EN | DE | PT Contato Como estudar Entrar Cadastrar

Sistema endócrino - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Cadastre-se para ter uma conta gratuita no Kenhub hoje e se junte a mais de 1.107.292 alunos de anatomia de sucesso.

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

Sistema endócrino

O sistema endócrino é um conjunto de glândulas. Estas glândulas secretam variadas hormonas, que viajam para órgãos alvo específicos através da corrente sanguínea.

As hormonas têm funções específicas, como regular o crescimento, o metabolismo, a temperatura e o desenvolvimento reprodutivo.

Tal como o sistema nervoso, o sistema endócrino age como uma via de sinalização, embora as hormonas sejam de ação mais lenta do que os impulsos nervosos.

Os sinais endócrinos podem durar de algumas horas a algumas semanas. O principal centro de controle das glândulas do sistema endócrino é o hipotálamo, no cérebro. O campo da medicina relacionado com o sistema endócrino é conhecido como endocrinologia.

Este artigo irá discutir todos os aspetos anatômicos e funcionais importantes do sistema endócrino.

Fatos Importantes
Hipotálamo Limites: anteriormente - comissura anterior, lâmina terminal; póstero-inferiormente - substância perfurada posterior; inferiormente - haste infundibular; superiormente - sulco hipotalâmico e base do terceiro ventrículo
Estrutura: região quiasmática, região tuberal, corpos mamilares
Função: produz hormonas libertadoras e inibidoras que afetam a hipófise
Hormonas: antidiurética (ADH), libertadora de corticotrofinas (CRH), libertadora de gonadotrofinas (GnRH), libertadora e inibidora da hormona do crescimento (GHRH e GHIH), oxitocina, libertadora e inibidora de prolactina (PRH e PIH), libertadora de tirotrofina (TRH)
Hipófise Localização: fossa hipofisária, ligada ao hipotálamo pelo infundíbulo
Estrutura: adeno-hipófise, neuro-hipófise
Função: produz hormonas estimulantes que afetam as glândulas endócrinas do corpo
Hormonas da adeno-hipófise: hormona do crescimento (hGH), estimulante da tireoide (TSH), estimulante folicular (FSH), luteinizante (LH), prolactina (PRL), adenocorticotrófica (ACTH), estimulante melanocítica (MSH)
Hormonas da neuro-hipófise: oxitocina, hormona antidiurética (ADH)
Glândula Pineal Localização: entre os colículos superiores
Função: regula o ciclo do sono
Hormona: melatonina
Glândula Tireoide Localização: face anterior do pescoço, ao nível de C5-T1
Estrutura: lobo esquerdo, lobo direito, istmo (liga os lobos)
Função: regula o metabolismo (aumentando-o)
Hormonas: tiroxina (T4), tri-iodotironina (T3), calcitonina
Glândulas Paratireoides Localização: posteriormente aos lobos da glândula tireoide
Função: regula os níveis sanguíneos de cálcio (aumentando-o)
Hormona: hormona paratireoide (PTH)
Pâncreas endócrino e mucosa gástrica Localização: Ilhéus de Langerhans do tecido pancreático, mucosa gástrica
Função: regula os níveis sanguíneos de glicose, regula a digestão
Hormonas: insulina, glucagon (glicagina), gastrina, secretina, grelina, motilina, colecistocinina, polipeptídeo inibitório gástrico
Glândulas Suprarrenais (ou adrenais) Localização: polo superior dos rins
Estrutura: córtex suprarrenal (secreta glicocorticoides e mineralocorticoides), medula suprarrenal (secreta aminas biogênicas)
Função: regula a pressão arterial, equilíbrio eletrolítico, resposta de estresse 
Hormonas: glicocorticoides - cortisol, corticosterona; mineralocorticoide - aldosterona; aminas biogênicas - adrenalina, noradrenalina, dopamina
Gónadas Função: regula o desenvolvimento, comportamento e características sexuaos; regula a gametogênese
Hormonas dos testículos: testosterona
Hormonas dos ovários: estrogênio, progesterona
Clínica Hiperfunção, hipofunção, adenoma, carcinoma

Glândulas do Sistema Endócrino

As glândulas endócrinas tendem a ser vasculares e não possuem ductos. Os ductos são encontrados em glândulas exócrinas, que produzem sinais hormonais para fora do corpo. As hormonas das glândulas endócrinas são armazenadas em vacúolos ou grânulos, prontas para serem libertadas. As glândulas endócrinas podem ser encontradas em todo o corpo e têm uma variedade de papéis diferentes.

