EN | DE | PT Contato Como estudar Entrar Cadastrar

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!

Introdução aos linfonodos

Este vídeo tem legendas em Português

Visão geral da anatomia e função dos linfonodos.

Fantástico!
A sua primeira videoaula. Continue para o teste abaixo para solidificar o seu conhecimento.

Destaques

Transcrição

Ao estudar a anatomia regional do corpo, o padrão típico é este: aprendemos sobre os ossos, os músculos, talvez alguns órgãos, se houver algum em nossa região de interesse. Depois disso, podemos passar algum tempo explorando as artérias e as veias da região, e depois disso também podemos tomar nota dos nervos lá presentes. E nem é preciso dizer que nunca esquecemos de aprender sobre os linfáticos e os gânglios linfáticos existentes antes de terminar, certo? Bem, nem tanto.

Muitas vezes o sistema linfático acaba sendo cortado, não é? É uma daquelas áreas que na maioria das vezes acabamos não aprendendo. Acontece tão facilmente! Afinal, você está estudando para uma prova. Tanto para aprender, em tão pouco tempo. Quem precisa aprender o sistema linfático certo? Errado. Não se preocupe. Se isso já aconteceu com você, você certamente não foi o único.

O sistema linfático tem sido negligenciado por décadas, não só por estudantes de anatomia, mas também por cientistas, médicos, e até professores de anatomia. Todos nós sabemos o sistema cardiovascular de cor. Até porque, ele tem sido estudado extensamente, desde que a anatomia vem sendo estudada.

O sistema linfático, entretanto, frequentemente tem sido considerado menos importante, certamente menos importante do que o sistema circulatório sanguíneo. Por que isso acontece? - você pergunta. Por que o sistema linfático é o filho esquecido da anatomia? Bem, há várias razões, mas isso se deve em parte à formação ou à morfologia do sistema linfático, que até recentemente era bastante esquivo e difícil de caracterizar.

Além disso, a literatura é muito controversa, com diferentes artigos e livros cada um dizendo coisas diferentes, e chamando estruturas por nomes diferentes. Adicionalmente, por muito tempo, os vários papéis e funções do sistema linfático, especialmente na patologia, têm sido igualmente difíceis de definir. Felizmente, os tempos estão mudando. Avanços em tecnologias como imagens médicas e o interesse renovado no sistema estão lentamente trazendo os linfáticos de volta ao seu devido lugar como um sistema primário do corpo.

Numa videoaula anterior, que espero que você já tenha tido a chance de assistir, já introduzimos a anatomia primárias básica do sistema linfático, apresentando-lhe estruturas como o baço, o timo, as amígdalas e o ducto torácico. Hoje, quero mudar o nosso foco de atenção um pouco, dando-lhe uma introdução aos gânglios linfáticos.

O sistema linfático tem uma configuração única, com certeza. Você pode se lembrar do nosso tutorial introdutório sobre o sistema linfático no qual discutimos como ele é composto por duas divisões primárias - a vascularização linfática e os órgãos linfoides - e não se esqueça de anotar esses dois termos - linfático e linfoide.

O termo linfático, no geral, se refere ao movimento da linfa pelo corpo, enquanto o termo linfoide refere-se mais às funções relacionadas ao sistema imunológico - dois termos que muitas vezes causam confusão. Quando olhamos os principais vasos linfáticos, aprendemos sobre estruturas como o ducto torácico, o ducto linfático direito e a cisterna do quilo. Focando nos órgãos linfoides, espero que você já saiba que no nosso corpo temos órgãos e tecidos linfoides primários e secundários.

