EN | DE | PT Contato Como estudar Entrar Cadastrar

Embriologia e anatomia detalhada do pulmão - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Cadastre-se para ter uma conta gratuita no Kenhub hoje e se junte a mais de 1.103.016 alunos de anatomia de sucesso.

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

Embriologia e anatomia detalhada do pulmão

A maioria das reações bioquímicas que ocorrem dentro do corpo dependem de energia. Para criar essas moléculas de energia, os organelos celulares utilizam o oxigênio para impulsionar essas reações químicas. Os pulmões humanos são um par de órgãos esponjosos dentro da cavidade torácica que facilitam a troca gasosa. Eles são uma parte do sistema respiratório, que também inclui o nariz, seios nasais, boca, faringe, laringe e traqueia. Ao nível dos pulmões, o oxigênio muito necessário é absorvido pelo sangue, enquanto os gases residuais são excretados e exalados.

Embora sejam o principal local de troca gasosa, os pulmões trabalham em conjunto com o sistema músculoesquelético do tórax (costelas, esterno, diafragma e outros músculos acessórios) para facilitar a inspiração e a expiração.

Fatos importantes sobre o Pulmão
Embriologia Quatro estágios de desenvolvimento - pseudoglandular, canalicular, saco terminal e alveolar
Superfícies Costal e medial (mediastinal)
Limites Anterior, posterior e inferior
Partes do pulmão Ápice e base
Lobos

Pulmão esquerdo - superior e inferior

Pulmão direito - superior, médio e inferior

Fissuras

Pulmão esquerdo - oblíqua

Pulmão direito - oblíqua e horizontal

Suprimento sanguíneo Tronco pulmonar -> artérias pulmonares (direita e esquerda) -> artérias pulmonares superior e inferior (direita e esquerda)
Tronco intercostobraquial e aorta torácica -> artérias brônquicas (direita e esquerda)
Inervação Plexo Pulmonar (nervo vago, nervos cardíacos cervicais)

O objetivo deste artigo é explorar a embriologia e anatomia dos pulmões humanos. Incluirá também uma breve revisão do trato respiratório. Informações adicionais sobre a histologia dos pulmões, segmentos broncopulmonares, brônquios e traqueia podem ser encontradas nos respectivos artigos.

Revisão do Trato Respiratório

O sistema respiratório é uma coleção de órgãos responsáveis pelo transporte e troca de gases essenciais. O sistema começa com o nariz e a boca, que servem como pontos de entrada para o ar chegar ao trato respiratório. O nariz é o principal ponto de entrada, no entanto, o ar também pode passar pela boca no advento de obstrução da passagem nasal. As narinas e os seios nasais são usados para aquecer, umidificar e filtrar o ar quando ele passa pela via aérea superior. O restante da via aérea superior é composto pela faringe, laringe e traqueia. A carina - que é encontrada na bifurcação da traqueia - marca a transição do trato respiratório superior para o trato respiratório inferior.

Embriologia dos Pulmões

Durante a vida intra-uterina, o feto em desenvolvimento não depende apenas da mãe expectante para se alimentar, mas também de se livrar de seus resíduos. Mesmo que os pulmões fetais não estejam participando das trocas gasosas durante a gravidez, seu desenvolvimento é necessário para apoiar o feto assim que ele sai do útero. Existem três características fundamentais que os pulmões devem desenvolver para facilitar a transição das trocas gasosas placentárias para as trocas gasosas pulmonares. Os pulmões devem primeiro aumentar a quantidade de surfactante que está sendo produzido. Este composto funciona como um lubrificante que ajuda a reduzir a tensão superficial nos alvéolos e permite que eles se expandam com a inalação. Em segundo lugar, os pulmões devem adquirir uma capacidade de troca gasosa. Isso ocorre quando as unidades alveolares começam a se desenvolver no final da gravidez. Em terceiro lugar, é preciso haver uma dupla circulação paralela que permita que o sangue seja oxigenado e que o parênquima pulmonar seja perfundido simultaneamente.

A maturação pulmonar ocorre durante todo o período embrionário e continua na infância (até a idade de 8 anos). A maturação pulmonar embrionária ocorre em quatro estágios que são regulados por cascatas bioquímicas complexamente arranjadas. Esses estágios são conhecidos como estágio pseudoglandular, canalicular, saco terminal e estágio alveolar. As células do revestimento endodérmico do intestino anterior são expostas a fatores de transcrição, como fator de transcrição da tireoide 1, proteínas homeobox, fator nuclear do hepatócito e outros compostos. Eles induzem a diferenciação do endoderma do intestino primitivo em linhagem celular respiratória.