As principais glândulas endócrinas e órgãos estão listados abaixo:

  • Hipotálamo
  • Glândula pineal
  • Glândula pituitária (hipófise)
  • Glândula tireoide
  • Glândula paratireoide
  • Ovários
  • Testículos
  • Pâncreas
  • Glândulas suprarrenais
  • Trato gastrointestinal
Videoaula recomendada: Sistema endócrino
Órgãos principais do sistema endócrino.

Hipotálamo

Limites

O hipotálamo é uma estrutura do tamanho de uma amêndoa no sistema límbico do cérebro, e é o centro de controle do sistema endócrino. Os seus limites são os seguintes:

  • Anteriormente: comissura anterior, lâmina terminal e quiasma óptico
  • Póstero-inferiormente: substância perfurada posterior
  • Inferiormente: haste infundibular
  • Superiormente: sulco hipotalâmico e base do terceiro ventrículo

Estrutura

No sentido ântero-posterior, o hipotálamo pode ser dividido em três regiões: quiasmática, tuberal e região dos corpos mamilares. A região quiasmática situa-se imediatamente superiormente ao quiasma óptico (daí seu nome) e está relacionada com o ritmo circadiano e as variações da secreção endócrina ao longo do dia. A zona tuberal contém o tubérculo cinéreo. Essa massa de substância cinzenta está localizada entre os corpos mamilares e o quiasma óptico.

O infundíbulo projeta-se a partir do tubérculo cinéreo, tornando-se contínuo com o lobo posterior da hipófise. Uma estrutura chamada de eminência mediana está separada da base do infundíbulo por um sulco tuberoinfundibular. Por fim, existe a região dos corpos mamilares, que são estruturas hemisféricas do tamanho de uma ervilha situadas anteriormente à substância perfurada posterior. O seu papel é controlar a memória e a expressão emocional.

No sentido látero-medial, o hipotálamo pode ser dividido novamente em três zonas: periventricular, intermédia e lateral. As regiões e zonas contêm e delimitam vários núcleos hipotalâmicos, sendo cada um responsável por funções particulares. 

Função

O hipotálamo controla o sistema endócrino através de várias vias. Estas incluem projeções diretas para a hipófise posterior (neuro-hipófise) e controle indireto sobre a hipófise anterior (adeno-hipófise) através de projeções para a eminência mediana e através do sistema nervoso autônomo. O hipotálamo tem este papel produzindo hormonas libertadoras ou inibidoras, conhecidos como neuro-hormonas. A libertação de hormonas estimula a produção de hormonas na hipófise, enquanto a inibição das hormonas a inibe.

As neuro-hormonas produzidas pelo hipotálamo para manipular a produção de hormonas pela hipófise são:

  • Hormona antidiurética (ADH) ou vasopressina: aumenta a absorção de água nos rins.
  • Hormona libertadora de corticotrofinas (CRH): estimula a libertação de corticosteroides pelas glândulas suprarrenais, regulando o metabolismo e a resposta imunológica.
  • Hormona libertadora de gonadotrofinas (GnRH): A GnRH estimula a produção da hormona folículo estimulante (FSH) e da hormona luteinizante (LH), que, em conjunto, mantêm o funcionamento dos ovários e testículos.
  • Hormona libertadora da hormona de crescimento (GHRH) e hormona inibidora da hormônio do crescimento (GHIH): A GHRH estimula a libertação da hormona de crescimento (GH), enquanto a GHIH tem o efeito oposto. Em crianças, a GH é essencial para manter uma composição corporal saudável. Em adultos, assegura ossos saudáveis ​​e massa muscular e está envolvido na distribuição de gordura.
  • Oxitocina: está envolvida na libertação do leite materno, orgasmo e contração muscular lisa. Também regula a temperatura corporal ajudando a redistribuir o calor, e regula os ciclos de sono, já que se acredita que níveis crescentes de oxitocina ajudem a induzir o sono.
  • Hormona libertadora de prolactina (PRH) e hormona inibidora de prolactina (PIH): A PRH estimula a produção de leite materno, e a PIH inibe-a. Isto também pode ser visto em homens, embora seja um sinal de problemas de saúde significativos.
  • Hormona libertadora de tirotrofina (TRH): A TRH desencadeia a libertação da hormona estimulante da tireoide (TSH), causando a libertação de hormonas tireoideas que regulam o metabolismo, energia, crescimento e desenvolvimento.