Os órgãos linfoides primários, também conhecidos como órgãos linfoides centrais, incluem a medula óssea e o timo, ambos envolvidos na produção, maturação e seleção de células relacionadas ao sistema imunológico, tais como os linfócitos T e B. Os órgãos linfáticos secundários, que também são conhecidos como órgãos linfáticos periféricos, são responsáveis pelo início do que é conhecida como resposta imune adaptativa, e também são o local onde ocorre a ativação de linfócitos. Exemplos de órgãos linfoides secundários ou periféricos incluem as amígdalas, as placas de Peyer, o baço e, é claro, os gânglios linfáticos. E como eu mencionei, hoje vamos nos concentrar especificamente nos nossos gânglios linfáticos ou linfonodos.

Você sabia que podemos ter até oitocentos linfonodos em nosso corpo? Sim, você me ouviu - oitocentos gânglios linfáticos. Obviamente, não serei capaz de apresentar todos os grupos de linfonodos hoje, no entanto, farei o meu melhor para explicar o que exatamente é um linfonodo e depois fazer uma introdução dos linfonodos de cada região do corpo, começando com a cabeça e o pescoço, o tórax, o abdômen e a pelve, os membros inferiores e, finalmente, os membros superiores.

O termo “nodo” vem do latim nodus, que se refere a um nó, que é exatamente com o que essas estruturas se parecem. Está descrito que eles se intercalam ao longo do sistema linfático, o que significa que eles aparecem em grupos ou cadeias de linfonodos ao longo dos vasos linfáticos, assim como os nós num pedaço de corda.

Os gânglios linfáticos variam em sua forma, tamanho e número. Sua forma pode ser redonda, oval, fusiforme ou em formato de rim. O tamanho é determinado por vários fatores, como herança genética, idade, carga funcional e número de gânglios em um grupo de linfonodos. Linfodonos anormalmente grandes frequentemente indicam alterações patológicas, mas vamos discutir isso com mais detalhes posteriormente no tutorial.

Como mencionei, estima-se que o número total de linfonodos seja entre seiscentos e oitocentos, no entanto, isso é bastante variável devido a fatores como o tamanho e o sexo de um indivíduo. Vamos parar um pouco para dar uma olhada nesta simples ilustração de um linfonodo.

Então, a linfa é conduzida para os linfonodos através de vasos aferentes, e ela sai dos linfonodos através de vasos eferentes. Os vasos aferentes podem ser coletores periféricos, que levam a linfa de uma área de coleta para os linfonodos, ou podem ser ramos de conexão internodais drenados de outros linfonodos. Os vasos aferentes podem entrar no linfonodo em quase qualquer ponto da superfície nodal, que é a superfície convexa externa do linfonodo, enquanto os vasos eferentes deixam o linfonodo apenas no hilo. Os vasos eferentes são, portanto, menos numerosos do que os aferentes, além de serem mais espessos e conterem mais válvulas.

Os vasos sanguíneos também entram e saem do linfonodo pelo hilo. O próprio linfonodo é circundado por uma cápsula composta por fibras de colágeno densamente compactadas assim como por algumas fibras elásticas. Trabéculas se estendem da cápsula em direção ao centro e formam divisões incompletas dentro do linfonodo. O gânglio linfático básico é formado a partir de tecido conjuntivo reticular, que contém muitos linfócitos, e estes se aglomeram mais em torno da periferia, que é conhecida como o córtex. Profundamente ao córtex está a medula, que é mais frouxa e organizada em filamentos medulares, e não há uma divisão clara entre o córtex e a medula.

Então, agora que exploramos parte da microanatomia de um linfonodo, vamos agora seguir em diante e dar uma olhada em alguns dos linfonodos mais conhecidos do corpo, começando pela região da cabeça e do pescoço.

Dos aproximadamente oitocentos linfonodos do corpo, trezentos ou mais de um terço de todos os gânglios estão localizados nessa região, o que torna essa região complexa para dizer o mínimo. E a principal razão para a quantidade de linfonodos localizados aqui é que eles propiciam uma espécie de sistema de vigilância contra todos os tipos de patógenos que podem ser ingeridos ou inalados pelas cavidades oral e nasal. Hoje vamos dar somente uma visão geral e identificar alguns dos grupos de linfonodos mais comuns, que são importantes de se conhecer.