Videoaula recomendada: Sistema respiratório
Órgãos principais do sistema respiratório.

O desenvolvimento do parênquima pulmonar ocorre em relação ao desenvolvimento da árvore broncopulmonar. Até a quinta semana gestacional, o mesenquima esplâncnico que envolve os brônquios (ramos terminais do divertículo laringotraqueal) começa a se expandir. O mesenquima esplâncnico também liberta muitas proteínas de sinalização (incluindo o fator de crescimento de fibroblastos 10), o que promove o crescimento dos brotos respiratórios. Portanto, o crescimento do mesenquima esplâncnico ocorre concomitantemente com a expansão e ramificação dos brotos brônquicos. Enquanto os brotos brônquicos dão origem aos brônquios e bronquíolos, o mesenquima esplâncnico forma o parênquima pulmonar.

Na sexta semana gestacional, o desenvolvimento pulmonar entra no estágio pseudoglandular. Histologicamente, o tecido é disposto em um padrão tubuloacinar; muito parecido com o observado nas glândulas exócrinas. Essas características são dominantes durante todo o estágio inicial da gravidez, até a décima sexta semana gestacional. Nesse estágio, o pulmão em amadurecimento contém as entidades condutoras do pulmão. No entanto, os componentes de troca de gás ainda não estão formados. Portanto, se uma gestante der à luz nesta idade gestacional, é improvável que a criança sobreviva, uma vez que os pulmões são imaturos.

Dentro do pulmão, há uma disparidade na taxa de desenvolvimento do pulmão, de modo que os ápices pulmonares amadurecem mais rápido que as bases pulmonares. Consequentemente, enquanto as bases pulmonares ainda podem estar na fase pseudoglandular, os ápices teriam transitado para a fase canalicular. Esse período, que vai da 16ª à 26ª semana gestacional, é caracterizado pela formação dos ductos alveolares primordiais. A formação desses túbulos é precedida pela dilatação do lúmen brônquico (e também dos bronquíolos terminais). Por volta da 24ª semana gestacional, os bronquíolos terminais dividem-se para dar pelo menos dois bronquíolos respiratórios. Cada bronquíolo respiratório subsequentemente arboriza para dar até seis ductos alveolares primordiais. Existem saculações terminais no final dos ductos alveolares primordiais conhecidos como alvéolos primordiais. As paredes desses sacos são finas o suficiente para facilitar a troca de gases, onde os pulmões também adquirem árvores vasculares significativas. Portanto, uma criança nascida neste período tem uma chance de sobreviver. No entanto, eles provavelmente enfrentarão outros desafios com outros sistemas de órgãos pouco desenvolvidos.

Videoaula recomendada: Pulmões
Generalidades sobre a anatomia dos pulmões.

No final da 26ª semana de gestação, mais alvéolos primordiais, com paredes notavelmente mais finas se desenvolvem. Nesta fase do saco terminal do desenvolvimento pulmonar, as paredes dos sacos são revestidas por epitélio escamoso derivado da endoderme. Estas células são especificamente referidas como pneumócitos tipo I e facilitam a troca gasosa. Dispersos entre as outras células escamosas estão os pneumócitos tipo II. Essas células são células secretoras redondas que produzem surfactante. Embora os pulmões tenham começado a produzir e a segregar surfactantes entre as 20 a 22 semanas, a quantidade aumenta significativamente nos últimos meses de gestação. Deve-se notar que a fase final do saco continua da 26ª semana de gestação até o parto. Embora haja um aumento na quantidade de surfactante que está sendo produzido, não é suficiente suportar eficientemente a vida antes da 32ª semana gestacional. Portanto, crianças nascidas antes de 32 semanas têm uma chance de sobreviver com intervenção médica.

A maturação final dos alvéolos primordiais inicia-se a partir da 32ª semana gestacional e pode continuar até o 8º ano de vida extra-uterina. O estágio começa com grupos de sacos alveolares no final dos bronquíolos respiratórios. Os sacos posteriormente se diferenciam em ductos alveolares. Além disso, os leitos vasculares podem ser vistos inchando nas paredes alveolares à medida que os sacos se tornam progressivamente mais finos. Eventualmente, as paredes dos leitos capilares e os pneumócitos tipo I tornam-se tão intimamente relacionados que formam a membrana alveolocapilar. Essa interface é também conhecida como membrana respiratória ou barreira de difusão pulmonar. Como o nome sugere, ele atua como o ponto de troca gasosa entre os alvéolos e os capilares circunvizinhos. Nesse estágio, os pulmões são capazes de suportar a vida; portanto, uma criança nascida neste momento e além tem maior probabilidade de sobreviver. Embora esses eventos significativos ocorram no útero, a maior parte da maturação alveolar ocorre durante a vida extra-uterina. Há um aumento significativo no número de alvéolos primitivos e bronquíolos respiratórios, bem como distensão dos alvéolos primordiais após o nascimento. No geral, ambos os fatores são responsáveis ​​pelo aumento no tamanho dos pulmões; embora o aumento na quantidade de entidades respiratórias desempenhe um papel maior do que a expansão dos alvéolos primordiais.

