EN | DE | PT Contato Como estudar Entrar Cadastrar

Estrutura e meninges da medula espinhal - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Cadastre-se para ter uma conta gratuita no Kenhub hoje e se junte a mais de 1.234.089 alunos de anatomia de sucesso.

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

Estrutura e meninges da medula espinhal

A medula espinal, em conjunto com o cérebro, forma o sistema nervoso central (SNC). A medula espinhal em si estende-se desde o forame (buraco) magno até à primeira ou segunda vértebras lombares, estando fechada dentro da coluna vertebral. Também é cercada por camadas de meninges e tem um canal central contendo líquido cefalorraquidiano.

Uma seção transversal, da medula espinhal tem a forma característica de uma borboleta, com a substância branca organizada em tratos na periferia e a substância cinzenta no centro, ao redor do canal central. Durante o desenvolvimento embriológico, a medula espinhal surge do tubo neural.

Fatos importantes
Limites Superior: forame (buraco) magno
Inferior: L2
Estrutura interna

Substância cinzenta - camada interna; em forma de borboleta onde os cornos ventrais contêm corpos de neurónios motores e os cornos dorsais contêm corpos de neurónios sensoriais
Substância branca - camada externa; contém axónios mielinizados; dividido em colunas anterior, medial e posterior
Canal central - contém líquido cefalorraquidiano

Superfície externa

Superfície anterior: fissura mediana anterior
Superfície posterior: fissura mediana posterior
Superfícies anterolaterais: sulcos ântero-laterais (através dos quais as raízes motoras anteriores saem da medula espinhal)
Superfícies póstero-laterais: sulcos póstero-laterais (através dos quais as raízes sensoriais posteriores penetram na medula espinhal)

Segmentos

8 cervicais -> formam 8 pares de nervos cervicais
12 torácicos-> formam 12 pares de nervos torácicos
5 lombares -> formar 5 pares de nervos lombares
5 sagrados -> formam 5 pares de nervos sagrados

1 segmento coccígeo

Estruturas adjacentes Meninges - envolvem a medula espinhal e protegem-na - pia-máter (mais interna), aracnóide (média), dura-máter (mais externa)
Espaços meníngeos - espaço subaracnóideu preenchido com líquido cefalorraquidiano (entre a pia-máter e a aracnóide), espaço epidural (entre a dura-máter e o canal vertebral)

Neste artigo, nós vamos falar dos limites, das meninges, da estrutura e das características da anatomia da medula espinal. No final, iremos incluir uma pequena síntese com os pontos chave abordados neste artigo.

Limites

A medula espinhal possui 40 a 45 cm de extensão, pesa 30 gramas e estende-se desde o forame (buraco) magno até ao nível da primeira ou segunda vértebra lombar, estando seguramente envolta pela coluna vertebral. Ela então se afila tornando-se no chamado cone medular

Aprenda mais sobre a anatomia da medula espinhal com a videoaula e o teste em baixo!

Meninges

A medula espinhal é cercada por meninges: a camada mais interna é a pia-máter, a qual adere intimamente à superfície da medula espinhal. Ela é seguida pelo espaço subaracnóideo (subaracnoideu), preenchido com líquido cefalorraquidiano, LCR, (fluido cerebrospinal ou líquor), pela aracnóide e pela dura-máter. O espaço subaracnóideo da medula espinhal é contínuo com o mesmo espaço do cérebro. É por isso que o líquido cefalorraquidiano circula constantemente pelo espaço subaracnóideo tanto do cérebro como da medula espinhal.

Entre a dura-máter e o canal vertebral (canal medular) está o espaço epidural (ou peridural), cujo nome pode parecer familiar, pois é o local de aplicação da anestesia epidural durante o parto.