Hipófise

Localização

A hipófise, também conhecida como glândula pituitária,  é uma estrutura ovoide, do tamanho de uma ervilha, fixa através do infundíbulo ao tubérculo cinéreo do hipotálamo. Está localizada dentro da fossa hipofisária (sela túrcica) do osso esfenóide. O diafragma da sela de dura-máter apenas envolve parcialmente a glândula dentro da fossa, porque contém uma abertura para o infundíbulo. Um seio venoso separa a glândula do pavimento da fossa.

Estrutura

A hipófise pode ser dividida duas partes principais: neuro-hipófise e adeno-hipófise. A neuro-hipófise é um crescimento real do diencéfalo diretamente ligado ao hipotálamo. Ambas as partes incluem o infundíbulo. A neuro-hipófise incorpora o tronco do infundíbulo, que é uma continuação da eminência mediana do tubérculo cinéreo. Também contém o lobo posterior (neural). A adeno-hipófise pode ser separada na parte intermédia (a fronteira entre os dois lobos hipofisários) e na parte anterior (lobo anterior), ambos fazendo parte da adeno-hipófise. A adeno-hipófise contém ainda a parte tuberal, uma bainha vascularizada em torno do tronco do infundíbulo.

A principal via neurossecretora através da neuro-hipófise tem origem nos núcleos supra-óptico e paraventricular do hipotálamo, e termina perto dos sinusoides do lobo posterior. Como resultado disso, as hormonas são libertadas diretamente na circulação. Um outro grupo de neurônios que termina na eminência mediana e tronco infundibular liberta as hormonas inibitórias e libertadoras no sistema porta hipofisário, controlando, em última instância, a atividade secretora da adenohipófise.

Função

A hipófise armazena algumas das hormonas que o hipotálamo produz antes de libertá-las no sangue. Dos dois lobos, o lobo anterior é maior, constituindo 75% da glândula. Este lobo também tem um papel maior na libertação de hormonas, embora o lobo posterior ainda faça algum trabalho.

O lobo anterior secreta um total de 7 hormonas diferentes na corrente sanguínea, que são as seguintes:

  • Hormona de crescimento (GH): a GH estimula o crescimento do tecido e a síntese de proteínas para reparação tecidual.
  • Hormona estimulante da tireoide (TSH): a TSH provoca a produção de hormonas pela glândula tireoide.
  • Hormona folículo-estimulante (FSH): causa a produção de estrogênio nas mulheres, bem como o desenvolvimento de oócitos (óvulos imaturos). A FSH também estimula a produção de espermatozoides nos testículos.
  • Hormona luteinizante (LH): a LH estimula a produção de estrogênio e progesterona nas mulheres e a produção de testosterona nos homens.
  • Prolactina (PRL): estimula a produção de leite nas glândulas mamárias.
  • Hormona adrenocorticotrófica (ACTH): está envolvida na resposta ao estresse do organismo e leva a produção de cortisol no córtex suprarrenal.
  • Hormona estimulante melanocítica (MSH): a MSH pode causar escurecimento da pele. Pode também estar envolvida na atividade cerebral, mas o seu papel exato ainda é desconhecido. A parte intermédia produz MSH durante o desenvolvimento fetal.

Por outro lado, o lobo posterior da hipófise está envolvido apenas na libertação de duas hormonas: a oxitocina e a hormona antidiurética (ADH), também conhecida como vasopressina. A oxitocina tem um papel no parto, na produção de leite e no orgasmo. A ADH é importante na redução da perda de água, diminuindo a micção e a transpiração, e aumentando a pressão sanguínea.

Glândula Pineal

Localização

A glândula pineal (epífise cerebral) encontra-se no cérebro juntamente com o hipotálamo e a glândula hipófise. É um pequeno órgão localizado em uma depressão entre os colículos superiores, inferiormente ao esplênio do corpo caloso. A glândula está contida dentro da camada inferior da tela coroidea do terceiro ventrículo.

Estrutura

A glândula pineal tem uma base dirigida anteriormente e é dividida em lâminas superior e inferior pela haste da glândula pineal, que também serve como um ponto de fixação ao teto do terceiro ventrículo. As lâminas superior e inferior contêm as comissuras posterior e habenular, respectivamente.

