EN | DE | PT Contato Como estudar Entrar Cadastrar

Arcos faríngeos - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Com quais você prefere aprender?

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

Arcos faríngeos

A importância da embriologia está destacada no fato de que um conhecimento anatômico sólido não pode ser obtido sem se saber a origem das estruturas pós-natais.

Este artigo tem como objetivo fornecer ao leitor uma melhor compreensão das principais estruturas da cabeça e pescoço, e seu desenvolvimento pré-natal.

Tais informações são essenciais para futuros profissionais médicos, especialmente dentistas e otorrinolaringologistas.

Fatos Importantes
Embriologia Aparecem na 4ª semana;
Inicialmente são 6 arcos, o 5º arco regride;
Superfície externa composta de ectoderma;
Superfície interna revestida por endoderma;
No centro os componentes incluem:
Mesoderma da placa lateral, mesoderma paraxial, crista neural.
Anatomia Arco 1 forma:
Músculo masseter, músculo temporal, músculo pterigoide lateral, músculo pterigoide medial, músculo milo-hióideo, ventre anterior do músculo digástrico, músculo tensor do tímpano, músculo tensor do véu palatino, maxila, porção escamosa do osso temporal, zigoma (tanto o osso quanto o arco), mandíbula, martelo, bigorna, cartilagem de Meckel, ligamento esfenomandibular, ligamento anterior do martelo;
Arco 2 forma:
Músculos da expressão facial, ventre posterior do músculo digástrico, músculo estilo-hióideo, músculo estapédio, corno menor do hioide, parte superior do corpo do hioide, processo estiloide, estribo, cartilagem de Reichert, ligamento estilo-hióideo;
Arco 3 forma:
Músculo estilofaríngeo, corno maior do hioide, parte inferior do corpo do hioide, timo e glândula paratireóide inferior.
Arco 4 forma:
Músculo da úvula, músculo levantador do véu palatino, músculo palatofaríngeo, músculos constritores superior, médio e inferior da faringe, músculo salpingofaríngeo, músculo cricotireóideo;
Arco 5 regride
Arco 6 forma:
Músculo vocal tireoaritenóideo, músculos aritenóides lateral, oblíquo, transverso e posterior, músculo ariepiglótico, músculo tireoepiglótico, cartilagens aritenóide, cricoide, cuneiforme e corniculada.
Inervação Arco 1 é inervado pelo nervo trigêmeo (NC V)
Arco 2 é inervado pelo nervo facial (NC VII)
Arco 3 é inervado pelo nervo glossofaríngeo (NC IX)
Arco 4 é inervado pelo nervo vago (NC X)
Arco 6 é inervado pelo nervo vago (NC X)

Desenvolvimento Embriológico

Durante o desenvolvimento embriológico os arcos faríngeos aparecem na quarta semana como uma pilha de arcos com formato da letra “C”, separados por fendas. Eles inicialmente são seis arcos, mas o quinto arco regride antes do desenvolvimento se completar. As bolsas faríngeas são desenvolvidas do endoderma e se abre em direção às fendas faríngeas.

Quatro das cinco protuberâncias da face derivam dos arcos faríngeos. Estas incluem os processos maxilares e mandibulares bilateralmente, e excluem a proeminência frontonasal. A superfície externa é composta de ectoderma, e a superfície interna é revestida por endoderma. No centro os componentes incluem:

  • mesoderma da placa lateral
  • mesoderma paraxial
  • crista neural

O tecido da crista neural é responsável pelo desenvolvimento de componentes esqueléticos, enquanto a musculatura se desenvolve a partir do mesoderma. Um nervo craniano é definido para cada arco individual, e seus ramos migram com os músculos para manter contato com a inervação futura.

Anatomia e Inervação

Agora cada arco será listado em ordem, incluindo detalhes da musculatura derivada do mesoderma, das estruturas esqueléticas que se desenvolvem da crista neural, da cartilagem presente, das estruturas de tecido conectivo e dos nervos definidos para aquele arco em particular.

Arco 1

O arco 1 se desenvolve nos processos maxilares e mandibulares, bilateralmente. Neste arco as células mesodérmicas criam:

Faça uma revisão sobre os músculos da face e da mastigação com os materiais a seguir:

A crista neural contribui para as seguintes estruturas esqueléticas:

  • maxila
  • porção escamosa do osso temporal
  • zigoma (tanto o osso quanto o arco)
  • mandíbula
  • martelo
  • bigorna

As cartilagens incluem a cartilagem de Meckel (se degenera no adulto). Existe tecido conectivo na forma de ligamento esfenomandibular e no ligamento anterior do martelo. O nervo que inerva este arco é o nervo trigêmeo (NC V).

Arco 2

O mesoderma produz:

  • músculos da expressão facial
  • ventre posterior do músculo digástrico
  • músculo estilo-hióideo
  • músculo estapédio

Os ossos da crista neural incluem:

  • corno menor do hioide
  • parte superior do corpo do hioide
  • processo estiloide
  • estribo

A cartilagem de Reichert é a única presente neste arco. O ligamento estilo-hióideo e o tecido conectivo da tonsila constituem as estruturas de tecido conectivo deste arco. Todo o arco é inervado pelo nervo facial (NC VII).

Arco 3

O terceiro arco produz o músculo estilofaríngeo no seu mesoderma. Os ossos que crescem da crista neural são o corno maior do hioide e a parte inferior do corpo do hioide. Não há estruturas cartilaginosas no terceiro arco faríngeo.

Tecido conjuntivo é visto no timo e glândula paratireóide inferior. O nervo glossofaríngeo (NC IX) inerva o terceiro arco faríngeo.

Arco 4

O mesoderma do quarto arco contribui para:

  • músculo da úvula
  • músculo levantador do véu palatino
  • músculo palatofaríngeo
  • músculos constritores superior, médio e inferior da faringe
  • músculo salpingofaríngeo
  • músculo cricotireóideo

Os músculos da faringe e estruturas relacionadas são vários! Faça uma revisão utilizando os nossos testes:

Não há estruturas esqueléticas no quarto arco faríngeo. A cartilagem tireóidea deriva da placa mesodérmica lateral e a outra estrutura cartilaginosas é a epiglote.

O tecido conectivo está situado na paratireóide superior e na glândula tireoide. Estas estruturas são inervadas pelo nervo vago (NC X).

Arco 5

Este arco não é digno de nota, uma vez que ele se forma junto com os outros nos estágios mais iniciais, e em seguida regride quase que imediatamente. Quando visível ele se parece com um pequeno apêndice entre o quarto e o sexto arcos.

Estudar anatomia não é tarefa fácil. Está precisando de uma ajuda? Saiba quais são as principais ferramentas para aprender anatomia, como e onde encontrá-las e facilite seu trabalho!

Arco 6

A musculatura mesodérmica inclui:

  • músculo vocal tireoaritenóideo
  • músculos aritenóides lateral, oblíquo, transverso e posterior
  • músculo ariepiglótico
  • músculo tireoepiglótico

Não há ossos neste arco faríngeo. As cartilagens incluem a aritenóide, a cricoide, a cuneiforme e a corniculada, que são derivadas da placa mesodérmica lateral. Não há tecido conectivo nessa área. Da mesma forma que o quarto arco, este arco é inervado pelo nervo vago (NC X).

Arcos faríngeos - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Com quais você prefere aprender?

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!