Existem outros eventos que ocorrem dentro do útero que promovem a maturação pulmonar. Os movimentos respiratórios fetais e a quantidade de líquido amniótico presente no saco amniótico influenciam o desenvolvimento pulmonar fetal. Movimentos respiratórios fetais referem-se a movimentos de prática que resultam na aspiração de algum líquido amniótico para os pulmões. Ocorrem ocasionalmente, mas tornam-se mais frequentes mais tarde, durante a gravidez.

Anatomia dos Pulmões

Os pulmões são órgãos esponjosos e expansíveis que ocupam a cavidade torácica. Embora eles ocorram em pares, eles são morfologicamente diferentes. Cada pulmão ocupa o respectivo hemitórax, dentro do mediastino e do conteúdo localizado entre eles. Eles são suspensos livremente dentro da membrana pleural e são unidos à traqueia e ao coração pelos bronquíolos principais e vasos pulmonares, respectivamente. A diferença morfológica entre os pulmões esquerdo e direito também se reflete no peso dos órgãos; o esquerdo (565 g) pesa menos que o direito (625 g). Eles também tendem a ser mais pesados nos homens do que nas mulheres; embora seja dependente da altura dos indivíduos. Além disso, o pulmão adulto tem uma aparência escura e manchada que é reflexo da filtração de porções à base de carbono da via aérea. Isto é significativamente diferente dos pulmões de um recém-nascido, que são rosa claro.

A pleura é uma membrana serosa que envolve cada pulmão. A membrana é composta por uma camada visceral que é aderente ao pulmão e uma camada parietal que é fixa à parede torácica interna, vértebra cervical inferior, área costovertebral, mediastino e diafragma. Existe um espaço potencial entre as camadas parietal e visceral conhecida como cavidade pleural. A cavidade é preenchida com líquido seroso que permite que as camadas parietais e viscerais deslizem livremente umas sobre as outras durante a respiração; assim, reduzindo a impedância ao mecanismo de respiração que surgiria das forças de atrito exercidas entre as superfícies.

Cada pulmão é caracterizado por um ápice, uma base, superfícies costais e mediais e limites anterior, posterior e inferior. Os órgãos são de forma aproximadamente cônica e são divididos por fissuras em lobos. O pulmão esquerdo tem dois lobos e uma fissura; enquanto o pulmão direito tem três lobos e duas fissuras. Os lobos são então subdivididos em segmentos broncopulmonares; tal que o pulmão esquerdo tem 9-10 segmentos, enquanto o pulmão direito tem 10.

O ápice é o ponto mais alto do pulmão, estendendo-se até a abertura superior torácica. É uma parte em forma de cúpula do pulmão que se projeta acima da primeira cartilagem costal e do terço médio da clavícula. Ambos os pulmões são separados dos músculos anteriores escalenos ipsilaterais pela artéria subclávia interveniente. À medida que o vaso segue o seu curso superior em direção à primeira costela, ele passa ao longo da superfície anterior do pulmão e sobre a membrana suprapleural.

O ápice de cada pulmão está relacionado anteriormente com os ramos ventrais de T1, o gânglio estrelado (simpático cervicotorácico) e a artéria intercostal superior encontrada no mesmo lado. A superfície medial do ápice do pulmão esquerdo é relacionada lateralmente à veia braquiocefálica esquerda e à artéria subclávia esquerda. Por outro lado, a superfície medial do ápice do pulmão direito é relacionada lateralmente à traqueia, à artéria braquiocefálica e à veia braquiocefálica direita. Ambos os ápices são medialmente relacionados aos músculos escaleno médio ipsilateral .

Visão geral dos pulmões in situ - vista anterior

A superfície medial do pulmão é a parte voltada para o mediastino. Como as outras superfícies pulmonares, a superfície medial tem numerosas indentações deixados pelas estruturas adjacentes que causam uma impressão na superfície. O aspecto ventral da superfície medial é referido como parte mediastinal anterior, enquanto a metade dorsal é conhecida como parte vertebral posterior. A parte mediastinal anterior pode ser identificada não apenas por sua relação com o mediastino, mas também pela concavidade que acomoda a impressão cardíaca. A parte vertebral posterior pode ser encontrada ao lado da vértebra torácica e dos seus discos intervertebrais associados.

