Conexão perdida. Por favor atualize a página.
Conectado
EN | DE | PT | ES Contato Como estudar Entrar Cadastrar
Pronto para aprender?
Selecione a sua ferramenta de estudo favorita

Mandíbula

A mandíbula é o maior osso da face, e é o único osso móvel do crânio, excetuando-se os ossículos do ouvido médio. Ao contrário dos demais ossos do crânio, a mandíbula não se articula com os ossos adjacentes através de suturas, mas sim por uma articulação sinovial chamada de articulação temporomandibular. Essa articulação permite que a mandíbula permaneça ligada ao crânio, mas ao mesmo tempo permite vários movimentos de translação e rotação. Esses movimentos permitem ações complexas, como a mastigação e a fala.

A mandíbula possui um corpo e dois ramos. Essas partes possuem vários marcos anatômicos que participam de importantes funções da mandíbula, como, por exemplo, abrigar os dentes e fornecer passagem para estruturas neurovasculares.

Esse artigo irá discutir a anatomia da mandíbula.

Informações importantes sobre a mandíbula
Corpo Limites:
- Superior (parte alveolar) - contém 16 alvéolos para os dentes inferiores
- Inferior (base da mandíbula)
Faces:

- Interna - tubérculos mentuais, fossa digástrica, linha milo-hióidea
- Externa - sínfise mandibular, forame mentual, linha oblíqua da mandíbula
Ramos Processo condilar - se articula com o osso temporal (articulação temporomandibular)
Processo coronoide
- inserção para o músculo temporal
Face interna:
forame mandibular - inserção do músculo pterigóideo medial
Face externa:
inserção do músculo masseter
Forames Forame mandibular - orifício interno do canal da mandíbula, atravessado pelo nervo e pela artéria alveolares inferiores
Forame mentual
- orifício externo do canal da mandíbula - por onde passam ramos do nervo e da artéria alveolares inferiores (nervo e vasos mentuais)
Correlações clínicas Reabsorção do osso alveolar, fraturas condilares, aplasia dentária, osteorradionecrose, osteomielite, cistos
Conteúdo
  1. Anatomia
    1. Corpo
    2. Ramo
  2. Músculos que se inserem na mandíbula
  3. Relevância clínica
  4. Referências
+ Mostrar todo

Anatomia

Antes de começar a leitura, assista à videoaula abaixo para se familiarizar com a anatomia da mandíbula:

A mandíbula é um osso do viscerocrânio com formato de ferradura. Ela é formada por um corpo e dois ramos, conectados no ângulo da mandíbula.

Corpo

O corpo da mandíbula é a sua porção horizontal. Ele é formado por duas partes:

  • A parte alveolar
  • A base da mandíbula

A parte alveolar é a parte superior do corpo da mandíbula. Ela é formada por duas lamelas ósseas: uma lamela bucal espessa e uma lamela lingual fina. As duas lamelas são paralelas, unidas por osso esponjoso e pelos septos interalveolares, que dividem o osso em vários alvéolos dentários individuais, que abrigam os dentes. De cada lado da mandíbula há 5 dentes decíduos (temporários) e 7 ou 8 dentes permanentes, dependendo se há formação e erupção dos terceiros molares (dentes sisos).

A base é a parte inferior do corpo da mandíbula, e contém diversos marcos anatômicos. Na sua superfície externa nós podemos identificar:

  • A sínfise mandibular: formação de tecido fibroso na linha média do corpo da mandíbula, que sofre ossificação no primeiro ano de vida. A sínfise mandibular une as metades direita e esquerda da mandíbula, formando  um osso único e simétrico.
  • A protuberância mentual: uma proeminência óssea na linha média do corpo da mandíbula.
  • Os tubérculos mentuais: proeminências ósseas de cada lado da protuberância mentual.
  • A linha oblíqua: Uma crista que se estende do ramo até o corpo da mandíbula. Serve como inserção do músculo depressor do ângulo da boca.
  • O forame mentual: abertura localizada inferiormente ao dente segundo pré-molar inferior, que fornece passagem para o nervo e os vasos mentuais.