Regiões 

A medula espinhal pode ser subdividida em cinco regiões:

  • cervical
  • torácica
  • lombar
  • sacral (sagrada)
  • coccígea

Duas intumescências fusiformes são localizadas entre os segmentos C4-T1 (intumescência cervical) e L1-S3 (intumescência lombossacral ou lombar). Tais áreas são alargadas devido ao número aumentado de neurônios (neurónios) contribuindo para a inervação dos membros.

Videoaula recomendada: Meninges da medula espinhal e raízes dos nervos
Secção da medula espinhal onde se observa as meninges da medula e as raízes dos nervos.

Estrutura e características anatómicas

Externa

Um sulco profundo (fissura mediana anterior) corre na face ventral da medula espinhal. Sua correspondente dorsal é o relativamente plano sulco mediano posterior. Lateralmente de cada lado da fissura mediana anterior os sulcos anterolaterais marcam a saída das raízes anteriores. As raízes posteriores entram na medula espinhal através dos sulcos posterolaterais na face dorsal. Os gânglios espinhais, que contém o pericário (corpos celulares) de cada neurônio (neurónio) sensitivo estão localizados dentro das raízes posteriores. 

Em cada segmento as raízes anterior e posterior se unem e formam um nervo espinhal, que então deixa a medula espinhal através de seu respectivo forame (buraco) intervertebral. Em conjunto 31 a 33 pares de nervos espinhais emergem da medula espinhal (8 cervicais, 12 torácicos, 5 lombares, 5 sacrais (sagrados) e 1 a 3 coccígeos). Os nervos espinhais possuem somente cerca de 1 cm antes de se ramificarem nos vários nervos periféricos.

Durante o desenvolvimento embriológico a coluna vertebral cresce mais do que a medula espinhal. Portanto as raízes neurais caudais precisam viajar uma distância maior até atingirem seus respectivos forames (buracos) vertebrais comparadas às raízes craniais. Essas raízes neurais descendentes da medula espinhal são chamadas de cauda equina.

Cauda equina (verde) - vista posterior

Interna

A medula espinhal consiste de substância cinzenta e substância branca. A substância cinzenta em formato de borboleta encontra-se centralmente e contém os corpos celulares dos neurônios (neurónios). Ela é cercada pela substância branca, que contém principalmente fibras nervosas. Como os axônios são mielinizados a substância branca parece mais brilhante que a substância cinzenta.

O canal central contendo líquido cefalorraquidiano (fluído cerebrospinal ou líquor) corre no centro da medula espinhal, cercado pela substância cinzenta. A porção ventral da “asa de borboleta” representa o corno anterior com os neurônios (neurónios) motores. As fibras nervosas aferentes das raízes posteriores entram na porção dorsal da “asa de borboleta”, conhecida como corno posterior. Entre os cornos anterior e posterior encontra-se a coluna coluna intermédio–lateral, de onde os neurônios (neurónios) simpáticos emergem do corno lateral (somente nos segmentos C8-L3).

A substância branca compreende tratos ascendentes e descendentes da medula espinhal. Assim a medula espinhal possui um papel essencial na mediação da informação entre o cérebro e a periferia. Além disso a troca de informação também ocorre entre os diferentes segmentos da medula espinhal. Em ambas as metades da medula espinhal a substância branca é grosseiramente dividida em três colunas: funículos anterior, lateral e posterior. 

  • A coluna dorsal contém ambos os fascículos grácil e cuneiforme, que são responsáveis pela sensibilidade epicrítica. 
  • As colunas ventral e lateral compreendem os tratos espinotalâmicos anterior e lateral para a sensibilidade protopática e os tratos córtico-espinhais anterior e lateral (trato piramidal) para os neurônios (neurónios) motores que controlam as funções motoras. 
  • Adicionalmente os tratos espinocerebelares anterior e posterior correm pela coluna lateral para o cerebelo e mediam a informação proprioceptiva.

Aprenda mais sobre a estrutura da medula espinhal com a videoaula, o artigo e o teste em baixo.