Há um limite posterior arredondado que separa a parte vertebral da superfície medial da parte costal. Diferentemente de outros limites pulmonares, o limite posterior é uma linha imaginária que coincide com as cabeças das costelas adjacentes. Anteriormente, as superfícies costais e mediais do pulmão se encontram no limite anterior. É um limite fino e afiado que cobre o pericárdio, que atinge a área onde a pleura parietal se reflete na junção das cartilagens costais e do mediastino (ou seja, a linha costomediastinal da reflexão pleural). Enquanto este limite é quase vertical no lado direito, à esquerda, tem um curso variável. Continua até a 4ª cartilagem costal, mas se torna irregular no entalhe cardíaco.

Visão geral da superfície medial do pulmão - vista medial

No entanto, o que torna a superfície medial única é a presença do hilo. Localizados entre a quinta e a sétima vértebras torácicas, os hilos são as raízes dos pulmões através das quais as estruturas neurovasculares e das vias aéreas entram e saem do parênquima pulmonar. Também fornece um ponto de ligação entre o pulmão e o coração e a traqueia medialmente relacionados. As estruturas encontradas no hilo de ambos os pulmões são as mesmas, mas a relação entre elas é ligeiramente diferente. Todas essas estruturas também estão envolvidas na membrana pleural. As seguintes estruturas são encontradas em cada hilo:

  • Brônquio principal
  • Artéria pulmonar
  • Duas veias pulmonares
  • Vasos brônquicos
  • Plexo autonômico pulmonar
  • Linfonodos (gânglios linfáticos) e vasos sanguíneos
  • Tecido conjuntivo

Existem várias outras estruturas que estão intimamente relacionadas a cada hilo que é de importância cirúrgica. Anteriormente, os vasos pericardiofrênicos, o nervo frênico e o plexo pulmonar anterior viajam em direção aos seus respectivos órgãos-alvo. Inferiormente é o ligamento pulmonar e, posteriormente, o plexo pulmonar posterior e o nervo vago.

A superfície torácica do diafragma está apoiada na base dos pulmões. No lado esquerdo, o diafragma separa a base do pulmão do baço e do estômago, enquanto à direita separa o pulmão do fígado. O pulmão direito tem uma concavidade basal mais profunda quando comparado ao pulmão esquerdo e é, portanto, mais curto que o seu equivalente. Isso porque o hemidiafragma direito é um pouco maior que o hemidiafragma esquerdo para acomodar o fígado do lado direito.

A base do pulmão é separada da superfície costal pelo limite inferior. Medialmente na sua origem, o limite aparece redondo onde intervém entre as duas superfícies. No entanto, ele se torna mais fino e mais nítido, pois vai até o recesso costodiafragmático. A superfície costal do pulmão é menos notável que a superfície medial. É marcado pelas impressões das nervuras sobrepostas e pelos sulcos das respectivas fissuras.

Visão geral da vista lateral dos pulmões - vista lateral

O pulmão esquerdo

Para acomodar o lado esquerdo do coração, o pulmão esquerdo tem menos tecido na região antero-medial do órgão. Consequentemente, o pulmão esquerdo parece morfologicamente diferente do pulmão direito, de modo que ele tem uma fissura a menos e um lobo a menos. A fissura oblíqua do pulmão esquerdo divide o órgão nos lobos superior e inferior.

Fissuras do Pulmão Esquerdo

As diferenças entre a fissura oblíqua do pulmão esquerdo e a do lado contralateral são bastante subtis. A fissura oblíqua esquerda tem um curso semelhante ao da fissura oblíqua direita (descrita abaixo). Uma das diferenças é em relação ao método de face do relógio usado para descrever o ponto de origem e término da fissura em relação ao hilo do pulmão. À esquerda, a fissura oblíqua surge da posição das 10 horas e termina na posição das 5 horas. A outra diferença é que a fissura oblíqua esquerda é ligeiramente mais vertical que a direita.

Lobos do Pulmão Esquerdo

O lobo inferior é posterior e inferior em relação à fissura oblíqua. Por outro lado, o lobo superior é anterior e superior à fissura. O lobo inferior é muito maior que o lobo superior; contém a maior parte da base do pulmão esquerdo, a maioria do limite posterior, e a parte posterior inferior das superfícies medial e lateral. Em contraste, o lobo superior inclui o ápice e a maioria das superfícies costais e mediais e todo o limite anterior. O lobo superior também inclui o entalhe cardíaco e a língula associada encontrados nessa área.