A maioria dos linfonodos regionais da cabeça está localizada no limite entre as regiões da cabeça e do pescoço, e sabe-se que esses linfonodos pertencem ao círculo ou colar linfático pericervical. Os linfonodos faciais estão localizados acima desses linfonodos na região facial e outros gânglios, como os linfonodos linguais, estão localizados dentro do círculo pericervical.

Eu só vou falar sobre dois grupos de linfonodos desta região da cabeça, que são talvez os mais conhecidos desta região. O primeiro grupo são os linfonodos submandibulares, que são um grupo de três a seis linfonodos localizados principalmente ao redor da glândula submandibular. Vasos aferentes dos linfonodos submandibulares recebem linfa da glândula submandibular, da glândula sublingual, da parte inferior da cavidade oral, da língua, da gengiva, dos dentes, dos lábios, além de partes da cavidade nasal, das pálpebras e do queixo.

Os linfonodos submandibulares geralmente ficam inchados ou sensíveis devido a infecções dos dentes, do trato respiratório superior, dos seios paranasais e das amígdalas. Quando isso ocorre, você pode ouvir alguém descrevendo incorretamente uma pessoa com edema das glândulas. Os linfonodos submandibulares também podem aumentar devido a doenças metastáticas, como tumores malignos nas glândulas submandibulares e parótidas e também na cavidade oral.

Os linfonodos submentonianos estão localizados no triângulo submentoniano, que é uma área na região inferior do queixo sobre o músculo milo-hióideo, e os linfonodos submentonianos drenam a linfa que vem do queixo, da parte média do lábio inferior e das bochechas, dos vasos profundos da gengiva e da parte anterior da cavidade oral.

Seguindo inferiormente, agora no pescoço ou região cervical, temos dois grupos principais de linfonodos cervicais, que são os linfonodos cervicais anteriores e os linfonodos cervicais laterais. E, como seria de se esperar, os linfonodos cervicais anteriores estão localizados ao longo da região anterior do pescoço, no que é conhecida como região infra-hióidea, e eles consistem em dois grupos - os linfonodos cervicais anteriores superficiais e profundos. Exemplos desses grupos incluem os linfonodos pré-traqueais e pré-laríngeos, que estão localizados anteriormente à traqueia e à laringe, respetivamente.

Os linfonodos cervicais laterais estão localizados ao longo de ambas as regiões laterais do pescoço e, assim como os linfonodos cervicais anteriores, eles podem ser divididos em dois grupos - os linfonodos cervicais laterais superficiais e profundos. E esses grupos são novamente subdivididos dependendo de suas localizações específicas. Coletivamente, os linfonodos cervicais laterais são numerosos e recebem linfa da maioria dos linfonodos mais superiores da cabeça, formando uma via intercalada que se estende ao longo do comprimento da veia jugular interna e de outras estruturas adjacentes até à clavícula, onde se encontram os linfonodos supraclaviculares que são de grande importância clínica. E fique ligado, descobriremos exatamente por que eles são tão importantes mais tarde.

Então, vamos seguir em frente além da região cervical e voltar nossa atenção agora para os linfonodos da cavidade torácica. Os linfonodos da cavidade torácica podem ser grosseiramente divididos em dois grupos principais - os linfonodos torácicos parietais, que se referem aos linfonodos da parede torácica, e os linfonodos torácicos viscerais, que estão localizados ao redor dos órgãos do tórax. Os linfonodos torácicos viscerais são compostos em grande parte por um grande grupo de linfonodos conhecidos como linfonodos mediastinais, que podem ser divididos em linfonodos mediastinais anteriores e posteriores, separados por um terceiro grupo intermediário conhecido como linfonodos traqueobrônquicos.

