EN | DE | PT Contato Como estudar Entrar Cadastrar

Músculo piriforme - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Com quais você prefere aprender?

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

Músculo piriforme

O piriforme é um músculo da região glútea que se situa profundamente ao glúteo máximo. O piriforme pertence a um grupo de seis rotadores externos curtos do quadril (anca), juntamente com o gêmeo superior, o obturador interno, o gêmeo inferior, o quadrado femoral e o obturador externo. Inserindo-se no sacro em uma extremidade e no trocânter maior na outra, esse músculo é responsável por estabilizar a articulação do quadril (anca) e movimentar a coxa em várias direções.

Fatos importantes sobre o músculo piriforme
Origem Superfície anterior do sacro (entre S2 e S4), superfície glútea do ílio (próximo à espinha ilíaca posteroinferior), (ligamento sacrotuberal)
Inserção (Ápice do) Trocânter maior do fêmur
Inervação Nervo para o piriforme (S1-S2)
Função Articulação do quadril (anca): rotação externa da coxa, abdução da coxa (a partir de um quadril fletido); estabiliza a cabeça do fêmur no acetábulo
Menomônico

Estruturas que passam através do forame (buraco) isquiático maior, inferiormente ao músculo piriforme: “Cada Galho Que Parte Padece Onde Cai”
(representa: nervo Cutâneo posterior da coxa, vasos e nervos Glúteos inferiores, nervo para Quadrado femoral, nervo Pudendo, vasos Pudendos internos, nervo para Obturador interno, nervo Ciático)

Neste artigo vamos discutir a anatomia do músculo piriforme, assim como seu suprimento nervoso e vascular e sua função. Além disso, vamos discutir a relevância clínica do músculo.

Localização, origem e inserção

É um músculo plano em forma de pirâmide que se origina da superfície anterior do sacro, entre o forame (buraco) sacral. Passa lateralmente para sair da pelve através do forame (buraco) isquiático maior, geralmente se fixando à superfície glútea do ílio, próximo à espinha ilíaca posteroinferior. Insere-se no ápice do trocânter maior, posterossuperiormente ao local de inserção do tendão conjunto dos músculos gêmeo superior, obturador interno e gêmeo inferior.

O músculo divide o forame (buraco) isquiático maior em dois forames (buraco) menores (suprapiriforme e infrapiriforme). A artéria e o nervo glúteos superiores (L4-S1) deixam a pelve através do forame (buraco) suprapiriforme. O nervo ciático, o nervo glúteo inferior (L5-S2), a artéria glútea inferior, o nervo cutâneo femoral posterior (S1-S3) e o nervo para o quadrado femoral (L4-S1) deixam a pelve através do forame (buraco) infrapiriforme. O nervo pudendo (S2-4) também deixa a pelve através do forame (buraco) infrapiriforme, circunda o ligamento sacroespinhal e volta a entrar na pelve pelo forame (buraco) isquiático menor. Após reentrar na pelve, a artéria e a veia pudendas internas se juntam a ele. O glúteo médio e o glúteo mínimo são rotadores mediais e, portanto, opõem-se à ação dos rotadores laterais.

As estruturas que deixam a pelve através do forame (buraco) infrapiriforme podem ser facilmente lembradas com o seguinte mnemônico:

“Cada Galho Que Parte Padece Onde Cai"

  • Cutâneo posterior da coxa (nervo)
  • Glúteos inferiores (vasos e nervos)
  • Quadrado femoral (nervo para)
  • Pudendo (nervo)
  • Pudendos internos (vasos)
  • Obturador interno (nervo para)
  • Ciático (nervo)

Função

Juntamente com os outros músculos posteriores do quadril, o piriforme estabiliza a articulação do quadril, estabilizando a cabeça do fêmur dentro do acetábulo do osso do quadril. Contribui também para a retroversão e para a rotação externa da articulação do quadril, além de realizar abdução da coxa quando a mesma se encontra na posição fletida.

