Conexão perdida. Por favor atualize a página.
Conectado
Contato Como estudar Entrar Cadastrar
Pronto para aprender?
Selecione a sua ferramenta de estudo favorita

Gânglios nervosos

Videoaula recomendada: Sistema nervoso [25:06]
Órgãos e nervos principais do sistema nervoso.

Gânglios são conjuntos de corpos de neurônios que podem ser encontrados nos ramos somáticos e autonômicos do sistema nervoso periférico (SNP).

Os gânglios podem ser considerados pontos de sinapse entre os neurônios. As informações chegam aos gânglios através dos neurônios pré-sinápticos, excitam os neurônios pós-sinápticos, que por sua vez deixam os gânglios. Os gânglios podem ser amplamente categorizados em dois grupos: gânglios sensoriais (relacionados com o sistema nervoso somático (SNS)) e gânglios autonômicos (relacionados com o sistema nervoso autônomo (SNA)).

Informações importantes sobre os gânglios nervosos
Definição Conjunto de corpos celulares de neurônios localizados no sistema nervoso periférico (SNP)
Tipos Gânglios sensoriais: os gânglios da raiz dorsal dos nervos espinais e os gânglios de alguns nervos cranianos.
Gânglios autonômicos:

- Simpático (próximo à medula espinal)
- Parassimpático (próximo às vísceras)

Este artigo abordará a anatomia e tipos de gânglios nervosos.

Conteúdo
  1. Estrutura e função de um gânglio
  2. Neurônios pré-ganglionares versus neurônios pós-ganglionares
  3. Gânglios sensoriais
    1. Gânglios da raiz dorsal
    2. Gânglios sensoriais dos nervos cranianos
  4. Gânglios autonômicos
    1. Gânglios da cadeia simpática (gânglios paravertebrais)
    2. Gânglios pré-vertebrais (colaterais)
    3. Gânglios parassimpáticos
    4. Gânglios parassimpáticos da cabeça e do pescoço
    5. Gânglios parassimpáticos do resto do corpo
  5. Notas clínicas
    1. Pseudogânglio
    2. Herpes Zoster
  6. Referências
+ Mostrar tudo

Antes de se aprofundar na leitura, que tal se familiarizar com as principais estruturas e o funcionamento do sistema nervoso?

Estrutura e função de um gânglio

Os gânglios têm estrutura oval e contêm corpos de neurônios (somas), células satélites (um tipo de célula glial) e uma camada protetora de tecido conjuntivo. Os gânglios autonômicos e sensoriais são histologicamente semelhantes, entretanto os gânglios autonômicos contêm neurônios multipolares e os gânglios sensoriais geralmente contêm neurônios unipolares ou pseudo-unipolares.

Explore a nossa unidade de estudo para aprender mais sobre todos os tipos de neurônios.

Os gânglios são revestidos por uma cápsula de tecido conjuntivo denso formada por uma única camada de células satélites achatadas em torno dos corpos de cada neurônio. Uma membrana basal cobre a região externa das células satélite.

Neurônios pré-ganglionares versus neurônios pós-ganglionares

Contrariamente ao SNS, as vias no SNA são compostas por dois neurônios. Aqui, o neurônio pré-ganglionar, que se encontra no sistema nervoso central (SNC), precisa formar sinapse com um neurônio pós-ganglionar no SNP.

A partir daí, ele inerva o seu órgão efetor (músculo cardíaco, músculo liso ou glândulas). As fibras que se conectam nos gânglios são chamadas de fibras pré-ganglionares e pós-ganglionares, respectivamente.

Os neurônios do sistema nervoso simpático e do sistema nervoso parassimpático possuem algumas semelhanças, entretanto há diferenças importantes. Entenda:

Neurônios simpáticos

  • Fibras pré-ganglionares curtas e fibras pós-ganglionares longas
  • Fibras pré-ganglionares pouco mielinizadas e fibras pós-ganglionares não mielinizadas (amielínicas)
  • Originam-se no corno lateral da medula espinal, nas regiões torácica e lombar superior (T1 a L2 ou L3)

Suas fibras pré-ganglionares são curtas porque os gânglios da cadeia simpática (gânglios paravertebrais), para os quais as fibras pré-ganglionares simpáticas se deslocam, se encontram muito próximos da sua origem na medula espinal.

Neurônios parassimpáticos:

  • Fibras pré-ganglionares longas e fibras pós-ganglionares muito curtas
  • Fibras pré-ganglionares pouco mielinizadas e fibras pós-ganglionares não mielinizadas (amielínicas)
    Originam-se no corno lateral da medula espinal, na região sacral, e no encéfalo, com fibras que cursam com os nervos cranianos III, VII, IX, e X

As fibras pré-ganglionares parassimpáticas são longas porque os gânglios parassimpáticos, para os quais as fibras pré-ganglionares parassimpáticas se deslocam tendem a ficar próximos ou mesmo dentro dos órgãos que inervam.