Os linfonodos mediastinais anteriores, que incluem os linfonodos braquiocefálicos e os linfonodos pré-pericárdicos, são encontrados anteriormente às veias braquiocefálicas e ao pericárdio, respetivamente, e recebem linfa do timo, da glândula tireoide, do pericárdio, assim como do coração.

Os linfonodos traqueobrônquicos são um grande conjunto de linfonodos localizados ao redor da traqueia e dos brônquios pulmonares, assim como dentro dos próprios pulmões. Para saber mais sobre esses gânglios linfáticos especificamente, não se esqueça de conferir nossa outra videoaula, na qual discutimos com mais detalhes os vasos linfáticos dos pulmões.

Ok, então vamos continuar com nossos gânglios linfáticos, e agora vamos avançar para o mediastino posterior, onde temos os linfonodos mediastinais posteriores, adequadamente nomeados. E estes estão localizados posteriormente ao hilo pulmonar e ao pericárdio, na superfície superior do diafragma, anteriormente à aorta torácica descendente, que eu desenhei para você, assim como lateralmente ao esôfago - e você pode ver os linfonodos destacados em verde nesta ilustração. Os linfonodos mediastinais posteriores drenam a linfa que vem do esôfago, do pericárdio posterior e da superfície posterior do diafragma.

Seguindo inferiormente no tórax, chegamos agora ao abdômen, onde existem literalmente centenas de linfonodos associados a várias vísceras ou órgãos, bem como adjacentes às principais estruturas vasculares da região. Um exemplo seriam os linfonodos mesentéricos, que drenam uma grande porção do intestino delgado.

Os linfonodos mesentéricos superiores formam um dos maiores grupos de linfonodos do corpo, e são compostos por algo entre cem e cento e cinquenta linfonodos dispersos ao longo do mesentério, que é a extensa prega peritoneal que prende o intestino delgado à parede abdominal. Podemos dividir grosseiramente este grande grupo de linfonodos em três subgrupos, que são os linfonodos periféricos ou justa-intestinais, consistindo em pequenos linfonodos adjacentes aos arcos de vasos sanguíneos mais periféricos; os linfonodos mesentéricos intermediários, que são maiores e estão localizados ao longo das artérias ileais e jejunais; e finalmente os linfonodos centrais superiores, que formam uma cadeia ao longo da artéria e da veia mesentérica superior na raiz do mesentério.

Os linfonodos centrais, portanto, constituem o principal ponto de coleta da linfa do intestino delgado, mas também das porções inferiores do pâncreas e partes do intestino grosso. Coletores eferentes dos linfonodos mesentéricos centrais podem drenar para o tronco linfático intestinal, que então drena para a cisterna do quilo, mas, no entanto, isso é altamente variável.

Ok, então vamos seguir inferiormente para a pelve, mais especificamente para a região que circunda as artérias ilíacas comum, externa e interna, onde podemos encontrar os apropriadamente denominados gânglios linfáticos ilíacos. Como suas artérias associadas, esses linfonodos podem ser subdivididos nos grupos comum, externo e interno, e recebem a linfa drenada das áreas supridas por essas artérias. Isso significa que assim como a artéria ilíaca comum é a artéria da qual emergem todas as artérias dos membros inferiores e da maioria dos órgãos pélvicos, os linfonodos ilíacos comuns também recebem linfa drenada dessas regiões.

Seguindo um pouco mais abaixo em nossa ilustração principal em direção ao membro inferior, outro grupo de linfonodos que eu gostaria de apresentar são os linfonodos inguinais superficiais. Como você pode ver na ilustração, os linfonodos inguinais superficiais são encontrados de ambos os lados da região da virilha e formam dois grupos - um grupo proximal ou horizontal e um grupo distal ou vertical.