O parênquima da glândula é altamente vascularizado e pode ser dividido em lóbulos por vários septos, que também transportam vasos sanguíneos e nervos simpáticos. Estes axônios simpáticos adrenérgicos originam-se na tenda do cerebelo e entram na glândula como nervo conarii. O parênquima da glândula pineal consiste principalmente em pinealócitos. A haste da glândula pineal consiste principalmente de células da glia.

Função

A glândula pineal tem uma função mais específica, estando envolvida apenas na secreção da hormona melatonina. A melatonina libertada a partir de expansões bulbosas dos corpos celulares dos pinealócitos. Esta hormona está envolvida no desenvolvimento sexual e no ciclo de sono-vigília. Em termos de desenvolvimento reprodutivo, a melatonina bloqueia a secreção de gonadotrofinas (FSH e LH) pela hipófise.

A melatonina também regula o ciclo sono-vigília, reagindo à quantidade de luz que chega à retina. A retina transmite essa informação para o hipotálamo, que, por sua vez, envia informações para a glândula pineal. A glândula pineal secreta melatonina dependendo da quantidade de luz que atinge a retina. Quanto menos luz houver, mais melatonina será produzida, induzindo o sono.

Videoaula recomendada: Glândula pineal
Anatomia e função da glândula pineal.

Glândula Tireoide

Localização

As glândulas tireoide e paratireoide são glândulas endócrinas na base do pescoço. A glândula tireoide é a maior glândula do sistema endócrino. Localiza-se na porção anterior do pescoço ao nível das vértebras C5-T1, profundamente aos músculos esternotireoideos e esterno-hioideos.

Estrutura

É constituída por dois lobos, direito e esquerdo, que sobem para a cartilagem tireoidea, unidos por um istmo. Os lobos encontram-se anteriormente e lateralmente em relação à laringe e traqueia, enquanto o istmo é anterior ao segundo e terceiro anéis traqueais. Em alguns indivíduos, um lobo piramidal cônico sobe do istmo em direção ao osso hioide.

A glândula tireoide está contida dentro de uma cápsula fibrosa, que se encontra fixa à cartilagem cricoide e aos anéis traqueais por tecido conjuntivo denso. A própria cápsula fibrosa é envolvida por uma bainha laxa de fáscia. A glândula é altamente vascularizada. As artérias supridoras são as artérias tireoideas superior e inferior, que ficam entre a cápsula fibrosa e a bainha da fáscia. A drenagem venosa da glândula ocorre através dos pares superior, médio e inferior das veias tireoideas, que formam o plexo venoso tireoideo. A inervação provém dos gânglios simpáticos cervicais, bem como das fibras parassimpáticas do nervo vago.

Função

A glândula tireóide é importante na regulação do metabolismo. Esta produz duas importantes hormonas metabólicas, a tiroxina (T4) e a tri-iodotironina (T3). A T4 contém 4 átomos de iodo, enquanto a T3 contém 3 átomos de iodo. A T3 e a T4 afetam o metabolismo do corpo, influenciando a produção de proteínas de todas as células do corpo. Essa produção de proteínas, por sua vez, afeta o crescimento dos tecidos, a temperatura, o uso de energia e a frequência cardíaca. A glândula tireoide também produz calcitonina, que é um antagonista da hormona paratireoide (PTH).

Glândulas Paratireoides

Localização e Características

As glândulas paratireoides (normalmente, 4 no total) são estruturas pequenas, achatadas e ovais localizadas na face posterior de cada lobo da glândula tireoide. Elas normalmente se encontram entre a cápsula fibrosa da glândula tireoide e a sua bainha fascial externa.

As glândulas são separadas em duas superiores e duas inferiores. A localização das glândulas paratireoides superiores é bastante constante, ao nível do bordo inferior da cartilagem cricoide, 1 cm superiormente ao ponto de entrada das artérias tireoideas inferiores na glândula tireoide. As glândulas paratireoides inferiores geralmente estão situadas perto dos polos inferiores da glândula tireoide, mas têm uma localização mais variada.

As artérias que suprem as glândulas paratireoides ramificam-se a partir das artérias tireoideas inferiores. A drenagem venosa ocorre através das veias paratireoides, que drenam subsequentemente para o plexo venoso tireoideo. A inervação provém das fibras parassimpáticas do nervo vago, de modo semelhante à glândula tireoide.

Função

As glândulas paratireoides mantêm os níveis de cálcio no sangue, produzindo hormona paratireoide (PTH). Juntamente com a calcitonina, estas duas hormonas mantêm o nível de iões de cálcio no sangue, o que é importante para a saúde dos ossos, bem como para a função muscular e do sistema nervoso.