Gânglios sensoriais

Os corpos celulares dos neurônios sensoriais somáticos e viscerais encontram-se nos gânglios da raiz dorsal (gânglios espinais) dos nervos espinais e nos gânglios de alguns nervos cranianos. Assim, essas estruturas são conhecidas como gânglios sensoriais.

Vamos dar uma olhada nos diferentes subtipos de gânglios sensoriais.

Gânglios da raiz dorsal

Os gânglios da raiz dorsal são o tipo mais comum de gânglios sensoriais. Fiéis ao seu nome, eles encontram-se na raiz posterior (dorsal) dos nervos espinais, logo após sua emergência nos forames intervertebrais.

Os gânglios da raiz dorsal contêm grupos de corpos celulares de neurônios sensoriais que transmitem mensagens relacionadas com a dor, o toque e a temperatura do SNP para o SNC. As células gliais satélites separam e inibem a interação entre os vários corpos celulares no gânglio. A maioria dos neurônios sensoriais do corpo humano está nestes gânglios.

Gânglios sensoriais dos nervos cranianos

Outro tipo de gânglio sensorial são os encontrados nos nervos cranianos. Esses são gânglios que possuem funções sensoriais especiais, e são semelhantes aos gânglios da raiz dorsal, mas estão associados aos nervos cranianos, e não aos nervos espinais.

1. Gânglio trigeminal (de Gasser)

​​Este é um gânglio semilunar que contém os corpos celulares das fibras sensoriais que fornecem inervação para a maior parte da face. O gânglio encontra-se na superfície anterior da parte petrosa do osso temporal, em uma bolsa dural conhecida como cavo trigeminal (ou cavo de Meckel). O gânglio trigeminal é o maior dos gânglios dos nervos cranianos.

2. Gânglio geniculado

O gânglio geniculado é o gânglio sensorial do nervo facial (NC VII), e encontra-se no terço anterior do joelho deste nervo. Ele contém os corpos celulares das fibras sensoriais que transmitem a sensação do paladar dos dois terços anteriores da língua. Além disso, contém os corpos celulares das fibras que recebem as informações sensoriais da cavidade nasal, de parte do palato mole, dos seios paranasais, do pavilhão auricular e do meato acústico externo (orelha externa).

3. Gânglio coclear (gânglio espiral)

O gânglio coclear, também conhecido como gânglio espiral, é o gânglio sensorial do ramo coclear do nervo vestibulococlear (NC VIII). Ele encontra-se no modíolo da cóclea e contém os corpos celulares dos neurônios de primeira ordem da via acústica. Os dendritos (extensões periféricas) desses neurônios recebem os estímulos dos receptores do órgão espiral (ou órgão de Corti), enquanto os seus axônios (extensões centrais) formam a parte coclear do nervo vestibulococlear.

4. Gânglio vestibular

O gânglio vestibular, também conhecido como gânglio de Scarpa, é o gânglio sensorial do ramo vestibular do nervo vestibulococlear (NC VIII). Ele localiza-se no fundo do meato acústico interno, e contém os neurônios sensoriais bipolares primários da via vestibular.

5. Gânglios superior e inferior do nervo vago

O nervo vago possui dois gânglios, ambos inferiores ao forame jugular: o gânglio jugular (ou superior) e o gânglio nodoso (ou inferior). No gânglio superior encontram-se os corpos celulares dos neurônios sensoriais pseudounipolares de primeira ordem. Esses neurônios recebem informações aferentes da dura-máter da posterior do crânio, do meato acústico e do pavilhão auricular.

No gânglio inferior (ou nodoso), há corpos celulares de neurônios que transmitem informações sensoriais gerais da mucosa da laringe, da faringe e do palato mole.

6. Gânglios glossofaríngeos

Tal como o nervo vago, o nervo glossofaríngeo (NC IX) também possui dois gânglios. O gânglio superior contém corpos celulares de neurônios que inervam a orelha média e a superfície interna da membrana timpânica.

O gânglio inferior tem os corpos celulares dos neurônios que inervam a mucosa do terço posterior da língua, a parede adjacente da faringe, a tuba auditiva e a cavidade timpânica.

Avalie seus conhecimentos sobre o sistema nervoso periférico com o teste a seguir:

Gânglios autonômicos

Há dois tipos de gânglios autonômicos: os simpáticos e os parassimpáticos, com base em suas funções. Os primeiros tendem a se localizar próximos à medula espinal, enquanto os últimos ficam perto ou dentro dos órgãos periféricos que inervam.

Resumindo, os gânglios autonômicos podem ser divididos em três grupos:

  • Gânglios da cadeia simpática (paravertebrais)
  • Gânglios pré-vertebrais (colaterais)
    Gânglios parassimpáticos ou terminais

Na seção seguinte exploraremos cada um desses grupos.

Pronto para aprofundar os seus conhecimentos sobre o sistema nervoso autônomo e testar a sua compreensão? Não precisa procurar mais, na unidade de estudo abaixo você encontrará vídeos, testes e ilustrações sobre esse tema.