Os linfonodos inguinais superficiais geralmente consistem em cerca de dez a doze gânglios e estão inseridos no tecido adiposo subcutâneo dessa região, razão pela qual eles normalmente só são palpáveis em pessoas relativamente magras. Os linfonodos inguinais superficiais recebem linfa dos vasos linfáticos superficiais do membro inferior, exceto aqueles provenientes da parte posterolateral da perna e da planta do pé. Vasos linfáticos eferentes que saem dos linfonodos inguinais superficiais seguem para os linfonodos externos que identificamos anteriormente.

Não visíveis em nossa imagem principal mas importantes de mencionar são esses linfonodos, que são os linfonodos inguinais profundos; e, geralmente, pode haver de um a três linfodonos inguinais profundos, encontrados medialmente à veia femoral. Recebem vasos aferentes de vasos linfáticos profundos que acompanham os vasos femorais, de vasos linfáticos da glande ou do clitóris, e de alguns eferentes dos linfonodos inguinais superficiais, e os vasos eferentes desses linfonodos também drenam para os linfonodos ilíacos externos.

Outro grupo de linfonodos da extremidade inferior são os linfonodos poplíteos, e estes são um grupo de linfonodos encontrados no tecido adiposo ao redor da fossa poplítea, ao longo da região posterior da articulação do joelho geralmente num número de seis ou sete linfonodos. Um dos linfonodos poplíteos, conhecido como linfonodo poplíteo superficial, situa-se no ponto em que a veia safena parva se une à veia poplítea, e ele drena as regiões superficiais da região lateral da perna e da sola do pé.

Os linfonodos poplíteos profundos estão situados ao redor dos vasos poplíteos, e recebem os troncos que acompanham os vasos linfáticos anterior e posterior da tíbia. A maioria dos vasos linfáticos poplíteos eferentes sobem próximos aos vasos femorais para alcançar os linfonodos inguinais profundos, no entanto, alguns podem acompanhar a veia safena magna até aos linfonodos inguinais superficiais.

E por último, mas não menos importante, vamos ver os gânglios linfáticos de uma última região do corpo, que é a extremidade superior. Como você pode ver na ilustração, muitos dos gânglios linfáticos do membro superior estão concentrados nas axilas ou próximos a ela, e são conhecidos como gânglios linfáticos axilares.

Os gânglios linfáticos axilares são um grande grupo de aproximadamente vinte a trinta linfonodos que geralmente são subdivididos em cinco grupos, e estes são o grupo anterior ou peitoral, que drena a pele e os músculos das paredes anterior e lateral do tronco acima do umbigo, e as partes laterais do peito; o grupo posterior ou subescapular, que recebe a linfa dos músculos e da pele das costas, desde a área da escápula até a crista ilíaca; o grupo lateral ou braquial, que drena a linfa dos compartimentos superficial e profundo do membro superior, exceto os vasos superficiais do braço que percorrem o trajeto da veia cefálica; o grupo central, que recebe os vasos eferentes dos três grupos mencionados anteriormente; e finalmente, o grupo apical, que também drena a linfa dos outros linfonodos axilares, assim como a linfa drenada diretamente de alguns vasos superficiais que cursam ao longo da veia cefálica.

Vasos eferentes desses linfonodos axilares se unem para formar o tronco subclávio, que então desemboca no ducto linfático direito no lado direito ou no ducto torácico no lado esquerdo. E a causa mais comum de linfonodomegalia axilar maligna é o câncer de mama.

Seguindo distalmente pelo membro superior, também temos outro pequeno grupo de linfonodos conhecidos como linfonodos cubitais, e esses linfonodos se referem basicamente aos linfonodos supratrocleares, também conhecidos como linfonodos epitrocleares ou supra-epicondilares, que estão localizados próximos ao epicôndilo medial do úmero. E outros linfonodos cubitais podem estar localizados distalmente à articulação do cotovelo, perto da artéria interóssea comum. Os linfonodos cubitais recebem a linfa drenada de regiões superficiais da ulna e do antebraço, assim como do terceiro, quarto e quinto dedos da mão.

E isso finaliza nossa introdução aos principais linfonodos do corpo. Antes de concluirmos, vamos discutir algumas notas clínicas relacionadas a este tópico.