Sistema Endócrino Entérico

O próprio trato gastrointestinal pode produzir hormonas, e é conhecido como sistema endócrino entérico. As células secretoras de hormonas estão dispersas por todo o revestimento do estômago e do intestino delgado. Essas células não produzem hormonas continuamente, mas em resposta ao ambiente dentro do estômago e do intestino, reagindo à quantidade de comida que aí passa.

Pâncreas

O pâncreas é particularmente importante no sistema endócrino entérico, pois liberta as hormonas insulina e glucagon (glicagina), que regulam os níveis de açúcar no sangue. O pâncreas é uma glândula digestiva acessória. Cruza os corpos das vértebras L1 e L2 transversalmente. O pâncreas situa-se anteriormente ao estômago e entre o duodeno à direita e o baço à esquerda. O seu bordo anterior está em contato com o mesocólon transverso.

Esta glândula tem quatro partes: cabeça, colo, corpo e cauda.

  • A cabeça encontra-se fixa às partes descendente e horizontal do duodeno, abraçando-o em forma de "C". O processo uncinado (apófise unciforme) é uma projeção inferior da cabeça, que se estende posteriormente à artéria mesentérica superior (AMS).
  • O pequeno colo do pâncreas é coberto por peritônio (peritoneu) e está localizado adjacente ao piloro do estômago. A veia porta hepática forma-se posteriormente a ele, pela união da veia esplênica e da veia mesentérica superior (VMS).
  • O corpo do pâncreas continua transversalmente a partir do pescoço, passando anteriormente à aorta e à vértebra L2 e posteriormente à bolsa omental (pequeno omento). A face anterior é recoberta por peritônio (peritoneu) e também faz parte do leito do estômago.
  • A cauda situa-se anteriormente ao rim esquerdo e é uma estrutura intraperitoneal. Está intimamente relacionada com o hilo do baço e a flexura da cólica esquerda.

O ducto pancreático principal atravessa o parênquima, da cauda para a cabeça. Junta-se ao ducto colédoco (biliar comum), fora do duodeno, formando a pequena ampola hepatopancreática (ampola de Vater). Esta estrutura abre-se na parte descendente do duodeno. O esfíncter hepatopancreático (esfíncter de Oddi) previne o refluxo de conteúdo duodenal para a ampola. O ducto pancreático principal também contém um esfíncter que controla o fluxo dentro dele.

A vascularização ocorre através das artérias pancreáticas, que se ramificam em vários vasos na proximidade. A drenagem venosa ocorre pelas veias pancreáticas e a maior parte destas drena para a veia esplênica. O pâncreas é inervado pelos nervos vago e esplâncnicos.

Função

Há seis hormonas gastrointestinais chave:

  • Gastrina: é estimulada pela presença de peptídeos e aminoácidos no lúmen gástrico e é importante na secreção de ácido gástrico.
  • Secretina: é produzida em resposta aos níveis de pH ácido e causa a produção de água e bicarbonato do pâncreas e do ducto biliar para ajudar a aumentar o pH de novo.
  • Grelina: a grelina estimula o apetite e a alimentação.
  • Motilina: a motilina está envolvida no movimento e nas contrações do trato gastrointestinal.
  • Colecistocinina: estimula a secreção de enzimas pancreáticas e o esvaziamento da vesícula biliar em resposta ao aumento de ácidos graxos (gordos) e aminoácidos no intestino delgado.
  • Polipeptídeo inibitório gástrico: impede o movimento e a secreção gástrica e causa a libertação de insulina em resposta a um aumento de glicose e gordura no intestino delgado.
Videoaula recomendada: Pâncreas in situ
Pâncreas in situ observado a partir de uma vista anterior.

Glândulas Suprarrenais

Localização

As glândulas suprarrenais (adrenais) são duas glândulas triangulares encontradas superiormente aos rins. Elas têm uma aparência amarelada e estão localizados entre os aspectos súpero-mediais dos rins e do diafragma. As glândulas são circundadas pela fáscia renal, que também fornece um ponto de fixação aos pilares do diafragma. As glândulas são separadas dos rins por um septo. As duas glândulas não são idênticas. A da direita é mais piramidal e apical, enquanto que a da esquerda é mais em forma de crescente. Elas também têm posições e relações ligeiramente diferentes. As veias e os vasos linfáticos entram e saem de cada glândula pelo hilo.