A superfície interna da base da mandíbula exibe os seguintes marcos anatômicos:

  • As fossas digástricas: depressões na margem inferior do corpo da mandíbula, localizadas de cada lado da linha média.
  • As espinhas genianas superior e inferior: eminências ósseas na linha média. Servem como pontos de inserção para os músculos genioglosso e gênio-hióideo.
  • As fossas submandibulares: depressões de cada lado das espinhas genianas, que abrigam a glândula submandibular.
  • A fossa sublingual: depressão localizada superiormente às espinhas genianas, que abriga a glândula sublingual.
  • As linhas milo-hióideas: cristas oblíquas de cada lado do corpo da mandíbula, na qual se inserem os músculos milo-hióideos.

Ramo

O ramo é a parte vertical da mandíbula. O ponto em que o ramo se une ao corpo é chamado de ângulo da mandíbula. A angulação desse ponto pode variar entre 110º e 130º, dependendo da idade, sexo e etnia. Geralmente essa angulação é maior nos homens.

A parte superior do ramo é formada por dois processos: o processo coronoide, anterior, e o processo condilar (posterior). A incisura entre eles é chamada de incisura da mandíbula, através da qual passam o nervo e os vasos massetéricos.

No processo coronoide encontra-se a crista temporal, que serve como ponto de inserção para o músculo temporal. O processo condilar possui uma superfície articular (o côndilo), através do qual a mandíbula se articula com o tubérculo articular do osso temporal para formar a articulação temporomandibular.

No aspecto posterolateral do ramo há um único marco ósseo chamado de tuberosidade massetérica, uma superfície irregular que serve como inserção para o músculo masseter.

A superfície medial dos ramos possui os seguintes marcos anatômicos:

  • A tuberosidade pterigóidea: área irregular onde se insere o músculo pterigóideo medial
  • O forame mandibular: ponto inicial do canal da mandíbula, através do qual cursam o nervo alveolar inferior e seus ramos.
  • O sulco milo-hióideo: pequeno sulco que contém a artéria e o nervo milo-hióideos.

Aproveite esse momento para testar seus conhecimentos sobre os marcos anatômicos da mandíbula. Essa é a melhor forma de consolidar seus novos conhecimentos.

Músculos que se inserem na mandíbula

Além dos ligamentos esfenomandibular e estilomandibular e da rafe pterigomandibular, há vários músculos que se inserem na mandíbula.

Eles estão listados nas tabelas abaixo:

Músculos que se originam na mandíbula
Músculo bucinador Crista situada na parte alveolar da mandíbula, junto ao terceiro molar
Músculo mentual De cada lado da sínfise mandibular, inferiormente aos dentes incisivos centrais
Músculo depressor do lábio inferior Linha oblíqua da mandíbula
Músculo depressor do ângulo da boca Linha oblíqua da mandíbula
Ventre anterior do músculo digástrico Fossa digástrica
Músculo genioglosso Espinha geniana superior
Músculo genio-hióideo Espinha geniana inferior
Músculo milo-hióideo Linha milo-hióideoa
Músculos que se inserem na mandíbula
Músculo pterigóideo lateral Fossa pterigóidea
Músculo temporal Ápice e superfície medial do processo coronoide da mandíbula
Músculo pterigóideo medial Superfície medial do ramo (tuberosidade pterigóidea) e ângulo da mandíbula
Músculo masseter Superfície lateral do ramo e do ângulo da mandíbula
Platisma Superfície lateral do ramo e do ângulo da mandíbula
Músculo orbicular da boca Espinha geniana superior

Mandíbula - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Com quais você prefere aprender?

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

© Exceto expresso o contrário, todo o conteúdo, incluindo ilustrações, são propriedade exclusiva da Kenhub GmbH, e são protegidas por leis alemãs e internacionais de direitos autorais. Todos os direitos reservados.

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!