Linfoadenopatia refere-se a uma série de doenças ou condições que afetam os nossos gânglios linfáticos, tornando-os anormais em tamanho, endurecidos ou rígidos, ou fazendo-os aumentar em quantidade. A linfoadenopatia pode ser localizada, ou seja, restrita a apenas uma área do corpo, ou generalizada, o que significa que afeta linfonodos em várias regiões diferentes. A grande maioria das linfoadenopatias que ocorrem não é grave e está mais frequentemente relacionada à infecção, podendo também pode ser chamada de linfoadenite. Estas são aquelas típicas infecções virais ou bacterianas agudas que você pode ter em uma infecção dentária ou ao pegar uma gripe. Geralmente são de curta duração e duram apenas uma a duas semanas.

Infecções mais crônicas podem ser representadas pela linfoadenite tuberculosa, pela doença da arranhadura do gato, pela toxoplasmose, ou até mesmo pela peste bubônica. Casos mais graves de linfoadenopatia incluem aquelas relacionadas ao câncer, que podem se desenvolver dentro dos próprios linfonodos, como no caso do linfoma de Hodgkin ou não-Hodgkin. Alternativamente, podem ter se espalhado pelos linfonodos a partir de outros tecidos drenados pelo corpo, sendo conhecido então como um câncer metastático. Outras causas graves de linfoadenopatias estão relacionadas a doenças imunológicas, como lúpus e HIV.

E com isso, completamos nosso tutorial introdutório dos gânglios linfáticos do corpo. Vamos recapitular rapidamente o que exploramos hoje antes de terminarmos.

Então, começamos com a cabeça e o pescoço, onde nos concentramos em três grandes grupos de linfonodos que incluíam os linfonodos submandibulares, que drenam os dentes, a gengiva e a metade inferior da cavidade oral; os linfonodos submentonianos, que drenam a cavidade oral anterior, os lábios inferiores e a região do queixo; e finalmente os linfonodos cervicais, que como vimos são compostos por um grupo anterior e um grupo lateral.

Seguindo para o tórax, nosso grupo de linfonodos de interesse foram os linfonodos mediastinais, que novamente poderiam ser subdivididos em grupos superior, anterior, médio e posterior. Continuando inferiormente, nós exploramos alguns dos linfonodos abdominais, particularmente o vasto grupo dos linfonodos mesentéricos superiores. Depois disso, passamos para a região pélvica, onde discutimos os linfonodos ilíacos e aprendemos que esse grupo pode ser subdividido em linfonodos ilíacos comuns, externos e internos. Nessa região, também estudamos os linfonodos inguinais localizados na região da virilha, que são compostos pelos grupos superficial e profundo.

Continuando na parte mais distal do corpo, o membro inferior, descobrimos que essa região na verdade tem poucos linfonodos, mas no entanto nós discutimos brevemente os linfonodos poplíteos, que estão localizados na fossa poplítea, posteriormente à articulação do joelho. E finalmente, nossa última região de interesse foi o membro superior, onde exploramos dois grandes grupos de linfonodos. O primeiro foi o dos gânglios linfáticos axilares, que são o grupo de linfonodos bem conhecidos da região da axila, e por último, mas não menos importante, discutimos os linfonodos cubitais, que geralmente estão localizados na região da articulação do cotovelo.

E é isso, terminamos.

Espero que tenha gostado da introdução sobre alguns dos principais grupos de linfonodos do corpo. Lembre-se que, se desejar explorar um grupo de linfonodos de uma determinada região do corpo com mais detalhes do que discutimos hoje, você poderá encontrar outras videoaulas mais específicas em nosso site.

Obrigada por assistir. Bons estudos!

Continue a sua aprendizagem

Assista mais videoaulas

Faça teste

Leia artigos

Mostre mais 4 artigos

Navegue pelo atlas

Muito bem!

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!