O suprimento sanguíneo para as glândulas suprarrenais ocorre através das artérias suprarrenais superior, média e inferior. A drenagem venosa é feita pelas veias suprarrenais direita e esquerda, que drenam, depois, para a veia cava inferior e veia renal esquerda, respetivamente. A inervação provém do plexo celíaco e dos nervos esplâncnicos abdominopélvicos.

Estrutura e Função

As glândulas são divididas em duas partes, o córtex suprarrenal e a medula suprarrenal. O córtex suprarrenal é a parte externa da glândula suprarrenal e produz hormonas vitais à vida, como os glicocorticoides - as hormonas hidrocortisona (cortisol) e corticosterona. A hidrocortisona regula a produção de energia, a pressão arterial e a função cardíaca. A corticosterona desempenha um papel na resposta imunitária e na redução da inflamação. O córtex suprarrenal também produz aldosterona, que controla a pressão arterial.

A medula suprarrenal é a porção interna da glândula. Na verdade, é uma massa de tecido nervoso contendo muitos capilares e sinusoides. A medula produz hormonas como a adrenalina. A medula suprarrenal ajuda o corpo a lidar com o estresse, produzindo duas hormonas: adrenalina e noradrenalina. A adrenalina, também conhecida como epinefrina,  está envolvida na resposta de lutar ou fugir do corpo (reação de estresse agudo), aumentando os batimentos cardíacos e os níveis de glicose no sangue, e causando um aumento no fluxo sanguíneo para o cérebro e para os músculos. A noradrenalina funciona com a adrenalina, contraindo os vasos sanguíneos e aumentando a pressão sanguínea durante a resposta ao estresse.

Reprodutivos    

Testículos

Os órgãos endócrinos nos sistemas reprodutivos são os ovários e os testículos, em mulheres e homens, respetivamente. Os testículos são glândulas ovais pares que produzem espermatozoides e hormonas masculinas, principalmente testosterona. Cada um dos testículos encontra-se suspenso no escroto pelo próprio cordão espermático, o esquerdo ligeiramente inferior ao direito, principalmente devido ao comprimento do cordão espermático. Os testículos estão quase completamente recobertos pela camada visceral da túnica vaginal, um saco peritoneal fechado. Um recesso na túnica vaginal representa o seio do epidídimo. A túnica vaginal também possui uma camada parietal adjacente à fáscia espermática interna. Existe uma cavidade cheia de líquido entre as camadas visceral e parietal, transmitindo algum grau de mobilidade aos testículos.

Os testículos têm uma face externa fibrosa resistente, chamada túnica albugínea. No aspeto interno e posterior desta face fibrosa existe uma crista chamada mediastino do testículo. Estendem-se septos fibrosos a partir desta crista, entre os lóbulos formados pelos túbulos seminíferos. Os espermatozoides são produzidos dentro desses tubos. Os túbulos retos unem os túbulos seminíferos à rede testicular, que são canais situados no mediastino dos testículos.

Estas glândulas recebem o suprimento sanguíneo das artérias testiculares, que têm origem na aorta abdominal. A drenagem venosa é através do plexo venoso pampiniforme, que envolve a artéria testicular. Os plexos de cada testículo unem-se para formar as veias testiculares esquerda e direita, que drenam para a veia renal esquerda e veia cava inferior, respectivamente. A inervação dos testículos ocorre através do plexo testicular, que se origina do plexo renal e aórtico. 

Ovários

Os ovários são glândulas em forma de amêndoa nas quais os oócitos se desenvolvem e produzem as hormonas femininas. Cada um deles encontra-se suspenso pelo mesovário, uma subdivisão da prega peritoneal do ligamento largo do útero. Antes da puberdade, a superfície do ovário é coberta pelo mesotélio ovárico, também conhecido como epitélio de superfície, dando-lhe uma aparência brilhante. Essa estrutura consiste em uma única camada de células cúbicas. Após a puberdade, a superfície do ovário fica marcada devido à ovulação, a qual envolve rupturas de folículos ováricos e descarga do oócito.

Os ovários ficam suspensos no interior da cavidade pélvica de cada lado do útero, junto à parede lateral da pelve. Mais especificamente, os ovários localizam-se dentro da fossa ovárica. O ligamento suspensor do ovário está fixo ao aspeto súpero-lateral do ovário. Esta é uma prega peritoneal que envolve os vasos, linfáticos e nervos ováricos, que se tornam contínuos com o mesovário. O ligamento do ovário passa através do mesovário, mantendo o ovário fixo ao útero. Trata-se do remanescente do gubernáculo ovárico do feto.