Hilo do Pulmão Esquerdo

O hilo esquerdo é inferior e anterior ao arco aórtico e à aorta torácica, respectivamente. A artéria pulmonar é a estrutura mais superior dentro do hilo esquerdo. Imediatamente abaixo está o brônquio principal, seguido pelas veias pulmonares inferiores. A veia pulmonar superior é anterior e inferior à artéria pulmonar e anterior ao brônquio principal.

O pulmão direito

O pulmão direito é ligeiramente mais curto e largo que o pulmão esquerdo. Essas diferenças resultam da presença do fígado sob o hemidiafragma esquerdo e da colocação do lado esquerdo do coração. Em geral, o pulmão direito é maior que o esquerdo. Além disso, é dividido por dois sulcos em três lobos. A fissura oblíqua é um dos dois sulcos encontrados na superfície do pulmão direito; o outro é a fissura horizontal. Ambas as fissuras dividem o pulmão nos lobos superior, médio e inferior.

Fissuras do Pulmão Direito

Na superfície medial do pulmão, a fissura oblíqua pode ser vista na posição de 7 horas do hilo do pulmão direito. Ele viaja anteriormente e para baixo para atravessar o aspecto anterior da base do pulmão. Pouco depois, passa pelo limite inferior e emerge na superfície costal a cerca de 7 cm da margem anterior. Em seguida, ele viaja superior e lateralmente ao redor do pulmão no 5º espaço intercostal. À medida que continua em direção ao limite posterior, forma uma junção com a fissura horizontal no quarto espaço intercostal na linha média axilar. No limite posterior, a fissura oblíqua pode ser encontrada no nível ou ligeiramente abaixo do nível do processo espinhoso da quarta vértebra. Em seguida, ele cruza para a superfície medial, onde encontra a parte posterior e superior do hilo do pulmão direito, na posição de 1 hora.

A fissura horizontal tem um curso muito mais curto que a fissura oblíqua. Começa na linha axilar média dentro do quarto espaço intercostal. Cursa anteriormente em um plano horizontal em direção ao limite anterior do pulmão. No limite anterior, o plano horizontal pode ser encontrado na 4ª junção costocondral. Em seguida, ele se vira abruptamente na superfície medial do pulmão e continua em direção ao hilo na posição de 9 horas.

Lobos do Pulmão Direito

O lobo superior do pulmão direito está localizado acima da fissura horizontal e anterior e superiormente à fissura oblíqua. Contém o ápice, a maioria da parte superior da superfície costal, e a parte superior da superfície medial também.

O lobo médio é o menor dos três lobos pulmonares direitos. Está relacionado inferiormente à fissura horizontal e anterior à fissura oblíqua. É de forma cuneiforme e envolve o aspecto basal anterior do pulmão, a parte anterior e inferior da superfície costal e a região inferior do limite anterior.

O lobo inferior é responsável pela maior parte do volume da superfície do pulmão. Está situado atrás da fissura oblíqua. Este lobo inclui as partes posterior e inferior das superfícies costal e medial e toda a base do pulmão que é posterior à fissura oblíqua.

Hilo do Pulmão Direito

O hilo direito é caudalmente relacionado à veia ázigos terminal e posteriormente relacionado ao átrio direito e à veia cava superior. As estruturas dentro do hilo direito são dispostas de maneira que o brônquio principal se relacione posteriormente com a artéria pulmonar. A veia pulmonar superior é anterior e inferior à artéria pulmonar e anterior e superior à veia pulmonar inferior, que é a estrutura mais baixa dentro do hilo esquerdo.

Suprimento sanguíneo dos pulmões

Os pulmões têm suprimento sanguíneo duplo e paralelo, chamado de circuitos pulmonar e sistémico. O circuito pulmonar surge do coração e traz sangue desoxigenado para o pulmão para troca gasosa. Este circuito também leva o sangue oxigenado de volta ao coração para ser redistribuído para o resto do corpo. O circuito sistémico leva o sangue oxigenado do coração para o parenquima pulmonar que não pode ser suprido por simples difusão. O braço venoso deste circuito também leva sangue desoxigenado de volta ao coração para ser processado.

