervical e a primeira raiz torácica, com exceção da raiz medial do nervo mediano, que emerge da sexta e da oitava raízes cervicais, e contribui com fibras para o nervo mediano antes de inervar partes da mão que não são cobertas pelos nervos radial ou ulnar.

O nervo peitoral medial inerva os músculos peitoral maior e menor.

O nervo cutâneo medial do braço e o nervo cutâneo medial do antebraço inervam a porção frontal e medial da pele do braço e a parte medial da pele do antebraço, respectivamente. Eles são os únicos dois nervos do plexo braquial que servem inteiramente como nervos cutâneos.

Finalmente, o nervo ulnar, que inerva:

  • músculo flexor ulnar do carpo
  • dois ventres mediais do flexor profundo dos dedos
  • musculatura intrínseca da mão, exceto os músculos tenares e os dois músculos lumbricais mais laterais. Ele também inerva o lado medial da mão, o primeiro dedo e metade do segundo dedo em suas faces palmares, e o primeiro, segundo e metade do terceiro dedo em suas faces dorsais.

São muitos os nervos do membro superior, não é mesmo? Para te ajudar com sua memorização, desafie-se no teste abaixo.

Agora avalie seus conhecimentos sobre o plexo braquial com o teste a seguir.

Plexo Braquial - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Com quais você prefere aprender?

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

© Exceto expresso o contrário, todo o conteúdo, incluindo ilustrações, são propriedade exclusiva da Kenhub GmbH, e são protegidas por leis alemãs e internacionais de direitos autorais. Todos os direitos reservados.

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!