Destaques

  • A medula espinhal vai desde o forame (buraco) magno até ao nível da primeira ou segunda vértebra lombar, estando seguramente envolta pela coluna vertebral. No final, ela afunila-se no cone medular.
  • A medula espinal é coberta por três meninges: pia-máter, aracnóide e dura-máter.
  • Há cinco regiões no total formando a seguinte estrutura: cervical, torácica, lombar, sagrada e coccígea.
  • Externamente, a medula espinhal contém uma fissura mediana anterior, juntamente com dois sulcos ântero-laterais em seu lado ventral e um correspondente sulco mediano posterior e sulcos póstero-laterais em seu lado dorsal. Raízes anteriores e posteriores saem e entram, respectivamente, na medula espinhal através desses sulcos.
  • Internamente, a medula espinhal contém uma cavidade preenchida por líquido cefalorraquidiano, conhecida como canal central. Em torno desse canal, a substância cinzenta é dividida em cornos anteriores, laterais e posteriores que contêm pericários dos neurónios. Em torno da substância cinzenta está a substância branca, que é dividida em funículos anteriores, laterais e posteriores que contêm fibras nervosas organizadas em tratos ascendentes e descendentes.

Estrutura e meninges da medula espinhal - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Cadastre-se para ter uma conta gratuita no Kenhub hoje e se junte a mais de 1.234.089 alunos de anatomia de sucesso.

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

Mostrar referências

Referências:

  • Benninghoff/Drenckhahn: Anatomie, Band 2, 16. Auflage (2004)
  • Kahle: Taschenatlas der Anatomie, Band 3, 9. Auflage (2005)
  • Martin: Concise Medical Dictionary, 8th edition (2010)

Autor & Layout:

  • Christopher A. Becker
  • Achudhan Karunaharamoorthy

Ilustrações:

  • Medula espinhal no corpo humano - vista anterior - Begoña Rodriguez
  • Medula espinhal - vista lateral esquerda - Irina Münstermann
  • Medula espinhal - vista posterior - Rebecca Betts
  • Medula espinhal - perspetiva axial - Paul Kim
  • Medula espinhal - perspetiva axial - Rebecca Betts
  • Cone medular - vista posterior - Rebecca Betts
  • Pia-máter da medula espinhal - perspetiva axial - Rebecca Betts
  • Espaço subaracnóide - perspetiva axial - Rebecca Betts
  • Aracnóide da medula espinhal - perspetiva axial - Rebecca Betts
  • Dura máter da medula espinhal - perspetiva axial - Rebecca Betts
  • Espaço epidural - perspetiva axial - Rebecca Betts
  • Cauda equina - vista posterior - Rebecca Betts
  • Corno posterior da medula espinhal - vista anterior - Rebecca Betts
  • Substância cinzenta - vista anterior - Rebecca Betts
  • Corno anterior da medula espinhal - vista anterior - Rebecca Betts
  • Canal central da medula espinhal - perspetiva axial - Paul Kim
  • Substância branca - vista anterior - Rebecca Betts
  • Funículo anterior da medula espinhal - perspetiva axial - Paul Kim
  • Funículo lateral da medula espinhal - perspetiva axial - Paul Kim
  • Trato do leminsco medial - perspetiva axial - Paul Kim
  • Trato espinotalâmico e trato espinorreticular - perspetiva axial - Paul Kim
  • Tracto espinocerebelar dorsal - perspetiva axial - Paul Kim
  • Trato espinocerebelar anterior - perspetiva axial - Paul Kim

Tradução para português:

  • Rafael Lourenço do Carmo
  • Catarina Chaves
  • Beatriz la Féria
© Exceto expresso o contrário, todo o conteúdo, incluindo ilustrações, são propriedade exclusiva da Kenhub GmbH, e são protegidas por leis alemãs e internacionais de direitos autorais. Todos os direitos reservados.

Desenhos e imagens relacionados

Continue a sua aprendizagem

Leia mais artigos

Mostre mais 2 artigos

Assista videoaulas

Faça teste

Navegue pelo atlas

Muito bem!

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!