Suprimento Arterial dos Pulmões

O ventrículo direito bombeia sangue desoxigenado para os pulmões através das artérias pulmonares. Esses vasos surgem do tronco pulmonar quando se bifurca atrás da veia cava superior para dar um vaso a cada pulmão. Cada artéria pulmonar também passa por uma segunda divisão para produzir ramos superiores e inferiores. A artéria pulmonar inferior direita é maior que a artéria superior ipsilateral. Passa entre a veia pulmonar superior e o brônquio intermediário antes de suprir os lobos médio e inferior. Além de suprir esses lobos, também envia um ramo recorrente para aumentar o suprimento de sangue para o lobo superior.

A artéria pulmonar superior direita se bifurca ao fornecer o lobo superior desse pulmão. No ponto de bifurcação, a artéria pulmonar esquerda passa por baixo do arco aórtico para entrar na fissura oblíqua esquerda. As divisões subsequentes desta embarcação podem variar. O primeiro ramo da artéria pulmonar esquerda é a maior de todas as divisões subsequentes. É responsável pelo suprimento do segmento broncopulmonar anterior do lobo superior esquerdo. Há ramos adicionais deste vaso; no entanto, o padrão de arborização varia significativamente quando comparado à contraparte direita. A artéria pulmonar esquerda também liberta um ramo lingular dentro da fissura oblíqua que fornece a língula. Há muitos outros ramos que surgem da artéria pulmonar esquerda que se estende por todo o pulmão esquerdo para suprir o restante do órgão.

Enquanto as artérias pulmonares distribuem sangue desoxigenado de baixa pressão para os pulmões, as artérias brônquicas fornecem sangue oxigenado a altas pressões para o órgão e seus elementos de suporte. A maioria dos indivíduos tem dois vasos à esquerda e um à direita. A artéria brônquica direita surge do tronco intercostobronquial ao lado da artéria intercostal posterior. Os vasos funcionam como um vasa vasorum (para os vasos pulmonares e aorta) e vasa nervorum para o nervo vago para suprir o terço médio do esôfago e outras estruturas.

No lado esquerdo, as artérias brônquicas são ramos diretos da aorta torácica. Há uma artéria brônquica superior esquerda que fornece parte do arco aórtico e uma artéria brônquica inferior esquerda que supre os brônquios e o tecido conjuntivo do hilo.

Drenagem Venosa dos Pulmões

As redes capilares dentro das paredes alveolares coalescem distalmente para formar a circulação venosa pulmonar. Numerosos vasos intra-segmentais dentro de cada segmento broncopulmonar se unem para formar veias segmentares. Os vasos entre segmentos (isto é, vasos intersegmentares) fundem-se então para formar veias solitárias maiores em cada lobo. Portanto, o lado direito tem três veias lobares, enquanto o lado esquerdo tem apenas duas. As veias lobares superior e média acabam se fundindo; portanto, apenas duas veias lobares se fundem para formar as veias pulmonares. Esses vasos de baixa pressão levam o sangue oxigenado de volta ao átrio esquerdo. É subsequentemente distribuído para o resto do corpo.

Enquanto as veias pulmonares drenam o parênquima pulmonar, os hilos são drenados pelas veias brônquicas. Existem veias brônquicas superficiais e profundas que servem como tributárias para a veia brônquica. Cada hilo é servido por uma única veia brônquica. Os plexos venosos intra-brônquicos viajam adjacentes aos brônquios no hilo antes de se fundirem para formar as veias brônquicas profundas. Eles drenam para a veia pulmonar ou diretamente para o átrio esquerdo.

Os canais venosos subpleurais são as principais tributárias para as veias brônquicas superficiais. Essas veias são alimentadas pelo vasa vasorum dos vasos pulmonares, linfonodos (gânglios linfáticos) hilares e brônquios extrapulmonares. As veias brônquicas superficiais drenam para as veias braquiocefálicas, hemiázigos acessórias e intercostais superiores esquerdas, à esquerda, e a veia ázigos, à direita.

Drenagem Linfática dos Pulmões

Os vasos linfáticos que drenam os pulmões originam-se abaixo da pleura e são referidos como plexo subpleural. Este grupo de vasos é subdividido em grupos superficiais e profundos; dos quais o último grupo segue a artéria e veia pulmonares, bem como os brônquios. Todos os vasos linfáticos superficiais se encontram no hilo, onde drenam para os linfonodos (gânglios linfáticos) broncopulmonares ipsilaterais.

Perifericamente, há comunicação entre a via linfática superficial e profunda. Os vasos comunicantes são capazes de dilatar para redirecionar o fluxo do líquido linfático de um sistema para outro na presença de doença pulmonar que obstrua os vasos linfáticos. Tradicionalmente, os lobos inferiores dos pulmões drenam o seu líquido linfático para os nódulos traqueobrônquicos inferiores. Por outro lado, nódulos traqueobrônquicos superiores drenam o líquido linfático dos lobos superiores.