Inervação

A inervação do músculo piriforme vem do nervo para o piriforme, formado a partir dos ramos anteriores dos nervos espinhais S1 e S2.

Nervo para o músculo piriforme - vista anterior

Irrigação sanguínea

A vascularização do músculo piriforme provém das artérias glútea inferior, glútea superior e pudenda interna, todas ramos da artéria ilíaca interna.

Notas clínicas

Sindrome do piriforme

Esta é uma síndrome que ocorre quando o músculo piriforme comprime ou irrita o nervo ciático, causando a ciatalgia. É mais provável que essa condição ocorra em indivíduos com variações anatômicas do nervo ciático e do piriforme. Uma outra causa de ciatalgia é uma hérnia de disco entre L5 e S1. Ela pode ser diagnosticada por uma ressonância magnética e tratada com cirurgia. Os sintomas da síndrome do piriforme incluem:

  • Dor nas nádegas
  • Sensibilidade sobre a incisura isquiática maior
  • Piora da dor na posição sentada ou durante movimentos que aumentam a tensão do músculo piriforme (flexão/adução/rotação interna do quadril - teste de FAIR)

Variação anatômica

Há variação na localização exata da inserção do piriforme no trocânter maior do fêmur. A relação entre o piriforme e o nervo ciático também pode variar. Na grande maioria dos indivíduos, o nervo ciático deixa a pelve através do forame (buraco) ciático maior, abaixo do piriforme, e se divide em nervo tibial e nervo fibular (peroneal) comum distalmente ao piriforme. Em algumas pessoas, entretanto, o nervo se divide proximalmente.

Outros exemplos de variações incluem um nervo ciático bífido passando inferiormente a um piriforme hipertrofiado, um nervo fibular (peronial) comum passando entre os dois ventres de um piriforme bífido, ou um nervo tibial passando inferiormente ao piriforme. Tanto o nervo tibial quanto o nervo fibular comum também podem passar através ou superiormente ao piriforme.

Artroplastia total de quadril

Na artroplastia total de quadril minimamente invasiva, por exemplo numa abordagem direta anterior, a articulação do quadril é abordada cirurgicamente de maneira a minimizar a dissecção dos tecidos moles. Este método melhora a estabilidade pós-operatória da articulação e reduz o risco de luxação. No entanto, durante o descolamento da cápsula articular, os rotadores externos curtos do quadril, incluindo o piriforme, correm risco de sofrer lesão.
 

Músculo piriforme - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Com quais você prefere aprender?

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

Mostrar referências

Referências:

  • Frank H.Netter MD: Atlas of Human Anatomy, 5ª Edição, Elsevier Saunders.
  • Chummy S.Sinnatamby: Last’s Anatomy Regional and Applied, 12ª Edição, Churchill Livingstone Elsevier.
  • Richard L. Drake, A. Wayne Vogl, Adam. W.M. Mitchell: Gray’s Anatomy for Students, 2ª Edição, Churchill Livingstone Elsevier.
  • Jeremy J. MD: Piriformis. Radiopaedia.org (acesso 15/02/2016).
  • Dissector Answers - Pelvic Neurovasculature. The University of Michigan (acesso 15/02/2016).
  • Swenson R. DC, MD, PhD: The gluteal region. O'Rahilly 2008 (acesso 15/02/2016).

Ilustrações:

  • Nervo para o músculo piriforme - vista anterior - Begoña Rodriguez

Autor e revisão:

  • Shahab Shahid
  • Jerome Goffin

Tradução para o português:

  • Rafaela Ervilha Linhares
  • Beatriz la Féria
© Exceto expresso o contrário, todo o conteúdo, incluindo ilustrações, são propriedade exclusiva da Kenhub GmbH, e são protegidas por leis alemãs e internacionais de direitos autorais. Todos os direitos reservados.

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!