Gânglios da cadeia simpática (gânglios paravertebrais)

Os gânglios da cadeia simpática, também chamados de gânglios paravertebrais, são os gânglios autonômicos do sistema nervoso simpático. Eles consistem em duas cadeias paralelas de gânglios, encontradas ventral e lateralmente à medula espinal. Os gânglios estendem-se desde a parte superior do pescoço até ao cóccix, onde as duas cadeias se fundem para formar um único gânglio, chamado de gânglio ímpar.

Há 23 pares de gânglios: 3 na região cervical (que se fundem para criar os gânglios cervicais superior, médio e inferior), 12 na região torácica, 4 na região lombar, 4 na região sacral e um único gânglio ímpar, mencionado anteriormente.

Os gânglios da cadeia simpática recebem informações do corno lateral da medula espinal torácica e lombar superior, e estão envolvidos na transmissão de informações relacionadas ao stress e ao perigo.

Gânglios pré-vertebrais (colaterais)

Os gânglios pré-vertebrais (também conhecidos como gânglios pré-aórticos ou gânglios colaterais) ficam entre os gânglios da cadeia simpática e os órgãos-alvo.

Eles também têm funções simpáticas, mas não fazem parte da cadeia simpática. Eles estão na proximidade dos nervos esplâncnicos, que seguem os principais ramos aórticos para inervar todos os órgãos das cavidades abdominal e pélvica (com exceção da glândula adrenal).

Gânglios parassimpáticos

Os gânglios parassimpáticos são os gânglios autonômicos do sistema nervoso parassimpático.

Esses gânglios podem ser encontrados tanto na cabeça e no pescoço (onde fazem parte dos nervos cranianos) como no tronco, perto dos órgãos torácicos e abdomino-pélvicos.

Os seus neurônios pré-ganglionares localizam-se nos núcleos cranianos do tronco encefálico e no corno lateral da medula espinal sacral. O sistema nervoso parassimpático é, portanto, conhecido como divisão craniossacral do sistema nervoso autônomo. Em seguida, examinaremos cada segmento individualmente.

Gânglios parassimpáticos da cabeça e do pescoço

Na cabeça e no pescoço, há quatro gânglios parassimpáticos: ciliar, pterigopalatino, ótico e submandibular. Esses gânglios estão relacionados aos seguintes nervos:

Na cabeça e no pescoço, há quatro gânglios parassimpáticos: ciliar, pterigopalatino, ótico e submandibular. Esses gânglios estão relacionados aos seguintes nervos:

1. Nervo oculomotor (NC III)
Os neurônios do núcleo de Edwinger-Westphal formam sinapses no gânglio ciliar da órbita, e seguem para inervar o músculo esfíncter da pupila e os músculos do corpo ciliar, que realizam, respectivamente, a constrição das pupilas e a acomodação do cristalino do olho quando focamos a visão em objetos próximos.

2. Nervo facial (NC VII)
Os neurônios dos núcleos lacrimal e salivatório superior do tronco encefálico enviam fibras para o gânglio pterigopalatino e para o gânglio submandibular. As fibras pós-ganglionares continuam para inervar a glândula lacrimal e as glândulas da mucosa nasal, levando à produção de lágrimas e muco, respetivamente.

3. Nervo glossofaríngeo (NC IX)
Os neurônios do núcleo salivatório inferior do tronco encefálico fazem sinapse no gânglio ótico. As fibras pós-ganglionares continuam para inervar a glândula parótida e as glândulas salivares menores, levando à produção de saliva.

Gânglios parassimpáticos do resto do corpo

Nesta categoria, temos dois grupos distintos:

  • Os gânglios anexos aos brônquios (que promovem broncoconstrição), ao pâncreas (que estimulam a libertação das enzimas e do suco pancreático), e os plexos submucoso de Meissner e mioentérico de Auerbach ao longo do trato gastrointestinal (que estimulam a digestão e relaxam os esfíncteres) recebem inervação do nervo vago.
  • Os gânglios que fornecem inervação parassimpática às vísceras pélvicas (próstata, bexiga urinária, pênis, vesículas seminais, útero, vagina e clitóris), devido à sua posição próxima ou dentro dos órgãos que inervam, são conhecidos como gânglios terminais ou intramurais.

Nervo vago (NC X)

Os neurônios parassimpáticos pré-ganglionares originam-se no núcleo ambíguo e no núcleo motor dorsal do tronco encefálico. As fibras do núcleo ambíguo formam sinapses nos gânglios cardíacos, inervando o nó sinoatrial e reduzindo a frequência cardíaca.

As fibras que viajam do núcleo motor dorsal formam sinapses nos gânglios que circundam os brônquios (provocando broncoconstrição), no pâncreas (estimulando a liberação de enzimas pancreáticas e de suco pancreático) e nos plexos submucoso de Meissner e mioentérico de Auerbach ao longo do trato gastrointestinal (estimulando a digestão e relaxando os esfíncteres).

Gânglios nervosos - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Com quais você prefere aprender?

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais.

Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver
© Exceto expresso o contrário, todo o conteúdo, incluindo ilustrações, são propriedade exclusiva da Kenhub GmbH, e são protegidas por leis alemãs e internacionais de direitos autorais. Todos os direitos reservados.

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!