A vascularização para os ovários ocorre através das artérias ováricas, que têm origem na aorta abdominal. A drenagem venosa dá-se através do plexo venoso pampiniforme, no interior do ligamento largo. As veias do plexo juntam-se para formar as veias ováricas, que acompanham as artérias ováricas. A veia ovárica direita drena para a veia cava inferior, enquanto a esquerda drena para a veia renal esquerda. A inervação provém do plexo ovárico.

Funções  

As hormonas sexuais são produzidas nestes órgãos como resultado da produção de LH e FSH pela glândula hipófise. As hormonas que produzem são importantes no desenvolvimento sexual, na reprodução e na regulação do ciclo menstrual.

As duas principais hormonas produzidas pelos ovários são o estrogênio e a progesterona. A sua produção é desencadeada pela libertação de hormonas pelo hipotálamo. Há três tipos de estrogênio: estradiol, estrona e estriol. Estes combinam-se para garantir um desenvolvimento sexual saudável e a fertilidade. O estradiol é importante no desenvolvimento das mamas, na distribuição do tecido adiposo e no desenvolvimento dos órgãos reprodutivos. A progesterona é mais importante durante a gravidez e a ovulação, garantindo que o revestimento do útero é adequado para o crescimento do feto.

Nos homens, a testosterona é produzida pelos testículos. A testosterona aumenta o crescimento ósseo, o crescimento do cabelo e o desenvolvimento de órgãos sexuais durante a puberdade. A testosterona também é importante para aumentar a força muscular.

Videoaula recomendada: Útero e ovários
Estruturas do útero e dos ovários observadas com o útero endireitado.

Sumário

  • O sistema endócrino é um conjunto de glândulas que secreta uma grande variedade de hormonas, as quais viajam para órgãos alvo específicos através da corrente sanguínea. As glândulas endócrinas tendem a ser vasculares e não possuem ductos. As hormonas das glândulas endócrinas são armazenadas em vacúolos ou grânulos, prontos para serem libertadas.
  • O hipotálamo é o centro de controle do sistema endócrino. Pode ser dividido em regiões quiasmática, tuberal e mamilar. O seu controle sobre o sistema endócrino ocorre via projeções diretas para a neuro-hipófise e indiretas para a adeno-hipófise.
  • A hipófise está localizada na fossa hipofisária, parcialmente coberta pelo diafragma da sela. É dividido em um lobo anterior (adeno-hipófise) e um lobo posterior (neuro-hipófise). A secreção da hipófise é controlada diretamente pelo hipotálamo através de feixes para a neuro-hipófise e, indiretamente, através do sistema porta hipofisário, para a adeno-hipófise.
  • A glândula pineal está localizada ao nível dos colículos superiores. Consiste em pinealócitos que produzem melatonina, uma hormona importante no ciclo sono-vigília.
  • A glândula tireoide é a maior glândula endócrina e está localizada no pescoço, ao nível das vértebras C5-T1. Consiste em dois lobos unidos por um istmo. Produz as hormonas tiroxina, tri-iodotironina e calcitonina.
  • As glândulas paratireoides estão localizadas na face posterior da glândula tireoide. Existem duas superiores e duas inferiores. Estas glândulas produzem a hormona paratireoide (PTH).
  • O sistema endócrino entérico está localizado no trato gastrointestinal. O pâncreas é uma parte importante deste, secretando as hormonas insulina e glucagon (glicagina). Esta glândula tem uma cabeça, um colo, um corpo e uma cauda. Liberta as suas hormonas no ducto pancreático principal, que se abre no duodeno.
  • As glândulas suprarrenais estão localizadas no polo superior dos rins, dos quais são separadas por um septo. As glândulas consistem de uma parte externa (córtex suprarrenal) e parte interna (medula suprarrenal). O córtex suprarrenal produz glicocorticoides, enquanto a medula suprarrenal produz adrenalina e noradrenalina.
  • Os testículos e os ovários são considerados como órgãos endócrinos dos sistemas reprodutivos. Os testículos produzem espermatozoides e principalmente a hormona testosterona. Estão suspensos no escroto pelo cordão espermático. Os ovários são o local para o desenvolvimento de oócitos e a produção das hormonas estrogênio e progesterona. Os ovários estão localizados na fossa ovárica.