Visão geral dos gânglios linfáticos do pulmão - vista anterior

Inervação dos Pulmões

O sistema nervoso autonomo e o nervo vago compartilham a responsabilidade de inervar os pulmões. O sistema nervoso autonomo é responsável por dilatar e contrair as vias aéreas e por regular as secreções brônquicas. Ramos do nervo vago e ramos simpáticos dos nervos cardíacos cervicais se unem para formar o plexo pulmonar. Este plexo é subdividido em divisões anteriores e posteriores de acordo com a sua relação com o hilo pulmonar. Além de suprir os brônquios, também inerva a pleura visceral.

Sumário

Cada pulmão ocupa o respectivo hemitórax, com o mediastino e o seu conteúdo localizado entre eles. Eles são suspensos livremente dentro da membrana pleural e são unidos à traqueia e ao coração pelos bronquíolos principais e vasos pulmonares, respectivamente.

A pleura é uma membrana serosa que envolve cada pulmão. A membrana é composta por uma camada visceral que é aderente ao pulmão e uma camada parietal que é fixa à parede torácica interna, vértebra cervical inferior, área costovertebral, mediastino e diafragma. Existe um espaço potencial entre as camadas parietal e visceral conhecida como cavidade pleural.

Cada pulmão é caracterizado por um ápice, uma base, superfícies costais e mediais e limites anterior, posterior e inferior. Os órgãos são de forma aproximadamente cônica e são divididos por fissuras em lobos. O pulmão esquerdo tem dois lobos e uma fissura; enquanto o pulmão direito tem três lobos e duas fissuras. Os lóbulos são então subdivididos em segmentos broncopulmonares; tal que o pulmão esquerdo tem 9-10 segmentos, enquanto o pulmão direito tem 10.

O ápice é o ponto mais alto do pulmão, estendendo-se até à abertura superior torácica. É uma parte em forma de cúpula do pulmão que se projeta acima da primeira cartilagem costal e do terço médio da clavícula. A superfície medial do pulmão é a parte que se depara com o mediastino e que possui várias partes, características e impressões, como as partes anterior e posterior do mediastino, juntamente com a impressão cardíaca e o hilo.

A superfície torácica do diafragma está apoiada na base dos pulmões. No lado esquerdo, o diafragma separa a base do pulmão do baço e do estômago, enquanto à direita separa o pulmão do fígado. A superfície costal do pulmão é menos notável que a superfície medial. É marcado pelas impressões das nervuras sobrepostas e pelos sulcos das respectivas fissuras.

O ventrículo direito bombeia sangue desoxigenado para os pulmões através das artérias pulmonares. Esses vasos surgem do tronco pulmonar quando se bifurca atrás da veia cava superior para dar um vaso a cada pulmão. Cada artéria pulmonar também passa por uma segunda divisão para produzir ramos superiores e inferiores. Enquanto as artérias pulmonares distribuem sangue desoxigenado de baixa pressão para os pulmões, as artérias brônquicas fornecem sangue oxigenado a altas pressões para o órgão e seus elementos de suporte. A maioria dos indivíduos tem dois vasos à esquerda e um à direita.

Os vasos linfáticos que drenam os pulmões originam-se abaixo da pleura e são referidos como plexo subpleural. Este grupo de vasos é subdividido em grupos superficiais e profundos.

O sistema nervoso autonomo é responsável por dilatar e contrair as vias aéreas e por regular as secreções brônquicas. Ramos do nervo vago e ramos simpáticos dos nervos cardíacos cervicais se unem para formar o plexo pulmonar.

Embriologia e anatomia detalhada do pulmão - quer aprender mais sobre isso?

As nossas videoaulas divertidas, testes interativos, artigos em detalhe e atlas de alta qualidade estão disponíveis para melhorar rapidamente os seus resultados.

Cadastre-se para ter uma conta gratuita no Kenhub hoje e se junte a mais de 1.103.016 alunos de anatomia de sucesso.