Sistema endócrino - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Cadastre-se para ter uma conta gratuita no Kenhub hoje e se junte a mais de 1.107.292 alunos de anatomia de sucesso.

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

Mostrar referências

Referências:

  • K. L. Moore, A. F. Dalley, A. M. R. Agur: Clinically Oriented Anatomy, 7.ª edição, Lippincott Williams & Wilkins.
  • Susan Standring:Gray’s Anatomy: The Anatomical Basis of Clinical Practice, 41.ª edição, Elsevier.
  • C. Smith:The Endocrine System: Hypothalamus and Pituitary. Visible Body, (acessado em 22 julho 2016).
  • J. Barron:The Endocrine System: Hypothalamus, Pituitary, & Pineal Glands.Baseline of Health Foundation (acessado em 22 julho 2016).
  • R. Bailey:Pineal Gland. About Education, (acessado em 22 julho 2016).
  • R. Bowen: Overview of Gastrointestinal hormones. (acessado em 22 julho 2016).
  • R. Bowen: The Enteric Endocrine System. (acessado em 22 julho 2016).
  • R. M. Sargis: An Overview of the Adrenal Glands.Endocrineweb, (acessado em 22 julho 2016).
  • R. M. Sargis: An Overview of the Hypothalamus.Endocrineweb, (acessado em 22 julho 2016).
  • R. M. Sargis: An Overview of the Pineal Gland.Endocrineweb, (acessado em 22 julho 2016).
  • T. Taylor: Endocrine System.Inner Body, (acessado em 22 julho 2016). 
  • T. Taylor: Thyroid and Parathyroid Glands.Inner Body, (acessado em 22 julho 2016).
  • Your Thyroid Gland. British Thyroid Foundation, (acessado em 22 julho 2016)

Artigo, revisão e layout:

  • Rachel Baxter
  • Franchesca Druggan
  • Adrian Rad

Tradução para Português e layout:

  • Rafael Vieira

Ilustrações:

  • Hipófise - vista anterior - Begoña Rodriguez
  • Glândula tireoide - vista anterior - Begoña Rodriguez
  • Glândula adrenal - vista anterior - Begoña Rodriguez
  • Hipotálamo - vista sagital - Paul Kim
  • Núcleo arqueado do hipotálamo - vista medial - Paul Kim
  • Hipotálamo - lâmina histológica - Smart in Media
  • Hipófise - vista sagital - Paul Kim
  • Hipófise - vista medial - Paul Kim
  • Hipófise - vista inferior - Paul Kim
  • Hipófise - vista superior - Paul Kim
  • Glândula pineal - vista lateral-esquerda - Paul Kim
  • Glândula pineal - vista anterior - Begoña Rodriguez
  • Glândula pineal - vista posterior - Paul Kim
  • Glândula tireoide - vista anterior - Yousun Koh
  • Glândula tireoide - vista anterior - Begoña Rodriguez
  • Glândula tireoide - lâmina histológica - Smart in Media
  • Glândula paratireoide - vista posterior - Begoña Rodriguez
  • Glândula paratireoide - lâmina histológica - Smart in Media
  • Pâncreas - vista anterior - Irina Münstermann
  • Ducto pancreático - vista anterior - Samantha Zimmerman
  • Ampola hepatopancreática - vista anterior - Irina Münstermann
  • Glândula adrenal - vista anterior - Irina Münstermann
  • Glândula adrenal - vista anterior - Begoña Rodriguez
  • Glândula adrenal - lâmina histológica - Smart in Media
  • Glândula adrenal - vista axial - TC
  • Testículos - vista anterior - Begoña Rodriguez
  • Testículos - vista axial - National Library of Medicine
  • Ovário - vista anterior - Samantha Zimmerman
  • Ovário - vista posterior - Samantha Zimmerman
© Exceto expresso o contrário, todo o conteúdo, incluindo ilustrações, são propriedade exclusiva da Kenhub GmbH, e são protegidas por leis alemãs e internacionais de direitos autorais. Todos os direitos reservados.

Desenhos e imagens relacionados

Continue a sua aprendizagem

Leia mais artigos

Mostre mais 5 artigos

Assista videoaulas

Mostre mais 3 videoaulas

Faça teste

Navegue pelo atlas

Muito bem!

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!

Crie sua conta gratuitamente.
Comece a aprender anatomia em menos de 60 segundos.