“Eu diria honestamente que o Kenhub diminuiu o meu tempo de estudo para metade.” – Leia mais. Kim Bengochea Kim Bengochea, Universidade de Regis, Denver

Mostrar referências

Referências:

  • Celis, Eduardo A, and Javier I Diaz-Mendoza. "Lung Anatomy: Overview, Gross Anatomy, Microscopic Anatomy". Emedicine.Medscape.Com, 2017, https://emedicine.medscape.com/article/1884995-overview?pa=P5mqMmCpajBf0h3vbhi5OeQds2oLzbuv5qPjJY4tHbQuwg%2FwJyCysipmnOiJW7oo43mU9jD%2B1DtnxY47OmyybA%3D%3D#a1. Accessed 27 June 2018.
  • Jones, Jeremy, and Craig Hacking. "Bronchial Artery | Radiology Reference Article | Radiopaedia.Org". Radiopaedia.Org, https://radiopaedia.org/articles/bronchial-artery. Accessed 30 June 2018.
  • Knipe, Henry, and Matthew Jarvis. "Bronchial Vein | Radiology Reference Article | Radiopaedia.Org". Radiopaedia.Org, https://radiopaedia.org/articles/bronchial-vein. Accessed 30 June 2018.
  • Moore, Keith L et al. The Developing Human. 9th ed., Elsevier-Saunders, 2013.
  • Standring, Susan. Gray's Anatomy. 40th ed., Churchill Livingstone Elsevier, 2009.

Autor e Layout:

  • Lorenzo Crumbie
  • Francesca Salvador
  • Adrian Rad

Ilustrações:

  • Pulmão direito - vista medial - Yousun Koh
  • Pulmão direito - Raio-x vista medial
  • Pulmão direito - TC corte transversal - vista axial - National Library of Medicine
  • Pulmão esquerdo - vista medial - Yousun Koh
  • Pulmão esquerdo - TC corte transversal - vista axial - National Library of Medicine
  • Pulmão esquerdo - Raio-x vista medial
  • Cavidade nasal - vista lateral-esquerda - Begoña Rodriguez
  • Nasofaringe - vista sagital - Begoña Rodriguez
  • Orofarínge - vista lateral-esquerda - Begoña Rodriguez
  • Laringofarínge - vista lateral-esquerda - Begoña Rodriguez
  • Laringe - vista anterior - Begoña Rodriguez
  • Traqueia - vista anterior - Begoña Rodriguez
  • Carina da traqueia - vista anterior - Begoña Rodriguez
  • Pleura parietal - vista lateral-direita - Yousun Koh
  • Porção cervical da pleura parietal - vista anterior - Yousun Koh
  • Porção costal da pleura parietal - vista anterior - Yousun Koh
  • Parte diafragmática da pleura parietal - vista anterior - Yousun Koh
  • Parte mediastinal da pleura parietal - vista anterior - Yousun Koh
  • Cavidade pleural - vista lateral-direita - Paul Kim
  • Visão geral dos pulmões in situ - vista anterior - Yousun Koh
  • Visão geral da superfície medial do pulmão - vista medial - Yousun Koh
  • Hilo do pulmão - vista medial - Yousun Koh
  • Visão geral da vista lateral dos pulmões - vista lateral - Yousun Koh
  • Fissura oblíqua do pulmão - vista anterior - Yousun Koh
  • Lobo superior do pulmão esquerdo - vista anterior - Yousun Koh
  • Lobo inferior do pulmão esquerdo - vista anterior - Yousun Koh
  • Lobo superior do pulmão direito - vista anterior - Yousun Koh
  • Lobo médio do pulmão direito - vista anterior - Yousun Koh
  • Lobo inferior do pulmão direito - vista anterior - Yousun Koh
  • Fissura horizontal do pulmão direito - vista anterior - Yousun Koh
  • Artéria pulmonar - vista anterior - Yousun Koh
  • Artéria pulmonar - vista posterior - Yousun Koh
  • Ramos da artéria pulmonar direita - Raio-X vista coronal
  • Ramos da artéria pulmonar esquerda - Raio-X vista coronal
  • Veias pulmonares esquerdas - vista posterior - Yousun Koh
  • Veias pulmonares direitas - vista posterior - Yousun Koh
  • Veias pulmonares - vista anterior - Yousun Koh
  • Visão geral dos gânglios linfáticos do pulmão - vista anterior - Yousun Koh

Tradução para português:

  • Rafael Lourenço do Carmo
  • Catarina Chaves
© Exceto expresso o contrário, todo o conteúdo, incluindo ilustrações, são propriedade exclusiva da Kenhub GmbH, e são protegidas por leis alemãs e internacionais de direitos autorais. Todos os direitos reservados.

Desenhos e imagens relacionados

Continue a sua aprendizagem

Leia mais artigos

Mostre mais 6 artigos

Assista videoaulas

Faça teste

Navegue pelo atlas

Muito bem!

Cadastre-se agora e obtenha sua cópia do guia definitivo de estudos de anatomia!

Crie sua conta gratuitamente.
Comece a aprender anatomia em menos de 60 segundos.